Arquivo da Categoria: Pce

Exposição fotográfica retrata Teatro Amazonas e seu entorno sob o olhar de estudantes

 A exposição acontece no Teatro Chaminé ate o dia 2 de fevereiro. As fotografias foram feitas por alunos do IEA

O Teatro Amazonas e seu entorno foram registrados de ângulos diferentes pelas lentes dos alunos do Instituto de Educação do Amazonas (IEA). As fotografias fazem parte da exposição “Minha Cultura, Meu Maior Patrimônio”, que está no Teatro Chaminé, no Centro de Manaus, até o dia 2 de fevereiro de 2018.

A ação que contribui para a valorização da cultura conta 30 registros fotográficos. A exposição está aberta para visitação de terça a sábado, 13h às 17h. No domingo de 11h às 15h. A entrada é gratuita.

A exposição fotográfica é uma das fases do projeto intitulado ‘Minha cultura, meu maior patrimônio: a valorização dos patrimônios materiais do centro histórico de Manaus pelos alunos do 6º e 7º anos do IEA’, aprovado na edição 2017 do Programa Ciência na Escola (PCE).

De acordo com a coordenadora do projeto, Denise Bezerra, o público que visitar a exposição poderá encontrar por meio das fotografias o olhar dos estudantes através da valorização dos patrimônios históricos de Manaus.

“Esta é uma das atividades desenvolvidas dentro do projeto do PCE 2017. Após a exposição, pensamos em fazer com as fotos um leilão beneficente em prol do Abrigo Coração do Pai, bairro Japiim. As peças serão leiloadas e expostas no abrigo com objetivo de fazer com que as pessoas conheçam e ajudem o local. A data do evento ainda está sendo definida. Mas, quem visitar a exposição já pode escolher a fotografia e deixar anotado o lance”, contou a professora.

IMG_3086

Exposição fotográfica é uma das fases do projeto desenvolvido no âmbito do Programa Ciência na Escola (PCE)

Antes da exposição, as histórias por trás dos patrimônios materiais do centro histórico de Manaus estavam sendo conhecidas e registradas pelos alunos  a partir da perspectiva artística, educação patrimonial e alfabetização científica.

O projeto do PCE também contou com a parceria dos graduandos do curso de Comunicação Social-Relações Públicas da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). A parceria possibilitou a realização de cursos e oficinas de fotografias para os alunos do IEA.

A bolsista de alfabetização científica, Marcella Wolfarth, que participa pela segunda vez do PCE, conta que a exposição mostra uma parte do aprendizado adquirido na sala de aula e que o público pode conferir de perto este trabalho.

“Tivemos oficinas com os alunos da Ufam que passaram dicas sobre ângulos e o uso da câmera para fazermos as melhores fotografias. No projeto, procuramos saber mais sobre os monumentos, teve toda uma pesquisa antes de fazermos as fotos. As fotografias, que fazem parte da exposição, mostram detalhes que muitas vezes passam despercebidos pela população”, disse Marcella.

A bolsista do PCE, Leika Silveira, disse que foi gratificante fazer o registro do Teatro Amazonas e do entorno.

“A cada registro foi possível conhecer mais sobre a história de cada local. Por meio do projeto, percebemos que os patrimônios culturais da nossa cidade devem ser valorizados e preservados”, contou a estudante.

Para a aluna, Rayandra Paz,  foi um privilégio participar do projeto e ver o trabalho fazer parte de uma exposição. Uma experiência, segundo ela, que levará para a vida.

“Eu consegui fazer foto próximo ao Teatro Amazonas e da Igreja São Sebastião. Muitas pessoas que moram em Manaus não conhecem os pontos turísticos da cidade, como estudante tive essa oportunidade de conhecer e saber a história deles”, disse Rayandra.

FOTO EXPOSIÇÃO TEATRO CHAMINÉ

Exposição conta 30 registros fotográficos e fica aberta para visitação de terça a sábado, 13h às 17h. No domingo de 11h às 15h. A entrada é gratuita.

 

PCE

O PCE incentiva a atração de alunos e professores ao mundo da pesquisa científica no ambiente escolar, envolvendo-os, a partir do 6º do ensino fundamental até a 3ª série do ensino médio, em projetos de cunho científico ou tecnológico.

A atividade é realizada com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

A edição 2017 do PCE, contou com 396 propostas aprovadas que contemplam Manaus e outros 35 municípios do Estado.

