Arquivo de etiquetas: destaque

Fapeam divulga resultado da etapa de enquadramento do Pappe Integração

Esta é a primeira etapa do processo seletivo, chamada de enquadramento, que consiste na análise do cumprimento dos requisitos e documentos solicitados para a concorrência ao edital Nº 007/2017 – Pappe Integração

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) divulgou, nesta terça-feira (16), o resultado da etapa do enquadramento do edital Nº 007/2017, do processo de seleção pública, do Programa de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento e Inovação em Microempresas e Empresas de Pequeno Porte na Modalidade Subvenção Econômica (Pappe  Integração).

No total, nove empresas foram  habilitadas, nesta primeira etapa do processo seletivo, no cumprimento dos requisitos e documentos solicitados no edital. As propostas submetidas foram apresentadas por microempresas e empresas de pequeno porte amazonenses interessadas em desenvolver projetos de inovação tecnológica.

O Pappe Integração é um programa desenvolvido com apoio do Governo do Estado por meio  da Fapeam em parceria com o Governo Federal, por intermédio da Financiadora de Estudo e Projeto (Finep). O total do recurso disponibilizado pelo programa de subvenção econômica soma R$ 1,6 milhão.

banner_pappe

Pappe Integração

O programa selecionou propostas empresariais para subvenção econômica à pesquisa e desenvolvimento de processos e/ou produtos inovadores no Estado do Amazonas. As áreas preferenciais são as contempladas nas vocações e competências instaladas no estado do Amazonas, conforme especificadas no edital.

Confira o resultado do Enquadramento do Edital PAPPE Integração – Empresas Habilitadas

tabela_pape

O post Fapeam divulga resultado da etapa de enquadramento do Pappe Integração apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa utilizará almofadas com dispositivos de áudio com objetivo de trazer mais conforto a pacientes da FCecon

No momento, a equipe trabalha na confecção das almofadas e finaliza a produção dos dispositivos de áudio

Uma almofada com um dispositivo de áudio será colocada em teste com objetivo de trazer mais conforto e qualidade de vida aos pacientes atendidos na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon).  O equipamento foi desenvolvido pelos estudantes do Programa de Educação Tutorial (PET) de Computação, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), e será avaliado na prática por meio de um estudo desenvolvido pelo graduando em Medicina Mateus Catique, que está no 3º ano do curso na Ufam.

O ‘Estudo de Alternativa Humanizadora e seu Reflexo na Terapia Medicamentosa e Qualidade de Vida de Pacientes em Tratamento Quimioterápico no Serviço de Cuidados Paliativos da FCecon’, realizado por Mateus Catique, é desenvolvido com apoio do Governo do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) via Programa de Apoio à Pesquisa Científica (Paic).

“Estamos estudando uma alternativa, no caso deste trabalho, será feito por meio de dispositivos de áudio dentro de almofadas para os pacientes se sentirem mais confortáveis dentro do hospital e terem um contato mais próximo com os familiares. Uma vez que existe o limite de pessoas para visitação”, explicou.

IMG_3224

Segundo Catique, o aparelho de áudio é semelhante ao MP3, mas com algumas especificações para ser trabalhado em conjunto com a almofada.

“ O objetivo é que o dispositivo grave as mensagens dos familiares, religiosas, ou de algo que o paciente goste. É importante que tudo que será colocado no dispositivo de áudio remeta a alegria para o paciente. Tudo isso tem como objetivo fazer com que a pessoa se sinta mais confortável durante o período em que ficará no hospital”, disse.

A ideia é que a pesquisa seja feita com pacientes que permaneçam por, no mínimo, cinco dias no hospital e que estejam sob a atenção do Serviço de Tratamento da Dor e Cuidados Paliativos da FCecon.

Catique, que participa também do PET em Medicina da Ufam, disse que a questão da humanização dos pacientes é um dos assuntos priorizados durante a graduação. O estudante afirma também que existem estudos que comprovam que uma melhor estadia no hospital é capaz de proporcionar melhores resultados durante o tratamento.

Além de proporcionar mais conforto aos pacientes, o estudante disse que será feito um levantamento para saber os benefícios que as almofadas eletrônicas irão trazer para o paciente e de que forma isso irá impactar no tratamento.

No momento, a equipe trabalha na confecção das almofadas e na finalização da produção dos dispositivos de áudio. O estudo também está tramitando pelo Comitê de Ética e Pesquisa.

“Após a aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa, vamos começar a entrevistar os pacientes para selecionar os interessados em participar do estudo e também saber quais são as mensagens e o que eles gostariam que o dispositivo trouxesse até eles, assim como ensinar sobre o uso”, disse Catique.

