Operação Verde Brasil 2: força-tarefa reforça combate ao desmatamento e às queimadas na Amazônia

Reforço nas equipes de bombeiros e brigadistas, em conjunto com os fiscais da Operação Verde Brasil 2, estão intensificando o trabalho de acompanhar e de deter qualquer foco de incêndio durante o período de estiagem no Brasil.

A Marinha do Brasil enviou, na manhã do dia 20 de julho de 2020, uma aeronave UH-15 Super Cougar, para se juntar aos esforços de combate ao incêndio na região da Serra da Fina, Área de Proteção Ambiental da Serra da Mantiqueira.

O helicóptero da Marinha do Brasil se juntou a dois helicópteros do Exército Brasileiro, que foram enviados pelo Comando da Aviação do Exército, e a mais três helicópteros da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

As atividades realizadas contribuíram para a proteção e preservação do Parque Nacional da Serra da Mantiqueira.

Aplicativo Verde Brasil

O Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) desenvolveu o aplicativo Verde Brasil para o registro das ações de combate ao desmatamento, queimada, garimpo, pistas de pouso irregulares e outras ocorrências na Amazônia.

Com a ferramenta, os agentes e militares participantes da Operação Verde Brasil podem enviar fotos e outros detalhes dos locais em que estejam atuando. O aplicativo captura automaticamente a localização da foto, facilitando a identificação do local reportado.

Caso a região não tenha conexão à internet, a ocorrência ficará armazenada e o envio do reporte poderá ser feito posteriormente. O usuário pode acompanhar o histórico de ocorrências e editar as informações antes do envio definitivo.

Com a ferramenta, o Censipam tem um feedback importante das equipes em campo. Os registros vão compor um banco de dados para o planejamento e coordenação das ações da Operação Verde Brasil.

O aplicativo Verde Brasil é voltado para militares das Forças Armadas, polícias civis e militares e servidores de agências e órgãos de fiscalização e proteção ambiental com atuação na operação. Para utilizar a ferramenta, o agente ou militar deverá realizar um cadastro no aplicativo.

O aplicativo Verde Brasil está disponível para download nas plataformas Android e iOS.

Operação Verde Brasil 2

O Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) reuniu uma equipe com representantes de dez instituições governamentais para realizar a integração de dados e informações visando otimizar o trabalho das equipes de campo durante a operação de garantia da lei e da ordem (GLO) para combate a crimes ambientais na Amazônia, batizada de Operação Verde Brasil 2.

O trabalho do Grupo Integrado para Proteção da Amazônia (Gipam) é baseado na análise detalhada de diversas informações já disponíveis em cada órgão. Com a fusão e verificação desses dados, o grupo elabora relatórios que direcionam o planejamento das ações das Forças Armadas e equipes de fiscalização durante a Verde Brasil.

Os relatórios trazem diversos detalhes sobre os crimes ambientais, incluindo informações sobre o tipo de degradação, localização e descrição da área. Os Comandos Conjuntos têm à disposição mapas gerais e específicos que facilitam a visualização dos pontos de interesse.

A metodologia dos analistas sediados no Censipam aplica, por exemplo, o cruzamento de alertas de desmatamento com registros do Cadastro Ambiental Rural (CAR) para verificar se as áreas tiveram autorização para realizar o desmate. Os relatórios contam também com uma investigação detalhada dos representantes dos órgãos policiais, que averiguam a cadeia produtiva envolvida com o crime ambiental.

Além de servidores do Censipam, a equipe conta com representantes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Agência Nacional de Mineração (ANM), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Fundação Nacional do Índio (Funai), Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Serviço Florestal Brasileiro (SFB).

Amazônia Legal

Em coordenação com os órgãos de controle ambiental e de segurança pública, foi atribuída ao Exército Brasileiro a missão de realizar ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais. Nesse sentido, foram realizadas ações para redução do desmatamento ilegal e no combate a focos de incêndio nas áreas de fronteira, nas águas interiores, nas terras indígenas, nas unidades federais de conservação ambiental e em outras áreas dos Estados da Amazônia Legal, a fim de contribuir com a proteção e a preservação daquela região e a percepção positiva do País nos cenários nacional e internacional.

Nessa operação, a Aviação do Exército empregou aeronaves do 2º, 3º e 4º BAvEx, em conjunto com outras agências da esfera federal, no combate a crimes ambientais e ações vocacionadas para o combate ao desmatamento da Amazônia.

Os meios aéreos foram deslocados para região de Porto Velho-RR, Cuiabá-MT, Marabá-PA, Belém-PA, Itaitúba-PA, sendo coordenados pelos Comandos Conjuntos da Amazônia, Oeste e Norte.

Estas ações preventivas e repressivas em faixas de fronteira, terras indígenas, unidades federais de conservação ambiental e outras áreas federais da Amazônia Legal, vem contribuindo para o aprimorando e aumentando o poder de combate, dentre outras vantagens operacionais, além do cumprimento da missão principal de Defesa da Pátria.

Operação Pantanal 

Desde o dia 25 de julho estão sendo realizadas ações das Forças Armadas em Conjunto com as Agências Governamentais, para combater os incêndios florestais na região do pantanal sul mato-grossense.

A Operação Pantanal está em andamento e visa proteger o bioma do Pantanal contra focos de queimadas. Até o dia 30 de julho, 24 focos de incêndio foram apagados no Pantanal.

Como contribuição para a sociedade, pretende-se mitigar os danos à saúde dos habitantes, por problemas respiratórios, na região de Ladário e Corumbá (MS).

Geoinformação

A Diretoria de Serviço Geográfico (DSG) do Exército Brasileiro agregou ao seu portfólio de produtos a capacidade de elaboração de Geoinformação Rápida de qualquer parte do território nacional e com o caráter multifinalitário.  O novo produto de Geoinformação Rápida segue uma metodologia inovadora que envolve a avaliação da qualidade e o uso de insumos de diversas fontes, incluindo: modelos digitais; imagens orbitais e aerotransportadas; bases vetoriais; e bancos de toponímias. Este produto pode ainda ser dinâmico, apresentando a evolução temporal diária de temas de interesse.