A Secretária Executiva Adjunta Pedagógica da Seduc, Luciana Cáuper, destacou que o programa dar suporte  na capacitação técnica do professor em relação a  área científica, tecnológica e inovadora e que isso contribui na formação dos alunos.

IMG_3072

Coordenadora do projeto na escola com os alunos expositores e a Secretária Executiva Adjunta Pedagógica da Seduc, Luciana Cáuper

“É um programa que contribui com  todo o desenvolvimento da escola, porque eles passam a ter contado com a pesquisa científica aliada as práticas pedagógicas que já estão sendo desenvolvidas na escola. Isso é muito positivo para os alunos e para a escola”, contou.

A coordenadora institucional do PCE/ Seduc, Simara Couto de Abrantes, disse que o programa é muito importante para os alunos e professores, uma vez que o incentivo a pesquisa desperta no aluno o interesse para pesquisa científica.

“Este incentivo, desde a educação básica, faz com que o aluno tenha mais interesse e certeza também sobre a área que irá seguir e continuar trilhando o caminho da ciência”, disse.

IMG_3124

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)/ Fapeam

O post Exposição fotográfica retrata Teatro Amazonas e seu entorno sob o olhar de estudantes apareceu primeiro em FAPEAM.

Estudantes aprendem Geografia por meio de jogos lúdicos

Projeto é desenvolvido via o Programa Ciência na Escola e tem auxiliado alunos na aprendizagem da disciplina

Quem disse que aprender brincando não é possível? Os estudantes da Escola Municipal Antonina Borges de Sá, no bairro São José, Zona Leste de Manaus, estão aprendendo de uma forma diferente a disciplina de Geografia. As aulas agora contam com o apoio de jogos lúdicos que auxiliam no ensino e aprendizagem desta matéria.

Amarelinha, jogo da velha, trilha dos países, caça palavras, quebra-cabeça, roleta magnética e dominó são alguns exemplos de jogos trabalhados na escola.  O projeto trabalha com alunos do 8º ano do ensino fundamental e mostrou que os jogos têm influenciado e melhorado o desempenho dos alunos na disciplina.

O projeto é desenvolvido com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) via o Programa Ciência na Escola (PCE), realizado em parceria com a  Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

IMG_2333

Jogos têm influenciado e melhorado o desempenho dos alunos na disciplina de Geografia na Escola Municipal Antonina Borges de Sá

 

Segundo a coordenadora do projeto, Raquel Vieira, a atividade conseguiu despertar e aumentar o interesse dos estudantes em aprender a disciplina.

“Sabemos que os alunos adoram jogar. Fizemos uma pesquisa para saber se eles gostavam das aulas com jogos lúdicos e o resultado foi positivo. Os dados mostram que eles acham as aulas dinâmicas mais atrativas e, consequentemente, auxilia na aprendizagem” conta Raquel.

Raquel disse ainda que o projeto é oportuno porque identifica e contextualiza as atividades lúdicas como instrumento pedagógico, interagindo com materiais e procedimentos variados ao ampliar as concepções relativas ao ensino da geografia.

O projeto conta a participação de cinco bolsistas da alfabetização científica do PCE, que ajudam a levar o conhecimento adquirido com o projeto aos demais estudantes da escola. A equipe é formada pelos estudantes: Ana Paula Mendonça, Mikael da Silva, Luiz de Souza, Keven Ribeiro e Jennifer Laredo.

A bolsista Jennifer Laredo disse que o projeto de alfabetização científica conseguiu despertar seu interesse pela pesquisa e em aprender mais sobre a disciplina.

“Os jogos lúdicos da forma como está sendo aplicado têm nos ajudado a aprender e entender a disciplina de forma mais fácil” disse a estudante.

PCE

O PCE incentiva a aproximação da ciência no ambiente escolar e pretende envolver professores e estudantes das Escolas Públicas Estaduais do Amazonas e Municipais de Manaus, do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental, da 1ª à 3ª série do Ensino Médio, em projetos de pesquisa científica e tecnológica.

IMG_2337

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon

O post Estudantes aprendem Geografia por meio de jogos lúdicos apareceu primeiro em FAPEAM.

