Ministro do Meio Ambiente sobrevoa áreas atingidas pelo fogo no Mato Grosso

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobrevoou nesta terça-feira (18), a região do Pantanal, no estado do Mato Grosso, para vistoriar as áreas atingidas por queimadas e as ações de combate aos incêndios. Salles destacou que o Governo Federal está alinhado aos governos estaduais no combate às queimadas.                                                                                        

“Aqui estão alinhados, o Governo Federal, pelas agências de meio ambiente, Forças Armadas, Corpo de Bombeiros do estado, governo do estado fazendo também um grande esforço, mas realmente é um desafio em um clima tão quente, tão seco e com ventos tão fortes”, disse Salles.

“Nós encontramos centenas de pontos de queimadas ao longo da viagem, ao longo do dia. Locais aonde os aviões e os brigadistas têm dado combate direto ao fogo, ininterruptamente, mas, ainda assim, esse fogo vem causando danos à fauna, à flora, enfim, à nossa região aqui no Pantanal”, contou Salles após o sobrevoo.

O ministro destacou o uso de bloqueadores de fogo e o manejo adequado do fogo para controlar e evitar as queimadas. E disse que a aviação agrícola é bem-vinda como apoio às ações de combate aos incêndios. “Assim como a aviação agrícola, as aeronaves federais que aqui estão, junto com as estaduais, também neste combate se valendo do sistema de bloqueadores de fogo, ou seja, dos retardantes”, afirmou.

O ministro explicou que a utilização desse bloqueador tem apresentado mais eficácia que a água, mas que o uso deve seguir as regras e orientações das secretarias estaduais e do Governo Federal. “Restou claro, conversando com os pilotos, com os profissionais que estão na linha de frente que quando há emprego deste produto – dos retardantes, dos bloqueadores de fogo, a eficácia das aeronaves no combate às queimadas é muito superior do que somente o uso da água”.

Sobre o manejo do fogo, Salles chamou atenção para técnicas que evitem as queimadas, reduzindo o material orgânico no local. “Se não for manejado o fogo de maneira adequada, o acúmulo desse material em solo aumenta ainda mais a propagação do fogo em toda a região”.

Existem também focos de incêndios na região do Pantanal que abriga o estado do Mato Grosso do Sul.

Operação Pantanal II

Para combater as queimadas no Pantanal, nos dois estados, está sendo realizada, desde o início deste mês, a Operação Pantanal II, uma parceria entre os governos do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Governo Federal, empresas privadas e produtores. A ação conta com bombeiros, militares, além de brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Mais brigadistas

 Para conter as queimadas em todo País, o Governo Federal aumentou a contratação de brigadistas, que têm papel fundamental na execução de ações de prevenção e de combate aos incêndios florestais, principalmente neste período de seca, quando aumentam as queimadas no Brasil.  

Este ano, segundo o Ministério do Meio Ambiente, foi autorizada a contratação de 3.326 brigadistas pelo Ibama e pelo ICMBio. “É a maior brigada de brigadistas dos últimos anos”, disse o ministro.

Porto Jofre e Poconé

Brigadistas do PrevFogo estão nas regiões de Porto Jofre e Poconé há 8 dias combatendo focos de incêndio e contam com o apoio de cinco aeronaves do modelo AirTractor, capazes de pulverizar até 3 mil litros e autonomia de mais de mil quilômetros. Já as equipes em solo, utilizam técnicas de corta-fogo e são equipados com sopradores e abafadores, entre outros. Na região estão situados o Parque Nacional do Pantanal e o Parque Estadual Encontro das Águas. Também estão localizadas a Estação Ecológica Taiamã, as RPPN Fazenda Estância Dorochê e Estância Ecológica SESC Pantanal, além da Estrada Parque Transpantaneira e da Estrada Parque Poconé-Porto Cercado. Há ainda duas terras indígenas: Perigara, Baía Guató.

Texto original

Deixe um comentário