 PAIC 

O programa visa disseminar o conhecimento científico por meio do envolvimento das instituições, pesquisadores e estudantes de graduação em todo o processo de investigação, proporcionando principalmente aos alunos a experiência prática e o desenvolvimento de habilidades em pesquisas.

IMG_3231

Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)/Fapeam

O post Pesquisa utilizará almofadas com dispositivos de áudio com objetivo de trazer mais conforto a pacientes da FCecon apareceu primeiro em FAPEAM.

Fapeam recebe propostas para 2ª chamada do PAREV até o dia 19 de fevereiro

Programa apoia a realização de eventos de cunho científico e tecnológico ocorrentes no período de julho a dezembro de 2018

Os interessados em submeter projeto na 2ª chamada do Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos e Tecnológicos no Estado do Amazonas (PAREV) têm até o dia 19 de fevereiro de 2018  para submeter propostas no programa.  O PAREV tem como objetivo  divulgar os resultados de pesquisas científicas e contribuir para a promoção do intercâmbio científico e tecnológico.

Esta chamada apoia a realização de eventos de cunho científico e tecnológico ocorrentes no período de julho a dezembro de 2018. Os eventos devem estar relacionados à Ciência, Tecnologia e Inovação como: congressos, simpósios, workshops, seminários, ciclo de palestras, conferências e oficinas de trabalho.

A segunda chamada do PAREV conta com um investimento na ordem de R$750 mil. O programa  é uma ação do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

Um dos requisitos para participar do edital é ter vínculo empregatício com instituição de pesquisa e ensino superior, centros de pesquisas, órgãos públicos sediados ou com unidade permanente no Amazonas, a partir de agora denominados instituição executora do evento e ter título de doutor. Conforme o edital, a publicação com os resultados das propostas serão divulgadas em março 2018.

A proposta deverá ser apresentada em versão eletrônica por intermédio do formulário contido no Sistema de Gestão da Informação da Fapeam (SIGFapeam), disponível na página eletrônica da instituição. Para acessar o formulário eletrônico, o proponente deverá utilizar seu login e senha previamente cadastrados.

Novos usuários deverão realizar o cadastramento no banco de pesquisadores da Fapeam, no endereço supracitado. Além do envio do Formulário on line, via SIGFapeam, a submissão da proposta requer também a apresentação da Documentação Complementar a ser anexada ao sistema SIGFapeam, como especificado no edital.

banner_parev_19_02

Acesse o edital clique aqui

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

O post Fapeam recebe propostas para 2ª chamada do PAREV até o dia 19 de fevereiro apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa analisa se é necessário complementar o exame de mamografia com a ultrassonografia em mulheres assintomáticas com mama densa

Pesquisadora diz que o estudo questiona se não estamos perdendo uma parcela de mulheres que fazem apenas o exame da mamografia e não é detectada nenhuma lesão

Uma pesquisa científica desenvolvida na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) está analisando se o exame de mamografia realizado em uma mama, predominantemente, densa pode mascarar ou ocultar lesões importantes e avaliando se existe a necessidade de complementação diagnóstica com ultrassonografia em mamas, nesses casos.

A mama densa é a quantidade aumentada de tecido fibroglandular em relação ao tecido gorduroso no parênquima mamário, composto de lóbulos, ductos gordura e tecido fibroso. Conforme a pessoa envelhece acontece a liposubstituição dos tecidos.

foto_uea2

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) recomenda a mamografia de rastreamento de prevenção para as mulheres entre 50 e 69 anos, sendo apenas um exame a cada dois anos. O problema, segundo a graduanda em Medicina Ana Carolina Ramos, que cursa o 6º ano na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), é que a mama densa por ser totalmente de tecido fibroglandular, o exame da mamografia aparece na cor branca e as alterações das neoplasias, que são os nódulos e outras lesões que podem ser neoplasias também aparecem da mesma forma no exame.

“Se a pessoa tem a mama predominantemente densa e faz a mamografia para rastrear se tem alguma neoplasia pode ser possível que, algumas dessas, lesões sejam mascaradas pela mama densa. É nisso que o projeto se centra. É um estudo para saber a prevalência da mama densa no Estado do Amazonas, a prevalência das lesões neoplásicas em mulheres com mama densa à mamografia e a importância da complementação da ultrassonografia a isso”, disse a estudante.

A pesquisa é realizada com o apoio do Governo do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), via o Programa de Apoio a Iniciação Científica (Paic). O programa visa disseminar o conhecimento científico por meio do envolvimento das instituições, pesquisadores e estudantes de graduação em todo o processo de investigação, proporcionando principalmente aos alunos a experiência prática e o desenvolvimento de habilidades em pesquisas.