Estudantes aprendem Geografia por meio de jogos lúdicos

Projeto é desenvolvido via o Programa Ciência na Escola e tem auxiliado alunos na aprendizagem da disciplina

Quem disse que aprender brincando não é possível? Os estudantes da Escola Municipal Antonina Borges de Sá, no bairro São José, Zona Leste de Manaus, estão aprendendo de uma forma diferente a disciplina de Geografia. As aulas agora contam com o apoio de jogos lúdicos que auxiliam no ensino e aprendizagem desta matéria.

Amarelinha, jogo da velha, trilha dos países, caça palavras, quebra-cabeça, roleta magnética e dominó são alguns exemplos de jogos trabalhados na escola.  O projeto trabalha com alunos do 8º ano do ensino fundamental e mostrou que os jogos têm influenciado e melhorado o desempenho dos alunos na disciplina.

O projeto é desenvolvido com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) via o Programa Ciência na Escola (PCE), realizado em parceria com a  Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

IMG_2333

Jogos têm influenciado e melhorado o desempenho dos alunos na disciplina de Geografia na Escola Municipal Antonina Borges de Sá

 

Segundo a coordenadora do projeto, Raquel Vieira, a atividade conseguiu despertar e aumentar o interesse dos estudantes em aprender a disciplina.

“Sabemos que os alunos adoram jogar. Fizemos uma pesquisa para saber se eles gostavam das aulas com jogos lúdicos e o resultado foi positivo. Os dados mostram que eles acham as aulas dinâmicas mais atrativas e, consequentemente, auxilia na aprendizagem” conta Raquel.

Raquel disse ainda que o projeto é oportuno porque identifica e contextualiza as atividades lúdicas como instrumento pedagógico, interagindo com materiais e procedimentos variados ao ampliar as concepções relativas ao ensino da geografia.

O projeto conta a participação de cinco bolsistas da alfabetização científica do PCE, que ajudam a levar o conhecimento adquirido com o projeto aos demais estudantes da escola. A equipe é formada pelos estudantes: Ana Paula Mendonça, Mikael da Silva, Luiz de Souza, Keven Ribeiro e Jennifer Laredo.

A bolsista Jennifer Laredo disse que o projeto de alfabetização científica conseguiu despertar seu interesse pela pesquisa e em aprender mais sobre a disciplina.

“Os jogos lúdicos da forma como está sendo aplicado têm nos ajudado a aprender e entender a disciplina de forma mais fácil” disse a estudante.

PCE

O PCE incentiva a aproximação da ciência no ambiente escolar e pretende envolver professores e estudantes das Escolas Públicas Estaduais do Amazonas e Municipais de Manaus, do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental, da 1ª à 3ª série do Ensino Médio, em projetos de pesquisa científica e tecnológica.

IMG_2337

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon

O post Estudantes aprendem Geografia por meio de jogos lúdicos apareceu primeiro em FAPEAM.

Projeto do Programa Ciência na Escola usa rede social para auxiliar no ensino da matemática

Rede social Edmodo é semelhante ao Facebook, mas voltada para área da educação, e permite resoluções de questões e interações virtuais entre os estudantes

Não é novidade que as redes sociais fazem sucesso, principalmente, entre adolescentes e jovens. Toda essa interação digital agora faz parte de um projeto de alfabetização científica que busca despertar ainda mais o interesse dos alunos pela disciplina de matemática por meio de uma plataforma semelhante ao Facebook. A atividade é desenvolvida com alunos do ensino médio da Escola Estadual Cid Cabral da Silva, no bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus.

O projeto é desenvolvido com apoio do Governo do Amazonas via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) por meio do Programa Ciência na Escola (PCE) realizado em parceria com a  Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

A plataforma utilizada no ensino da disciplina de matemática é a Edmodo, uma rede social educativa que permite os alunos terem acesso a diversos conteúdos com facilidade, em qualquer lugar, por meio dos smartphone, computadores e tabletes.

Segundo o coordenador do projeto, o professor Frank Osorio Junior, o grande desafio de ensinar a Matemática se dar pelo fato de tornar as aulas um atrativo para os alunos. Por isso, ele decidiu aliar a tecnologia ao ensino da disciplina.

“Desta forma tornamos as aulas mais proveitosas, pois a plataforma Edmodo tem uma gama de funcionalidades que atraem os alunos e permite a interação  com os demais colegas em salas virtuais, com a mediação direta e indireta do professor coordenador”, disse.

