Arquivo da Categoria: Notícias

Inpa faz avaliação clínica de peixes-bois antes de soltar os animais nos rios da Amazônia

A expedição faz parte do Programa de Reintrodução de Peixes-bois da Amazônia, coordenado pela pesquisadora do Inpa, Vera Silva, líder do Laboratório de Mamíferos Aquáticos (LMA), em parceria com o Projeto Museu na Floresta e a Universidade de Kyoto (Japão)

 

Texto e foto: Luciete Pedrosa – Ascom Inpa

 

 Siteequipepescandopexies boisparaeamesclinicosFotoLucietePedrosaAscomInpa

 

Avaliar as condições clínicas e sanitárias para selecionar os 10 peixes-bois mais aptos para serem reintroduzidos de volta à natureza, no final de março deste ano. Este é o objetivo da expedição que o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) realiza com a captura de 24 animais mantidos num lago de readaptação, no município de Manacapuru (AM), distante a 68 quilômetros de Manaus.

 

Iniciada na última terça-feira (20), a atividade prossegue até neste sábado (24). Ao todo, 15 colaboradores entre técnicos, veterinários, tratadores e biólogos estão envolvidos na expedição para realizar a biometria (pesagem e medidas), coleta sangue e fezes nos 24 peixes-bois. Após os resultados dos exames, serão selecionados os animais que serão soltos na natureza. A soltura é sempre realizada no rio Purus, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Piagaçu-Purus, na região de Beruri (a 173 quilômetros de Manaus)

 

A expedição faz parte do Programa de Reintrodução de Peixes-bois da Amazônia, coordenado pela pesquisadora do Inpa, Vera Silva, líder do Laboratório de Mamíferos Aquáticos (LMA), em parceria com o Projeto Museu na Floresta – uma cooperação científica entre o Inpa e a Universidade de Kyoto (Japão). As ações tiveram início em 2008 e até agora já foram devolvidos para a natureza 12 animais.

 

 SiterLagodeReadaptaçãoondeospeixes boisficamantewsdesoltruaFotoLucietePedrosa

 

De acordo com o responsável pelo Programa de Reintrodução, o biólogo Diogo Alexandre de Souza, o lago é uma área de piscicultura de 13 hectares (equivalente à área do Bosque da Ciência do Inpa, em Manaus) com profundidade de 2 metros onde os animais permanecem para uma readaptação gradual à natureza. A readaptação no lago teve início em 2011 e faz parte da etapa de pré-soltura.

 

“Os animais, depois de reabilitados no Inpa, são levados para esse lago para que tenham uma readaptação mais branda antes da soltura definitiva na natureza�, explica Souza. Os 24 animais (machos e fêmeas) estão nessa etapa de semi-cativeiro entre 6 meses e 4 anos.

 

A última pré-soltura aconteceu em agosto do ano passado quando foram translocados 12 peixes-bois dos tanques do Inpa para o lago de readaptação. A operação durou três dias com a translocação de quatro animais por dia. No lago, são feitas capturas anuais, geralmente, em outubro, para avaliar as condições físicas dos animais para futuramente serem devolvidos à natureza.

 

Segundo o biólogo, este ano a reintrodução acontecerá no final de março, que é o período que acontece a enchente nos rios, e quando a oferta de alimentos na natureza é mais abundante. Ele explica que serão levados, de maneira inédita, 10 animais de uma vez só. “Durante a expedição, os animais serão transportados em piscinas e ocorrerá uma atividade ambiental com as comunidades que vivem no entorno da RDS Piagaçu-Purus como tem acontecido nos últimos dois anos naquela região�.

 

O biólogo também explica que normalmente a expedição tem levado de 4 a 5 animais, mas dessa vez serão 10 indivíduos por causa do sucesso do Programa de Reintrodução, assim como pelos indicadores positivos da soltura como o ganho de peso considerável dos animais. “Os peixes-bois têm conseguido sobreviver por mais de ano, ou seja, eles passam por todo um pulso de inundação completo, e isso é importante, pois desta forma sabemos que os animais conseguem sobreviver tanto na cheia como na seca�, diz Souza. “Então, para acelerar o processo de reintrodução serão devolvidos aos rios 10 animais�, completa.

