Acordo promove ações para diminuir escalpelamento por embarcações

Parceria entre o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) e o Instituto de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) focará no problema do escalpelamento no Brasil. Com a presença da ministra Damares Alves, o acordo foi assinado pela secretária Nacional de Políticas para as Mulheres, Cristiane Britto, e pelo presidente do Inmetro, Marcos Guerson.

Na oportunidade, a ministra agradeceu a parceria com o Inmetro com essa pauta que está entre as prioridades do Governo Federal desde o início. “Eu quero erradicar o escalpelamento no Brasil. Essa é uma meta ousada, mas possível. Não posso admitir que uma situação dessa continue dizimando mulheres e meninas o tempo todo no Brasil”, afirmou.

Por meio de ações e estudos, serão articulados projetos de protótipos de equipamentos de proteção de eixo do motor que promovam maior atratividade entre a população ribeirinha, de forma a não limitar e desestimular a instalação das proteções.

O presidente do Inmetro destacou que essa é uma política fundamental para erradicar o problema. “Com tecnologia, a gente consegue buscar uma alternativa para que isso não aconteça mais. O Inmetro, como instituto tecnológico, vai trabalhar com a Marinha do Brasil, com a Universidade Federal do Pará e todos os interessados para realmente dar uma solução que resolva o problema.”

Outras ações

Por meio do acordo, ainda serão promovidas ações que possibilitem a instalação da cobertura dos eixos dos motores das embarcações, com diagnóstico, se necessário, junto às comunidades ribeirinhas. O objetivo é mapear as embarcações sem proteção no eixo do motor e por meio de parcerias com outros órgãos federais, estaduais e municipais, respeitada a competência de cada um.

Além disso, serão elaboradas e divulgadas campanhas de conscientização e mobilização social, para promover suporte informativo relacionado à prevenção dos casos de escalpelamento por embarcações.

 

Com informações do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Texto original

Deixe um comentário