IMG_2238

Professor Frank disse que a ferramenta desperta o interesse dos alunos para aprendizagem da disciplina da matemática

Ainda segundo Junior, como o projeto é realizado com alunos do 1° ano do ensino médio, a ideia é fazer simulados com base no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e desta forma prepara-los para as provas. A estimativa do professor é fazer com que 300 alunos da escola participem dos testes.

“A rede social é similar ao facebook, onde podemos postar conteúdos, vídeos, atividades e testes. Isso cria um vínculo com o aluno, pois a cada momento que postamos algum conteúdo na rede, o aluno cadastrado receberá uma notificação. Assim como acontece nas redes sociais já conhecidas, o aluno poderá visualizar as notificações. O aluno também poderá esclarecer dúvidas sobre a disciplina ou expor sua ideia sobre determinada questão”, contou Junior.

IMG_2246

Edmodo é uma plataforma digital parecida com o Facebook, mas voltada para área o ensino e aprendizagem

Para a bolsista do PCE, Lorrany de Oliveira Braga, a tecnologia na escola faz com que os alunos se interessem mais pela disciplina de matemática que muitas vezes é considerada difícil pelos estudantes.

“Os estudantes acham a matemática difícil por envolver cálculo. Com esta tecnologia podemos ver algo diferente que além de nos ajudar permite essa interação com os outros colegas da sala para resolver as questões”, disse.

A estudante Giselly de Almeida, que também integra a equipe de bolsistas do PCE, disse que o projeto é uma experiência boa e nova. Giselly revelou também ter dificuldade na aprendizagem da disciplina. “Eu não sou boa em matemática, mas como o trabalho envolve tecnologia e redes sociais isso  despertou meu interesse pela matemática e fez com que eu melhorasse nas minhas atividades escolares”, contou.

Já o estudante Lucas Pereira destacou que o projeto tem sido inovador e que a ferramenta educativa o ajudou a melhorar as notas na escola.

“No primeiro bimestre quando o professor começou a explicar e usar o Edmodo a minha nota melhorou no 2° bimestre comparada ao 1°bimestre”, destacou.

PCE

O PCE incentiva a aproximação da ciência no ambiente escolar e pretende envolver professores e estudantes de escolas públicas estaduais do Amazonas e municipais de Manaus, do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, da 1ª à 3ª série do ensino médio, em projetos de pesquisa científica e tecnológica.

Além do incentivo à ciência e pesquisa, o programa pretende facilitar o acesso a informações científicas e tecnológicas aos diferentes participantes do programa bem como contribuir para o processo de formação continuada de professores da rede pública de ensino além de despertar a vocação científica e incentivar talentos entre os estudantes.

IMG_2229

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

Vídeo – Secom

O post Projeto do Programa Ciência na Escola usa rede social para auxiliar no ensino da matemática apareceu primeiro em FAPEAM.

Projeto do Programa Ciência na Escola usa rede social para auxiliar no ensino da matemática

Rede social Edmodo é semelhante ao Facebook, mas voltada para área da educação, e permite resoluções de questões e interações virtuais entre os estudantes

Não é novidade que as redes sociais fazem sucesso, principalmente, entre adolescentes e jovens. Toda essa interação digital agora faz parte de um projeto de alfabetização científica que busca despertar ainda mais o interesse dos alunos pela disciplina de matemática por meio de uma plataforma semelhante ao Facebook. A atividade é desenvolvida com alunos do ensino médio da Escola Estadual Cid Cabral da Silva, no bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus.

O projeto é desenvolvido com apoio do Governo do Amazonas via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) por meio do Programa Ciência na Escola (PCE) realizado em parceria com a  Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

A plataforma utilizada no ensino da disciplina de matemática é a Edmodo, uma rede social educativa que permite os alunos terem acesso a diversos conteúdos com facilidade, em qualquer lugar, por meio dos smartphone, computadores e tabletes.

Segundo o coordenador do projeto, o professor Frank Osorio Junior, o grande desafio de ensinar a Matemática se dar pelo fato de tornar as aulas um atrativo para os alunos. Por isso, ele decidiu aliar a tecnologia ao ensino da disciplina.

“Desta forma tornamos as aulas mais proveitosas, pois a plataforma Edmodo tem uma gama de funcionalidades que atraem os alunos e permite a interação  com os demais colegas em salas virtuais, com a mediação direta e indireta do professor coordenador”, disse.