Exames

 

SiteExamesnospeixes boisFotoLucietePedrosaAscomInpa

 

Na opinião do veterinário do LMA, Anselmo D’Affonseca, em tese todos os animais que estão no lago de readaptação, em Manacapuru, estão aptos para serem soltos na natureza, mas podem ser desclassificados, ou pelo estado físico geral (se estiver magro ou com um ferimento), ou pelos resultados dos exames clínicos, caso apresentem algum problema.

 

Segundo o veterinário, os exames clínicos, nesta etapa de soltura definitiva, são necessários para maior segurança a fim de avaliar o estado geral dos animais. “Caso algum peixe-boi apresente alguma alteração como, por exemplo, peso abaixo do que quando foi enviado para o semi-cativeiro, este será desclassificado para ser solto, neste momento�.

Fiocruz Amazônia abre inscrições para mestrado acadêmico em Condições de Vida e Situações de Saúde

O Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) abre inscrições para o curso de mestrado acadêmico do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA).

O período de inscrições ocorre de 13 a 29 de março de 2018.  Serão oferecidas 17 vagas divididas em duas linhas de pesquisa: Fatores sócio biológicos no processo saúde-doença na Amazônia, com seis vagas; e Processo Saúde-Doença e Organização da Atenção a populações indígenas e outros grupos em situações de vulnerabilidade, com onze vagas.

Poderão participar do processo de seleção candidatos que até a data da matrícula, completarem curso de graduação de duração plena devidamente reconhecido pelo MEC. O curso é em regime integral e as aulas estão previstas para iniciar dia 10 de setembro deste ano. Ao final do mestrado, o egresso do curso receberá diploma de Mestre em Saúde Pública.

As inscrições serão feitas exclusivamente pela internet por meio da Plataforma Siga, que somente poderá ser acessada pelo navegador Internet Explorer. O candidato tem que preencher o formulário de inscrição nesta plataforma e anexar documentos de identificação com foto (carteira de identidade, carteira militar ou de conselho de classe), CPF, RNE (Registro Nacional de Estrangeiros) ou passaporte para candidatos estrangeiros e pagar a taxa de R$ 100,00. A divulgação das inscrições homologadas será no dia 10 de abril.

Para mais informações, consulte a chamada pública.

topo_materia_ppgvida_820x350

Fonte: Fiocruz Amazônia

O post Fiocruz Amazônia abre inscrições para mestrado acadêmico em Condições de Vida e Situações de Saúde apareceu primeiro em FAPEAM.

Fiocruz Amazônia inicia em Tabatinga mais um módulo do curso de Especialização Vigilância em Saúde na Rede de APS

Até sábado, 24/2, acontece em Tabatinga (AM), o quarto módulo Curso de Especialização em Vigilância em Saúde na Rede de Atenção Primária à Saúde (APS) na Tríplice Fronteira do Alto Solimões, oferecido pelo Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia).

A disciplina Vigilância Epidemiológica I está sendo ministrada desde o dia 19/2, pelos professores José Ueleres Braga e Daniel Barros de Castro. Nesta etapa são abordados conceitos e métodos epidemiológicos aplicados à vigilância e controle de doenças e agravos à saúde: medidas epidemiológicas e desenhos de estudo; técnicas de análise de dados aplicados ao diagnóstico de saúde da população residente na tríplice fronteira Brasil-Colômbia-Peru; e introdução à investigação de surtos e epidemias: propósitos, etapas e operacionalização.

O curso iniciou no dia 23/10/2017 com alunos do Brasil, Peru e Colômbia. As aulas são ministradas no Instituto Federal do Amazonas (Ifam/Campus Tabatinga).

