Arquivo da Categoria: Pesquisa

Projeto busca vírus que possam causar pandemias globais

A revista Science publicou, nesta sexta-feira (23/2), um artigo que descreve um projeto que quer fazer diferente usando um velho conselho: é melhor prevenir que remediar. O artigo trata do Projeto Viroma Global (PVG), iniciativa internacional que propõe uma estratégia absolutamente diversa da que tem sido adotada ao combate dos riscos virais. A proposta do PVG é identificar e caracterizar os vírus com potencial de risco, gerando conhecimento que possibilite antever as próximas epidemias e mitigar seus danos. Os cientistas do PVG estimam que há aproximadamente 1,6 milhão de vírus desconhecidos no mundo. Entre eles, de 600 a 800 mil deles podem infectar o homem. Os cientistas do PVG querem saber quem são eles e qual caminho podem seguir. O grupo de cientistas pretende caracterizar os patógenos emergentes, identificar práticas e comportamentos que levam a propagação e ampliação da doença e propor conjunto de medidas para caso de emergências.

A proposta, embora audaciosa, está sustentada em evidências robustas coletadas pelo Predict – um projeto piloto, conduzido pela Agência dos Estados Unidos para Desenvolvimento Internacional (USAIDS) com foco no fortalecimento de competências e estruturas laboratoriais para detectar e prever pandemias a partir de vírus que são transmitidos da relação entre animais e humanos. Para alcançar seu objetivo, o PVG pretende ampliar e fortalecer laboratórios de virologia existentes e criar uma base de dados de larga escala em ecologia e genética de vírus de alto risco propondo transformar a ciência básica em virologia em uma área de conhecimento baseada em big data.

O Predict, em oito anos, com U$ 170 milhões e mais de 30 países parceiros, conseguiu coletar aproximadamente 250 mil amostras de mais de 90 mil origens e identificou aproximadamente mil novos vírus. Capacitou mais de 4 mil profissionais e tem 50 laboratórios em plena atividade. Os números demonstram o acerto na abordagem OneHealth, que considera a intrínseca relação entre a população, animais e o meio ambiente para o mapeamento de vírus que representam perigo para a saúde.

De fato, 75% dos patógenos emergentes é transmitido por animais. De acordo com o artigo publicado na Science, o PVG estima que a maioria da diversidade viral de nossos reservatórios zoonóticos podem ser descobertos, caracterizados e avaliados em um prazo de dez anos. De acordo com o artigo, a iniciativa dependerá da adoção de tecnologias de ponta para sequenciamento além da colaboração entre virologistas, epidemiologistas e modeladores, novas estratégias para avaliar as relações entre vírus e hospedeiros, e conhecimento nas áreas de biologia evolutiva, modelagem de biodiversidade, veterinária, entre outras.

O Brasil faz parte dessa iniciativa. O coordenador do Centro de Desenvolvimento de Tecnologias em Saúde (CDTS/Fiocruz), Carlos Morel, é co-autor do artigo da Science e participa da governança do projeto ao lado do diretor da Unidade de Desenvolvimento e Segurança da Saúde Global da Agência Americana para Ajuda Internacional, Dennis Carroll. O Brasil é um hotspot para pesquisas e coleta de amostras dada a alta probabilidade de extrapolação dos vírus de seus reservatórios para o ser humano.  Além disso, o país tem cientistas com importantes contribuições para a compreensão e prevenção de doenças emergentes virais, como o especialista em virologia do CDTS Thiago Moreno, que a partir do sequenciamento e análise do comportamento do vírus da zika identificou a trajetória da epidemia e testa medicamentos já aprovados para tratar a doença e evitar que a transmissão do vírus para o feto. O Brasil tem biodiversidade, liderança, ciência e experiência em alianças internacionais.

Os organizadores do PVG estão estabelecendo um desenho de gestão transparente e com participação equitativa de cada país envolvido. Questões éticas, sociais, legais pautam as atividades científicas. Na prática, isso representa um esforço para construir protocolos de acesso a biodiversidade e patrimônio genético em conformidade com Protocolo de Nagoya e as regras dos países envolvidos, acordos para o compartilhamento de amostras, dados e potenciais benefícios na hipótese de desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços, além de políticas de proteção da propriedade intelectual e compliance que estabelecem, de antemão, os valores e princípios que os parceiros devem observar, garantindo a proteção das populações e o meio ambiente e a primazia do interesse público e o bem comum. A estratégia de vigilância orientada e baseada no risco, voltada para a detecção de vírus no seu ambiente natural pode conduzir a intervenções eficientes antes do contágio de pessoas ou animais alimentares.

O custo da empreitada foi avaliado em US$ 1,2 bilhão, para aumentar a capacidade de identificação de patógenos, fortalecer capacidades e laboratórios existentes, colher dados e gerar conhecimento. Entre os benefícios, mais conhecimento pode oferecer respostas mais eficientes e rápidas aos surtos, nortear o desenvolvimento e aprimoramento de diagnósticos, medicamentos e vacinas. Entendendo como o vírus se comporta, é possível, inclusive, evitar que se espalhe e criar consciência global e regional e informar políticas para evitar ou mitigar a disseminação dos vírus.