O novo produto de Geoinformação Rápida contribui para a garantia da Defesa Nacional e para as diversas atividades da Força Terrestre por disponibilizar uma fonte consistente e oportuna de apoio à tomada de decisão. Por ser multifinalitário, o produto atende tanto ao monitoramento e à proteção das fronteiras brasileiras, como também apoia as atividades de combate à Covid-19, dentre outras aplicações.

No caso do enfrentamento do novo coronavírus, a geoinformação dinâmica representa geograficamente a disseminação e propagação da doença, ressaltando áreas com maior concentração de casos e mais vulneráveis ao contágio.

Covid-19

O Ministério da Defesa ativou 10 Comandos Conjuntos, em âmbito nacional, a fim de contribuir para mitigação dos impactos à população brasileira causado pelo novo coronavírus. Desses Comandos, dois estão sob a responsabilidade da Marinha: o Comando Conjunto da Bahia e o Comando Conjunto do Rio Grande do Norte e Paraíba. A Marinha contribui ainda com almirantes exercendo a Chefia de Estado-Maior dos Comandos Conjuntos Leste, Norte, Oeste e da Amazônia.

As atividades realizadas incluíram ações de defesa nuclear, biológica, química e radiológica; estabelecimento e operação de hospital de campanha expedicionário; apoio logístico de transporte especializado; ações de garantia da lei e da ordem em apoio aos órgãos de segurança pública, caso necessário; capacitação de agentes para atuarem em descontaminação de hospitais, prédios públicos, entre outros; campanhas de doação de gêneros e máscaras de tecidos; e campanha de doação de sangue.

Na Região Norte Navios-Patrulhas Fluviais “Pedro Teixeira”, “Roraima”, “Rondônia” e “Amapá”, subordinado ao Comando da Flotilha do Amazonas, realizaram operações em apoio a Fundação Nacional do Índio (Funai) nas cidades de Barreirinha, Borba, Maués e Nova Olinda do Norte-AM no período de 1 de julho a 22 de agosto.

As ações contribuíram para mitigar os efeitos do novo coronavírus junto à sociedade, sendo realizadas 388 descontaminação de instalações, 235 campanhas de conscientização junto à população, capacitação de 339 agentes para realização de descontaminação, 267 ações de Inspeção Naval e distribuição de 358 toneladas de alimentos.

Qualificação Técnica Especial 

A Marinha do Brasil (MB), realizou o Estágio de Qualificação Técnica Especial de Atuação contra a Proliferação da Covid-19, nos meses de maio e junho, no Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo (Ciasc).

Foram qualificados mais de 500 alunos brasileiros e de nações amigas. Realizado pela Escola de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica (NBQR) e com sua versão internacional coordenada pelo Centro de Operações de Paz de Caráter Naval, do CIASC, o estágio qualificou militares da MB e de 21 nações amigas, onde foram detalhados os agentes biológicos e o novo coronavírus. A atividade foi realizada no formato de Ensino à Distância, disponibilizada em três idiomas: português, inglês e espanhol.

Adicionalmente, foram ministradas capacitações com instruções teóricas e práticas de Defesa NBQR, destinadas ao auxílio à contenção do avanço do novo coronavírus, capacitação de desinfecção de ambiente.

As capacitações tiveram como público-alvo: padres da arquidiocese do Rio de Janeiro, irmãs do Colégio Santo Antônio, funcionários da prefeitura de Duque de Caxias, integrantes da Polícia Militar e Civil do Rio de Janeiro, funcionários dos Hospitais Federal do Andaraí e Municipal Moacyr do Carmo, profissionais de imprensa, agentes públicos da Defesa Civil, dos Bombeiros e funcionários da administração e serviços gerais do Centro Integrado de Comando e Controle, funcionário Câmara Municipal do Rio de Janeiro, membros e voluntários da Cruz Vermelha brasileira.

A iniciativa faz parte de uma série de medidas para evitar a proliferação do vírus, entre elas, qualificar agentes públicos e civis para serem multiplicadores de conhecimentos necessários às ações de combate ao novo coronavírus.

Transporte Aéreo Logístico 

A Força Aérea Brasileira (FAB) realizou, nos dias 16, 17 e 18 de maio, missão de Transporte Aéreo Logístico em apoio à Operação Covid-19.

Uma aeronave C-105 Amazonas transportou profissionais de saúde, além de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), álcool em gel e respiradores para São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga, municípios do Amazonas, totalizando 1.479 quilos.

A missão foi coordenada pelo Comando de Operações Aeroespaciais (Comae) junto ao Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde, e tem como público-alvo a população do extremo oeste do País.

O avião decolou no dia 16 de maio, do município de Guarulhos (SP), carregado com 40 mil máscaras, 12 mil toucas, 10 mil aventais, 200 macacões de proteção, 300 unidades de álcool em gel (500ml), 75 óculos de proteção e 18 respiradores com destino à cidade de Brasília (DF). No dia seguinte, decolou da capital federal com 11 profissionais de saúde do Hospital Militar de Área de Brasília. Os destinos foram os Hospitais de Guarnição de São Gabriel da Cachoeira (AM) e Tabatinga (AM). 

A entrega teve o objetivo de prestar apoio a regiões do Brasil de maior carência de recursos hospitalares e médicos, reduzindo a grande distância que separa tais localidades dos grandes centros e levando esperança àqueles brasileiros.

Força Aérea Brasileira

A Força Aérea Brasileira realizou voo de transporte em apoio à Operação Covid-19 do Governo Federal.

Uma aeronave C-105 Amazonas oriunda de Manaus (AM) realizou, no dia 20 de maio de 2020, transporte de oxigênio para a cidade de Tabatinga (AM), no extremo oeste do País. A missão foi coordenada pelo Comando de Operações Aeroespaciais (Comae) junto ao Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde.

A decolagem ocorreu da cidade de Manaus em destino à Tabatinga. O público-alvo da missão foi a população local, que passou a contar com mais esse recurso no atendimento às vítimas do novo coronavírus.

No retorno à capital do estado, a aeronave transportou cilindros vazios para que pudessem ser reabastecidos e novamente disponibilizados na rede hospitalar.