 O próximo módulo, Vigilância Epidemiológica II, será realizado no período de 19 a 24 de março.

PARCEIROS

O curso é resultado de parceria com a Organização Panamericana de Saúde – Opas, Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), Aisa-MS, Programa de Doenças Sexualmente Transmissíveis – Aids do Ministério da Saúde, Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas (Susam), Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Amazonas (Cosems-AM), Ifam/Campus Tabatinga, ProEpi/MS e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Para outras informações sobre o curso, clique.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Valderice Mendes

 

Fiocruz Amazônia divulga relatório de atividades institucionais

Já está disponível para consulta o relatório de atividades do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), que apresenta a síntese das ações desenvolvidas pela instituição em 2016.

É possível conferir informações sobre recursos humanos do ILMD, saúde do trabalhador, planejamento e aprimoramento da tecnologia da informação, gestão documental, programação e execução orçamentária, ações de destaques dos laboratórios da Fiocruz Amazônia, cooperação institucional, atividades de extensão e popularização da ciência, além de uma série de outros dados.

O relatório permite ao cidadão acompanhar os trabalhos desenvolvidos pela Instituição, na sua missão de contribuir para a melhoria das condições de vida e saúde das populações amazônicas e para o desenvolvimento científico e tecnológico regional, integrando a pesquisa, a educação e ações de saúde pública.

Para Sérgio Luz, diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, os interessados na ciência como um bem comum a serviço da melhoria da qualidade de vida, devem dedicar, ao menos, parte do seu tempo para divulgar as ações que cientistas, técnicos e instituições brasileiras de pesquisa fazem em prol de toda a sociedade.

“Seguindo essas premissas, o Instituto Leônidas & Maria Deane torna público seu Relatório de Atividades 2016, prestando contas à sociedade sobre suas realizações neste exercício e apresentando, em alguns casos, a trajetória dos últimos quatro anos, como forma de ilustrar os caminhos percorridos para se chegar aos resultados alcançados em 2016�, explicou Luz.

Clique aqui para ler a íntegra do relatório.

O RELATÓRIO

O Relatório Anual do ILMD/Fiocruz Amazônia é fruto do trabalho de uma equipe de alta performance, que forneceu informações e indicadores sobre as atividades desenvolvidas ao longo do ano pela instituição. As informações concentram valores institucionais estabelecidos e seus diversos eixos, dentre eles, o compromisso com o caráter público e estatal, a ética e a transparência e com a democratização do acesso ao conhecimento.

O objetivo é fomentar uma análise quali-quantitativa das atividades da instituição, promovendo a transparência junto ao público: jornalistas, pesquisadores, colaboradores, gestores, usuários do SUS entre outros.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

Corante natural a partir de fungos encontrados em frutos amazônicos

Pesquisa analisa fungos encontrados no buriti, tucumã, pupunha e de ambientes como solo e água para produção de pigmentos naturais

Os fungos encontrados em frutos de espécies nativas da Região Amazônica como buriti, tucumã e pupunha estão sendo analisados com objetivo de serem utilizados como fonte produtora de pigmentos naturais, ou seja, para serem usados como colorantes mais que possuam ação antioxidante ou atividade  pró-vitamínica A. Os pigmentos poderão ser aplicados nos setores alimentício, farmacêutico e cosmético.

A pesquisa desenvolvida na Universidade de São Paulo (USP) conta com apoio do Governo do Amazonas, via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), no âmbito do Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós Graduandos do Estado do Amazonas (PROPG-AM).

Segundo a doutoranda em Biotecnologia Industrial Daiana Torres, para o crescimento dos microrganismos serão utilizados resíduos provenientes do processamento da mandioca, com objetivo de reaproveitar e destinar de forma adequada os resíduos, uma vez que o volume de produção e processamento da mandioca é alto na Região.