Para fins de comparação, um recente estudo na área da economia da saúde avaliou que o Brasil gastou R$ 2,3 bilhões com dengue, chikungunya e zika, apenas em 2016. Considerado conservador pelos próprios autores, o estudo calculou custos diretos, como atendimento e medicamentos e ausência no trabalho, e indiretos, como o combate ao mosquito vetor, mas excluiu, por exemplo, despesas com tratamento da microcefalia e anos de vida perdidos. Pode-se dizer que o Brasil pagou o preço alto pela inação.

O Boletim Epidemiológico 3/2018 do Ministério da Saúde divulgou que mais de 3 mil crianças nasceram com malformação em virtude do vírus zika entre os anos de 2015 e 2017. Por malformação compreende-se microcefalia, comprometimento do sistema nervoso central, epilepsia, deficiências auditivas e visuais, dificuldade de desenvolvimento psicomotor, além de prejuízos nos ossos e articulações. Entre mais de 15 mil notificações de suspeitas de zika, 507 crianças morreram, desconsiderando abortos e natimortos.

Esse número ganha corpo com a história de Henrique, de 2 anos. Diagnosticado com microcefalia causada pela zika, tem dificuldades de se manter de pé, sentar ou sustentar a cabeça. Pouco fala e mal enxerga. As atividades de fisioterapia, fonoaudiologia, estimulação visual e terapia ocupacional que o menino faz desde o nascimento não têm promovido melhoras expressivas e a mãe de Henrique, apesar da esperança, pouco sabe sobre seu futuro.

Cientistas vêm descobrindo e descrevendo os efeitos das epidemias virais na medida em que seus danos ocorrem. Do mesmo modo que autoridades administrativas na área da saúde tomam decisões no auge dessas emergências. A fragilidade das ações em saúde pública que reagem a propagação de vírus novos e reemergentes não é exclusividade do Brasil. Agora mesmo, assistimos os EUA definindo como lidar com o H3N2, um tipo de influenza A, no meio da crise.

Há muito ainda para ser desenvolvido em termos de tecnologias para diagnósticos e tratamentos. Medicamentos e vacinas levam de 10 a 20 para seu desenvolvimento completo. É um processo longo, complexo, custoso e de alto risco. Por outro lado, aproximadamente três novas doenças virais surgem a cada ano. De acordo com o Ministério da Saúde, em apenas dois anos o número de mortos pelo chikungunya subiu de 14 (2015) para 173 pessoas (2017).

As tecnologias disponíveis não dão conta dos efeitos causados pelas doenças virais emergentes, seja porque pensadas para um grupo limitado de pacientes ou por falta de capacidade de produção e distribuição que garanta o acesso imediato de alto volume de tratamento ou vacinas. O vírus H1N1, por exemplo, foi detectado em 2009 e infectou quase 2 bilhões de pessoas em 73 países. Nesse mesmo prazo, como resposta sanitária, apenas 17% da população global foi imunizada.

Pensar em política públicas de saúde e desenvolver medidas de reparação após a dispersão do vírus expõe a população a danos trágicos, como os de Henrique. Estudos recentes estimam que o mundo conhece apenas 1% dos vírus que podem causar doenças. Mudanças demográficas e ambientais, além do mercado global e trânsito internacional de pessoas, contribuem para o aumento e propagação de vírus novos e reemergentes, como HIV, ebola, Mers, síndrome respiratória aguda grave (SARS), dengue, chikungunya, zika etc.

Detecção precoce é elemento imprescindível para combater as doenças virais emergentes. Nossa capacidade de lidar com as próximas epidemias está limitada pelo desconhecimento sobre essas ameaças. O PVG pretende abastecer a comunidade global com informações necessárias para detectar, prevenir e agir de maneira proativa às epidemias emergentes, mitigando o risco de futuras epidemias reduzindo o impacto das doenças como a zika, que afetou Henrique e sua família. Se o objetivo for alcançado, o preço é insignificante.

CDTS/Fiocruz, por Renata Curi Hauegen
Fonte: AFN

Inimigos dos livros: cartilha mostra como evitar, detectar e combater insetos

Fonte de conhecimento e porta de entrada para um vasto universo de histórias e fantasias, os livros não são apenas procurados por quem deseja se alimentar de saberes, mas, também, são os alvos preferidos de algumas espécies de insetos que devoram suas páginas. A partir de agora, os principais espécimes que provocam danos às bibliotecas e seus acervos históricos estão reunidos em um só lugar. Criada por pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), a cartilha Insetos Bibliófagos – Identificação, prevenção e controle apresenta, com o uso de imagens e de uma linguagem clara, as características básicas e os hábitos de traças, baratas, cupins, dentre outros insetos, e explica as formas mais eficazes para evitar, detectar e combater essas pragas. De autoria dos biólogos Jane Costa e Márcio Felix, do Laboratório de Biodiversidade Entomológica do IOC, o guia está disponível para download gratuito (clique aqui).

Os insetos bibliófagos compõem um grupo diverso que inclui traças, baratas, cupins, besouros e piolhos-de-livro. Alguns consomem e vivem no papel, outros preferem materiais aplicados ao papel, como cola, goma e gelatina. As traças-dos-livros ou traças-de-papel estão entre os principais causadores de danos aos livros e bibliotecas no Brasil. Pragas comuns em climas úmidos, elas possuem hábitos noturnos e podem ser reconhecidas por deixar superfícies ásperas, corroídas e buracos irregulares no papel.