IMG_2238

Professor Frank disse que a ferramenta desperta o interesse dos alunos para aprendizagem da disciplina da matemática

Ainda segundo Junior, como o projeto é realizado com alunos do 1° ano do ensino médio, a ideia é fazer simulados com base no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e desta forma prepara-los para as provas. A estimativa do professor é fazer com que 300 alunos da escola participem dos testes.

“A rede social é similar ao facebook, onde podemos postar conteúdos, vídeos, atividades e testes. Isso cria um vínculo com o aluno, pois a cada momento que postamos algum conteúdo na rede, o aluno cadastrado receberá uma notificação. Assim como acontece nas redes sociais já conhecidas, o aluno poderá visualizar as notificações. O aluno também poderá esclarecer dúvidas sobre a disciplina ou expor sua ideia sobre determinada questão”, contou Junior.

IMG_2246

Edmodo é uma plataforma digital parecida com o Facebook, mas voltada para área o ensino e aprendizagem

Para a bolsista do PCE, Lorrany de Oliveira Braga, a tecnologia na escola faz com que os alunos se interessem mais pela disciplina de matemática que muitas vezes é considerada difícil pelos estudantes.

“Os estudantes acham a matemática difícil por envolver cálculo. Com esta tecnologia podemos ver algo diferente que além de nos ajudar permite essa interação com os outros colegas da sala para resolver as questões”, disse.

A estudante Giselly de Almeida, que também integra a equipe de bolsistas do PCE, disse que o projeto é uma experiência boa e nova. Giselly revelou também ter dificuldade na aprendizagem da disciplina. “Eu não sou boa em matemática, mas como o trabalho envolve tecnologia e redes sociais isso  despertou meu interesse pela matemática e fez com que eu melhorasse nas minhas atividades escolares”, contou.

Já o estudante Lucas Pereira destacou que o projeto tem sido inovador e que a ferramenta educativa o ajudou a melhorar as notas na escola.

“No primeiro bimestre quando o professor começou a explicar e usar o Edmodo a minha nota melhorou no 2° bimestre comparada ao 1°bimestre”, destacou.

PCE

O PCE incentiva a aproximação da ciência no ambiente escolar e pretende envolver professores e estudantes de escolas públicas estaduais do Amazonas e municipais de Manaus, do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, da 1ª à 3ª série do ensino médio, em projetos de pesquisa científica e tecnológica.

Além do incentivo à ciência e pesquisa, o programa pretende facilitar o acesso a informações científicas e tecnológicas aos diferentes participantes do programa bem como contribuir para o processo de formação continuada de professores da rede pública de ensino além de despertar a vocação científica e incentivar talentos entre os estudantes.

IMG_2229

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

Vídeo – Secom

O post Projeto do Programa Ciência na Escola usa rede social para auxiliar no ensino da matemática apareceu primeiro em FAPEAM.

Estudantes do PCE expõem trabalhos em shopping de Manaus

Três projetos do PCE envolvendo sustentabilidade, jogos lúdicos e na área da saúde foram apresentados ao público na última segunda-feira (30)

Três projetos desenvolvidos no âmbito do Programa Ciência na Escola (PCE) participaram na última segunda-feira (30) de uma exposição realizada no Espaço Cultural da Cidadania Ambiental (Ecam), no Manauara Shopping.  Produtos feitos a partir de materiais reciclados, jogos lúdicos para o  ensino da disciplina da Geografia e cuidados com a saúde foram os trabalhos apresentados ao público pelos bolsistas de alfabetização científica do programa.

O programa é desenvolvido pelo Governo do Amazonas via a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas, em parceria com as Secretarias Estadual e Municipal de ensino, e permite a produção da ciência dentro do espaço escolar por meio do desenvolvimento de projetos de pesquisa que oportunizam a formação acadêmica e a transformação do pensar, fazer e entender ciência pelo cidadão.

O projeto intitulado ‘Jovens empreendedores: artesanato sustentável’, realizado na Escola Municipal Vicente de Paula, no bairro Japiim, mostrou os produtos desenvolvidos na escola a partir das ações da educação ambiental e reaproveitamento dos materiais como garrafa pet e caixas de leite, que antes teriam como o destino o lixo.

FOTO 1

Bolsistas do PCE reaproveitam materiais descartados e transformam em produtos sustentáveis em Manaus

A atividade é realizada com alunos do 6º ano do ensino fundamental. De acordo com a coordenadora do projeto, Socorro Brelaz, a ideia de trabalhar essa ação na escola surgiu ao ver a grande quantidade lixo jogado nas ruas.