Fungos foram encontrados em frutos amazônicos e  ambientes como solo e água. Pesquisa finaliza em 2019

 

A pesquisa iniciou em 2015 e tem previsão para terminar no primeiro semestre de 2019 com a defesa da Tese de Doutorado. A avaliação antioxidante e da atividade pró-vitamínica desses pigmentos ainda estão na análise.

“A pesquisa traz diversos benefícios como a obtenção de pigmentos naturais e com propriedades químicas benéficas ao organismo humano, que poderá ser utilizado tanto pelas indústrias alimentícias, farmacêuticas ou cosméticas. Podemos destacar também o reaproveitamento dos resíduos provenientes do processamento da mandioca, que é uma das culturas de maior volume de produção na Região Norte, o que pode agregar valor a este subproduto agrícola�, destacou.

A pesquisadora explicou ainda que os pigmentos naturais já encontram aplicação na indústria alimentícia, onde são utilizados para realçar a cor de alguns alimentos, como por exemplo, do salmão.

“Além de pigmentar ou realçar a cor em alimentos os carotenoides podem possuir características muito interessantes para a indústria farmacêutica e de cosméticos, pois como já foi dito, eles podem possuir atividade antioxidante, que protegem as células sadias do nosso corpo contra as lesões e os demais danos causados pelo excesso de radicais livres, e ainda apresentam como potenciais fontes de vitamina A�, acrescentou.

Isolamento

 A pesquisa está sendo desenvolvida na Escola de Engenharia de Lorena (EEL\USP), onde estão sendo realizadas as atividades de processos fermentativos para a produção dos pigmentos a partir de fungos isolados e cultivadas nos resíduos de mandioca pré-tratados. E no Laboratório Micologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), onde foram realizados os isolamentos e a identificação dos fungos.

Daiana disse que como pré-requisito para o isolamento foi definido que apenas as leveduras (fungos) que apresentassem coloração seriam de fato isoladas, assim, foi proposto inicialmente, o isolamento de fungos a partir dos frutos de espécies nativas da Região Amazônica, como o buriti, tucumã e pupunha, coletados em área de Reserva Florestal em Manaus, porém, não foi possível isolar leveduras coloridas de todos os frutos coletados, sendo assim, incorporadas leveduras isoladas de outros ambientes, como água e solo.

Leveduras preparadas para serem armazenadas. Pesquisa é realizada durante o curso  de doutorado

 

“Isolar, significa cultivar (crescer) as leveduras fora do seu ambiente natural, ou seja, em meio de crescimento sintético que simula o ambiente natural. Assim, as leveduras utilizadas neste trabalho serão leveduras que crescem naturalmente na superfície de frutos, e que a partir de técnicas laboratoriais específicas serão retiradas dessas superfícies e transferidas para placas de Petri (vidraria de laboratórios), contendo o meio de cultivo que possui substâncias importantes para o crescimento destas leveduras�, disse.

PROPG-AM

O programa concede bolsas de mestrado e doutorado a profissionais graduados, residentes no Estado do Amazonas há, no mínimo, quatro anos, interessados em realizar curso de pós-graduação stricto sensu, em Programa de Pós-Graduação recomendado pela CAPES em outros Estados da Federação.

 “A Fapeam tem apoiado o desenvolvimento desta pesquisa, a partir da concessão da bolsa auxílio, que permite minha manutenção e estadia na cidade de Lorena – SP, para realizar as atividades referentes à Pesquisa. O que também possibilita a troca de informação e de conhecimento com profissionais experientes e com grande conhecimento na área de estudo, podendo firmar entre pesquisadores da Região Sul e Norte do Brasil, a fim de promover o desenvolvimento científico no Amazonas�, finalizou.

Texto – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

Fotos- Acervo do pesquisador

 

 

 

O post Corante natural a partir de fungos encontrados em frutos amazônicos apareceu primeiro em FAPEAM.

