Estudo fomentado pela Fapeam analisou o comportamento da matéria orgânica do lodo de esgotos aplicados no solo

A pesquisa analisou lodos retirados de esgotos sanitários oriundos de diferentes localidades e seu rendimento na produção de capim

 

Um projeto de pesquisa desenvolvido pelo mestrando do programa de  Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Diogo André Pinheiro da Silva, avaliou e quantificou a mineralização da matéria orgânica no solo, do lodo de esgoto de tratamento biológico, além do lodo acumulado em sistema alagado construído com escoamento vertical, verificando a produtividade do capim plantado no solo adubado com esses materiais orgânicos.

O projeto foi desenvolvido por meio do Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós-Graduados do Estado do Amazonas (RH Mestrado), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e teve por objetivo verificar a disponibilização de nutrientes desses lodos de esgoto sanitário provenientes de diferentes origens.

Área onde o capim foi plantadoÁrea em que o capim-tifton 85 foi analisado e plantado para a pesquisa

De acordo com Diogo, foram observadas várias amostras do material retirado de diversas camadas do lodo em sistema de escoamento vertical, e o capim analisado na pesquisa foi o capim-tifton 85. “Através da quantificação da mineralização desses materiais orgânicos no solo, podemos ter as informações básicas para a definição da dose agronomicamente adequada e ambientalmente segura da disposição e presença desses resíduos no solo”, disse Silva.

O projeto incorporou os materiais orgânicos ao solo onde o capim foi plantado em uma área em Argissolo Vermelho Amarelo no campus da UFMG,  e após 180 dias de cultivo, foi analisada a produtividade do capim, observando as condições de campo e as climáticas.

Segundo o bolsista do RH Mestrado, o experimento ainda realizou análises físicas e químicas em laboratório e o monitoramento do processo de mineralização dos lodos no solo foi conduzido por 140 dias, utilizando o método respirométrico, técnica com base na medição da degradação do carbono.

“A incorporação dos lodos ao solo concorreu para que houvesse aumento na produtividade do capim tifton-85 e nós observamos que o lodo retirado de sistema alagado foi o que proporcionou os maiores valores de produtividade. Os resultados dessas análises trarão benefícios para a comunidade científica, pois ela poderá levantar informações para a determinação da taxa de mineralização e a possível construção da fertilidade de solos tropicais com o uso de lodo de esgoto”, afirmou Diogo.

Área onde o capim foi plantado 2Através da quantificação da mineralização dos materiais orgânicos são colhidas as informações dos resíduos no solo

Além da Fapeam, o projeto de pesquisa contou com a parceria da Universidade Federal de Minas Gerais, onde Diogo faz o mestrado por meio do programa da Fapeam e teve a participação do professor Antônio Teixeira de Matos, que orientou o bolsista nas pesquisas. Para Diogo, tanto a Fapeam quanto a UFMG,  foram peças fundamentais para a conclusão desse estudo.

“A contribuição dessas duas instituições foi essencial para a minha formação acadêmica e profissional, pois sem o auxílio delas eu e muitos outros bolsistas não conseguiríamos concluir o mestrado. Por isso é importante que instituições de fomento, ensino e pesquisa apoiem seus alunos e pesquisadores”, concluiu.

 

Repórter- Ada Lima (Agência Fapeam)

Fotos- Divulgação

O post Estudo fomentado pela Fapeam analisou o comportamento da matéria orgânica do lodo de esgotos aplicados no solo apareceu primeiro em FAPEAM.

Palestra vai abordar aplicações de raio-x na biotecnologia

A biotecnologia cuida normalmente da parte orgânica das substâncias, e nisso os métodos de Raios-X podem auxiliar com a determinação das estruturas tridimensionais destas moléculas. Para expor a utilização desses métodos, o Centro de Estudos do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) apresenta no dia 7/4, às 9h, a palestra “Métodos de raio-x e suas aplicações na Biotecnologia”, a ser ministrada pela Dra. Cláudia Cândida, pesquisadora do Grupo Crowfoot, e professora do curso de engenharia química da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Segundo Cândida, os elementos inorgânicos podem influenciar na ação antioxidante, na coordenação de moléculas complexas utilizadas como fármacos, bem como serem extraídos e influenciar na toxicidade do produto final.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde. Os eventos ocorrem às sextas-feiras e deles podem participar estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde. A entrada é franca.

SOBRE A PALESTRANTE

Cláudia Cândida é graduada em Química e doutora em Físico-Química pelo Instituto de Química de São Carlos (IQSC), da Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, é professora do curso de Engenharia Química da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), onde é líder do Grupo Crowfoot de Métodos de Raios-X de pesquisa.

Trabalha principalmente com os seguintes temas: cristalografia, química quântica (método semi-empírico), quimiometria, deternimação de estruturas de pequenas moléculas por difração de raios-X por monocristais, difração de raios-X por amostras policristalinas e fluorescência de raios-X.

A palestra ocorrerá no Salão Canoas, auditório do ILMD/Fiocruz Amazônia, situado à rua Teresina, 476, Adrianópolis, zona centro-sul de Manaus.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes.

Foto: Banco de Imagens/ Fiocruz

Todas as notícias em um só lugar