Segundo Ana Carolina, o Ministério da Saúde preconiza que faça a complementação com a ultrassonografia apenas se a pessoa for sintomática, ou seja, se tiver lesões palpáveis.  Para a estudante, a pesquisa vem questionar se não estamos perdendo uma parcela de mulheres que não são sintomáticas e que fazem apenas o exame da mamografia e não é detectada nenhuma lesão.

“Como a incidência do câncer de mama no Amazonas só perde para o câncer de colo de útero, o projeto vem questionar, exatamente, isso. Será que apenas em mulheres sintomáticas precisamos fazer a ultrassonografia?  Ou será que não perdemos uma quantidade de pessoas que não têm lesões palpáveis, que poderiam ser descobertas as lesões com a ultrassonografia, apresentando a mama densa a mamografia”, contou.

No momento, a pesquisa está coletando os dados de mulheres atendidas na FCecon que fazem mamografia com densidade mamaria elevada, mulheres assintomáticas,  com lesões sintomáticas e mulheres maiores de 18 anos. Até o momento a pesquisa já conta 25 pacientes, mas o número deverá ser maior até o mês de março deste ano.

foto_uea1


Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)/ Fapeam

O post Pesquisa analisa se é necessário complementar o exame de mamografia com a ultrassonografia em mulheres assintomáticas com mama densa apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa desenvolve creme à base de jucá no tratamento alternativo contra a Leishmaniose

Resultados da pesquisa indicam que tratamento da leishmaniose tegumentar com o produto microemulsionado, à base de jucá, aumenta a eficácia do tratamento e reduz efeitos colaterais apresentados pelas dolorosas injeções de Glucantime

Uma árvore amazônica, o jucá (Libidibia ferrea), utilizada pelos ribeirinhos como remédio caseiro para diversas enfermidades, pode ser transformada em um novo medicamento alternativo associado à medicação preconizada pelo Ministério da Saúde, o Glucantime, para agir como coadjuvante no tratamento da Leishmaniose tegumentar, doença infecciosa que compromete pele e mucosas. A planta também conhecida como pau-ferro está em estudo no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC).

De acordo com o farmacêutico e doutorando em inovação farmacêutica Bruno Jensen, a pesquisa está em fase de experimentação pré-clínica e restrita a roedores. Os resultados mostraram que o grupo controle que não recebeu tratamento teve uma evolução clínica das lesões cutâneas de 300% maior que o período do inóculo inicial (aquele que dá origem às primeiras infecções) do parasita. Já as lesões tratadas com a microemulsão desenvolvida (formulação translúcida) incorporada com a fração substância encontrada no jucá (diclorometano) tiveram um crescimento de apenas 25%.

O_doutorando_Bruno_Jensen_estuda_o_jucá_como_novo_fármaco_contra_leishmaniose_-_Foto_Luciete_Pedrosa_Ascom_Inpa

Já na comparação entre os grupos tratados – um com a microemulsão e o outro com o Glucantime – medicação preconizada pelo Ministério da Saúde (MS) como primeira escolha para o tratamento da leishmaniose -, foi possível observar que não houve diferença estatística quanto à evolução das lesões.

Na opinião de Jensen, isto significa um aspecto bastante positivo, pois o tratamento desse tipo de leishmaniose poderia ser complementado com o produto microemulsionado, à base de jucá, aumentando a eficácia do tratamento das feridas e reduzindo os efeitos colaterais apresentados a partir da administração da medicação única indicada pelo MS. “A partir daí surge à necessidade de novas alternativas para buscar um medicamento mais eficaz e com menos efeitos colaterais”, alerta Jensen.

Atualmente os pesquisadores conseguiram desenvolver um fitoterápico tópico, composto menos refinado por se tratar do uso de parte da planta, como alternativa da terapia para a Leishmaniose. Os próximos passos da pesquisa é desenvolver um fitofármaco com a molécula isolada mais ativa e incorporada na formulação farmacêutica. “Com isso, será possível viabilizar um medicamento com maior eficácia e com mínimas reações adversas. No momento, estamos abertos a colaboradores para proporcionar o avanço da pesquisa que já vem demonstrando resultados positivos”.

Causada por protozoários do gênero Leishmania, a leishmaniose é dividida em tegumentar (LT), que ataca pele e mucosas, e visceral (LV), conhecida como calazar, que atinge órgãos internos como fígado e baço. A LT possui alta capacidade de produzir deformidades.

Os_pesquisadores_Claudia_Dantas_Anontia_Franca_e_Bruno_Jensen-_Foto_Luciete_Pedrosa_Ascom_INpa

A doença é transmitida ao homem e outras espécies de mamíferos por insetos vetores ou transmissores chamados de flebotomíneos, também conhecidos como birigui, cangalhinha e mosquito-palha. A LT, único tipo registrado no Amazonas, é tratada principalmente com Glucantime e Pentamidina, injeções dolorosas que contribuem para que muitos pacientes desistam do tratamento.

