Arquivo da Categoria: Popularização da Ciência

Centro de Estudos da Fiocruz Amazônia irá abordar o uso das mídias sociais na divulgação científica

O Centro de Estudos do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) promove na próxima sexta-feira, 17/5, às 10h, a palestra “Compartilhe! o uso de mídias sociais na divulgação científica”, a ser ministrada por Monique Freire dos Reis, pesquisadora da Fundação Centro de Controle de Oncologia (FCECON).

A palestra irá abordar a utilização de mídias sociais como ferramentas de divulgação científica, estratégia que vem sendo utilizada por vários pesquisadores para alcançar um número maior de pessoas e dar visibilidade aos estudos e descobertas, de forma mais acessível.

A apresentação ocorrerá na sala de aula 101, na sede da Fiocruz Amazônia, situada à rua Teresina, 476, Adrianópolis, em Manaus.

SOBRE O PALESTRANTE

Monique Reis é graduada em Medicina pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), especialista em Saúde da Família pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e residência médica em Patologia, pelo Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV).

Atualmente é pesquisadora da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas, e doutoranda do Programa de pós-graduação em Medicina Tropical da UEA em parceria com a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado.

Possui experiência na área de Medicina, com ênfase em Patologia, atuando principalmente nos seguintes temas: HIV/Aids, câncer de colo do útero e controle de qualidade em laboratórios de Patologia.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

Os eventos são gratuitos e ocorrem às sextas-feiras. As atividades são destinadas a estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

Presidente da SBPC concede entrevista à Fiocruz Amazônia

Em entrevista à Fiocruz Amazônia Revista, Ildeu Moreira de Castro, presidente da SBPC, falou sobre a redução e contingenciamentos de recursos que atingem a área de Ciência, Tecnologia e Inovação. O gestor falou ainda sobre o papel da ciência, sobre questões da Amazônia e as estratégias da entidade para fortalecer a Divulgação Científica no Brasil.

CONFIRA A ENTREVISTA:

Professor e pesquisador do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Ildeu Moreira de Castro assumiu em julho de 2017 mais um desafio importante em sua extensa carreira: comandar a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

A entidade foi criada em 1948 e se dedica ao avanço científico, tecnológico, do desenvolvimento educacional e cultural do País, agregando 127 sociedades científicas associadas de todas as áreas do conhecimento. Em entrevista exclusiva à Fiocruz Amazônia Revista, Ildeu falou sobre a trajetória de sete décadas da SBPC e os principais desafios que a comunidade científica enfrenta.

Nesse sentido, ele manifestou preocupação com a redução e contingenciamentos de recursos que atingem a área de Ciência, Tecnologia e Inovação. “O corte atinge a sociedade em vários aspectos. Primeiro, porque hoje a ciência e tecnologia é cada vez mais um elemento fundamental para as nações”, pontuou.

O gestor falou também sobre os seminários temáticos promovidos por todo o País com assuntos voltados para o desenvolvimento social, educacional e científico. Tratou ainda do papel da ciência sobre questões da Amazônia e as estratégias da entidade para fortalecer a Divulgação Científica no País.

Fiocruz Amazônia Revista – A SBPC completou 70 anos, em 2018. Foram muitos desafios, dificuldades e também conquistas e vitórias em prol da ciência e da sociedade. Como o senhor avalia a atuação da instituição para o avanço das discussões e políticas científicas no País e, sobretudo, quais as perspectivas para o futuro considerando a crise política e institucional que enfrentamos?

Ildeu Castro – Em primeiro lugar, a SBPC tem sete décadas de atuação muito intensa na ciência, na educação e na democracia do País e essa história, de certa maneira, é paralela ao crescimento da ciência brasileira nas últimas décadas. A entidade, desde seu início, batalhou muito pela criação das instituições de pesquisa e das agências de fomento e ainda na sua criação ela estava batalhando pela continuidade das pesquisas de São Paulo.

Ela já nasceu sob esse simbolismo pela ciência brasileira. Logo no início participou da luta pela criação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), de Anísio Teixeira, grande criador da Capes que foi presidente da SBPC.