Os cupins, por sua vez, são altamente destrutivos em relação a madeiras estruturais, devido à facilidade com que se espalham em grande quantidade para mobiliários, prateleiras, arquivos e livros. Eles deixam rastros nas formas de buracos profundos, galerias de trajetos irregulares e rasuras. As fezes são geralmente numerosas e em aspecto de diminutos grãos claros.

Geralmente relacionadas a ambientes sujos como esgotos e sarjetas, as baratas também possuem função importante na deterioração de acervos. A cartilha destaca três espécies que apresentam diferentes perfis em relação à temperatura, umidade e tipo de alimentação. No que diz respeito aos danos, elas podem causar desgaste com formato irregular e manchas por conta das fezes escuras.

PREVENÇÃO E CONTROLE

Uma das formas mais eficientes para prevenir os danos causados por insetos bibliófagos é o estabelecimento de um programa de Controle Integrado de Pragas (CIP), que envolve, entre outras ações, a busca regular por sinais de pragas, o uso de armadilhas e o armazenamento dos livros em ambiente limpo e seco. “Essa cartilha tem um enfoque objetivo e pode ser aplicada às questões da preservação dos acervos bibliográficos. É dedicada a todos os profissionais responsáveis por acervos das mais diversas áreas do conhecimento, da saúde à economia, da história da humanidade à ecologia. O material oferece todo um auxílio no passo-a-passo para o monitoramento e controle desses insetos”, esclarece Jane Costa.

Por: Lucas Rocha (IOC/Fiocruz)*
*Edição: Vinicius Ferreira
Fonte: Portal Fiocruz

Corante natural a partir de fungos encontrados em frutos amazônicos

Pesquisa analisa fungos encontrados no buriti, tucumã, pupunha e de ambientes como solo e água para produção de pigmentos naturais

Os fungos encontrados em frutos de espécies nativas da Região Amazônica como buriti, tucumã e pupunha estão sendo analisados com objetivo de serem utilizados como fonte produtora de pigmentos naturais, ou seja, para serem usados como colorantes mais que possuam ação antioxidante ou atividade  pró-vitamínica A. Os pigmentos poderão ser aplicados nos setores alimentício, farmacêutico e cosmético.

A pesquisa desenvolvida na Universidade de São Paulo (USP) conta com apoio do Governo do Amazonas, via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), no âmbito do Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós Graduandos do Estado do Amazonas (PROPG-AM).

Segundo a doutoranda em Biotecnologia Industrial Daiana Torres, para o crescimento dos microrganismos serão utilizados resíduos provenientes do processamento da mandioca, com objetivo de reaproveitar e destinar de forma adequada os resíduos, uma vez que o volume de produção e processamento da mandioca é alto na Região.

Fungos foram encontrados em frutos amazônicos e  ambientes como solo e água. Pesquisa finaliza em 2019

 

A pesquisa iniciou em 2015 e tem previsão para terminar no primeiro semestre de 2019 com a defesa da Tese de Doutorado. A avaliação antioxidante e da atividade pró-vitamínica desses pigmentos ainda estão na análise.

“A pesquisa traz diversos benefícios como a obtenção de pigmentos naturais e com propriedades químicas benéficas ao organismo humano, que poderá ser utilizado tanto pelas indústrias alimentícias, farmacêuticas ou cosméticas. Podemos destacar também o reaproveitamento dos resíduos provenientes do processamento da mandioca, que é uma das culturas de maior volume de produção na Região Norte, o que pode agregar valor a este subproduto agrícola�, destacou.

A pesquisadora explicou ainda que os pigmentos naturais já encontram aplicação na indústria alimentícia, onde são utilizados para realçar a cor de alguns alimentos, como por exemplo, do salmão.

“Além de pigmentar ou realçar a cor em alimentos os carotenoides podem possuir características muito interessantes para a indústria farmacêutica e de cosméticos, pois como já foi dito, eles podem possuir atividade antioxidante, que protegem as células sadias do nosso corpo contra as lesões e os demais danos causados pelo excesso de radicais livres, e ainda apresentam como potenciais fontes de vitamina A�, acrescentou.

Isolamento

 A pesquisa está sendo desenvolvida na Escola de Engenharia de Lorena (EEL\USP), onde estão sendo realizadas as atividades de processos fermentativos para a produção dos pigmentos a partir de fungos isolados e cultivadas nos resíduos de mandioca pré-tratados. E no Laboratório Micologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), onde foram realizados os isolamentos e a identificação dos fungos.

Daiana disse que como pré-requisito para o isolamento foi definido que apenas as leveduras (fungos) que apresentassem coloração seriam de fato isoladas, assim, foi proposto inicialmente, o isolamento de fungos a partir dos frutos de espécies nativas da Região Amazônica, como o buriti, tucumã e pupunha, coletados em área de Reserva Florestal em Manaus, porém, não foi possível isolar leveduras coloridas de todos os frutos coletados, sendo assim, incorporadas leveduras isoladas de outros ambientes, como água e solo.