Por ano, as leishmanioses afetam cerca de 2 milhões de pessoas no mundo, com registro anual de 0,7 a 1,3 milhão de novos casos da tegumentar, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, em 2015 foram registrados 19.395 casos de LT, 72% deles no Norte (8.939) e Nordeste (5.152) do Brasil, conforme dados do Ministério da Saúde (MS). O Amazonas ocupa a terceira posição com maior número de casos do Brasil (1.645), ficando atrás apenas do Pará (3.610) e Maranhão (1.684). Os casos identificados no Estado são encaminhados para tratamento nas Fundações de Medicina Tropical e Alfredo da Mata.

 

Fitofármaco

Durante um ano de experimentação (2017), a pesquisa foi objeto de mestrado do farmacêutico Bruno Bezerra Jensen. O grupo de pesquisa do Laboratório de Leishmaniose e Doenças de Chagas do Inpa vem investigando os estudos de frações da árvore do jucá que já tinham apresentado resultados satisfatórios. Agora, a pesquisa prossegue no doutorado em Inovação Farmacêutica da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) com orientação da pesquisadora do Inpa, a doutora Antonia Maria Ramos Franco, líder do grupo de pesquisa.

Na opinião de Franco, o desenvolvimento de novos fármacos é importante e de extrema necessidade para um País que necessita reduzir os custos com relação ao tratamento de uma doença considerada negligenciada – aquelas causadas por agentes infecciosos ou parasitas e que afetam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo.

De acordo com Franco, apesar de tratar-se da vagem do jucá e de suas propriedades farmacológicas, o creme tópico utiliza outras substâncias que juntos auxiliam no tratamento. “Nosso creme é uma formulação própria feito em laboratório, então, não basta pensar que usando o chá ou ralando a vagem e aplicando na ferida que se terá o mesmo resultado ou a cura. Isso não vai acontecer”, alertou.

Busca de parceiros

“Somos especialistas na realização de pesquisas científicas envolvendo este tipo de enfermidade, que é considerada um grande problema mundial, não só no Brasil”, diz a pesquisadora. “Agora, estamos iniciando uma nova etapa que vem a ser a busca por parceiros que tenham interesse em produzir esse fitoterápico à base de jucá em escala industrial, como método alternativo auxiliar no tratamento da leishmaniose e estamos abertos para novas parcerias”, ressalta Franco.

As investigações no Laboratório de Leishmaniose e Doenças de Chagas acontecem a partir do envolvimento da descoberta de novos tratamentos e também no contato com os pacientes que comentam com os pesquisadores o uso de chás e emplastos de ervas para diferentes enfermidades. Para a pesquisadora, esse contato com o paciente é de grande importância para as pesquisas básicas.

“Os resultados promissores obtidos pelos estudos iniciados pela professora Claudia Dantas (2015) motivou-nos a dar continuidade à investigação dessafração (diclorometano), que demonstrou ter um grande potencial na área farmacêutica e na aplicação da terapia da leishmaniose”, diz o doutorando Bruno Jensen.

Potencial

De acordo com o doutorando, o enfoque central do estudo é o desenvolvimento de um fitofármaco (preparações feitas com plantas medicinais ou com os princípios ativos retiradas delas) que será trabalhado a partir dafração diclorometanoe noisolamento de substâncias mais ativas encontradas no jucá para uma nova formulação.

A pesquisa da Dra. Dantas selecionou partes do jucá e avaliou inúmeros extratos. Procurou-se modificar e potencializar a eficácia da fração obtida a partir do extrato de jucá, que obteve maior potencial de atividade, mas que precisava ser melhor estudado. A pesquisa contou com a colaboração da doutora Maria da Paz, do Laboratório de Química de Produtos Naturais do Inpa e da professora doutora Katia Solange, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Ufam, que também coorienta o doutorado de Jensen.

O uso da tecnologia farmacêutica permitiu a elaboração de um novo produto biotecnológico, que passará por um processo de pedido de patente junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi).

Jensen explica que a microemulsão, uma formulação translúcida, é um sistema que apresenta inúmeras vantagens por ser um sistema de controle de liberação de fármacos, de escala nanométrica, e apresentar-se termodinamicamente estável. “Esta tecnologia vem sendo bastante utilizada nas ciências farmacêuticas, permitindo a sua aplicação para o desenvolvimento de formulações com substâncias com atividades antiinflamatórias, analgésicas e antimicrobianas”, destaca.

