Membros do Ministério Público do AM fazem manifestação contra PEC que muda composição do Conselho Nacional do órgão

Manifestação ocorreu nesta quarta-feira (13), em Manaus. — Foto: Matheus Castro/g1 AM

Membros dos Ministérios Públicos Estadual, Federal e de Contas fizeram uma manifestação nesta quarta-feira (13), em Manaus, contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 5/21, que visa mudar a composição do Conselho Nacional do MP (CNMP). Uma das principais alterações é a possibilidade de o Corregedor Nacional não pertencer ao órgão.

A PEC é de autoria do deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) e se encontra, desde março de 2021, em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, sob a relatoria do deputado Silvio Costa Filho (Republicanos-PE).

O CNMP é um órgão externo de controle, responsável pela fiscalização administrativa, financeira e disciplinar do Ministério Público e de seus membros. Cabe ao CNMP, por exemplo, avaliar a conduta de procuradores e promotores em julgamentos de processos administrativos disciplinares.

Ato reuniu membros do MPE, MPF e MPC. — Foto: Matheus Castro/g1

Para o Procurador-Geral de Justiça do Amazonas, Alberto Nascimento, a proposta deveria ser melhor debatida com a sociedade, já que fere a independência do MP. Ele criticou a rapidez com que o projeto está sendo tratado pelos parlamentares, sem um debate amplo com a categoria e a sociedade.

“A gente busca mostrar para sociedade que uma mudança como essa sem um debate democrático é prejudicial, é um retrocesso para toda a sociedade e para todo o sistema jurídico. O CNMP assim como o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) tem que se reestruturar, mas isso tem que ser debatido para que a gente tenha órgãos mais fortes, e não do jeito que está sendo feito pela câmara dos deputados”, disse.

O projeto também prevê que ministros do STF e do STJ possam integrar o Conselho e a representação do Ministério Público da União no órgão seja segmentada entre carreiras do Ministério Público Federal, Ministério Público do Trabalho e Ministério Público Militar, suprimindo a vaga do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios.

Outras mudanças seriam o fato de a Câmara dos Deputados e o Senado Federal que já indicam, cada um, um membro do Conselho Nacional, tenham o direito de indicar mais um representante em vaga a ser preenchido pelo regime de alternância.

Procurador da República representou o MPF. — Foto: Matheus Castro/g1

“Movimentos como esse estão sendo realizados em vários estados do país, porque as associações que representam o Ministério Público em todo o Brasil entendem que a PEC é um retrocesso que atinge a essência do MP. Se ela passar do jeito que foi proposta, não vai haver um Ministério Público independente para combater gravíssimos problemas da nossa sociedade”, afirmou o procurador da república e representante do MPF, Edmilson da Costa.

Uma das justificativas apresentadas pelos deputados para a alteração na composição do órgão, segundo os promotores, também é a falta de punição de membros do Ministério Público por parte do Conselho. No entanto, a corregedora do MP no Amazonas, promotora Silvia Tuma, disse que a justificativa não é verdadeira. Ela apresentou dados da atuação do órgão no Amazonas.

“Nós temos um controle muito eficaz. Não sei se onde surgiu, sem nenhum debate, essas informações. De março de 2019 a outubro de 2021 fizemos 217 correições, 121 atividades, procedimentos disciplinares e temos, atualmente, três membros afastados, sendo que dois já se saíram do âmbito do MP e estão respondendo junto ao Tribunal de Justiça”, declarou.

Votação adiada

Devido à falta de apoio para aprovação, a Câmara dos Deputados decidiu, na quinta-feira (7), adiar a votação da PEC que aumenta o poder de influência do Congresso na composição do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Ainda não há nova data para votação.

Veja os vídeos mais assistidos do g1 Amazonas

Deixe um comentário