Leveduras preparadas para serem armazenadas. Pesquisa é realizada durante o curso  de doutorado

 

“Isolar, significa cultivar (crescer) as leveduras fora do seu ambiente natural, ou seja, em meio de crescimento sintético que simula o ambiente natural. Assim, as leveduras utilizadas neste trabalho serão leveduras que crescem naturalmente na superfície de frutos, e que a partir de técnicas laboratoriais específicas serão retiradas dessas superfícies e transferidas para placas de Petri (vidraria de laboratórios), contendo o meio de cultivo que possui substâncias importantes para o crescimento destas leveduras�, disse.

PROPG-AM

O programa concede bolsas de mestrado e doutorado a profissionais graduados, residentes no Estado do Amazonas há, no mínimo, quatro anos, interessados em realizar curso de pós-graduação stricto sensu, em Programa de Pós-Graduação recomendado pela CAPES em outros Estados da Federação.

 “A Fapeam tem apoiado o desenvolvimento desta pesquisa, a partir da concessão da bolsa auxílio, que permite minha manutenção e estadia na cidade de Lorena – SP, para realizar as atividades referentes à Pesquisa. O que também possibilita a troca de informação e de conhecimento com profissionais experientes e com grande conhecimento na área de estudo, podendo firmar entre pesquisadores da Região Sul e Norte do Brasil, a fim de promover o desenvolvimento científico no Amazonas�, finalizou.

Texto – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

Fotos- Acervo do pesquisador

 

 

 

O post Corante natural a partir de fungos encontrados em frutos amazônicos apareceu primeiro em FAPEAM.

Programas de cooperação entre França e países da América do Sul selecionarão até dez projetos

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) divulgou na última  terça-feira (6) os novos editais para seleção de projetos conjuntos de pesquisa para os programas CAPES/MATH-AmSud e CAPES/STIC-AmSud. As inscrições vão até o dia 31 de maio. Serão selecionados até dez projetos de pesquisa para início em 2019.

Os programas são iniciativas de cooperação entre a França, Argentina, Brasil, Chile, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai e têm como objetivo fortalecer a colaboração e a criação de redes de pesquisa, no domínio da matemática (MATH) e das ciências e tecnologias da informação e da comunicação (STIC) entre sul-americanos e franceses.

Cada projeto deverá planejar suas atividades considerando a duração máxima de dois anos. O financiamento compreenderá a realização de missões de pesquisa (missões de trabalho e missões de estudos) entre os grupos participantes.

Acesse os editais: STIC-AmSud e MATH-AmSud

banner_capes2

Fonte: CCS/CAPES

O post Programas de cooperação entre França e países da América do Sul selecionarão até dez projetos apareceu primeiro em FAPEAM.

Estudo de pesquisadores da Fiocruz Amazônia aponta para a necessidade de vigilância ativa para a prevenção de doenças infecciosas

Mudanças climáticas, destruição de ecossistemas, desmatamento e urbanização contribuem para o aumento de várias doenças infecciosas como síndrome pulmonar de hantavírus, dengue, febre amarela, malária, tripanossomíases, leishmaniose e leptospirose no Brasil.

A afirmação é da pesquisadora Alessandra Nava, do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia). Em artigo publicado recentemente, a pesquisadora conclui que “há evidências fortes de que algumas dessas mudanças ambientais se intensificarão no futuro próximo se as principais atividades antropogênicas não forem controladas�, o que hoje é preocupante, diante do aumento dos casos de febre amarela e de outras doenças.

No artigo publicado em 15/12/2017, no National Research Council, Institute of Laboratory Animal Resources (ILAR), Alessandra Nava e os pesquisadores Juliana Suieko Shimabukuro, Aleksei A. Chmura, e Sérgio Luiz Bessa Luz alertam para a necessidade de uma vigilância ativa na prevenção do aparecimento de doenças, especialmente focada em identificar possíveis áreas de risco, antes que estas possam tornar-se ameaça para a saúde humana e animal.

Para a pesquisadora, é necessário que se observe as ações antropogênicas em regiões-chaves que envolvem interações de populações humana, animais e vetores e que dessas interações possam resultar o surgimento de doenças emergentes e reemergentes. Esse cuidado deve estar inserido antes da tomada de decisões e da adoção de políticas públicas para construção de obras que possam alterar significativamente o ecossistema.

“Com esses cuidados seria possível não só estabelecer um sistema de alerta precoce sobre prováveis surtos, bem como fazer a modelagem de propagação, análises e aplicação de medidas rápidas de controle ou mitigação�, reforça a pesquisadora.

Além disso, o artigo sugere que a mortalidade e morbidade humana e animal causada pelas doenças infecciosas emergentes só serão controladas quando for delineada uma abordagem holística e transdisciplinar que seja efetivamente implementada.

BRASIL

No Brasil, a situação é crítica, especialmente dada a ocupação de espaços de florestas e o consequente desmatamento para urbanização, construção de hidrelétricas e expansão da fronteira agrícola, para a produção de alimentos e criação de animais em larga escala.

A consequência disso é que vírus antes identificados apenas em primatas e outros animais, agora estão mais perto de humanos.

Para acessar ao artigo clique.

