Arquivo da Categoria: parteiras

Evento promovido pela Fiocruz Amazônia em parceria com a Susam reunirá parteiras indígenas em São Gabriel da Cachoeira

Um total de 45 parteiras de diferentes etnias indígenas, estarão reunidas na comunidade Uaretê, de São Gabriel da Cachoeira, nos dias 6 e 7 de agosto, para a realização da 15ª oficina de troca de saberes do projeto “Redes vivas e práticas populares de saúde: conhecimento tradicional das parteiras e a educação permanente em saúde para o fortalecimento da rede de atenção à saúde da mulher no Estado do Amazonas”.

O projeto é desenvolvido pelo Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), por meio do Laboratório de História, Políticas e Saúde na Amazônia (Lahpsa), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) e conta com aporte financeiro do Ministério da Saúde (MS).

Com apoio do Distrito Sanitário Especial de Saúde Indígena (DSEI) de São Gabriel da Cachoeira, durante os dois dias, parteiras, gestores e profissionais de saúde do município participarão de atividades para explorar os aspectos de atuação, localização e forma de cuidado com gestantes e recém-nascidos.

Para o coordenador do projeto e pesquisador do Lahpsa/ILMD/Fiocruz Amazônia, Júlio Cesar Schweickardt, além de ser uma prática de assistência ao parto, as parteiras atuam como lideranças e referência nos seus locais e contextos comunitários. “Conhecer e reconhecer o trabalho das parteiras tradicionais, principalmente as indígenas, significa valorizar as ações dessas mulheres no campo da saúde, garantindo o seu lugar junto às equipes de saúde nas comunidades”, salientou.

Segundo uma das coordenadoras do projeto e coordenadora da Saúde da Mulher da Susam, Sandra Cavalcante, a Secretaria reconhece a importância das parteiras tradicionais na Amazônia e vem sistematicamente trabalhando com essas mulheres desde 2008, com muitas ações para o fortalecimento dessa categoria.

ATIVIDADES DO PROJETO

A cada oficina realizada, o grupo de pesquisa ajuda as parteiras a escrever uma Carta de Demanda que será encaminhada à gestão das secretarias de saúde, Distrito Sanitária Especial de Saúde Indígena (DSEI) e maternidades.

O projeto tem como área de abrangência nove regiões de saúde do Amazonas e as comunidades indígenas. As oficinas já foram realizadas em Manaus, Itacoatiara, Parintins, Borba, Maués, Nova Olinda do Norte, Tefé (duas oficinas), Tabatinga (três oficinas), Belém do Solimões, Boa Vista dos Ramos e Jutaí.

O projeto ainda desenvolve ações de educação permanente e popular em saúde, produção do conhecimento com as parteiras tradicionais, preparação de material pedagógico e produção de material de divulgação.

SERVIÇO

O quê: Oficina Troca de Saberes Parteiras do Amazonas

Quando: Terça e quarta-feira, 6 e 7 de agosto

Horário: 08h às 17h

Onde: Comunidade Uaretê, de São Gabriel da Cachoeira

Lahpsa / ILMD Fiocruz Amazônia, por Mirineia Nascimento
Foto: Arquivo Lahpsa

Fiocruz Amazônia e Susam realizam oficina de troca de saberes com parteiras, gestores e profissionais de saúde em Nova Olinda do Norte

Começou hoje, 28/02, e vai até quinta-feira, 01/03, a sexta oficina de trocas de saberes do projeto “Redes vivas e práticas populares de saúde: conhecimento tradicional das parteiras e a educação permanente em saúde para o fortalecimento da rede de atenção à saúde da mulher no Estado do Amazonas”. As atividades acontecem na sede da Associação Pestalozzi, em Nova Olinda do Norte, no horário das 8h às 17h.

O projeto é desenvolvido pelo Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), através do Laboratório de História, Políticas e Saúde na Amazônia (LAHPSA) em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) e conta com aporte financeiro do Ministério da Saúde (MS).

Com apoio da Secretaria Municipal de Saúde de Nova Olinda do Norte, articulado pela Susam, durante os dois dias, parteiras, gestores e profissionais de saúde do município participam das atividades para explorar os aspectos de atuação, localização e forma de cuidado com gestantes e recém-nascidos.

Segundo o coordenador do projeto, Júlio Cesar Schweickardt, conhecer e reconhecer o trabalho das parteiras tradicionais significa mudar as concepções sobre as ações dessas mulheres no campo da saúde, garantindo o seu lugar como um agente de saúde nos territórios. Para ele, além de ser uma prática milenar de assistência ao parto, essas personagens atuam como lideranças e referência nos seus locais e contextos comunitários. “Estamos operando não somente com conceitos, mas também com formas de realizar a saúde nos diferentes territórios e grupos sociais da Amazônia”, destacou o coordenador.