Ufam sedia 13º Congresso Internacional Rede Unida

Com o tema “Faz escuro, mas cantamos: redes em re-existência nos encontros das águas�, a Associação Brasileira Rede Unida (Rede Unida) promove, entre os dias 30 de maio e 02 de junho, seu 13º Congresso Internacional. O congresso é realizado com a co-organização do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia).

O evento terá abertura realizada no auditório Eulálio Chaves, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), e as demais atividades distribuídas entre os auditórios do Setor Sul do Campus Universitário Arthur Virgílio Filho.  Entre os destaques da programação está o Encontro Nacional das parteiras tradicionais e a Conferência do Conselho Nacional de Saúde (CNS).

INSCRIÇÕES ABERTAS

O congresso pretende reunir trabalhadores da saúde, usuários do SUS, pesquisadores, estudantes, professores, gestores e representantes de movimentos sociais das áreas da educação e da saúde, para refletir e dialogar sobre os processos de saúde e vida. Para efetivar a inscrição no congresso é necessário realizar um cadastro no site da Rede Unida. O valor das inscrições varia de acordo com a categoria do participante.

Para a categoria estudantes de graduação, estudantes de nível médio e representantes de movimentos sociais que se inscreverem até o dia 30 de março, o valor das inscrições é de 180 reais. Depois do dia 30 de março o valor sobe para 200 reais.

Para a categoria profissionais, docentes e trabalhadores, o valor das inscrições é de 300 reais até 30 de março. Confira os valores das inscrições para as demais categorias.

SOBRE O 13º CONGRESSO

O 13º Congresso Internacional da Rede Unida visa propor o debate em torno da saúde, educação, arte e cultura, participação cidadã, da gestão e do trabalho em saúde na perspectiva do fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS).

São parceiros desta edição a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), Conselho Nacional de Saúde (CNS), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Ministério da Saúde (MS), Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), Secretaria de Estado da Cultura (SEC), Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Secretaria Municipal de Educação (Semed), Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Amazonas (Cosems-AM) e ILMD/Fiocruz Amazônia, co-organizador do Congresso.

Agência Rede Unida de Comunicação, por Márcia Grana (Ascom/Ufam)
Fonte: Rede Unida
Foto: Divulgação

Gestão de Pessoas do Inpa realiza pesquisa de Clima Organizacional entre os servidores ativos

O resultado da pesquisa gerará subsídios importantes que ajudará o Inpa elaborar um planejamento estratégico de RH muito mais eficiente

 

Da Redação - Ascom Inpa

 

Para avaliar o nível de satisfação e motivação no ambiente de trabalho no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), a Coordenação de Gestão de Pessoas (COGPE) aplica durante três meses uma pesquisa de Clima Organizacional entre os servidores ativos do Instituto. A pesquisa já está disponível e o formulário online pode ser respondido até o final de maio de 2018.

 

Além de conhecer os fatores que afetam positiva ou negativamente a satisfação e motivação dos colaboradores, a pesquisa facilitará também encontrar pontos que podem ser melhorados, assim como identificar fatores internos e externos que interferem na produtividade das pessoas, na interação da equipe e mensurar a satisfação dos colaboradores perante a organização.  

 

banner pesquisa rotativo 

 

Segundo a coordenadora da COGPE, Carolina Maia, a pesquisa de Clima Organizacional cumpre um papel importante para o sucesso da organização, pois é uma das principais e mais importantes ferramentas de gestão estratégica que um gestor pode utilizar para avaliar. “A partir dela a empresa realiza uma análise do engajamento e satisfação dos servidores, que é fundamental para o crescimento da instituição�.

 

O resultado da pesquisa gerará subsídios importantes que ajudarão o Inpa elaborar um planejamento estratégico de RH muito mais eficiente.

 

Para participar da pesquisa e acessar o formulário, basta informar a matrícula colocando com o zero (0) na frente. As respostas individuais são confidenciais.