SOBRE A PESQUISADORA

Alessandra Nava atua no ILMD/Fiocruz Amazônia, é doutora em Ciências em Epidemiologia Experimental e Aplicada às Zoonoses pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, USP. Graduada em Medicina Veterinária pela Universidade de Marília (Unimar), professora e pesquisadora em Epidemiologia e Saúde Pública, membro da Associação Internacional em Ecologia e Saúde IAEH e do grupo especialista em Taiassuídeos da IUCN e membro da Comissão de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Oeste do Pará.

A pesquisadora atua principalmente nos seguintes temas: Ecologia de doenças infecto contagiosas, doenças emergentes, Saúde Pública, Medicina da Conservação, Epidemiologia, Biologia da Conservação e Enfermidades Infecciosas.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Fiocruz avança em transferência de tecnologia contra tuberculose

O Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos/Fiocruz) acaba de concluir mais uma etapa da transferência de tecnologia do medicamento tuberculostático (TB) 4 em 1, considerado o mais eficaz no tratamento da tuberculose. De acordo com o Ministério da Saúde (MS), a doença é um sério problema de saúde pública no Brasil, com profundas raízes sociais. A cada ano, são notificados aproximadamente 70 mil novos casos e ocorrem 4,5 mil mortes em sua decorrência.

Resultado de uma Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP) firmada entre Brasil e Índia, a tecnologia empregada no 4 em 1 permite que o medicamento seja administrado em dose única, já que é composto por quatro ativos em um único comprimido (rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol).

As PDPs são acordos firmados entre indústrias farmacêuticas para transferir a tecnologia de um laboratório para outro. O objetivo é ampliar o acesso a medicamentos e produtos para saúde considerados estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS). Com o financiamento do desenvolvimento nacional, há redução dos custos com a aquisição, visto que atualmente são importados ou representam um alto custo para o sistema.

Atualmente, Farmanguinhos/Fiocruz já alcançou a etapa de realizar o controle de qualidade totalmente nas suas dependências. Em dezembro, nove lotes foram analisados pela equipe do Instituto e mais dez serão concluídos em janeiro de 2018. Ao todo, serão 7 milhões de medicamentos colocados à disposição do Ministério da Saúde para distribuição na rede pública.

Para realizar a nova etapa internalizada, a equipe do controle de qualidade do Instituto teve um extenso trabalho de validação da metodologia analítica antes de iniciar a realização das análises. Esta importante etapa representa um avanço significativo na transferência e agregou conhecimento e inovação para o laboratório da unidade.

A líder do Controle da Qualidade de Farmanguinhos/Fiocruz, Karina Rocha, destacou a oportunidade das análises como um desafio do laboratório. Para ela, analisar uma quantidade de lotes expressivos, baseado em uma nova metodologia, em um curto espaço de tempo demandou o empenho de toda equipe envolvida para abastecer os usuários do SUS o quanto antes.

Ao final da transferência, o Brasil estará apto a produzir e distribuir o 4 em 1 para os usuários do SUS, garantindo independência e autonomia na produção de medicamentos. A nacionalização da tecnologia vai gerar uma economia expressiva aos cofres públicos.

O diretor de Farmanguinhos/Fiocruz, Jorge Mendonça, ressalta a importância desta PDP: “Estamos indo ao encontro da nossa missão, que é fornecer medicamentos para população mais carente. Mesmo com os desafios de vigilância, por serem quatro medicamentos em um, conseguimos aprovar os nove lotes, que devem chegar para o MS na primeira quinzena de janeiro e em seguida, faremos os próximos dez”, frisou. Além disso, estão previstas duas novas parcelas para os meses de abril e setembro, com mais de oito milhões de unidades em cada.

Tecnologia a serviço da população brasileira

Fundado em 1976, Farmanguinhos é uma instituição pública integrante do complexo técnico-científico da Fundação Oswaldo Cruz e ocupa posição estratégica como laboratório farmacêutico oficial vinculado ao Ministério da Saúde do Brasil.

Com capacidade de produção de cerca de 50 tipos de medicamentos diferentes, o Instituto tem atualmente dez parcerias de desenvolvimento produtivo em andamento, além de outras cinco já aprovadas pelo MS em dezembro de 2017. Farmanguinhos se destaca ainda na luta pela redução de custos, permitindo o acesso de mais brasileiros aos programas de saúde pública.

Por Viviane Oliveira (Farmanguinhos/Fiocruz)

 

Pesquisa desenvolve creme à base de jucá no tratamento alternativo contra a Leishmaniose

Resultados da pesquisa indicam que tratamento da leishmaniose tegumentar com o produto microemulsionado, à base de jucá, aumenta a eficácia do tratamento e reduz efeitos colaterais apresentados pelas dolorosas injeções de Glucantime

Uma árvore amazônica, o jucá (Libidibia ferrea), utilizada pelos ribeirinhos como remédio caseiro para diversas enfermidades, pode ser transformada em um novo medicamento alternativo associado à medicação preconizada pelo Ministério da Saúde, o Glucantime, para agir como coadjuvante no tratamento da Leishmaniose tegumentar, doença infecciosa que compromete pele e mucosas. A planta também conhecida como pau-ferro está em estudo no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC).

