Comitiva de Mourão encerra visita no Amazonas em encontro com lideranças indígenas

Comitiva de Mourão encerra visita no AM em encontro com lideranças indígenas

Comitiva de Mourão encerra visita no AM em encontro com lideranças indígenas

A comitiva de embaixadores e ministros, liderada pelo vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, encontrou lideranças indígenas de cinco comunidades Ianomami em Maturacá, no interior do Amazonas, nesta sexta-feira (6). Mais cedo, as autoridades visitaram batalhões responsáveis pela segurança nas fronteiras.

A atividade faz parte da visita de três dias à região Amazônica, que foi planejada para que o grupo pudesse observar a situação do desmatamento e das queimadas. As observações aéreas foram realizadas durante os deslocamentos.

Questionado sobre o aumento dos focos de incêndio e desmatamento ilegal na chamada Amazônia Legal, mesmo com o decreto do governo federal para o uso de tropas das Forças Armadas, Mourão afirmou que o governo está fazendo sua parte.

“Não é questão de números isso aí, a questão é usar da consciência do que está acontecendo e que o governo está fazendo a sua parte. Agora, são cinco milhões de quilômetros quadrados. Tem muita gente cometendo ilegalidades, vamos botar uns 15% cometem ilegalidades, espalhados por toda essa área onde você só chega de barco ou de avião, com dificuldade muito grande”, afirmou.

Mourão afirmou ainda que existe uma “política clara” de proteção ao meio ambiente e que o maior problema está, de fato, na região Sul do estado do Amazonas. “Nosso problema está nas bordas, onde houve o encontro entre a Floresta e o avanço das pessoas que moravam no centro-sul e avançaram em busca de terras”, afirmou. “As pessoas têm dificuldades em ter um rendimento e aí terminam fazendo aquela exploração predatória”.

Mourão visitou comunidades indígenas no Amazonas. — Foto: Reprodução/Rede Amazônica

Visita exclui regiões afetadas por fogo

A viagem foi organizada após oito países europeus enviarem uma carta ao vice-presidente afirmando que a alta do desmatamento poderia dificultar a importação de produtos brasileiros. A tentativa do governo era dar uma resposta às críticas que o país sofre na área ambiental.

O roteiro proposto pelo Governo Federal foi criticado por ambientalistas, uma vez que inclui apenas visitas ao Norte do estado, embora as áreas que mais sofram com queimadas e desmatamentos ficarem na região Sul. Apesar da proposta da viagem, segundo Mourão, seja apresentar a “Amazônia real” aos estrangeiros, a programação deixou de fora as regiões mais afetadas pelo fogo.

No primeiro dia de visitas, na quarta-feira (4), a comitiva sobrevoou parte da região norte. Membro do grupo, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, chegou a admitir que havia áreas de queimada na região, mas minimizou o problema citando uma “fogueirinha” (veja o vídeo abaixo). Para ele, se o bioma estivesse realmente em chamas, “a fumaça chegaria a Londres ou Paris”.

Na Amazônia, Heleno diz que se floresta estivesse em chamas, fumaça seria vista em Londres

Na Amazônia, Heleno diz que se floresta estivesse em chamas, fumaça seria vista em Londres

Neste ano, o Amazonas já registra o maior número de queimadas da história, com mais de 16 mil focos.

Já no segundo dia de visita ao Amazonas, nesta quinta-feira (5), a comitiva visitou o ponto turístico do encontro dos rios Negro e Solimões, além da superintendência regional da Polícia Federal em Manaus e áreas rurais com iniciativas de agricultura sustentável na região metropolitana.

Além do vice-presidente, acompanharam a viagem os ministros Tereza Cristina (Agricultura), Ricardo Salles (Meio Ambiente), Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Eduardo Pazuello (Saúde), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e pelo chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, tenente-brigadeiro do ar Raul Botelho.

VÍDEOS: mais assistidos do G1 AM nos últimos 7 dias

Deixe um comentário