A pesquisa

Com base nos pontos positivos quanto à formulação da microemulsão, foram desenvolvidas quatro frações. Segundo Jensen, resolveu-se incorporar a fração diclorometano encontrada no jucá – que em ensaios in vitro e in vivo na emulsão desenvolvida na tese da Dra. Claudia, demonstrou ter um grande potencial de atividade –  e aplicar numa microemulsão, que foi objeto de estudo de seu mestrado.

A partir do estudo com a microemulsão, foi realizada a caracterização desse produto, que resultou em formulações estáveis e com parâmetros ideais condizentes com a literatura. Quanto à aplicação da nova formulação no tratamento da leishmaniose, não foram observadas ações de toxicidade cutânea e demonstrou-se bem permeável.

Jensen relata que conforme os resultados finais foi possível constatar que houve um controle do crescimento das lesões dos animais de experimentação que estavam infectados, comparado com outro grupo que não recebeu nenhum tipo de tratamento.

Fonte:  Inpa

 

 

O post Pesquisa desenvolve creme à base de jucá no tratamento alternativo contra a Leishmaniose apareceu primeiro em FAPEAM.

Exposição fotográfica retrata Teatro Amazonas e seu entorno sob o olhar de estudantes

 A exposição acontece no Teatro Chaminé ate o dia 2 de fevereiro. As fotografias foram feitas por alunos do IEA

O Teatro Amazonas e seu entorno foram registrados de ângulos diferentes pelas lentes dos alunos do Instituto de Educação do Amazonas (IEA). As fotografias fazem parte da exposição “Minha Cultura, Meu Maior Patrimônio”, que está no Teatro Chaminé, no Centro de Manaus, até o dia 2 de fevereiro de 2018.

A ação que contribui para a valorização da cultura conta 30 registros fotográficos. A exposição está aberta para visitação de terça a sábado, 13h às 17h. No domingo de 11h às 15h. A entrada é gratuita.

A exposição fotográfica é uma das fases do projeto intitulado ‘Minha cultura, meu maior patrimônio: a valorização dos patrimônios materiais do centro histórico de Manaus pelos alunos do 6º e 7º anos do IEA’, aprovado na edição 2017 do Programa Ciência na Escola (PCE).

De acordo com a coordenadora do projeto, Denise Bezerra, o público que visitar a exposição poderá encontrar por meio das fotografias o olhar dos estudantes através da valorização dos patrimônios históricos de Manaus.

“Esta é uma das atividades desenvolvidas dentro do projeto do PCE 2017. Após a exposição, pensamos em fazer com as fotos um leilão beneficente em prol do Abrigo Coração do Pai, bairro Japiim. As peças serão leiloadas e expostas no abrigo com objetivo de fazer com que as pessoas conheçam e ajudem o local. A data do evento ainda está sendo definida. Mas, quem visitar a exposição já pode escolher a fotografia e deixar anotado o lance”, contou a professora.

IMG_3086

Exposição fotográfica é uma das fases do projeto desenvolvido no âmbito do Programa Ciência na Escola (PCE)

Antes da exposição, as histórias por trás dos patrimônios materiais do centro histórico de Manaus estavam sendo conhecidas e registradas pelos alunos  a partir da perspectiva artística, educação patrimonial e alfabetização científica.

O projeto do PCE também contou com a parceria dos graduandos do curso de Comunicação Social-Relações Públicas da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). A parceria possibilitou a realização de cursos e oficinas de fotografias para os alunos do IEA.

A bolsista de alfabetização científica, Marcella Wolfarth, que participa pela segunda vez do PCE, conta que a exposição mostra uma parte do aprendizado adquirido na sala de aula e que o público pode conferir de perto este trabalho.

“Tivemos oficinas com os alunos da Ufam que passaram dicas sobre ângulos e o uso da câmera para fazermos as melhores fotografias. No projeto, procuramos saber mais sobre os monumentos, teve toda uma pesquisa antes de fazermos as fotos. As fotografias, que fazem parte da exposição, mostram detalhes que muitas vezes passam despercebidos pela população”, disse Marcella.

A bolsista do PCE, Leika Silveira, disse que foi gratificante fazer o registro do Teatro Amazonas e do entorno.

“A cada registro foi possível conhecer mais sobre a história de cada local. Por meio do projeto, percebemos que os patrimônios culturais da nossa cidade devem ser valorizados e preservados”, contou a estudante.

Para a aluna, Rayandra Paz,  foi um privilégio participar do projeto e ver o trabalho fazer parte de uma exposição. Uma experiência, segundo ela, que levará para a vida.