Com a ação, a FAB dá a certeza de que, independentemente do local e da distância em relação aos grandes centros, o povo brasileiro pode confiar no apoio do Governo Federal nos momentos mais delicados e difíceis.

O Ministério da Defesa ativou, em 20 de março, o Centro de Operações Conjuntas para atuar na coordenação e no planejamento do emprego das Forças Armadas no combate à COVID-19. Nesse contexto, foram ativados dez Comandos Conjuntos, que cobrem todo o território nacional, além do Comando de Operações Aeroespaciais (Comae), pertence à FAB, de funcionamento permanente.

A iniciativa integra o esforço do Governo Federal no enfrentamento ao novo coronavírus que recebeu o nome de Operação Covid-19. As demandas recebidas pelo Ministério da Defesa, de apoio a órgãos estaduais, municipais e outros, são analisadas e direcionadas aos Comandos Conjuntos para avaliarem a possibilidade de atendimento.

Insumos

A Força Aérea Brasileira (FAB) cumpriu missão de transporte de insumos em apoio à Operação Covid-19.

O voo, que teve a coordenação do Comando de Operações Aeroespaciais (Comae) junto ao Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde, foi realizado no dia 19 de maio de 2020.

A aeronave KC-390 Millennium decolou de Anápolis em direção à Manaus, com uma carga de mais de quatro toneladas de álcool em gel doado por uma empresa de cosméticos localizada em Anápolis.

A entrega teve como objetivo apoiar a região Norte do País, em especial o Estado do Amazonas (AM), com material necessário à adoção de medidas de proteção recomendadas pelo Ministério da Saúde contra o novo coronavírus.

A Operação Covid-19, coordenada pelo Ministério da Defesa, mobiliza militares por todo o Brasil. Homens e mulheres das Forças Armadas atuam no enfrentamento à doença, em apoio à população. As ações envolvem descontaminação de espaços públicos, doações de sangue, transporte de medicamentos e equipamentos de saúde, distribuição de kits de alimentos para pessoas de baixa renda, entre outras.

Medicamentos

O Ministério da Defesa apoiou o Ministério da Saúde no controle e distribuição de medicamentos no combate à Covid-19

Trabalho conjunto com Ministério da Saúde e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) no monitoramento da distribuição de medicamentos, otimizando o atendimento ao mercado. O Ministério da Defesa também apoiou ações para a resolução de problemas nos processos de impostação de suprimentos e insumos essenciais ao combate à Covid-19.

Em parceria com os Ministérios da Ciência e Tecnologia e Saúde, iniciou estudo para a criação do primeiro de Laboratório Cívico Militar NB- 4 (Nível de Biossegurança 4, que representa o nível máximo de segurança) da América Latina.

A ação foca a regularização no suprimento, eliminação de problemas de distribuição, ampliação soberania e independência tecnológica e desenvolvimento das capacidades industriais, impactando no incremento da geração de empregos em diversos segmentos da cadeia produtiva.

Transporte de máscaras

Força Aérea Brasileira realiza missão de Transporte Aéreo Logístico em apoio à Operação Covid-19.

Uma aeronave C-105 Amazonas da Força Aérea Brasileira (FAB) realizou, entre os dias 24 e 25 de maio, o transporte de 15 mil máscaras do tipo Face Shields de Canoas (RS) para Maceió (AL), Macapá (AP) e Boa Vista (RR). A missão interministerial foi coordenada pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) junto ao Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde.

A decolagem da cidade de Canoas aconteceu no dia 24 de maio (domingo), às 14:30h (horário de Brasília) transportando a carga para o primeiro destino: Maceió, pousando na localidade às 21:20h. No dia seguinte, o avião decolou da capital de Alagoas às 8:45h e seguiu para Macapá, onde pousou às 13:45h. A última parada do transporte foi em Boa Vista. Após haver decolado de Macapá às 15:05h, o pouso na cidade roraimense ocorreu às 18h.

O material foi destinado aos profissionais da saúde envolvidos no enfrentamento da pandemia e visa a levar um pouco mais de segurança para os que se encontram na linha de frente dos atendimentos hospitalares.

Operação Covid-19

Força Aérea Brasileira realizou missão de transporte de pessoal da saúde em apoio à Operação Covid-19 do Governo Federal.

No dia 29 de junho, uma aeronave KC-390 Millennium transportou profissionais de saúde das Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica), além de especialistas do Ministério da Saúde para a prestação de atendimento às comunidades indígenas no estado de Roraima. Dezoito profissionais da imprensa (nacional e internacional) também acompanham a ação interministerial de apoio aos indígenas. A missão faz parte da Operação COVID-19 deflagrada pelo Ministério da Defesa em coordenação com o Ministério da Saúde.

O avião decolou da Ala 1 – Base Aérea de Brasília (DF) às 12:05h e pousou na Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista (RR) às 17:30h (horário de Brasília). Na capital roraimense, os profissionais de saúde embarcaram em uma aeronave C-105 Amazonas, operada pelo Esquadrão Arara (sediado em Manaus), com destino às comunidades de Surucucu, Auaris, Waikas, Maturacá, Flexal e Tiçoca, de etnias Yanomami, Ye-Kuana e Turepang, localizadas no extremo norte do Brasil, próximas à fronteira com a Venezuela.

A ação denota o cuidado do governo federal e das Forças Armadas em específico com todo o povo brasileiro, por maiores que sejam as distâncias dos grandes centros e das capitais de estado.

Equipamentos de Proteção Individual 

A aeronave KC-390 Millennium decolou de Brasília no dia 6 de junho em direção a São Gabriel da Cachoeira (AM) com mais de 1.970 quilos de Equipamentos de Proteção Individual e insumos hospitalares.

A bordo estavam máscaras cirúrgicas, álcool em gel, luvas, testes de Covid-19, aventais descartáveis, protetores faciais, toucas, medicamentos, além de profissionais de saúde que atuariam no município amazonense, sendo 8 militares do Hospital das Forças Armadas (HFA), 1 da Força Aérea Brasileira, 2 da Marinha do Brasil e 5 do Exército Brasileiro. Todo esse aparato está sendo utilizado para auxiliar no combate ao novo coronavírus.