De acordo com o farmacêutico e doutorando em inovação farmacêutica Bruno Jensen, a pesquisa está em fase de experimentação pré-clínica e restrita a roedores. Os resultados mostraram que o grupo controle que não recebeu tratamento teve uma evolução clínica das lesões cutâneas de 300% maior que o período do inóculo inicial (aquele que dá origem às primeiras infecções) do parasita. Já as lesões tratadas com a microemulsão desenvolvida (formulação translúcida) incorporada com a fração substância encontrada no jucá (diclorometano) tiveram um crescimento de apenas 25%.

O_doutorando_Bruno_Jensen_estuda_o_jucá_como_novo_fármaco_contra_leishmaniose_-_Foto_Luciete_Pedrosa_Ascom_Inpa

Já na comparação entre os grupos tratados – um com a microemulsão e o outro com o Glucantime – medicação preconizada pelo Ministério da Saúde (MS) como primeira escolha para o tratamento da leishmaniose -, foi possível observar que não houve diferença estatística quanto à evolução das lesões.

Na opinião de Jensen, isto significa um aspecto bastante positivo, pois o tratamento desse tipo de leishmaniose poderia ser complementado com o produto microemulsionado, à base de jucá, aumentando a eficácia do tratamento das feridas e reduzindo os efeitos colaterais apresentados a partir da administração da medicação única indicada pelo MS. “A partir daí surge à necessidade de novas alternativas para buscar um medicamento mais eficaz e com menos efeitos colaterais”, alerta Jensen.

Atualmente os pesquisadores conseguiram desenvolver um fitoterápico tópico, composto menos refinado por se tratar do uso de parte da planta, como alternativa da terapia para a Leishmaniose. Os próximos passos da pesquisa é desenvolver um fitofármaco com a molécula isolada mais ativa e incorporada na formulação farmacêutica. “Com isso, será possível viabilizar um medicamento com maior eficácia e com mínimas reações adversas. No momento, estamos abertos a colaboradores para proporcionar o avanço da pesquisa que já vem demonstrando resultados positivos”.

Causada por protozoários do gênero Leishmania, a leishmaniose é dividida em tegumentar (LT), que ataca pele e mucosas, e visceral (LV), conhecida como calazar, que atinge órgãos internos como fígado e baço. A LT possui alta capacidade de produzir deformidades.

Os_pesquisadores_Claudia_Dantas_Anontia_Franca_e_Bruno_Jensen-_Foto_Luciete_Pedrosa_Ascom_INpa

A doença é transmitida ao homem e outras espécies de mamíferos por insetos vetores ou transmissores chamados de flebotomíneos, também conhecidos como birigui, cangalhinha e mosquito-palha. A LT, único tipo registrado no Amazonas, é tratada principalmente com Glucantime e Pentamidina, injeções dolorosas que contribuem para que muitos pacientes desistam do tratamento.

Por ano, as leishmanioses afetam cerca de 2 milhões de pessoas no mundo, com registro anual de 0,7 a 1,3 milhão de novos casos da tegumentar, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, em 2015 foram registrados 19.395 casos de LT, 72% deles no Norte (8.939) e Nordeste (5.152) do Brasil, conforme dados do Ministério da Saúde (MS). O Amazonas ocupa a terceira posição com maior número de casos do Brasil (1.645), ficando atrás apenas do Pará (3.610) e Maranhão (1.684). Os casos identificados no Estado são encaminhados para tratamento nas Fundações de Medicina Tropical e Alfredo da Mata.

 

Fitofármaco

Durante um ano de experimentação (2017), a pesquisa foi objeto de mestrado do farmacêutico Bruno Bezerra Jensen. O grupo de pesquisa do Laboratório de Leishmaniose e Doenças de Chagas do Inpa vem investigando os estudos de frações da árvore do jucá que já tinham apresentado resultados satisfatórios. Agora, a pesquisa prossegue no doutorado em Inovação Farmacêutica da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) com orientação da pesquisadora do Inpa, a doutora Antonia Maria Ramos Franco, líder do grupo de pesquisa.

Na opinião de Franco, o desenvolvimento de novos fármacos é importante e de extrema necessidade para um País que necessita reduzir os custos com relação ao tratamento de uma doença considerada negligenciada – aquelas causadas por agentes infecciosos ou parasitas e que afetam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo.

De acordo com Franco, apesar de tratar-se da vagem do jucá e de suas propriedades farmacológicas, o creme tópico utiliza outras substâncias que juntos auxiliam no tratamento. “Nosso creme é uma formulação própria feito em laboratório, então, não basta pensar que usando o chá ou ralando a vagem e aplicando na ferida que se terá o mesmo resultado ou a cura. Isso não vai acontecer”, alertou.

Busca de parceiros

“Somos especialistas na realização de pesquisas científicas envolvendo este tipo de enfermidade, que é considerada um grande problema mundial, não só no Brasil”, diz a pesquisadora. “Agora, estamos iniciando uma nova etapa que vem a ser a busca por parceiros que tenham interesse em produzir esse fitoterápico à base de jucá em escala industrial, como método alternativo auxiliar no tratamento da leishmaniose e estamos abertos para novas parcerias”, ressalta Franco.

As investigações no Laboratório de Leishmaniose e Doenças de Chagas acontecem a partir do envolvimento da descoberta de novos tratamentos e também no contato com os pacientes que comentam com os pesquisadores o uso de chás e emplastos de ervas para diferentes enfermidades. Para a pesquisadora, esse contato com o paciente é de grande importância para as pesquisas básicas.

“Os resultados promissores obtidos pelos estudos iniciados pela professora Claudia Dantas (2015) motivou-nos a dar continuidade à investigação dessafração (diclorometano), que demonstrou ter um grande potencial na área farmacêutica e na aplicação da terapia da leishmaniose”, diz o doutorando Bruno Jensen.

Potencial

De acordo com o doutorando, o enfoque central do estudo é o desenvolvimento de um fitofármaco (preparações feitas com plantas medicinais ou com os princípios ativos retiradas delas) que será trabalhado a partir dafração diclorometanoe noisolamento de substâncias mais ativas encontradas no jucá para uma nova formulação.

A pesquisa da Dra. Dantas selecionou partes do jucá e avaliou inúmeros extratos. Procurou-se modificar e potencializar a eficácia da fração obtida a partir do extrato de jucá, que obteve maior potencial de atividade, mas que precisava ser melhor estudado. A pesquisa contou com a colaboração da doutora Maria da Paz, do Laboratório de Química de Produtos Naturais do Inpa e da professora doutora Katia Solange, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Ufam, que também coorienta o doutorado de Jensen.

O uso da tecnologia farmacêutica permitiu a elaboração de um novo produto biotecnológico, que passará por um processo de pedido de patente junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi).

Jensen explica que a microemulsão, uma formulação translúcida, é um sistema que apresenta inúmeras vantagens por ser um sistema de controle de liberação de fármacos, de escala nanométrica, e apresentar-se termodinamicamente estável. “Esta tecnologia vem sendo bastante utilizada nas ciências farmacêuticas, permitindo a sua aplicação para o desenvolvimento de formulações com substâncias com atividades antiinflamatórias, analgésicas e antimicrobianas”, destaca.

A pesquisa

Com base nos pontos positivos quanto à formulação da microemulsão, foram desenvolvidas quatro frações. Segundo Jensen, resolveu-se incorporar a fração diclorometano encontrada no jucá – que em ensaios in vitro e in vivo na emulsão desenvolvida na tese da Dra. Claudia, demonstrou ter um grande potencial de atividade –  e aplicar numa microemulsão, que foi objeto de estudo de seu mestrado.

A partir do estudo com a microemulsão, foi realizada a caracterização desse produto, que resultou em formulações estáveis e com parâmetros ideais condizentes com a literatura. Quanto à aplicação da nova formulação no tratamento da leishmaniose, não foram observadas ações de toxicidade cutânea e demonstrou-se bem permeável.

Jensen relata que conforme os resultados finais foi possível constatar que houve um controle do crescimento das lesões dos animais de experimentação que estavam infectados, comparado com outro grupo que não recebeu nenhum tipo de tratamento.

Fonte:  Inpa

 

 

O post Pesquisa desenvolve creme à base de jucá no tratamento alternativo contra a Leishmaniose apareceu primeiro em FAPEAM.

Projeto propõe alternativa para diagnóstico de meningites

Um projeto para diagnóstico e caracterização das principais bactérias causadoras de meningites, elaborado por Ivano de Filippis, biólogo do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz), foi aceito em outubro no InovaBio. O programa é uma iniciativa de Bio-Manguinhos que irá disponibilizar recursos para pesquisas ligadas a inovações na área de biotecnologia. “Estamos desenvolvendo não só a parte do diagnóstico, nosso estudo também pretende identificar qual o tipo de agente etiológico. Assim, saberemos se é necessário vacinar a população e se novas bactérias estão circulando, o que tornaria necessária a produção de uma nova vacina”.

O estudo ainda está na fase inicial e pretende ser uma alternativa rápida, econômica e eficaz aos métodos de diagnóstico convencionais vigentes. O kit, de fácil uso, utilizará uma pequena quantidade de material clínico. O projeto irá adaptar uma técnica de PCR normalmente empregada para diagnóstico de certos tipos de câncer. “Continua tendo a mesma sensibilidade e especificidade do método anterior, porém é muito mais barato e pode ser realizado em hospital público”, enfatiza o biólogo.

Para a produção do futuro kit em escala, é necessário seu aperfeiçoamento e uma empresa disposta a fabricá-lo. “O nosso objetivo é atender às necessidades do SUS, conforme proposta de Bio-Manguinhos”, conclui.

O QUE É MENINGITE?

A causa mais comum das meningites é a infecção por bactérias, fungos, vírus ou protozoários. A doença é uma inflamação das meninges – membranas que envolvem o cérebro – e pode causar lesões como cegueira, surdez e, dependendo da gravidade, até a morte.

Por: Gabrielle Araujo (INCQS/Fiocruz)

 

Confap e MDIC lançam chamada para cooperação entre empresas brasileiras e alemãs

O Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), no conjunto de suas Fundações, e o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços do Brasil (MDIC) publicaram Chamada Pública para apresentação de propostas conjuntas para projetos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) entre empresas alemãs e brasileiras do MDIC e do Ministério Federal da Economia e da Energia da República Federal da Alemanha (BMWi). O objetivo é fomentar empresas brasileiras e Instituições de Ciência, Tecnologia e Inovação – ICTIs (que desenvolvam projetos em parceria com empresas brasileiras) na concepção e viabilização de projetos de inovação tecnológica em cooperação técnico-científica-empresarial com empresas da Alemanha, que resultem no desenvolvimento de novos produtos, processos ou serviços de aplicação industrial direcionados à comercialização no mercado doméstico e global.

