Conferência no Inpa discute processos de inovação na Amazônia

O evento objetiva capacitar os integrantes do Arranjo de Núcleos de Inovação Tecnológica na Amazônia Ocidental na cultura e na prática da propriedade intelectual no âmbito das instituições públicas e privadas de ensino e pesquisa da região

 

Por Rachel Chaves – Ascom Inpa

Fotos: Cimone Barros e Rachel Chaves

 

Desenvolver inovação é essencial para a melhoria da qualidade de vida social e econômica. Com esse foco, instituições e empresas incubadoras da área participam da 3ª Conferência sobre Processos Inovativos na Amazônia, nesta segunda e terça-feira (13 e 14), no Instituto Nacional de Pesquisas na Amazônia (Inpa/ MCTIC). O evento visa capacitar Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação, empreendedores, estudantes e interessados em propriedade intelectual, patentes, transferência de tecnologia e empreendedorismo.

A Conferência é promovida pelo Arranjo de Núcleos de Inovação Tecnológica na Amazônia Ocidental (Amoci/ MCTIC), com sede no Inpa. “No Amoci, compartilhamos conhecimentos e informações, cooperando com as instituições entre si com a otimização de recursos, para que há maior produção”, explica a coordenadora do Amoci e de Extensão Tecnológica e Inovação do Inpa, Noélia Falcão.

Nesta terça-feira pela manhã tem palestra sobre Análise e elaboração de contratos de exploração de patente e transferência de tecnologia, Mesa Redonda sobre Fases de maturidade tecnológica e capacitação de recursos para inovação e, à tarde, o 3º Workshop de Inovação Instituto Leonidas e Maria Deane/Fiocruz Amazônia. A conferência acontece no auditório da Ciência do Inpa.

Participaram da mesa de abertura a coordenadora de Ações Estratégicas do Inpa, Hillandia Brandão; o coordenador geral das Unidades de Pesquisas e Organizações Sociais do MCTIC, Luiz Henrique da Silva Borda; o coordenador de Tecnologia e Inovação do Inpa, Paulo de Tarso, e a coordenadora de Extensão Tecnológica e Inovação do Inpa, Noélia Falcão.

Conforme Hillandia Brandão, os conhecimentos discutidos na conferência buscam a produção mais efetiva de tecnologia e inovação na região, por meio de maiores investimentos e interessados no assunto. “O objetivo é gerar produtos que cheguem à sociedade e melhorem a qualidade de vida social”, disse Brandão, que é também é diretora substituta do Inpa.

Na Palestra Magna, o coordenador geral das Unidades de Pesquisa e Organizações Sociais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações (MCTIC), Luiz Henrique da Silva Borda, falou sobre a importância da quebra da barreira inserida dentro da Ciência e Tecnologia, em que a sociedade ainda desconhece a necessidade de atenção que a área possui. Borda alertou para a necessidade de maior crença e investimento das instituições privadas na área “Com investimento em Ciência, há inovação e, consequentemente, maior riqueza e desenvolvimento do país”, afirmou.

Ainda conforme Borda, a Amazônia é celeiro de produção de inovação, por conta dos recursos da região. “Havendo maior interação entre toda a sociedade, pesquisadores, estudantes, empresas e instituições, é possível ter o crescimento, pois a própria população será interessada no tema e consequentemente cobrará o avanço contínuo”, complementou.

O evento contou com a Mesa Redonda sobre a Lei de Acesso a Biodiversidade (13.123/15)/Plataforma do Sistema Nacional de Gestão do Patrimônio Genético e do Conhecimento Tradicional Associado (SisGen), disponibilizada pelo Conselho de Gestão do Patrimônio Genético (CGen). A mesa foi composta por Rosa Miriam de Vasconcelos (Embrapa), Luiz Antonio de Oliveira (Inpa) e Aline Morais (Fiocruz). Os palestrantes reforçaram a necessidade de conhecer e obedecer a lei para que haja a inovação.

 

Conferencia processo inovativos Fotos Raquel Chaves INPA 11

 

“Não havendo a documentação (Termo de Transferência do Material/ TTM) feita adequadamente quando há a exportação de recursos da região, para desenvolvimento de remédio ou vacina em outro país, o Brasil perde e precisa comprar o produto, que foi feito com os recursos daqui”, afirma Morais.

De acordo com o pesquisador do Inpa Luiz Antonio Oliveira, a nova lei da biodiversidade vem acrescentar maior qualidade no processo, mas é necessário que o Brasil seja o detentor da própria biodiversidade. “Cerca de 90% da produção de inovação é de outros países, uma parte dela utiliza recursos brasileiros, o que faz com o país não se encontre entre os mais desenvolvidos”, destacou. “A produção deve ser feita na própria região, ao invés da venda dos recursos para lucro de outros”, defende.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *