Governo oferecerá consultoria agrícola digital a produtores familiares do Nordeste

Agricultores familiares do Nordeste vão ter consultoria agrícola digital. Por meio de mensagem de celular, eles vão receber informações de extensão rural como técnicas de plantio e manejo das culturas. O anúncio do novo serviço foi feito nesta terça-feira (18), pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina. A iniciativa é uma parceria do ministério com o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA).

Brasil será o primeiro país da América Latina a implantar o programa que é desenvolvido pela organização PAD – Agricultura de Precisão para o Desenvolvimento, que tem como um dos fundadores o Prêmio Nobel de Economia 2019, Michael Kremer. O projeto está presente em oito países da África e da Ásia, alcançando 3,6 milhões de agricultores.

Pelo programa, o agricultor familiar vai receber, duas vezes por semana, informações em linguagem simples com dados meteorológicos, manejo das culturas e do rendimento das colheitas. As mensagens chegarão, inclusive, aos agricultores que não tem internet, pois o sinal de telefonia é suficiente para recebê-las.

“Esse modelo permite que pequenos agricultores familiares tenham acesso a informações precisas por meio de seus telefones celulares para manejar e melhorar seus sistemas de produção. Fazer chegar a esses agricultores informações meteorológicas, técnicas de plantio, manejos e tratos culturais, sanidade e rendimento das colheitas, investindo na digitalização dos serviços de extensão rural”, explicou a ministra Tereza Cristina.

Esse serviço vai auxiliar os agricultores sobretudo no momento em que as visitas presenciais de extensão rural não são possíveis em razão da Covid-19.

A ministra ressaltou que a tecnologia é uma aliada da produtividade e da transformação no campo. “Há pouco menos de 50 anos, com muita pouca tecnologia disponível para a agricultura, o Brasil era um importador de alimentos. Foram a extensão rural, a pesquisa e a tecnologia que trouxeram o conhecimento e levaram Brasil a mudar radicalmente essa realidade para ser hoje um dos celeiros do mundo”, afirmou.

“Aumentamos com isso a renda de dezenas de milhares de produtores, melhoramos a qualidade de vida nos nossos territórios rurais”, disse Tereza Cristina.

 

Projeto Piloto

 

A primeira fase do programa será implementada no Nordeste com produtores rurais como criadores de caprinos e ovinos e produtores de milho e de variedades locais de feijão.

“Com certeza, atingiremos 100 mil agricultores nessa fase piloto do PAD e, com o sucesso que teremos, queremos chegar mais de um milhão de agricultores atendidos nessa região do nosso país”, disse a ministra Tereza Cristina.

 

Resultados

 

Análises feitas nos países da África e da Ásia onde o programa foi implantado mostram que o impacto foi positivo, com aumento de 4% na produtividade e ampliação de renda para as famílias em situação de vulnerabilidade.

 

O agricultor e a internet

 

Uma pesquisa feita com produtores rurais do país mostrou que mais de 70% dos que participaram acessam a internet para interesses gerais sobre agricultura.

Já as redes sociais, como o Facebook, e os serviços de mensagem, como o WhatsApp, foram apontados por 57,5% deles como meios utilizados para obter ou divulgar informações relacionadas à propriedade, comprar insumos ou vender a produção.

A pequisa foi produzida pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Foram ouvidos mais de 750 participantes entre produtores rurais, empresas e prestadores de serviço sobre tendências, desafios e oportunidades para a agricultura digital no Brasil.

Texto original

Deixe um comentário