“Eu consegui fazer foto próximo ao Teatro Amazonas e da Igreja São Sebastião. Muitas pessoas que moram em Manaus não conhecem os pontos turísticos da cidade, como estudante tive essa oportunidade de conhecer e saber a história deles”, disse Rayandra.

FOTO EXPOSIÇÃO TEATRO CHAMINÉ

Exposição conta 30 registros fotográficos e fica aberta para visitação de terça a sábado, 13h às 17h. No domingo de 11h às 15h. A entrada é gratuita.

 

PCE

O PCE incentiva a atração de alunos e professores ao mundo da pesquisa científica no ambiente escolar, envolvendo-os, a partir do 6º do ensino fundamental até a 3ª série do ensino médio, em projetos de cunho científico ou tecnológico.

A atividade é realizada com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

A edição 2017 do PCE, contou com 396 propostas aprovadas que contemplam Manaus e outros 35 municípios do Estado.

A Secretária Executiva Adjunta Pedagógica da Seduc, Luciana Cáuper, destacou que o programa dar suporte  na capacitação técnica do professor em relação a  área científica, tecnológica e inovadora e que isso contribui na formação dos alunos.

IMG_3072

Coordenadora do projeto na escola com os alunos expositores e a Secretária Executiva Adjunta Pedagógica da Seduc, Luciana Cáuper

“É um programa que contribui com  todo o desenvolvimento da escola, porque eles passam a ter contado com a pesquisa científica aliada as práticas pedagógicas que já estão sendo desenvolvidas na escola. Isso é muito positivo para os alunos e para a escola”, contou.

A coordenadora institucional do PCE/ Seduc, Simara Couto de Abrantes, disse que o programa é muito importante para os alunos e professores, uma vez que o incentivo a pesquisa desperta no aluno o interesse para pesquisa científica.

“Este incentivo, desde a educação básica, faz com que o aluno tenha mais interesse e certeza também sobre a área que irá seguir e continuar trilhando o caminho da ciência”, disse.

IMG_3124

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)/ Fapeam

O post Exposição fotográfica retrata Teatro Amazonas e seu entorno sob o olhar de estudantes apareceu primeiro em FAPEAM.

Chamadas de programas internacionais da Capes têm inscrição até 19 de janeiro

Os editais para os programas de Professor Visitante (PVE)Pós-doutorado, e Doutorado-pleno, chamadas que contemplam bolsas no exterior pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), têm inscrição até o dia 19 de janeiro de 2018. Para estarem aptos, os candidatos deverão observar os requisitos descritos em cada edital.

Professor Visitante
Programa tem como objetivo oferecer bolsa no exterior para a realização de estudos avançados após o doutorado e destina-se a pesquisadores ou docentes que possuam vínculo empregatício com instituição brasileira de ensino ou pesquisa. São duas categorias de bolsa: Júnior, para professor ou pesquisador, com vínculo empregatício, que possua até doze anos de doutoramento; ou Sênior, para professor ou pesquisador, com vínculo empregatício, que possua mais de doze anos de doutoramento.

Serão concedidas até 200 bolsas, sendo 100 para cada categoria. A duração da bolsa será definida na concessão, com base na duração aprovada pelas instituições de origem e de destino e o cronograma de execução do projeto proposto, podendo variar entre quatro e 12 meses, prorrogáveis por até seis meses, sem ônus para a Capes, desde que autorizado pela instituição empregadora e pela Capes.

Pós-doutorado
Programa oferta bolsas para a realização de estudos avançados fora do Brasil posteriores à obtenção do título de doutor e destina-se a pesquisadores ou docentes com menos de oito anos de formação doutoral e que não possuam vínculo empregatício. Não são aceitas inscrições de estudantes em fase de conclusão de curso.

Para essa modalidade, serão concedidas até 100 bolsas. A duração da bolsa será definida na concessão com base na duração aprovada pela instituição de destino e o cronograma de execução do projeto proposto, podendo variar de seis a 12 meses, prorrogáveis por até seis meses, sem ônus para a Capes, desde que autorizado pela instituição empregadora e pela Capes.

Doutorado-pleno
Programa tem a finalidade de oferecer bolsas de doutorado-pleno como alternativa complementar às possibilidades ofertadas pelo conjunto dos programas de pós-graduação no Brasil. Este edital ofertará até 100 bolsas incialmente concedidas por um período de, no máximo, 12 meses. A renovação da concessão é condicionada ao desempenho acadêmico satisfatório do(a) estudante. A duração total da bolsa de doutorado-pleno no exterior será definida com base na duração aprovada pela instituição de destino e cronograma de execução do projeto proposto, não podendo ultrapassar 48meses, com vigência até o mês de defesa da tese.