Na prática, os alunos aprendem sobre a reciclagem e a importância da sustentabilidade na preservação do meio ambiente.

“Os alunos se tornaram multiplicadores deste conhecimento, eles fazem as coletas dos materiais que serão usados para confeccionar os produtos. Utilizamos caixas de leite, CD, garrafas plásticas e retalhos de tecidos que são transformados em jogos, enfeites natalinos, objetos de decoração para casa e utilidades”, disse a professora.

A bolsista do projeto Lívia Oliveira contou que já aprendeu muito sobre quais  produtos podem ser criados a partir do reaproveitamento de materiais, além de saber a importância da reciclagem e como tudo isso impacta no meio ambiente.

Para a Lorena Flávia, que também participa do projeto, a atividade traz benefício não apenas aos estudantes da escola, mas para toda sociedade.

“Isso nos ajuda fazer com que as pessoas entendam sobre o que é reciclagem, um incentivo para não descartarem o lixo em qualquer lugar”, destacou.

Jogos Lúdicos

 Os jogos lúdicos utilizados por estudantes da Escola Municipal Antonina Borges de Sá, no bairro São José, também foram expostos no Ecam. O projeto intitulado ‘Os Jogos Lúdicos no Ensino-Aprendizagem nas Aulas de Geografia’ trabalha com alunos do 8º ano do ensino fundamental e mostrou como os jogos têm influenciado e melhorado o desempenho dos alunos na disciplina.

Amarelinha, jogo da velha, trilha dos países, caça palavras, quebra-cabeça, roleta magnética e dominó são alguns exemplos de jogos trabalhados na escola. De acordo com a coordenadora do projeto, Raquel Vieira, a atividade desperta e aumenta o interesse dos estudantes pela disciplina de Geografia.

FOTO 3

Jogos lúdicos têm aumentado o interesse e desempenho de alunos na disciplina de Geografia

“Sabemos que os alunos adoram jogar. Fizemos uma pesquisa para saber se eles gostavam das aulas com jogos lúdicos e o resultado foi positivo. Os dados mostram que eles acham as aulas dinâmicas mais atrativas e, consequentemente, auxilia na aprendizagem” conta Raquel.

 Saúde

Na área da saúde, os bolsistas do PCE do ensino de Educação de Jovens e Adultos (EJA) realizaram aferição de pressão, tudo supervisionado pelo coordenador do projeto, o professor da disciplina de Ciências Arthur Castro.

FOTO 2

Projeto do PCE desenvolvido na área da saúde  tem objetivo de fazer um  pré-diagnóstico verificando a pressão dos alunos e funcionários da escola

O projeto intitulado ‘Pré-diagnóstico da Hipertensão Arterial’ desenvolvido na Escola Municipal Madre Tereza de Calcutá, no bairro Jorge Teixeira, tem o objetivo de desenvolver ações de rastreamento de possíveis hipertensos inseridos na escola.

“Queremos fazer um pré-diagnóstico para verificar pressão dos alunos e funcionários. Todos os alunos da escola estão envolvidos na atividade. Eles têm mostrado um desempenho muito bom dentro do projeto, aprendendo todo dia e na prática como é realizada a pesquisa científica” disse o professor.

A estudante Adriana Campos informou que esta é a primeira vez que participa de um projeto que envolve pesquisa científica. Ela informou que por essa experiência tudo indica que seguirá carreira na área da saúde.

“Com esse incentivo tenho a oportunidade de crescer e adquirir mais conhecimento. É um trabalho em conjunto que permitirá eu chegar na graduação mais preparada, no que diz respeito a pesquisa”, disse Adriana.

FOTO 4

 

Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

Fotos – Decon

O post Estudantes do PCE expõem trabalhos em shopping de Manaus apareceu primeiro em FAPEAM.

Projeto de pesquisa ensina educação financeira em escola pública em Manaus

Estudo é realizado no âmbito do PCE da Fapeam que envolve turmas do 1º ano do Ensino Médio

Ser consumidor ou consumista? Esse é um dos diversos questionamentos realizados no projeto “Educação Financeira na Escola: Planejando a Vida”, realizado por estudantes do 1º ano do ensino médio da Escola Estadual Profª Adelaide Tavares de Macedo, situada no bairro Alvorada, na Zona Centro-Oeste de Manaus.