A ação da Força Aérea Brasileira denota a importância dada por todos os membros da instituição aos brasileiros das regiões mais distantes do País. O município de São Gabriel da Cachoeira, localizado na região conhecida como “Cabeça do Cachorro”, não possui estradas ligando-o até a capital do estado e uma viagem de barco até Manaus (AM) possui duração superior a 3 dias.

Medicamentos

A aeronave C-130 Hércules da FAB, operada pelo Esquadrão Gordo (localizado no Rio de Janeiro), decolou da Ala 11 – Base Aérea do Galeão (Rio de Janeiro) no dia 7 de junho, carregada com 13,2 toneladas de insumos e medicamentos. O avião seguiu em voo direto para Macapá (AP).

Dentre os insumos a bordo estavam: sabão líquido, medicamentos, álcool em gel, alimentos e materiais institucionais da Cruz Vermelha, que fez a doação para contribuir com o reabastecimento de municípios do Amapá e auxiliar no combate ao novo coronavírus.

Transporte de álcool em gel, aventais, máscaras

A Força Aérea Brasileira realizou missão de Transporte Aéreo Logístico em apoio à Operação Covid-19 do Governo Federal.

Uma aeronave C-130 Hércules, operada pelo Esquadrão Gordo (com sede no Rio de Janeiro), realizou, no dia 14 de junho, transporte de aproximadamente 6,6 toneladas de insumos hospitalares para o Hospital de Campanha de Boa Vista (RR).

O avião decolou da Base Aérea de São Paulo (Guarulhos-SP)  e pousou na Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista (RR). Os materiais transportados – álcool em gel, aventais, máscaras, óculos, toucas, respiradores e válvulas – foram destinados para utilização no enfrentamento e atendimento dos pacientes infectados pelo novo coronavírus na região.

O apoio da Força Aérea Brasileira torna possível a ação federal de ressuprimento de itens extremamente importantes para utilização no enfrentamento do novo coronavírus, principalmente nas regiões mais distantes do País.

Suprimentos

Força Aérea Brasileira realizou missão de transporte de material em apoio à Operação Covid-19 do Governo Federal.

Mais de 5,4 toneladas de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), a serem utilizados no combate ao novo coronavírus na região Norte, foram transportados no dia 18 de junho pela FAB. O material foi embarcado em uma aeronave C-130 Hércules, em Guarulhos (SP), e foi entregue na capital Boa Vista (RR), para utilização do Hospital de Campanha de Roraima, braço do Governo Federal no atendimento às vítimas do novo vírus.

Ao todo, a Força Aérea transportou mais de 130 mil unidades de aventais, máscaras e toucas de São Paulo para Boa Vista.

Com a missão, foi possível a entrega de nova leva de suprimentos extremamente importantes para os profissionais que atuam na dianteira do combate ao coronavírus. O Ministério da Defesa, a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira enfrentam, juntos, este delicado momento vivido pelo Brasil, prestando todo o apoio que se fizer necessário nas 27 unidades da federação.

Transporte de glicose, toucas e aventais

Missão de transporte de material em apoio à Operação Covid-19 do Governo Federal.

A Força Aérea Brasileira (FAB) realizou, no dia 1º de julho, mais uma missão de Transporte Aéreo Logístico em apoio à Operação Covid-19. Uma aeronave C-130 Hércules, operada pelo Esquadrão Gordo (com sede no Rio de Janeiro), transportou 8 toneladas de materiais de saúde, de Guarulhos (SP) para Boa Vista (RR). A missão foi coordenada pelo Comando de Operações Aeroespaciais (Comae) junto ao Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde.

O avião decolou da Base Aérea de São Paulo e pousou na Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista, onde fez o descarregamento dos itens hospitalares. A carga transportada, contendo glicose, toucas e aventais, foi destinada ao enfrentamento do novo coronavírus.

A ação produz benefícios diretos aos brasileiros da região Norte, de modo especial aos profissionais da saúde, ao fornecer-lhes subsídios para melhor atuar em suas tarefas diárias de atendimento às vítimas da doença.

Transporte de material e de pessoal para a Região Norte 

Em apoio contínuo à Operação Covid-19 do Governo Federal, Força Aérea Brasileira realizou o transporte de material e de pessoal para a região Norte do País.

Diversas aeronaves da FAB realizaram, entre o dia 5 e 8 de julho, missões de Transporte Aéreo Logístico (pessoal e material). As aeronaves KC-390 Millennium, C-130 Hércules e C-97 Brasília transportaram profissionais de saúde que atuam no enfrentamento ao novo coronavírus, além de equipamentos hospitalares, para a região Norte. As missões foram coordenadas pelo Comando de Operações Aeroespaciais (Comae), junto ao Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde.

No dia 5 de julho, domingo, um avião C-97 Brasília, operado pelo Esquadrão Cobra (sediado em Manaus-AM), decolou da Ala 8 – Base Aérea de Manaus (AM) com destino a São Gabriel da Cachoeira (AM). A aeronave transportou médicos do Exército Brasileiro (EB) para atuarem no município amazonense.

No dia 6 de julho, a aeronave KC-390 Millennium, operada pelo Esquadrão Zeus (sediado em Anápolis-GO), decolou da Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista (RR) com profissionais de saúde que prestaram assistência às comunidades indígenas em Roraima e retornaram para seus lares. Os destinos do avião foram a Ala 1 – Base Aérea de Brasília (DF) e a Base Aérea de São Paulo.

No dia 7 de julho, uma aeronave C-130 Hércules, operada pelo Esquadrão Gordo (com sede no Rio de Janeiro-RJ), transportou 8,5 toneladas de materiais entre o Rio de Janeiro (RJ) e Boa Vista (RR). O avião decolou da Ala 11 – Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro, e pousou na Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista. Ao todo, foram transportadas 142 camas que serão utilizadas pelo Hospital de Campanha de Roraima.