Atualmente, estamos vivendo um momento de resistência, de desmonte, portanto muito difícil do ponto de vista de uma política que não valoriza a ciência e tecnologia e tem reduzido muito os recursos para o investimento, atingindo profundamente agências fundamentais como o CNPq, a Capes, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), as agências de inovação. Por isso temos feito inúmeras manifestações junto ao governo, junto ao Congresso Nacional, fizemos abaixo assinado, Marcha pela Ciência, para colocar isso para a população. Fomos ao Congresso Nacional várias vezes.

Nesses últimos anos, passamos a ter atuação ativa no Legislativo, acompanhamos projetos de lei. A entidade tem se posicionado em várias situações junto ao Legislativo. O segundo ponto é essa questão dos recursos que foram diminuídos drasticamente, temos discutido com os presidenciáveis, alguns deles já se comprometeram com esses pontos e estamos insistindo com outros, inclusive deputados e senadores para que haja uma reversão de redução drástica para ciência e tecnologia.

Vínhamos numa ascensão de 2013, depois começou cair de uma maneira muito abrupta. De fundo temos uma bandeira da SBPC de mais de 20 anos que é 2% no mínimo do PIB para Pesquisa & Desenvolvimento. Na Europa já está chegando em 3% em média, a Coréia está nos 4%, China nos 3%, Estados Unidos e Alemanha também. E no Brasil está patinando no 1% há muitos anos então a gente está insistindo que essa é uma meta importante para os próximos governos e isso significa envolver muito mais a iniciativa privada em recurso para P&D, como acontece em outros países do mundo.

No Brasil, não, pois é o recurso público que arca fundamentalmente com boa parte dos gastos com ciência, inovação pesquisa e desenvolvimento. Esse é um desafio. O terceiro é a questão da burocracia, vivemos num país com burocracia excessiva, regras demais, os gestores, pesquisadores são considerados culpados, a priori, parece que você é culpado, então você tem que provar que não é. Enquanto que no mundo inteiro, como exemplo a Coréia e China, que estão crescendo rapidamente isso não acontece. Também outros países, como Alemanha, França, EUA, Inglaterra, que tem uma condição mais livre de ciência, de troca, de compra de equipamentos, muito menos restrições o comportamento em relação aos pesquisadores é diferente do Brasil.

A falta de ambiente para desenvolver empresas inovadoras no país é um problema e a burocracia é evidentemente um entrave muito grande, a educação básica de qualidade, formação de técnicos, pessoal qualificado é outro problema, já mencionei inclusive, então, esses são desafios. Talvez um desafio maior é a falta no país de um projeto que faça com que a comunidade científica trabalhe em um nicho, claro que a ciência é importante, que ela tem liberdade e pesquisa em várias áreas, mas compete ao estado definir linhas mobilizadoras prioritárias para alocar recursos de ciência e tecnologia.

Todos os países do mundo fazem isso, colocam prioridades, fazem planos. EUA, China fazem planos décadas a frente. Poderia te elencar meia dúzia de desafios pela frente. Um deles é melhorar a educação pública do Brasil, a educação básica e em particular a educação científica. Tem uma proposta sendo discutida no CNE (Conselho Nacional de Educação) de Base Comum Curricular que é muito deficiente do ponto de vista da ciência.

Então nós estamos lá, discutindo, criticando, brigando para que jovens tenham acesso a ciência de uma maneira interessante, temos que melhorar muito a educação que está muito ruim em relação ao ensino médio, na educação científica que não pode fazer de uma maneira apressada que joga fora a criança do colo da mãe, é o desenho que está colocado lá, então esse é um desafio muito grande: melhorar a educação básica brasileira, isso é importante para a ciência para a tecnologia e para o país como um todo.

Continue a leitura na edição online da Fiocruz Amazônia Revista. Clique Aqui.

Fiocruz Amazônia Revista, por Cristiane Barbosa
Foto: Divulgação.

Como preencher e incrementar seu currículo Lattes?