Para os(as) candidatos(as) selecionados(as) que já estejam realizando o doutorado no exterior, será deduzido da duração total da bolsa o tempo já cumprido com o curso antes da concessão da bolsa, considerando o início das atividades acadêmicas informadas pela instituição à qual estão vinculados. Caso o doutorado não seja concluído dentro do período de concessão, poderá ser requerida pelo bolsista a extensão da permanência no exterior, sem ônus para a Capes, por no máximo 12 meses. O requerimento será analisado, desde que devidamente fundamentado, e a autorização excepcional da agência para permanência no exterior dependerá de comunicação expressa ao bolsista nesse sentido.
Todos os editais têm previsão de início dos estudos a partir de agosto a novembro de 2018.

Acesse aqui os editais:
Edital 45/2017 – Professor Visitante no Exterior
Edital 46/2017 – Pós-doutorado no Exterior
Edital 48/2017 – Doutorado-pleno no Exterior

 

bolsa_estudos_capes2

 

Fonte: CCS Capes

O post Chamadas de programas internacionais da Capes têm inscrição até 19 de janeiro apareceu primeiro em FAPEAM.

Sistema ajuda a encontrar vagas em estacionamentos de Manaus

A previsão é que o sistema comece a funcionar no primeiro semestre de 2018

 A dificuldade em encontrar vagas disponíveis para estacionar o veículo é uma das reclamações de vários motoristas. Muitos acabam desperdiçando grande tempo na busca de uma vaga e em alguns casos acabam desistindo, até mesmo, de ir ao local desejado. Pensando nisso, um grupo de empreendedores do Amazonas criou o ‘ParkWeb’ um sistema que disponibilizará aos usuários de veículos a possibilidade de encontrar estacionamentos próximos ao seu local de destino com vaga disponível em tempo real por meio do site do Park Web ou do aplicativo.

O sistema é capaz de gerenciar a entrada e saída de veículos nos estacionamentos onde estiver instalado e disponibilizará, em tempo real, um mapa com todas as vagas disponíveis.

“Com isso, o usuário tem a possibilidade de encontrar uma vaga próximo do local desejado sem precisar ficar procurando por estacionamentos ou deixar o veículo nas ruas, correndo até mesmo o risco de ser multado”, afirma o empreendedor Maridilson Ribeiro.

O sistema conta com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) via o Programa Sinapse da Inovação realizado em parceria com a Fundação Centro de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi). O foco do programa é transformar ideias inovadoras em negócios de sucesso e fortalecer o empreendedorismo, o cenário inovador e econômico no Estado.

Segundo Ribeiro, por ser um sistema online, a resposta do gerenciamento é rápida, ou seja, a partir do momento que for gerado um comprovante de entrada para um veículo no estacionamento, o sistema atualizará mostrando que a vaga estará ocupada. E, no momento que for feito a baixa do veículo no estacionamento, a vaga automaticamente ficará disponível para visualização.

“Ele funciona com um sistema instalado em um computador no local onde o estacionamento gerencia suas vagas que se sincroniza com o site em tempo real. Com atualização automática em cada movimentação gerada pelo sistema desktop”, disse.

O sistema já está finalizado para comercialização e o site também já está no ar, mas apenas com cadastros dos estacionamentos para os testes. A previsão é que o sistema comece a funcionar no primeiro semestre de 2018.

“A consulta será feita pelo site e, futuramente, pelo aplicativo que já está pronto, aguardando ser hospedado para ser baixado no sistema Android. A consulta para os usuários será gratuita e a cada operação finalizada um valor será destinado ao sistema pela empresa responsável pelo estacionamento no local”, disse.

A ideia de criar o ‘ParkWeb’ é fruto do trabalho de conclusão do curso na faculdade. “Fizemos esse projeto devido a dificuldade em encontrar uma vaga para estacionar no centro de Manaus, principalmente em datas comemorativas e de fim de ano. Atualmente, existem aplicativos semelhantes ao ‘ParkWeb’, mas que não gerenciam a disponibilização das vagas ou que mostram apenas o endereço”, disse.

banner_park_web (2)

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)/ Fapeam

 

 

 

O post Sistema ajuda a encontrar vagas em estacionamentos de Manaus apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa compara materiais achados na videolaparoscopia em pacientes com câncer gástrico

Material auxiliará na decisão acerca do tratamento ideal através do estadiamento, predizendo se o câncer será passível ou não de ressecção

 

Avaliar comparativamente os achados videolaparoscópicos com estadiamento (estágio do câncer) pré-operatório de pacientes com câncer gástrico é o objetivo de uma pesquisa científica desenvolvida na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon). O estudo iniciou no mês de setembro e está na fase de recrutamento de pacientes para o desenvolvimento do trabalho.