No dia 8 de julho, um KC-390 Millennium, operado pelo Esquadrão Zeus (com sede em Anápolis-GO), decolou de Brasília (DF) carregado com cerca de 1,8 tonelada de insumos hospitalares e álcool em gel. O pouso ocorreu na cidade de Manaus (AM), onde desembarcou os materiais que serão usados no combate ao coronavírus nas capitais do Amazonas e do Amapá.

As ações impactaram positivamente os brasileiros das regiões distantes dos grandes centros e que necessitam de assistência médica no delicado período pelo qual o País passa. 

Transporte de seringas, aventais, fraldas geriátricas, filtros bacteriológicos

Missão de Transporte Aéreo Logístico, realizada pela Força Aérea Brasileira, em apoio à Operação Covid-19.

Cerca de 8 toneladas de material para utilização no combate à pandemia do novo coronavírus foram transportadas pela Força Aérea Brasileira (FAB) no dia 20 de junho, sábado. Uma aeronave C-130 Hércules do Esquadrão Gordo (com sede no Rio de Janeiro) decolou da Base Aérea de São Paulo às 12:20h e pousou na Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista às 19:00h (horário de Brasília).

Para utilização no Hospital de Campanha de Roraima, a carga foi composta de: seringas, aventais, fraldas geriátricas, filtros bacteriológicos, sondas de aspiração para tubo traqueal, cateteres para infusão, colchões e coletores.

Os principais beneficiados com a missão realizada foram o Hospital de Campanha de Roraima (bem como toda a equipe da área de saúde) e a população, certos de que itens tão importantes para o dia a dia daqueles que atendem as vítimas do novo Coronavírus serão sempre ressupridos pelas asas que protegem o País.

Apoio às populações indígenas 

No domingo, dia 7 de junho, teve início uma ação interministerial envolvendo os Ministérios da Defesa e da Saúde para apoio às populações indígenas residentes no entorno do município de São Gabriel da Cachoeira (AM). Foram atendidas três comunidades próximas a Pelotões Especiais de Fronteira (PEF) do Exército Brasileiro, na região conhecida como a “Cabeça do Cachorro”, no noroeste do estado do Amazonas.

A primeira comunidade atendida foi Maturacá. Em apoio à missão, a Força Aérea Brasileira (FAB) realizou o transporte de profissionais de saúde e 2.696 quilos de insumos, dentre eles medicamentos de combate à Covid-19, Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e cestas de alimentos. A aeronave C-105 Amazonas, operada pelo Esquadrão Onça (com sede em Campo Grande-MS), atuou no período de 7 a 14 de junho. Além de Maturacá, foram atendidas as comunidades de Iauretê e Querari.

Maturacá fica próximo ao Pico da Neblina, ponto mais alto do Brasil. Localizada a 140 quilômetros em linha reta a partir de São Gabriel da Cachoeira, o percurso de barco dura até dois dias e, de avião, cerca de 30 minutos. Diante das peculiaridades da região, o apoio aéreo é imprescindível para acesso ao local.

Além do apoio prestado pelo Esquadrão Onça, outra aeronave da FAB, o KC-390 Millennium, operada pelo Esquadrão Zeus (com sede em Anápolis-GO), decolou de Brasília para São Gabriel da Cachoeira no dia 6 de junho, sábado, transportando profissionais da saúde de diversas especialidades do Hospital das Forças Armadas (HFA) e da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) do Ministério da Saúde. A bordo também estavam cerca de 2 toneladas de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), medicamentos e testes de detecção de COVID-19 e de malária.

Nos dias 7 e 8 de junho, a aeronave C-105 Amazonas realizou o transporte aéreo logístico dos profissionais de saúde do HFA, da SESAI, e mais dois médicos do Hospital Militar de Área de Manaus (HMAM), de São Gabriel da Cachoeira para Maturacá. Além de pessoal, a aeronave transportou insumos como medicamentos, EPI e cestas básicas alimentícias.

Os militares da área de saúde formam uma equipe multidisciplinar das três Forças: da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira (FAB), nas especialidades de Clínica-Médica, Ginecologia-Obstetrícia, Enfermagem, Cardiologia e Pediatria.

Na região de Maturacá vivem cerca de 600 indígenas da etnia Yanomami. Ao longo do primeiro dia da ação, a equipe de saúde das Forças Armadas atendeu 31 pacientes. Um dos líderes da comunidade, o Cacique Henrique, agradeceu o apoio, reconhecendo, nas ações dos militares e profissionais da saúde, um verdadeiro ato de carinho.

Reforço as equipes médicas e de enfermagem 

No dia 5 de junho, sexta-feira, 12 militares, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem, provenientes do Distrito Federal, do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro, foram enviados, em caráter emergencial, para Macapá (AP). Eles reforçam as equipes médicas e de enfermagem do Hospital Universitário do Amapá, que atua na linha de frente no tratamento de pacientes com o Coronavírus.

A unidade hospitalar do Amapá está em fase de conclusão de suas obras e uma parte de suas dependências foi preparada e considerada, pelo Governo Federal, como hospital de campanha, recebendo equipamentos de proteção individual, materiais hospitalares e outros equipamentos para ativação parcial dos seus 109 leitos, sendo 32 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), 36 clínicos, 16 para nefrologia, 5 pediátricos e quatro destinados a indígenas.

Os militares da saúde, que somaram esforços à equipe civil do hospital, estiveram na linha de frente do combate à Covid-19 no Amapá no período de 6 a 20 de junho, contribuindo para garantir saúde pública de qualidade no enfrentamento ao novo vírus. A missão foi uma prova de que as Forças Armadas estarão sempre prontas para auxiliar a nação brasileira nos diversos momentos, sempre que solicitadas.

Gestão Esportiva

O Curso FAEM visa capacitar militares e civis que desempenham funções relacionadas ao desporto nas Forças Armadas, promovendo assim uma visão padronizada das diversas vertentes que compõem o Desporto Militar Brasileiro.

O FAEM 2020 será aplicado em todo território nacional e ocorrerá no modo de Educação à Distância, com uma carga horária de 40 horas e sua execução conta com o apoio do Centro de Educação a Distância do Exército (CEADEx).