Participam desta chamada, financiados por suas respectivas Fundações, os estados do Amazonas (Fapeam), Amapá (Fapeap), Bahia (Fapesb), Distrito federal (FAPDF), Espírito Santo (Fapes), Goiás (Fapeg), Maranhão (Fapema), Minas Gerais (Fapemig), Mato Grosso do Sul (Fundect), Pernambuco (Facepe), Paraná (Fundação Araucária), Rio de Janeiro (Faperj), Rio Grande do Sul (Fapergs), Sergipe (Fapitec), Santa Catarina (Fapesc) e Tocantins (Fapt). O montante de recursos aportados por projeto, bem como o número de projetos financiados, será definido e publicado por cada FAP. As FAPs que aderiram a este edital poderão apoiar projetos aprovados no âmbito da Chamada MDIC-BMWi com recursos provenientes de seus orçamentos próprios.

As propostas deverão ser cadastradas no site do MDIC para Cooperação Internacional, submetidas na Plataforma do SIGConfap (http://sigconfap.ledes.net) e enviadas para o e-mail cooperacaointernacional@mdic.gov.br. Será permitida somente uma proposta por Empresa ou ICT e o prazo para a submissão termina no dia 31 de maio de 2018.

Acesse aqui a Chamada Pública CONFAP-MDIC nº 02/2017.

 

Fonte:  Confap

O post Confap e MDIC lançam chamada para cooperação entre empresas brasileiras e alemãs apareceu primeiro em FAPEAM.

Fapeam e Ministério da Saúde avaliam propostas submetidas ao PPSUS- AM

Programa tem o objetivo de fomentar atividades de pesquisa científica, tecnológica e de inovação na área da saúde

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com o Ministério da Saúde (MS), começou nesta quinta-feira, a avaliação das propostas submetidas à chamada pública de N° 001/2017 do Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde (PPSUS).  A previsão é que os resultados com as propostas aprovadas no programa sejam divulgados em até 90 dias.

O edital conta com investimento da ordem de R$ 2,9 milhões. O programa é uma parceria da Fapeam com o Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (Decit/SCTIE/MS), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Amazonas (Susam).

Segundo o diretor técnico-científico da Fapeam, Dércio Reis, os projetos serão implementados após as avaliações e liberação dos resultados pelo MS e CNPq. Reis destacou a importância do programa PPSUS para a área da saúde no Amazonas.

“As pesquisas realizadas na área da saúde para nossa região são fundamentais porque temos alguns problemas que são, praticamente, exclusivos da Região Norte. Por isso, investimentos dentro dessas linhas de pesquisas são importantes para o conhecimento das doenças e tratamento”, destacou o diretor técnico-científico da Fapeam.

O consultor técnico do Ministério da Saúde do Programa de Pesquisa para o SUS, José Eloy dos Santos Junior, informou que o programa teve, aproximadamente, 80 propostas submetidas.

Segundo Junior, as propostas avaliadas no momento passaram por uma comissão formada por especialistas de diversas áreas da saúde de fora do Estado do Amazonas, onde foram avaliadas questões como mérito e relevância das propostas. A ideia de usar pesquisadores de outros Estados é para deixar o processo transparente e imparcial.

“Nessa fase, agora, já temos o ranking a partir das melhores notas. Todas as propostas são avaliadas e o que se espera é que a gente consiga a partir destas comissões fomentar as melhores pesquisas conforme as prioridades do Estado na área da saúde. Todas as pesquisas avaliadas até o momento são muito boas e tem mérito técnico científico, mas temos que apontar as prioridades na área da saúde. Todo esse trabalho está sendo feito de forma criteriosa”, detalhou.

Junior disse ainda que o grande diferencial do PPSUS é que se trata de um edital local, diferente dos editais lançados a nível nacional, ou seja, possui um recurso destinado para cada unidade federativa.

“Antes da chamada do edital ser lançada é feita uma oficina de prioridade, onde os pesquisadores e gestores da área da saúde participam de uma grande reunião onde são apontadas as prioridades. Quem indica as prioridades são os gestores e pesquisadores locais, um caráter mais íntimo ao programa de pesquisa”, acrescentou.

PPSUS

O PPSUS financia projetos de pesquisa que promovam a melhoria da qualidade da atenção à saúde no Estado do Amazonas no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS), representando significativa contribuição para o desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) local.

banner_ppsus

No mês de maio o Governo do Amazonas por meio da Fapeam lançou a chamada pública do edital Nº001/2017 do Programa Pesquisa para o SUS: gestão compartilhada em saúde (PPSUS). Cada pesquisador pôde apresentar uma proposta de pesquisa e solicitar até R$ 200 mil reais para o desenvolvimento do projeto. A submissão de propostas foi realizada até o mês de agosto de 2017.

 

 

Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

 

 

 

 

 

 

 

O post Fapeam e Ministério da Saúde avaliam propostas submetidas ao PPSUS- AM apareceu primeiro em FAPEAM.