Apesar da grande utilização no meio acadêmico, especialmente para quem deseja dar continuidade aos seus estudos através de cursos de mestrado e doutorado, ou por aqueles que desde a graduação se interessam por pesquisa e fazem iniciação científica, muitas pessoas ainda não sabem exatamente o que é o currículo Lattes, ou quando sabem, têm dificuldade para preenchê-lo ou atualizá-lo.

O currículo é uma ferramenta criada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), por meio da Plataforma Lattes, com o objetivo de integrar as bases de dados, organizar e padronizar os currículos do território nacional.

Com o tema “Como preencher e incrementar seu currículo Lattes”, a pesquisadora Elizabeth Teixeira, professora do Centro Universitário Luterano de Manaus (CEULM/Ulbra), apresentou nesta sexta-feira, 6/4, no Salão Canoas, auditório do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), palestra com sugestões e dicas sobre o currículo Lattes.

A palestra foi organizada pelo Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia, núcleo que oportuniza encontros, conferências, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa, ensino e promoção da saúde.

Acompanhe a entrevista com Elizabeth Teixeira:

Fiocruz Amazônia: Qual a importância do Lattes no meio acadêmico?

Elizabeth – O Lattes vai começar a espelhar a trajetória da pessoa, vai revelar o que ela tem feito, o que tem buscado, as participações, as movimentações interinstitucionais e extrainstitucionais. Quando se está num campo acadêmico é preciso se preparar para um campo profissional, e o lattes é um elemento representador, um cartão de visitas, um retrato profissional e acadêmico, sem falar nos processos seletivos. Durante a graduação a pessoa pode desejar tornar-se um bolsista de iniciação científica, de um programa ou projeto e o processo seletivo é realizado inicialmente pela análise do Lattes.

Fiocruz Amazônia: Qual a melhor maneira elaborar o resumo do Lattes?

Elizabeth – O resumo pode ser automático, cedido pela própria plataforma Lattes, extremamente quantitativo. Eu sugiro que as pessoas façam seus próprios textos, na primeira pessoa, apresentando sua trajetória em uma ordem cronológica. Na medida que você vai caminhando, você vai ter outros elementos para destacar, mas não precisa colocar nesse texto a quantidade de coisas que faz, pois o lattes já faz essa tabulação. O resumo é um texto descritivo qualitativo.

Fiocruz Amazônia: Quais as principais dificuldades encontradas no preenchimento do Lattes?

Elizabeth – Como a gente possui uma tendência de acumular, muito certificado, muito papel, e pouco tempo para atualizar, a pessoa acaba ficando parada na mesma tela e não descendo com o cursor, com isso preenche apenas as opções que são obrigatórias para o Lattes. Palavras-chaves não são obrigatória, outras informações também não, o campo das grandes áreas não é obrigatório, e acabam ficando todos em branco. A gente sugere que periodicamente, com maior regularidade, o usuário da plataforma Lattes a atualize, para não acumular papel e querer inserir vários itens de uma só vez.

Fiocruz Amazônia: Como delimitar um bom perfil profissional dentro da plataforma?

Elizabeth – O que vai definir o perfil é a palavra-chave, pois nesse campo você constrói a tendência.

Fiocruz Amazônia: Que eventos devem ser considerados como “formação complementar” e como diferenciá-los do campo  de“participação em eventos”?

Elizabeth – Formação complementar é quando o pesquisador está se formando, podendo ser a institucional formal, e a complementar é a que você pode fazer participando de oficinas, cursos, processos de atualização. Hoje, neste encontro, cada um que aqui esteve fez uma formação complementar, ou seja, são os cursos onde  se aluno ou estudante. No entanto, se durante um evento apresenta-se trabalhos, tipo resumos, pôsteres, banners, neste caso é participação em eventos. É importante salientar que na mesma oportunidade pode-se ter as duas ações.

Fiocruz Amazônia: Como você analisa a presença dos tópicos “inovação” e “popularização da ciência e tecnologia dentro da plataforma?