Este curso proporciona ao aluno militar ou civil conhecimentos básicos a respeito das estruturas, legislações e das interações que ocorrem entre os organismos nacionais e internacionais no âmbito do desporto, em complemento aos seus conhecimentos técnicos previamente adquiridos, facultando-o assim um aprimoramento na área de Gestão Esportiva.

Transporte de EPI para SP e EP

Uma aeronave C-105 Amazonas da Força Aérea Brasileira (FAB) realizou, no dia 22 de maio, transporte de 4,5 toneladas de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) de Guarulhos (SP) para Macapá (AP). A missão interministerial foi coordenada pelo Comando de Operações Aeroespaciais (Comae) junto ao Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde.

O avião decolou de Guarulhos transportando a carga contendo máscaras, aventais, luvas e óculos, além de álcool em gel com destino à Macapá. O público-alvo da missão foi a Secretaria Estadual de Saúde do Amapá, e os itens serão utilizados por profissionais de saúde no combate ao novo coronavírus.

Atenção à Saúde Indígena

A ação de Atenção à Saúde Indígena, coordenada pelo Ministério da Defesa, visa apoiar a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) do Ministério da Saúde, que teve por objetivo mitigar os impactos às comunidades indígenas isoladas causados pela Covid-19. A ação está amparada pela Diretriz Ministerial de Execução nº 7/2020 e Portaria nº 1.227/GM-MD, de 20 de março de 2020, por meio das quais o Ministério da Defesa (MD) empregou recursos humanos, instalações e meios aéreos, terrestres e navais da Marinha, do Exército, da Aeronáutica e do Hospital das Forças Armadas (HFA).

Para todas as missões que se destinaram especificamente paras as áreas indígenas foram realizados pelo Ministério da Defesa meticuloso planejamento, envolvendo deslocamento, divulgação para as comunidades indígenas pela SESAI das datas e locais de atendimento e, compulsoriamente, procedimentos de segurança biológica com exames prévios e isolamento social das equipes médicas e de apoio que compunham as Missões, visando a proteção dos indígenas contra a contaminação pela Covid-19.

Durante as Missões foram realizados atendimentos médicos, fornecimento de insumos de saúde, equipamentos de proteção individual (EPI), medicamentos e testes, em apoio à Ação Interministerial no combate à pandemia da Covid-19. As Missões abaixo foram realizadas em regiões onde vivem cerca de 36,5 mil indígenas, totalizando cerca de 15 mil procedimentos entre atendimentos médicos e de enfermagem, orientação para boas práticas de higiene, triagens e testes da Covid-19:

  • De 7 a 15 de junho, na região de São Gabriel da Cachoeira, AM. Primeiramente foram atendidos indígenas da etnia Yanomami, em Maturacá, fronteira com a Venezuela no 5º Pelotão Especial de Fronteira. Em Querari, fronteira com a Colômbia, foram atendidos indígenas da etnia Kubeo no 2º Pelotão Especial de Fronteira. Em Iauaretê, fronteira com a Colômbia, a localidade mais populosa da “Cabeça do Cachorro” com cerca de 3 mil indígenas, foram atendidos indígenas da etnia Tucanos no 1º Pelotão Especial de Fronteira.
  • De 17 a 22 de junho, em Atalaia do Norte, Palmeiras do Javari, Polo Base Itacoaí e Polo Base São Luís, do Vale do Rio Javari, AM, onde vivem 7 mil indígenas de sete etnias diferentes, numa área de 85.445 km².
  • De 29 de junho a 6 de julho, nas comunidades indígenas Auaris, Waicás e Surucucu (Yanomami), e Uiramutã (Raposa Serra do Sol), em RR, onde vivem cerca de 4 mil indígenas. Foram 253 atendimentos médicos. Também foram realizados 598 procedimentos de enfermagem, 278 triagens, 209 testes da COVID-19 (todos negativos).
  • De 18 a 20 de julho, nas comunidades indígenas do Complexo Tumucumaque, das etnias Tiryós e Kaxuyana. Além de assistência médica a 2 mil indígenas, a Missão entregou 2,5 toneladas de insumos de saúde, EPI, medicamentos e 6 toneladas de cestas básicas.
  • De 27 de julho a 16 de agosto, foi realizada a Missão Xavante que alcançou regiões onde vivem 20,5 mil indígenas. A Missão Xavante foi dividida em 3 Fases: a 1ª Fase de atendimento ocorreu no período de 27 de julho a 03 de agosto, nas Terras Indígenas Xavante, nos Polos Bases de Campinápolis, MT (Aldeias Aldeona, São Pedro e Santa Clara) e São Marcos, MT (Aldeia Namunkurá), onde vivem 9,7 mil indígenas da etnia Xavante e foram realizados 6,7 mil atendimentos; a 2ª Fase foi realizada de 3 a 9 de agosto em quatro aldeias da etnia Karajá, divisa entre MT e TO, com população de cerca de 2,5 mil indígenas e 1,4 mil procedimentos entre triagens, testes rápidos da Covid-19 e consultas médicas; e a 3ª Fase ocorreu de 10 a 16 de agosto, nas áreas dos Polos Base de Sangradouro e Água Boa, no estado do Mato Grosso, com população de cerca de 8,3 mil indígenas e 5,8 mil procedimentos entre triagens, testes rápidos da Covid-19 e consultas médicas.

A ação visa mitigar impactos sociais e prover plena atenção à saúde de comunidades indígenas isoladas causados pela Covid-19.

Operação de resgate de marinheiro acidentado em navio estrangeiro

O Esquadrão Falcão (Primeiro Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação – 1º/8º GAV), sediado em Parnamirim (RN), resgatou, no dia 29 de maio de 2020, um homem que sofreu acidente em um navio estrangeiro que navegava na costa brasileira. O Comando de Operações Aeroespaciais (Comae), organização da Força Aérea Brasileira (FAB) sediada em Brasília e responsável pela coordenação de missões aéreas, acionou o Esquadrão após o contato do órgão integrante da estrutura SAR – Search And Rescue – Busca e Salvamento, em inglês, de Recife (Salvaero Recife).