Inpa abre dez vagas para o curso de doutorado em Biologia de �gua Doce e Pesca Interior

Poderão candidatar-se ao curso de doutorado, mestre em Ciências Biológicas ou áreas afins e/ou correlatas; graduados, sem títulos de mestre, em Ciências Biológicas ou áreas afins e/ou correlatas

 

Por Luciete Pedrosa – Ascom Inpa

Foto: Acervo Elizabeth Gusmão

 

SitetambaquiAcervo ElizabethGusmão

 

Estão abertas as inscrições do processo seletivo para dez vagas no curso de doutorado em Biologia de Ã�gua Doce e Pesca Interior (BADPI) no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia para ingresso a partir de maio de 2018. As inscrições prosseguem até o dia 11 de março. O curso de doutorado em BADPI é classificado com nota 4 nas avaliações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).  

 

De acordo com o edital, a seleção tem a finalidade de selecionar e classificar os candidatos para ingresso no curso de doutorado do Programa de Pós-Graduação BADPI com projetos de pesquisa que se enquadrem nas seguintes linhas de pesquisa: Biologia, ecologia e conservação de organismos aquáticos; Limnologia e dinâmica de áreas alagáveis; Conhecimento e distribuição da biodiversidade aquática amazônica; e Manejo e conservação de recursos pesqueiros.

 

Poderão candidatar-se ao curso de doutorado, mestre em Ciências Biológicas ou áreas afins e/ou correlatas; graduados, sem títulos de mestre, em Ciências Biológicas ou áreas afins e/ou correlatas com experiência profissional comprovadas por meio de Curriculum Vitae com autoria principal em pelo menos dois artigos  científicos, publicados em revista indexada e com corpo editorial.  

 

Os interessados deverão enviar os documentos listados no edital para o seguinte endereço: ppbbadpi@gmail.com.

 

A seleção será composta Pelas seguintes etapas: avaliação do Projeto de Tese (eliminatória) e análise curricular (classificatória). O Projeto Tese será avaliado por três professores/pesquisadores doutores selecionados pelo Conselho do Programa. Já a análise curricular dos candidatos aprovados na primeira etapa tomará como base os documentos encaminhados no momento da inscrição e avaliará a experiência profissional dos candidatos em pesquisa, por meio de publicações científicas.

 

A lista dos candidatos classificados será encaminhada por e-mail a todos os candidatos inscritos e divulgada no site do Inpa a partir do dia 10 de maio.

Fiocruz Amazônia abre inscrições para mestrado acadêmico em Condições de Vida e Situações de Saúde  

O Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) abre inscrições para o curso de mestrado acadêmico do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA).

O período de inscrições ocorre de 13 a 29 de março de 2018.  Serão oferecidas 17 vagas divididas em duas linhas de pesquisa: Fatores sócio biológicos no processo saúde-doença na Amazônia, com seis vagas; e Processo Saúde-Doença e Organização da Atenção a populações indígenas e outros grupos em situações de vulnerabilidade, com onze vagas.

Poderão participar do processo de seleção candidatos que até a data da matrícula, completarem curso de graduação de duração plena devidamente reconhecido pelo MEC. O curso é em regime integral e as aulas estão previstas para iniciar dia 10 de setembro deste ano. Ao final do mestrado, o egresso do curso receberá diploma de Mestre em Saúde Pública.

As inscrições serão feitas exclusivamente pela internet por meio da Plataforma Siga, que somente poderá ser acessada pelo navegador Internet Explorer. O candidato tem que preencher o formulário de inscrição nesta plataforma e anexar documentos de identificação com foto (carteira de identidade, carteira militar ou de conselho de classe), CPF, RNE (Registro Nacional de Estrangeiros) ou passaporte para candidatos estrangeiros e pagar a taxa de R$ 100,00. A divulgação das inscrições homologadas será no dia 10 de abril.

Para mais informações, consulte a chamada pública.