Elizabeth – Acredito que nos tópicos de inovação e popularização da ciência e tecnologia, nós ainda estamos muito tímidos. As pessoas tendem a imaginar que inovação é apenas quanto se patenteia algo, da mesma forma que imaginam sobre o que é a popularização. Se eu estou em um evento apresentando um trabalho, eu não estou popularizando ciência e tecnologia? É claro que eu estou. Nós precisamos quebrar essas representações que colocam tudo muito longe de nós.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Foto: Eduardo Gomes

Como preencher e incrementar seu currículo Lattes?

Apesar da grande utilização no meio acadêmico, especialmente para quem deseja dar continuidade aos seus estudos através de cursos de mestrado e doutorado, ou por aqueles que desde a graduação se interessam por pesquisa e fazem iniciação científica, muitas pessoas ainda não sabem exatamente o que é o currículo Lattes, ou quando sabem, têm dificuldade para preenchê-lo ou atualizá-lo.

O currículo é uma ferramenta criada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), por meio da Plataforma Lattes, com o objetivo de integrar as bases de dados, organizar e padronizar os currículos do território nacional.

Com o tema “Como preencher e incrementar seu currículo Lattes”, a pesquisadora Elizabeth Teixeira, professora do Centro Universitário Luterano de Manaus (CEULM/Ulbra), apresentou nesta sexta-feira, 6/4, no Salão Canoas, auditório do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), palestra com sugestões e dicas sobre o currículo Lattes.

A palestra foi organizada pelo Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia, núcleo que oportuniza encontros, conferências, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa, ensino e promoção da saúde.

Acompanhe a entrevista com Elizabeth Teixeira:

Fiocruz Amazônia: Qual a importância do Lattes no meio acadêmico?

Elizabeth – O Lattes vai começar a espelhar a trajetória da pessoa, vai revelar o que ela tem feito, o que tem buscado, as participações, as movimentações interinstitucionais e extrainstitucionais. Quando se está num campo acadêmico é preciso se preparar para um campo profissional, e o lattes é um elemento representador, um cartão de visitas, um retrato profissional e acadêmico, sem falar nos processos seletivos. Durante a graduação a pessoa pode desejar tornar-se um bolsista de iniciação científica, de um programa ou projeto e o processo seletivo é realizado inicialmente pela análise do Lattes.

Fiocruz Amazônia: Qual a melhor maneira elaborar o resumo do Lattes?

Elizabeth – O resumo pode ser automático, cedido pela própria plataforma Lattes, extremamente quantitativo. Eu sugiro que as pessoas façam seus próprios textos, na primeira pessoa, apresentando sua trajetória em uma ordem cronológica. Na medida que você vai caminhando, você vai ter outros elementos para destacar, mas não precisa colocar nesse texto a quantidade de coisas que faz, pois o lattes já faz essa tabulação. O resumo é um texto descritivo qualitativo.

Fiocruz Amazônia: Quais as principais dificuldades encontradas no preenchimento do Lattes?

Elizabeth – Como a gente possui uma tendência de acumular, muito certificado, muito papel, e pouco tempo para atualizar, a pessoa acaba ficando parada na mesma tela e não descendo com o cursor, com isso preenche apenas as opções que são obrigatórias para o Lattes. Palavras-chaves não são obrigatória, outras informações também não, o campo das grandes áreas não é obrigatório, e acabam ficando todos em branco. A gente sugere que periodicamente, com maior regularidade, o usuário da plataforma Lattes a atualize, para não acumular papel e querer inserir vários itens de uma só vez.

Fiocruz Amazônia: Como delimitar um bom perfil profissional dentro da plataforma?

Elizabeth – O que vai definir o perfil é a palavra-chave, pois nesse campo você constrói a tendência.

Fiocruz Amazônia: Que eventos devem ser considerados como “formação complementar” e como diferenciá-los do campo  de“participação em eventos”?

Elizabeth – Formação complementar é quando o pesquisador está se formando, podendo ser a institucional formal, e a complementar é a que você pode fazer participando de oficinas, cursos, processos de atualização. Hoje, neste encontro, cada um que aqui esteve fez uma formação complementar, ou seja, são os cursos onde  se aluno ou estudante. No entanto, se durante um evento apresenta-se trabalhos, tipo resumos, pôsteres, banners, neste caso é participação em eventos. É importante salientar que na mesma oportunidade pode-se ter as duas ações.