Antes da decolagem do helicóptero, militares do Esquadrão de Saúde de Natal analisaram as informações recebidas pelo Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo (Salvamar) sobre o estado da vítima, que apresentava fratura exposta na perna esquerda. O navio, oriundo de Malta, foi localizado a cerca de 470 km da costa brasileira, na direção da cidade de Natal (RN).

A aeronave H-36 Caracal decolou de Parnamirim (RN) para Fernando de Noronha (PE), onde realizou pouso técnico e, em seguida, voou até a posição do navio para realizar o resgate. O helicóptero manteve o voo pairado enquanto os homens de resgate SAR desceram até o convés, imobilizaram a vítima e a içaram em uma maca. Ao final, o Esquadrão transportou o paciente para a capital do Rio Grande do Norte para receber atendimento médico especializado. Toda a operação durou aproximadamente cinco horas.

A tripulação do helicóptero, formada por 11 militares, sendo 2 pilotos, 3 operadores de equipamentos, 3 homens de resgate, 2 médicas e 1 enfermeira, usou trajes especiais para minimizar o risco de qualquer contaminação.

O tempo de resposta da missão foi muito importante devido ao estado delicado de saúde da vítima, que, caso não fosse resgatado a tempo, poderia evoluir rapidamente para um quadro mais crítico.

Assessoramento Científico do Instituto Militar de Engenharia 

O grupo Covid-19 Assessoramento Científico do Instituto Militar de Engenharia (IME) tem por objetivo identificar alternativas de enfrentamento que apoiem a sociedade na mitigação da Covid-19.   Neste sentido, uma das pesquisas realizadas foi a disponibilização on-line, pelo subgrupo de sistema de monitoramento, de modelagem e de simulação, de uma ferramenta baseada em mapas que possibilita o acompanhamento da evolução espacial dos casos da doença no território nacional.

Dentre as diversas informações disponibilizados no sistema, destaca-se o “mapa de calor”, constituído de um mapa com sombreados coloridos com tonalidades que vão do azul ao vermelho, indicando os locais com maior incidência de casos de contaminação pelo vírus. Todas as informações apresentadas no sistema são obtidas de fontes públicas, tais como dados oficiais do Ministério da Saúde e dados disponibilizados por outros pesquisadores brasileiros, sendo recuperadas de forma automatizada e apresentadas de uma maneira simples sobrepostas a diferentes visualizações de cartas do território brasileiro.

A disponibilização tecnológica do Sistema está contribuindo para o assessoramento científico-tecnológico e para a tomada de decisão de Órgãos Governamentais, tanto para alocação de meios como na adoção de medidas para conter a evolução da pandemia. Além disso, oferece à população informação atualizada a respeito da evolução da pandemia de Covid-19.

Painel de Monitoramento 

Pesquisas realizadas pelo grupo Covid-19 Assessoramento Científico do IME, destaca-se a disponibilização on-line de um Painel de Monitoramento e de apoio à decisão baseado em gráficos visuais e mapas. O Painel possibilita o acompanhamento da doença no território nacional, tomando por base dados de fontes públicas.

O Painel de Monitoramento é interativo e constitui-se de um conjunto de gráficos visuais que permitem observar o comportamento da pandemia por Estado e por dia, organizados em 3 abas: principal, recuperados e óbitos. Destacam-se os gráficos de dispersão (bolhas) da aba de Óbitos. São visuais dinâmicos que mostram a posição em que se encontra cada UF ao longo do tempo, rastreando sua trajetória dia a dia, com relação ao número de mortes recentes. Para monitorar e acompanhar o andamento das ocorrências de Covid-19 foi preciso realizar este tipo de modelagem e configurar uma ferramenta de extração de dados, de modo a organizá-los na forma de modelo dimensional. 

A utilização dessa ferramenta contribui para o assessoramento científico-tecnológico e para a tomada de decisão de Órgãos Governamentais tanto para alocação de meios como na adoção de medidas para conter a evolução da pandemia. Igualmente, permite a disponibilização à população de informação atualizada a respeito da evolução da pandemia de Covid-19. A concepção de novas tecnologias tem possibilitado às Organizações Militares da Força contribuir com os esforços dos Governos Federal, Estaduais e Municipais no combate ao coronavírus.

Recuperação de ventiladores pulmonares

O Ministério da Defesa (MD) se envolveu na coordenação junto a empresas voluntárias, entidades civis (Senai) e outros entes do Governo para manutenção/recuperação de 3400 ventiladores pulmonares. Até agora, mais de 2 mil aparelhos foram recuperados e devolvidos às instituições de saúde em todo o País.

O MD também criou, desenvolveu e operacionalizou, por meio da plataforma web, a campanha “Covid-19– PRODUTOS AO ALCANCE DE TODOS” para o cadastramento voluntário de empresas brasileiras e respectivos produtos para o enfrentamento à Covid-19.  Além disso, coordenou o esforço de mobilização de setores indústria nacional para conversão de linhas de produção para a fabricação de ventiladores pulmonares, realizou levantamento, em auxilio ao Ministério da Saúde, de empresas nacionais fabricantes de aventais cirúrgicos, eletrocardiógrafos e oxímetros.

Em outra ação, o MD auxiliou a iniciativa do novo sistema de testagem por alta tecnologia em desenvolvimento, fruto de parceria público-privada no Triangulo Mineiro e apoiou  ações para a realização de provas de conceito em sistema de detecção de possíveis enfermos e túneis de sanitização em áreas públicas (Universidade Técnica Federal do Paraná-UTFPR), Federação das Indústrias do Estado do  Paraná (FIEP) e Federação das Indústrias do Estados de Santa Catarina (FIESC)).

As ações impactam na manutenção soberania e independência tecnológica, desenvolvimento de capacidades científicas, industriais e geração de empregos no País.

Ação Cívico-Social

A Marinha do Brasil contribuiu com Ação Cívico-Social levando atendimento médico e alimentos para aldeias indígenas na fronteira do Brasil e realizou a comissão de Assistência   Hospitalar (ASSHOP), pelo Navio de Assistência Hospitalar Tenente Maximiano, no trecho compreendido entre Ladário (MS) –  (km 1.515) e Porto São Francisco (km 1.666), atendendo as populações Ribeirinhas.