A cada oficina realizada, o grupo de pesquisa ajuda as parteiras a escrever uma Carta de Demanda que é encaminhada à gestão das secretarias de saúde e maternidades. Amanhã a oficina contará com a participação da Secretária Municipal de Saúde de Nova Olinda do Norte, Romina Alves de Brito.

O projeto tem como área de abrangência 20 regiões de saúde do Amazonas e sua conclusão está prevista para o final de 2018. As oficinas já foram realizadas em Manaus, Lindoia, Tefé, Maués e Parintins e no final de março, o destino da equipe do projeto será o município de Lábrea, distante 702 quilômetros de Manaus.

Lahpsa/Fiocruz Amazônia, por Mirinéia Nascimento
Fotos: Mirinéia Nascimento

Fiocruz Amazônia promove oficina de troca de saberes com parteiras e profissionais de saúde em Vila de Lindoia – Itacoatiara

Valorizar as práticas tradicionais e populares das parteiras através da pesquisa e da formação para o fortalecimento da Rede da Saúde da Mulher no Estado do Amazonas é o objetivo geral do projeto “Redes vivas e práticas populares de saúde: conhecimento tradicional das parteiras e a educação permanente em saúde para o fortalecimento da rede de atenção à saúde da mulher no estado do Amazonas”, que está sendo desenvolvido pelo Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), por meio do Laboratório de História, Políticas e Saúde na Amazônia (Lahpsa), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) e apoio financeiro do Ministério da Saúde (MS).

Dentre as atividades do projeto, está a realização de 20 oficinas de troca de saberes, em nove regiões de saúde do Amazonas até 2018, sendo a segunda programada para os dias 10, 11 e 12 de maio, no horário das 8h às 17h, na Comunidade de Lindóia (km 190 da AM-010), em Itacoatiara, município do Amazonas.

A primeira oficina de troca de saberes, realizada de 18 a 20 de abril, no auditório da Secretaria Municipal de Educação (Semed) teve um total de 30 participantes, dentre elas parteiras, gestores e profissionais de saúde, que ao final o encontro escreveram uma Carta de Demanda a ser encaminhada à gestão das secretarias de saúde e maternidades.

Para esta segunda oficina, o projeto conta com o apoio da Secretaria Municipal de Saúde de Itacoatiara e a Unidade Básica de Saúde (UBS) de Lindóia.

ATIVIDADES

Durante os três dias de oficina, acontecerão rodas de conversas para explorar os aspectos de atuação, localização e forma de cuidado com gestantes e recém-nascidos.

Segundo uma das Coordenadoras do Projeto e Coordenadora da Saúde da Mulher da Secretaria de Estado da Saúde (Susam), Sandra Cavalcante, a Secretaria da Saúde reconhecendo a importância das Parteiras Tradicionais na Amazônia, vem sistematicamente trabalhando com essas mulheres desde 2008, com muitas ações para o fortalecimento dessa categoria.

“Hoje no Amazonas contamos com aproximadamente 1.270 Parteiras Tradicionais cadastradas e cerca de 480 capacitadas. Com esse novo projeto, essa parceria entre Susam e Fiocruz Amazônia visa propiciar a valorização das práticas populares das parteiras por meio de pesquisa e da formação para o fortalecimento da Rede da Saúde da Mulher no Estado”, explica Cavalcante.

Para a outra Coordenadora do Projeto, Luena Matheus de Xerez, que também coordena o Grupo Condutor Estadual da Rede Cegonha e Comissão Intergestores Regional de Manaus, Alto Rio Negro e Entorno na Susam, o encontro demonstra a compreensão da importância destas pessoas na construção do Sistema Único de Saúde (SUS) e na atenção prestada às mulheres. “As práticas deste projeto alimentam a reflexão sobre o modelo biomédico centrado no hospital e no profissional, enquanto o cuidado delas é todo norteado para as necessidades, inclusive emocionais, das mulheres e famílias. Essas práticas se sustentam no vinculo, na responsabilidade e na solidariedade, valores tão caros a uma sociedade que cuida dos seus cidadãos”, conclui Xerez.

Após a conclusão das 20 oficinas, a próxima etapa do projeto será a promoção de ações de educação permanente e popular em saúde, nos processos de qualificação e de produção do conhecimento com as parteiras tradicionais, que se dará por meio da formação de apoiadores/facilitadores dos cursos, preparação de material pedagógico e produção de material de divulgação.

Mirinéia Nascimento (Lahpsa- ILMD/Fiocruz Amazônia)