Fiocruz Amazônia: Como você analisa a presença dos tópicos “inovação” e “popularização da ciência e tecnologia dentro da plataforma?

Elizabeth – Acredito que nos tópicos de inovação e popularização da ciência e tecnologia, nós ainda estamos muito tímidos. As pessoas tendem a imaginar que inovação é apenas quanto se patenteia algo, da mesma forma que imaginam sobre o que é a popularização. Se eu estou em um evento apresentando um trabalho, eu não estou popularizando ciência e tecnologia? É claro que eu estou. Nós precisamos quebrar essas representações que colocam tudo muito longe de nós.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Foto: Eduardo Gomes

ILMD/Fiocruz Amazônia lança revista de divulgação científica em versão digital

Com a missão de divulgar à sociedade os frutos de esforços científicos, a ‘Fiocruz Amazônia Revista’, é lançada em versão digital, neste mês de dezembro, pelo Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) que é um importante ambiente de pesquisas a serviço da saúde pública, localizado na capital amazonense.

“Este é um meio que complementa e fortalece ainda mais a política de comunicação institucional do ILMD/Fiocruz Amazônia, que já tem agregados outros produtos como o portal institucional, o mural, os eventos institucionais e científicos e as mídias sociais digitais”, destacou o diretor da instituição Sérgio Luz, na apresentação da publicação.  A ideia de elaborar um produto tanto off line (impresso) quanto online (disponível na internet) amplia a abrangência deste importante veículo para os diversos públicos.

A revista conta, nesta primeira edição, com 72 páginas, 14 matérias e 06 sessões que abordam novidades em pesquisas e ações desenvolvidas pela equipe de colaboradores do ILMD a serviço da melhoria das condições de saúde da população.

Um dos diferenciais da revista é a proposta de uma linguagem coloquial e recursos que facilitem a interação com os leitores como o uso do QR Code para acessos direto a vídeos e materiais citados nas matérias e também a indicação de significados de termos técnicos em pequenas caixas de texto explicativos que simulam hiperlinks, alinhando a linguagem off-line a online.

Matéria de capa

A matéria de capa deste primeiro número especial é sobre o método inovador, desenvolvido na Fiocruz Amazônia, voltado para um diagnóstico molecular da infecção pelos vírus Mayaro e Oropouche, de forma precisa e simultânea. Esses vírus apresentam sintomas que podem ser confundidos com outras arboviroses, como por exemplo a dengue, e por este motivo muitos desses casos acabam sendo subnotificados. Especialista nessas arboviroses, o virologista e doutor em microbiologia Felipe Naveca, coordenador responsável pela invenção, disse que a pesquisa levou vários anos até chegar à patente. O leitor pode conferir a matéria completa na revista disponível no portal do ILMD.

Conteúdo de Divulgação Científica

Os leitores também podem conferir, nesta edição especial, uma entrevista exclusiva com a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, que fala sobre a condição de ser pioneira como mulher a conduzir uma importante instituição como a Fiocruz. Nísia também comenta sobre a Fiocruz Amazônia, que, na sua visão, exerce um papel fundamental na pesquisa e no ensino da região.

Outro destaque da publicação é uma matéria sobre a projeção internacional do Curso Técnico de Agente Comunitário Indígena de Saúde e projeto de Estações de Disseminação de Larvicida. Vale a pena conferir os detalhes dessas duas iniciativas.

Uma matéria esclarecedora sobre tuberculose e aspergilose pulmonar foi produzida para mostrar os estudos desenvolvidos na instituição sobre as doenças. Na matéria, pesquisadores sugerem a necessidade da criação de um protocolo de acompanhamento clínico e laboratorial.