ILMD / Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Programas internacionais da Capes têm últimos dias de inscrições abertas

Os programas de Professor Visitante (PVE), Pós-doutorado e Doutorado-pleno, chamadas, que contemplam bolsas no exterior pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), estão nos últimos dias para inscrição. Os interessados que cumprirem os requisitos descritos em cada edital terão até 21 de fevereiro para se candidatarem. Não haverá prorrogação do prazo.

Professor Visitante
O Programa tem como objetivo oferecer bolsa no exterior para a realização de estudos avançados após o doutorado e destina-se a pesquisadores ou docentes que possuam vínculo empregatício com instituição brasileira de ensino ou pesquisa. São duas categorias de bolsa: Júnior, para professor ou pesquisador, com vínculo empregatício, que possua até doze anos de doutoramento; ou Sênior, para professor ou pesquisador, com vínculo empregatício, que possua mais de doze anos de doutoramento.

Serão concedidas até 200 bolsas, sendo 100 para cada categoria. A duração da bolsa será definida na concessão, com base na duração aprovada pelas instituições de origem e de destino e o cronograma de execução do projeto proposto, podendo variar entre quatro e 12 meses, prorrogáveis por até seis meses, sem ônus para a CAPES, desde que autorizado pela instituição empregadora e pela Capes.

Pós-doutorado
O Programa oferta bolsas para a realização de estudos avançados fora do Brasil posteriores à obtenção do título de doutor e destina-se a pesquisadores ou docentes com menos de oito anos de formação doutoral e que não possuam vínculo empregatício. Não são aceitas inscrições de estudantes em fase de conclusão de curso.

Para essa modalidade, serão concedidas até 100 bolsas. A duração da bolsa será definida na concessão com base na duração aprovada pela instituição de destino e o cronograma de execução do projeto proposto, podendo variar de seis a 12 meses, prorrogáveis por até seis meses, sem ônus para a Capes., desde que autorizado pela instituição empregadora e pela Capes..

Doutorado-pleno
O Programa tem a finalidade de oferecer bolsas de doutorado-pleno como alternativa complementar às possibilidades ofertadas pelo conjunto dos programas de pós-graduação no Brasil. Este edital ofertará até 100 bolsas incialmente concedidas por um período de, no máximo, 12 meses. A renovação da concessão é condicionada ao desempenho acadêmico satisfatório do(a) estudante. A duração total da bolsa de doutorado-pleno no exterior será definida com base na duração aprovada pela instituição de destino e cronograma de execução do projeto proposto, não podendo ultrapassar 48meses, com vigência até o mês de defesa da tese.

Para os(as) candidatos(as) selecionados(as) que já estejam realizando o doutorado no exterior, será deduzido da duração total da bolsa o tempo já cumprido com o curso antes da concessão da bolsa, considerando o início das atividades acadêmicas informadas pela instituição à qual estão vinculados. Caso o doutorado não seja concluído dentro do período de concessão, poderá ser requerida pelo bolsista a extensão da permanência no exterior, sem ônus para a Capes., por no máximo 12 meses. O requerimento será analisado, desde que devidamente fundamentado, e a autorização excepcional da agência para permanência no exterior dependerá de comunicação expressa ao bolsista nesse sentido.

Todos os editais têm previsão de início dos estudos a partir de agosto a novembro de 2018.

Confira o cronograma:

Cronograma

Etapas Datas previstas
Inscrições Até 21 de fevereiro de 2018
Resultado Preliminar A partir de 7 de maio de 2018
Resultado final A partir de 14 de junho de 2018
Complementação de Documentos Até 60 dias antes da viagem
Início dos estudos no exterior Agosto a Novembro de 2018

Acesse aqui os editais:
Edital 45/2017 – Professor Visitante no Exterior
Edital 46/2017 – Pós-doutorado no Exterior
Edital 48/2017 – Doutorado-pleno no Exterior

Fonte: CCS CAPES

O post Programas internacionais da Capes têm últimos dias de inscrições abertas apareceu primeiro em FAPEAM.