Na pesquisa será feita uma comparação de materiais achados na videolaparocospia, uma técnica que possibilita a visualização tumoral por meio de uma videocâmara, desempenhando um papel fundamental no algoritmo de investigação dos pacientes com câncer gástrico. O material auxiliará na decisão acerca do tratamento ideal através do estadiamento, predizendo se o câncer será passível ou não de ressecção.

O estudo conta com o apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) via o Programa de Apoio à Iniciação Científica (Paic). O trabalho é desenvolvido pela estudante de Medicina, Isabella Mendes, que cursa o 4° ano da graduação na Universidade Nilton Lins. “Estamos fazendo a coleta dos dados com uma ficha de tumor gástrico, que consta a identificação dos pacientes na FCecon”, disse a graduanda.

A previsão é que os primeiros resultados da pesquisa sejam apresentados no mês de Março de 2018 durante um congresso de iniciação científica na FCecon. “Apesar de existirem vários estudos que comprovem os benefícios da videolaparoscopia, esta técnica, que evita cerca de 42% de cirurgias de câncer gástrico, ainda não foi estabelecida como técnica padrão”, afirma Isabella. Essa é a primeira vez que Isabella participa de um projeto de iniciação científica. Para ela tem sido interessante aliar o conhecimento adquirido na graduação com a pesquisa científica. “Esse é um trabalho importante e no FCecon temos todo o suporte e incentivo  da instituição par continuarmos com esta  pesquisa”, disse a graduanda.

estudante_ceconEstudante de Medicina Isabella Mendes faz a coleta dos dados dos pacientes portadores de tumores gástricos da FCecon

Sobre o Paic

O programa de Apoio à Iniciação Científica (Paic) visa disseminar o conhecimento científico por meio do envolvimento das instituições, pesquisadores e estudantes de graduação em todo o processo de investigação, proporcionando principalmente aos alunos a experiência prática e o desenvolvimento de habilidades em pesquisas.

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)/ Fapeam

O post Pesquisa compara materiais achados na videolaparoscopia em pacientes com câncer gástrico apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa compara materiais achados na videolaparoscopia em pacientes com câncer gástrico

Material auxiliará na decisão acerca do tratamento ideal através do estadiamento, predizendo se o câncer será passível ou não de ressecção

 

Avaliar comparativamente os achados videolaparoscópicos com estadiamento (estágio do câncer) pré-operatório de pacientes com câncer gástrico é o objetivo de uma pesquisa científica desenvolvida na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon). O estudo iniciou no mês de setembro e está na fase de recrutamento de pacientes para o desenvolvimento do trabalho.

Na pesquisa será feita uma comparação de materiais achados na videolaparocospia, uma técnica que possibilita a visualização tumoral por meio de uma videocâmara, desempenhando um papel fundamental no algoritmo de investigação dos pacientes com câncer gástrico. O material auxiliará na decisão acerca do tratamento ideal através do estadiamento, predizendo se o câncer será passível ou não de ressecção.

O estudo conta com o apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) via o Programa de Apoio à Iniciação Científica (Paic). O trabalho é desenvolvido pela estudante de Medicina, Isabella Mendes, que cursa o 4° ano da graduação na Universidade Nilton Lins. “Estamos fazendo a coleta dos dados com uma ficha de tumor gástrico, que consta a identificação dos pacientes na FCecon”, disse a graduanda.

A previsão é que os primeiros resultados da pesquisa sejam apresentados no mês de Março de 2018 durante um congresso de iniciação científica na FCecon. “Apesar de existirem vários estudos que comprovem os benefícios da videolaparoscopia, esta técnica, que evita cerca de 42% de cirurgias de câncer gástrico, ainda não foi estabelecida como técnica padrão”, afirma Isabella. Essa é a primeira vez que Isabella participa de um projeto de iniciação científica. Para ela tem sido interessante aliar o conhecimento adquirido na graduação com a pesquisa científica. “Esse é um trabalho importante e no FCecon temos todo o suporte e incentivo  da instituição par continuarmos com esta  pesquisa”, disse a graduanda.

estudante_ceconEstudante de Medicina Isabella Mendes faz a coleta dos dados dos pacientes portadores de tumores gástricos da FCecon

Sobre o Paic

O programa de Apoio à Iniciação Científica (Paic) visa disseminar o conhecimento científico por meio do envolvimento das instituições, pesquisadores e estudantes de graduação em todo o processo de investigação, proporcionando principalmente aos alunos a experiência prática e o desenvolvimento de habilidades em pesquisas.

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)/ Fapeam

O post Pesquisa compara materiais achados na videolaparoscopia em pacientes com câncer gástrico apareceu primeiro em FAPEAM.