Foram realizadas Ação Cívico Social no período 17 a 21 de julho de 2020, em 14 aldeias das etnias Tiriós e Kaxuyana, localizadas no Parque Nacional do Tumucumaque, cerca de 10 km da fronteira com o Suriname, ocasião em que foi prestado apoio médico-odontológico e humanitário a cerca de 2.000 indígenas, auxiliando no enfrentamento à Covid-19.

A Comissão ASSHOP em lide, teve como propósito prestar assistência médica à população ribeirinha do rio Paraguai, bem como orientá-los sobre as medidas profiláticas de combate ao Covid-19.

Além disso, as comunidades indígenas foram beneficiadas com mais de 700 atendimentos nas áreas de Dermatologia, Pediatria, Ginecologia, Clínica Geral e Odontologia, com a realização de atendimentos médicos, avaliações de pré-natal, exames de glicemia, testes para Covid-19, odontologia preventiva e saúde bucal em escovódromo. E também foram distribuídos medicamentos e doadas 7,5 toneladas de alimentos que beneficiaram 500 famílias indígenas.

Durante a comissão ASSHOP, alcançou-se os seguintes resultados: 3 localidades atendidas, 33 pessoas atendidas, 28 procedimentos médicos realizados, 3 procedimentos odontológicos e 512 medicamentos distribuídos, ampliando o atendimento às populações ribeirinhas.

Segurança Pública

A Diretriz Ministerial de Planejamento 06/2020, de 18 de março de 2020, determinou aos Comandantes da Forças Singulares o planejamento das ações de apoio aos órgãos de saúde e de Segurança Pública para mitigar os impactos à população brasileira causados pelo novo coronavírus.

A então denominada “Operação Covid-19”, concebida e conduzida pelo Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), do Ministério da Defesa, e pelas Forças Armadas Brasileiras, consiste em atividades destinadas a minimizar os impactos para a população brasileira causados pelo novo coronavírus, situação declarada como Emergência em Saúde Pública de Importância Internacional pela Organização Mundial de Saúde (OMS), com a possibilidade de solicitação de emprego das Forças Armadas para apoio às ações aos órgãos de saúde e de Segurança Pública, com fulcro no art. 16 e seu parágrafo único, da Lei Complementar nº 97, de 9 de julho de 1999.

Ressalta-se que, em fevereiro do corrente ano, já havia sido realizada uma outra operação, com propósito semelhante, denominada ‘Regresso à Pátria Amada Brasil’, em virtude do isolamento da população da cidade de Wuhan, na China. Então, a partir da decisão do Presidente da República, foi elaborada a Diretriz Ministerial nº 2/2020, de 4 de fevereiro de 2020, que, de forma simplificada, regulou o emprego das Forças Armadas para a retirada de nacionais e familiares da cidade de Wuhan, na China. Dessa forma, duas aeronaves VC-2 (modelo Embraer – 190) da FAB decolaram da Base Aérea de Brasília com destino à Wuhan – China, no dia 05 de fevereiro, regressando à Base Aérea de Anápolis – Brasil, no dia 08 de fevereiro, com 34 nacionais e familiares estrangeiros.

Assim, no período de 20 de março à 17 de julho de 2020, a “Operação Covid-19” proporcionou os seguintes principais benefícios para a sociedade:

  • 2.463 campanhas de conscientização junto à população
  • 12.560 ações de capacitação de pessoal para descontaminação
  • Presença em 7.765 postos em apoio aos Órgãos de Segurança no controle de circulação na fronteira
  • 3.478 barreiras sanitárias instaladas
  • 2.643 ações de apoio a Órgãos de Saúde
  • 1.771 postos de triagem instalados
  • 1.204 expansões de leitos para internação
  • 3.971 ações de descontaminação de locais públicos
  • 19.305 toneladas de material transportado
  • Transporte aéreo para repatriação de 70 passageiros brasileiros
  • 806.874 cestas básicas doadas distribuídas
  • 24.555 litros de álcool em gel produzidos
  • 22.981 doações de sangue conduzidas

Assistência Humanitária à República Libanesa

Duas aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) decolaram da Base Aérea de São Paulo com destino ao Líbano (BASP), no dia 12 de agosto, em cumprimento à missão de Assistência Humanitária à República Libanesa. O KC-390 Millennium, que realiza pela primeira vez uma missão internacional tripulado apenas por militares da FAB, transportou cerca de seis toneladas de medicamentos, alimentos e equipamentos de saúde para o atendimento emergencial às famílias afetadas. Já a aeronave Embraer 190 VC-2 transportou a delegação oficial, chefiada pelo ex-Presidente Michel Temer. Os aviões chegaram à capital libanesa, Beirute, na tarde do dia 13 de agosto.

Antes da decolagem das aeronaves, foi realizada uma cerimônia alusiva ao início da missão especial à Beirute. A solenidade foi presidida pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro, que foi recebido pelo Comandante da Aeronáutica.

O Presidente Jair Bolsonaro entregou ao ex-Presidente Michel Temer as Bandeiras do Brasil e do Líbano, em um gesto que simboliza o efetivo comprometimento entre as Nações. Em seu discurso, destacou a prontidão com que as instituições brasileiras se mobilizaram para a concretização da ajuda.

O KC-390 Millennium é o maior avião militar multimissão desenvolvido e fabricado no hemisfério sul, tendo capacidade de realizar missões de Transporte Aéreo Logístico, Reabastecimento em Voo (REVO), dentre outras. A aeronave foi desenvolvida para atender aos requisitos operacionais da FAB, provendo mobilidade estratégica às Forças de Defesa do Brasil. A primeira unidade do KC-390 Millennium, da fabricante brasileira Embraer, foi recebida pela FAB em setembro de 2019, a segunda, em dezembro do mesmo ano; e o terceiro KC-390 foi entregue em 27 de junho de 2020.

A referida missão humanitária, realizada por meio das asas da Força Aérea Brasileira, reforça os laços de estima e solidariedade com o povo libanês, além de expressar a profunda consternação do governo brasileiro com o acidente ocorrido em Beirute.

 

Texto original

Deixe um comentário