Comunidades tradicionais receberam mais de 200 mil cestas de alimentos

Já passa de 200 mil o número de doações para povos e comunidades tradicionais durante a pandemia do novo Coronavírus. A distribuição dos produtos ocorre por meio de uma parceria entre o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

A medida, de caráter emergencial, busca amenizar os efeitos da pandemia nas populações em situação de vulnerabilidade social. Além disso, a ação evita que famílias saiam de suas casas para buscar comida em outros locais.

Até a terça-feira (30), já foram entregues cestas em 21 estados: Alagoas (10,6 mil), Amazonas (37,3 mil), Amapá (294), Bahia (38,8 mil), Ceará (4,8 mil), Maranhão (9 mil), Minas Gerais (14,7 mil), Mato Grosso (23 mil), Mato Grosso do Sul (5,6 mil), Pará (11 mil), Paraíba (6,3 mil), Pernambuco (14,1 mil), Piauí (2,6 mil), Paraná (12,4 mil), Rondônia (2,4 mil), Rio Grande do Norte (1,3 mil), Rio Grande do Sul (14,4 mil), Santa Catarina (5,7 mil), Sergipe (330), São Paulo (3 mil) e Tocantins (428).

Mais de 323 mil cestas de alimentos ainda serão disponibilizadas. De acordo com a Conab, responsável pelas unidades armazenadoras, a entrega deve ocorrer até o final do mês de julho.

A ministra Damares Alves frisou que o Governo Federal tem somado esforços para combater os efeitos da pandemia. “Esse trabalho conjunto é fundamental para que a gente atenda da melhor forma possível as nossas comunidades indígenas e povos tradicionais. Unidos, não vamos deixar ninguém para trás”, ressaltou.

A ação faz parte do Plano de Contingência para Populações Vulneráveis – anunciado pelo Governo Federal e coordenado pelo MMFDH – que prevê o investimento de R$ 4,7 bilhões em políticas para minimizar os efeitos provocados pela Covid-19.

 

Com informações do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Texto original

Deixe um comentário