Neste primeiro número, é divulgado o trabalho do Laboratório Diversidade Microbiana da Amazônia com Importância para a Saúde (DMAIS) da Fiocruz Amazônia. A matéria mostra uma das pesquisas relevantes do laboratório desenvolvido junto à comunidade do Lago do Limão, no município de Iranduba, que identificou microorganimos causadores de doenças na água e solo.  Os resultados do projeto podem vir a auxiliar uma melhor tomada de decisão pelas autoridades de saúde para minimizar os problemas encontrados na comunidade. Já o Laboratório de Diagnóstico e Controle de Doenças Infecciosas na Amazônia (DCDIA) traz nesta edição uma pesquisa que identifica resistência bacteriana nas UTIs de diferentes hospitais de Manaus e no Igarapé do Mindu.

Gestão e ações institucionais

A parte estratégica do ILMD/Fiocruz Amazônia também teve espaço nesta edição com a matéria sobre a Gestão Eficiente para o futuro com a apresentação do Diagnóstico institucional como marco zero para o planejamento de próximos passos, levado a público durante a Jornada de Pesquisa do ILMD, em 11 de abril deste ano. Um outro fato marcante retratado na revista é a Sessão Especial realizada pela Assembleia Legislativa do Estado em homenagem aos 23 anos do ILMD/Fiocruz Amazônia e Ano Oswaldo Cruz, que foi requerida pelo deputado Luiz Castro.

Os leitores também podem conferir a trajetória de 15 anos de serviços à comunidade da Biblioteca do ILMD, bem como uma reportagem sobre o processo de definição da nova identidade visual do ILMD/Fiocruz Amazônia com o propósito de alinhar estratégia de comunicação ao desenvolvimento institucional.  As ações voltadas para a saúde dos trabalhadores da instituição como a implantação do Programa Circuito Saudável também tiveram espaço editorial garantido nesta edição.

Uma homenagem especial foi registrada nesta primeira edição para o pesquisador Antônio Levino por sua trajetória pessoal e profissional. A publicação traz ainda a notícia de que a pesquisadora Luiza Garnelo é a primeira a conquistar o III Prêmio Fiocruz Mulher de Ciências e Humanidades.

Sessões

A publicação conta com sessões que trazem informações adicionais aos leitores, como o espaço Em campo que tem a proposta de mostrar a cada edição a experiência dos pesquisadores em suas atuações. Nesta edição, a pesquisadora Michele El Kadri, do Laboratório de História Políticas Públicas e Saúde na Amazônia (Lahpsa), trouxe seu relato intitulado ‘A Ciência presente no lugar ou o lugar presente na ciência?’.

Outra sessão é a Saúde em Nota que traz informações rápidas e objetivas sobre fatos que vão ocorrer ou que vão acontecer na instituição; o Calendário da Saúde divulga a cada edição os principais eventos e datas nacionais relacionadas à temática; Já o Multimídia mostra dicas de documentários, filmes e aplicativos relacionados à saúde; Sua leitura é um espaço voltado para indicações de obras disponíveis na bilbioteca; e Na essência, tem a proposta de compartilhar uma breve trajetória histórica de importantes pesquisadores que impactaram na pesquisa científica voltada a melhoria das condições de vida e saúde da sociedade.

Por Cristiane Barbosa

Imagem: Mackesy Pinheiro

Estudantes do 6º CMPM recebem palestras e exposições do ILMD/ Fiocruz Amazônia

Com a proposta de incentivar, fomentar e apoiar o ensino e a pesquisa no âmbito escolar, o 6º Colégio Militar da Policia Militar do Amazonas (CMPM) – Escola Estadual Senador Evandro das Neves Carreira, realizou entre os dias 29 e 31 de agosto, a I Semana de Ciências da Natureza e suas Tecnologias, com o tema: “Educação em Saúde para viver melhor”.

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) participou do evento, por meio de apresentações de palestras e exposições. Um dos destaques entre as atividades apresentadas pela equipe da Fiocruz Amazônia, foi a exposição entomológica, bacteriana e de fungos, realizada pelos Laboratórios de Diversidade Microbiana da Amazônia com Importância para a Saúde (DMAIS), e de Ecologia de Doenças Transmissíveis na Amazônia (EDTA) do ILMD.

“Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)” foi o tema da palestra ministrada pela pesquisadora Rita Bacuri. Já a palestra ministrada por Layssa do Carmo, mestranda do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA), abordou a temática “micoses e doenças de pele”.

