Governo atua em comunidades indígenas em São Gabriel da Cachoeira (AM)

Cruzado por rios e rico em vegetação, o município de São Gabriel da Cachoeira (AM) abriga a maior população indígena do Brasil. São 23 etnias que representam 90% da população local. O município amazonense foi escolhido para mais uma missão da Operação Covid-19 que emprega as Forças Armadas em ações de apoio ao combate da doença.

A ação interministerial teve início no local em 7 de junho. Além das Forças Armadas, os ministérios da Defesa e da Saúde atuaram durante sete dias de trabalhos nas comunidades indígenas Maturacá, Querari e Iauaretê.

A aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) partiu de Brasília no dia 6, com profissionais de saúde, equipamentos, remédios, cestas de alimentos, itens de proteção individual, como máscaras, luvas e macacões e álcool gel. Para transportar as seis toneladas, a FAB voou por 17 horas nesses sete dias, percorrendo quase sete mil quilômetros. A distância equivalente a uma viagem do Brasil aos Estados Unidos.

O primeiro atendimento da Operação Covid-19 ocorreu no 5° Pelotão Especial de Fronteira, localizado em Maturacá, nos dias 7 e 8 de junho. Na unidade do Exército, foram atendidos índios Yanomami. No segundo dia a atenção foi para os Kubeo, na comunidade de Querari. Outros dois dias foram dedicados aos três mil indígenas do distrito de Iauaretê, na divisa com a Colômbia. Lá estão representantes de etnias, como Hupdas, tarianos, dessanos, Baníuas e os Tucanos.

Durante a missão, ocorreram cerca de 380 atendimentos com especialistas como cardiologistas, ginecologistas, pediatras e dentistas. A ação chegou a indígenas de 13 etnias.

O general Alexandre Ribeiro, comandante da Operação Covid-19, contou que conversou com lideranças indígenas para saber das demandas das etnias e da avaliação sobre a operação. Segundo ele, a ação foi bem recebida e o pedido é para que os atendimentos de saúde se repitam.

“Perceber que essas carências são supridas por essa ação, essa coordenação do Ministério da Saúde com o Ministério da Defesa. As capacidades do Ministério da Saúde em termos de insumos médicos e a capacidade logística das Forças Armadas, principalmente a Força Aérea, e o Exército com a presença física no território, faz com que a gente consiga colocar o braço do estado onde ele realmente se faz necessário”, disse.

Também foram feitos 456 testes rápidos de Covid-19. Desse total, 162 pessoas testaram positivo e foram medicadas. Os índios ainda atualizaram cadernetas de vacinação com a aplicação de doses para prevenir doenças como rubéola, coqueluche, tétano e H1N1.

Além das ações de saúde, no demais dias houve entregas de cestas básicas para comunidades.

Operação Covid-19

O Ministério da Defesa ativou, em 20 de março, o Centro de Operações Conjuntas, para atuar na coordenação e no planejamento do emprego das Forças Armadas no combate a pandemia do novo coronavírus. A iniciativa integra o esforço do Governo Federal no enfrentamento à pandemia que recebeu o nome de Operação Covid-19.

Texto original

Deixe um comentário