O projeto, que é coordenado pela professora de Artes e Sociologia Mariá de Nazaré Conceição Sena, é realizado no âmbito do Programa Ciência na Escola (PCE) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e conta com a participação das alunas Adria Cristina, Giovanna Galvão e Suzyane Oliveira. Além das bolsistas, as turmas de 1º ano do turno matutino participam das atividades do grupo de pesquisa.

Segundo a professora Mariá, o projeto tem a proposta de trabalhar a cultura da prevenção voltada à educação financeira. Ela conta que o estudo busca também orientar os alunos sobre o comportamento deles em sociedade e como ser um consumidor e não um consumista.

IMG_1475

Estudantes aprendem na prática, desde cedo, como planejar a mesada e a ajudar no orçamento familiar

 

“Eles (alunos) aprendem a se planejarem financeiramente desde cedo. O planejamento vai desde a redução do consumo de energia até questões sobre como fazer compras de forma sustentável. Será que devo comprar aos pouquinhos ou devo me planejar para ir ao supermercado e comprar tudo de uma vez?”, questiona.

Mariá destacou que além do conhecimento repassado durante as atividades do projeto, os alunos são incentivados a serem multiplicadores dos conceitos aprendidos. A ideia é que seus familiares, amigos e conhecidos também compreendam a importância da educação financeira.

“Vamos tornar os alunos multiplicadores de ações. Tudo o que eles aprendem na escola vão passar de alguma forma para família deles. Por exemplo, nós fizemos estudo dos 5R’s que vão desde repensar suas atitudes até reciclar. Os alunos também irão trazer de casa as contas de energia e criaremos uma dinâmica para fazer a redução desse gasto no imóvel”, contou.

Conforme a professora, a dinâmica será realizada em todas as turmas nas quais ela ministra aula. O desafio será avaliado como nota do terceiro bimestre. Os alunos irão listar todos os eletroeletrônicos que possuem em casa e a forma de interação das pessoas com esses objetos.

“Outra questão que a gente trabalha dentro do projeto é análise da fatura do cartão de crédito e como as pessoas se programam para comprar e pagar suas contas. Analisamos também à lista de compras de supermercado”, ressaltou Mariá.

MVI_1466.MOV.09_23_06_02.Quadro001

A ideia é que familiares, amigos e conhecidos também compreendam a importância da educação financeira

 

A proposta de fazer multiplicadores do conhecimento sobre educação financeira tem dado certo. A bolsista Adria Cristina conta que mudou seus hábitos de consumo e que seus familiares também têm se enquadrado nesse novo momento. Segundo a bolsista, a redução do valor da conta de energia é a prova de que o projeto tem alcançado seus objetivos.

“Consegui aprender várias coisas que eu fazia de errado e com dinheiro que gastava com besteiras posso usar em coisas melhores. Por exemplo, eu compro roupas novas e dou as antigas pra quem precisa. Outra coisa, quando todo mundo sai de casa eu tiro todos os objetos das tomadas. Hoje pagamos R$ 121 de energia, antes pagávamos muito mais. É um alívio. Quando saímos para fazer compras sempre pergunto para minha mãe se aquilo que estamos comprando é realmente preciso”, ressaltou.

Assim como Adria, a bolsista Giovana Galvão também tem repensado a maneira de consumir e planejar seu orçamento. “Estou gostando bastante do projeto porque agora consigo pensar melhor em como gastar o dinheiro que recebo dos meus pais e não gastar com besteiras. Penso sempre em investir em alguma coisa maior”, disse.

Para a bolsista Suzyane Oliveira, o estudo tem sido uma base que incentiva o estudante a pensar e planejar o futuro. “Quando estiver mais adulta já vou ter essa base e vou saber como investir ao invés de ficar gastando e não ter nada de volta, como muitos adultos fazem. Então, acho que se a gente economizar a partir de agora o nosso dinheiro, pra faculdade ou pra comprar nossa casa futuramente, é mais importante”, finalizou.

 O PCE

O programa incentiva a atração de alunos e professores ao mundo da pesquisa científica no ambiente escolar, envolvendo-os, a partir do 6º do ensino fundamental até a 3ª série do ensino médio, em projetos de cunho científico ou tecnológico. Ao todo, 396 propostas foram aprovadas pela Fapeam e contemplam Manaus e outros 35 municípios do Estado.

 

Texto e fotos:  Decon

O post Projeto de pesquisa ensina educação financeira em escola pública em Manaus apareceu primeiro em FAPEAM.