Os alunos puderam conferir ainda uma exposição de banners sobre a vida e obra do biólogo, médico sanitarista, cientista e bacteriologista brasileiro, Carlos Chagas, que trabalhou como clínico e pesquisador. Atuante na saúde pública do Brasil, o pesquisador iniciou sua carreira no combate à malária.

O 6º CMPM fica situado à Avenida Felicidade s/n, no Conjunto Viver Melhor, Bairro Lago Azul, Zona Norte de Manaus, e segue o modelo de administração dos demais Colégios sob Gestão da Policia Militar do Amazonas.

A ação visa potencializar as pesquisas realizadas no Instituto, por meio da divulgação dos resultados científicos e tecnológicos para além da academia, por meio de estratégias que alcancem a sociedade, realizando, assim, a popularização da ciência.

Ascom ILMD/ Fiocruz Amazônia

Foto: Edmilson Bibiani

Centro de Estudos do ILMD promove palestra sobre divulgação científica e popularização da ciência

Com o objetivo de mostrar os principais cenários, diálogos de dificuldades e oportunidades, e como pode ser feito o trabalho de divulgação científica e popularização da ciência, a partir das mídias existentes e do papel social que as instituições de pesquisa devem exercer, a palestra desta semana do Centro de Estudos do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), terá como tema: “Divulgação científica e popularização da ciência: responsabilidade social”.

O assunto será abordado pelas pesquisadoras, Maria Olívia Simão, professora da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e pela jornalista, Cristiane Barbosa, doutoranda em Ciências da Informação pela Universidade Fernando Pessoa (UFP/Portugal), nesta sexta-feira, 23/6, às 9h, no Salão Canoas, na sede do ILMD/Fiocruz Amazônia, à rua Teresina, 476, Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus.

Para Maria Olívia, a comunicação do que se faz nos laboratórios precisa chegar até a comunidade. Ela destaca que a sociedade é quem subsidias as pesquisas com o pagamento de impostos, principalmente na área da saúde que é um dos temas que mais desperta interesse da população.

Sobre a oportunidade de falar a respeito desta temática na programação do Centro de Estudos, a pesquisadora ressalta a importância desta sensibilização como parte da formação acadêmica. “Esse espaço tem como público prioritário os alunos de pós-graduação e iniciação científica, então é importante que eles recebam na formação essa sensibilização, para que cheguem no mercado como profissionais mais aptos a lidar com essa realidade”, enfatizou Simão.

PIONEIRISMO

Visando oferecer formação profissional e acadêmica na área de divulgação e jornalismo científico em saúde na Amazônia, capacitar para os processos gerais e técnicas, e aprofundar a reflexão sobre divulgação e jornalismo científico em saúde, com ênfase no contexto Amazônico, o ILMD/Fiocruz Amazônia, já formou duas turmas do curso de especialização em Divulgação e Jornalismo Científico em Saúde na Amazônia.

O curso foi realizado pela Fiocruz Amazônia e o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT/Fiocruz RJ), com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas (SECTI-AM).

Participaram da especialização aproximadamente 60 profissionais com formação em comunicação social e áreas afins, atuantes na mídia local e assessores de comunicação das Instituições de Ensino e Pesquisa; bem como profissionais de outras áreas com experiência na temática da Divulgação Científica na Amazônia.

SOBRE AS PALESTRANTES

Maria Olívia Simão é doutora em Biologia de Água Doce e Pesca Interior, e mestre em Entomologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), graduada em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Foi Secretária Executiva Adjunta de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado do Amazonas, Diretora Técnico Científica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas – FAPEAM e Diretora Presidente da FAPEAM.

Cristiane Barbosa é doutoranda em Ciências da Informação pela Universidade Fernando Pessoa (UFP/Portugal), Mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). É graduada em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo pela UFAM, especialista em Jornalismo Científico e Divulgação Científica em Saúde da Amazônia pelo (ILMD/Fiocruz Amazônia) e em Marketing Empresarial pela UFAM.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

Os eventos ocorrem às sextas-feiras e deles podem participar estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde. A entrada é franca.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes.