Arquivo da Categoria: ILMD

Feira de Produtos Orgânicos da Fiocruz Amazônia completa 1 ano

A edição deste mês da Feira de Produtos Orgânicos do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), que aconteceu nesta quinta-feira, 14/11, foi marcada pela comemoração de 1 ano de realização e contou com programação especial.

A Feira começou a ser realizada em novembro de 2018 e continuou como edição mensal, reunindo os agricultores, a comunidade do entorno da Fiocruz Amazônia, trabalhadores da Unidade e pedestres, pois o evento acontece na Praça Sérgio Arouca, na frente da Instituição.

A cada edição da Feira, atividades paralelas, como palestras, oficinas e apresentações diversas ocorrem para atender ao seu objetivo maior de promover a integração entre pessoas e a sensibilização para o consumo de alimentos orgânicos, além da valorização do agricultor familiar.

A Feira, desde a primeira edição, é organizada e coordenada pelo Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade (Tass) do ILMD/Fiocruz Amazônia, em parceria com a Coordenação Regional Norte da Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente da Fiocruz (Obsma), com apoio da coordenação regional do Sindicato dos Servidores de Ciência, Tecnologia, Produção e Inovação em Saúde Pública  (Asfoc-AM).

Sérgio Luz, pesquisador e diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia ressaltou a importância da iniciativa dos pesquisadores da Instituição e                                                                                                  dedicou a celebração especialmente aos agricultores, que acreditam no projeto e participam todos os meses trazendo alimentos regionais saudáveis para serem vendidos na Feira. “Essa comemoração é para vocês, os produtores, que são os protagonistas da Feira, e quero agradecer também aos pesquisadores do Tass, que se empenham para levar adiante a iniciativa, lembrando que essa oportunidade nos ajuda a repensar os alimentos que levamos para a nossa mesa e a forma como valorizamos o trabalho dos produtores e a nossa qualidade de vida”.

Segundo o pesquisador e coordenador do evento, Marcílio Medeiros, “o Brasil é campeão mundial de consumo de agrotóxico e a Feira funciona como uma alternativa no intuito de controlar esse problema. Desde 2016, foi instituído e tem sido realizadas várias atividades. Já existia no Amazonas, um movimento chamado Rede Maniva de difusão da produção orgânica, um grupo de pesquisadores do IFAM, junto com a UFAM, atuando para propagar a produção agrícola sem agrotóxico, portanto o Fórum incorporou essa agenda e nós também incorporamos”.

CSA MANAUS

Prestes a completar 2 anos em fevereiro, o CSA Manaus (Comunidade que Sustenta a Agricultura) atua como uma organização sem fins lucrativos. O principal objetivo é fazer com que mais agricultores familiares produzam os orgânicos de acordo com esse modelo de produção, que busca a cooperação ao invés da competição e, assim, criar novos pontos de abertura de retirada de alimentos na capital.

Duas cotas diferentes são parte dessa rede de atendimento: a primeira custa 90 reais e atende 1 a 2 pessoas; a segunda custa 150 reais e atende de 3 a 4 pessoas. Atualmente, conta com 40 membros coagricultores e com meta de chegar a aproximadamente 100.  Vale ressaltar que uma parte do valor mensal é destinado a um fundo coletivo do CSA, que pode ser utilizado para urgências e investimentos.

Joedi Melo, o produtor principal dessa horta, reforça a importância de se “ter uma relação mais próxima com o produtor. O CSA nasce dessa amizade, de querer ter uma relação diferente com o produtor, ter esse vínculo mesmo”.

SOBRE O EVENTO

Produtos orgânicos, cultivados sem o uso de adubos químicos ou agrotóxicos, portanto considerados limpos e saudáveis, que respeitam o meio ambiente e contribuem para a preservação dos recursos naturais são alguns dos produtos ofertados na feira. Hortaliças, frutos regionais de época, plantas medicinais e plantas comestíveis são os principais produtos agrícolas orgânicos comercializados, além de artesanatos, alimentos feitos de produtos orgânicos e mudas de plantas.

A próxima edição da Feira de Produtos Orgânicos será no dia 12 de dezembro, a última desse ano de 2019. A feira acontece na rua Teresina, 476, Adrianópolis, em Manaus.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Diovana Rodrigues
Fotos: Eduardo Gomes e Diovana Rodrigues

 

Dispositivo inovador para diagnóstico de doenças desenvolvido pela Fiocruz Amazônia será produzido por empresa privada

Equipamento de diagnóstico de doenças, concebido por pesquisador do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) será acompanhado por empresa privada para produção em escala. O anúncio foi feito recentemente no Diário Oficial da União (DOU), por meio da publicação do extrato de Acordo de Cooperação Técnica celebrado entre a Fundação Oswaldo Cruz e  Wama Produtos para Laboratório Ltda.

O Acordo trata da transferência de tecnologia e de licenciamento para outorga de direito de uso ou de exploração da criação de dispositivo de diagnóstico, capaz de ler as reações LAMP ou outros ensaios de amplificação isotérmica colorimétrica, ou seja, um dispositivo capaz de identificar qualquer doença que se use o mesmo princípio do teste.

O pesquisador da Fiocruz Amazônia responsável pelo invento, Felipe Gomes Naveca, explica que “a ideia do projeto sempre foi desenvolver um equipamento que pudesse levar as vantagens do diagnóstico molecular, como alta sensibilidade e especificidade, para laboratórios com reduzida infraestrutura”. Trata-se de um equipamento portátil para detecção rápida de doenças.

O invento foi depositado no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e em seus correspondentes no exterior, em fevereiro de 2018, sob o título “Dispositivo de ensaios LAMP”. Para a produção do protótipo, o pesquisador contou com o apoio do Instituto Senai de Inovação em Microeletrônica (ISI-Amazonas)

COOPERAÇÃO TÉCNICA

O Acordo de Cooperação Técnica firmado entre a Fiocruz e a Wama vai permitir a execução conjunta do Programa de Codesenvolvimento, a ser coordenado por Felipe Naveca e Luís André Mariuba, coordenador do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT-ILMD/Fiocruz Amazônia), além de Jéssica Lima e Felipe Maricondi, ambos da Wama.

A partir desse Programa será feito o acompanhamento, avaliação a execução dos ensaios, produção e publicação de trabalhos científicos, além do atendimento às exigências técnicas e legais necessárias para a produção em escala industrial do dispositivo, fornecimento, e comercialização do produto no Brasil e em outros territórios.

“Esperamos nessa nova fase, com a parceria da Wama, chegar até um produto pronto para o mercado e, dessa forma, contribuir com a melhoria de acesso ao diagnóstico mais preciso”, comentou Naveca.

FOMENTO

A importância do fomento à pesquisa para a produção do conhecimento científico e tecnológico é essencial para se chegar a essa etapa  em que uma inovação chega à uma empresa, reconhece o pesquisador lembrando que a pesquisa contou com recurso do  Governo do Amazonas, por meio da  Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com o Ministério da Saúde, sendo amparada pela Chamada Pública N. 002/2012, do Programa Pesquisa para o SUS: Gestão Compartilhada em Saúde (PPSUS).

“Foi graças ao financiamento recebido através de um edital PPSUS que foi possível trabalharmos em uma abordagem multidisciplinar, com biólogos, biomédicos e engenheiros, chegando até um protótipo de equipamento que despertou o interesse de uma empresa privada como a Wama”, declara Felipe Naveca.

A Wama é uma empresa privada que tem por objetivo o desenvolvimento de métodos e equipamentos para laboratórios de análises.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos Eduardo Gomes

Palestra na Fiocruz Amazônia irá apresentar estudo que propõem correção na taxa dos estupros de vulnerável no Brasil

O estupro de vulnerável é um fenômeno que tem sofrido um considerado aumento em sua ocorrência, mas pouco se conhece sobre esses números, devido ao alto índice de subnotificações referente a este tipo de crime. Em edição extraordinária, o Centro de Estudos do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) promove na próxima quinta-feira, 14/11, às 14h, a palestra “Uma proposta para a correção na taxa de estupro vulnerável no Brasil”, a ser ministrada pelo pesquisador, James Dean, professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

A palestra irá apresentar um estudo, que teve como objetivo, estimar a taxa de estupro de vulnerável por meio da inferência bayesiana e técnicas de aumento de dados. Segundo o pesquisador, a metodologia proposta utilizou os dados de estupro de vulnerável de algumas cidades do interior do estado do Amazonas, referente ao período de 2010 a 2012.

A apresentação ocorrerá na Sala de aula 1, no prédio anexo, na sede da Fiocruz Amazônia, situada à rua Teresina, 476, Adrianópolis, em Manaus.

SOBRE O PALESTRANTE

James Dean é graduado em estatística pela Universidade Federal do Amazonas, mestre em estatística pela Universidade Estadual de Campinas e doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Atualmente é professor da Universidade Federal do Amazonas. Possui experiência na área de probabilidade e estatística, com ênfase em inferência Bayesiana, atuando principalmente nos seguintes temas: modelos lineares dinâmicos, eficiência técnica produtiva, fronteira de produção, inferência bayesiana e aglomerados.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

Os eventos são gratuitos e ocorrem às sextas-feiras. As atividades são destinadas a estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

16ª SNCT: Fiocruz Amazônia promove intervenções em escolas públicas de Manaus, através do “Projeto Escola Olímpica: Obsma na SNCT 2019”

Na última sexta-feira, 8/11, a equipe do Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade (TASS), do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) promoveu, na Escola Estadual Vicente Schettini, mais uma ação do “Projeto Escola Olímpica: Obsma na SNCT 2019”. A intervenção é uma ação da Coordenação Norte, da Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente (Obsma), e faz parte da programação da Instituição, durante a 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT).

Um dos objetivos da ação é promover a divulgação da 16ª Obsma em escolas públicas da capital, utilizando como estratégia a produção de painéis sobre Saúde e Meio Ambiente, em alusão aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030. A abordagem pretende sensibilizar professores e estudantes, por meio da arte do graffiti nos muros e espaços de escolas públicas de Manaus, além da distribuição de folders, cartazes e regulamentos da Obsma para a comunidade escolar.

O projeto beneficiará cerca de 500 pessoas, entre estudantes, corpo técnico das escolas e a comunidade ao entorno, com o intuito de enfatizar os seguintes temas: Saúde, Bioeconomia e Desenvolvimento Sustentável. A Grafiteira Deborah de Lemos Vieira Cabral (Deborah Erê) é a responsável pela concepção e pintura dos painéis. A proposta visa transformar ambientes nas dependências das escolas, chamando a atenção dos estudantes para os ODS.

Para o gestor da escola, Aluízio Garcia, a expectativa de participação da escola na Obsma é grande. “Esse projeto veio abrilhantar ainda mais a nossa escola. Nossos alunos e professores estão participando das atividades, através disso, já percebo o interesse deles em desenvolver os projetos, visando submetermos ao julgamento da Obsma. Creio que futuramente teremos bons projetos saindo daqui”.

17 ODS

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) representam hoje a melhor tradução do que é a sustentabilidade, trazendo esse conceito de forma clara para a sociedade e revelando sua natureza nas mais diversas áreas do conhecimento humano. São 17 objetivos, definidos pela Organização das Nações Unidas (ONU). Na escola, a artista Deborah de Lemos, utilizou o canteiro central, localizado em um lugar de destaque, para destacar os ODS.

“Gosto muito de trabalhar com a possibilidade de transformação, em espaços de convivência, lugares depredados, lugares em destaques. A proposta da escola olímpica, é que realmente possamos fazer algo diferente em cada escola, pensado especificamente para aquele público”, explicou Lemos

Ascom, ILMD /Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes.
Fotos: Eduardo Gomes

16ª SNCT: Fiocruz Amazônia promove intervenções em escolas públicas de Manaus, através do “Projeto Escola Olímpica: Obsma na SNCT 2019”

Na última sexta-feira, 8/11, a equipe do Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade (TASS), do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) promoveu, na Escola Estadual Vicente Schettini, mais uma ação do “Projeto Escola Olímpica: Obsma na SNCT 2019”. A intervenção é uma ação da Coordenação Norte, da Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente (Obsma), e faz parte da programação da Instituição, durante a 16ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT).

Um dos objetivos da ação é promover a divulgação da 16ª Obsma em escolas públicas da capital, utilizando como estratégia a produção de painéis sobre Saúde e Meio Ambiente, em alusão aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030. A abordagem pretende sensibilizar professores e estudantes, por meio da arte do graffiti nos muros e espaços de escolas públicas de Manaus, além da distribuição de folders, cartazes e regulamentos da Obsma para a comunidade escolar.

O projeto beneficiará cerca de 500 pessoas, entre estudantes, corpo técnico das escolas e a comunidade ao entorno, com o intuito de enfatizar os seguintes temas: Saúde, Bioeconomia e Desenvolvimento Sustentável. A Grafiteira Deborah de Lemos Vieira Cabral (Deborah Erê) é a responsável pela concepção e pintura dos painéis. A proposta visa transformar ambientes nas dependências das escolas, chamando a atenção dos estudantes para os ODS.

Para o gestor da escola, Aluízio Garcia, a expectativa de participação da escola na Obsma é grande. “Esse projeto veio abrilhantar ainda mais a nossa escola. Nossos alunos e professores estão participando das atividades, através disso, já percebo o interesse deles em desenvolver os projetos, visando submetermos ao julgamento da Obsma. Creio que futuramente teremos bons projetos saindo daqui”.

17 ODS

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) representam hoje a melhor tradução do que é a sustentabilidade, trazendo esse conceito de forma clara para a sociedade e revelando sua natureza nas mais diversas áreas do conhecimento humano. São 17 objetivos, definidos pela Organização das Nações Unidas (ONU). Na escola, a artista Deborah de Lemos, utilizou o canteiro central, localizado em um lugar de destaque, para destacar os ODS.

“Gosto muito de trabalhar com a possibilidade de transformação, em espaços de convivência, lugares depredados, lugares em destaques. A proposta da escola olímpica, é que realmente possamos fazer algo diferente em cada escola, pensado especificamente para aquele público”, explicou Lemos

Ascom, ILMD /Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes.
Fotos: Eduardo Gomes

Medicamento aprovado pela Anvisa trata malária tipo vivax em dose única

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou recentemente medicamento que reduz o tempo de tratamento de pacientes acometidos por malária causado pelo Plasmodium vivax. Trata-se da Tafenoquina, que possibilita que o tratamento seja feito com dose única.

Hoje, o tratamento é feito em 7 dias e com dois antimaláricos (Cloroquina e a Primaquina) o que acaba contribuindo para que não seja feito de forma correta. A não conclusão desse tratamento aumenta as chances de recaída da doença. Com a Tafenoquina o tratamento passa a ser feito com apenas um comprimido, que pode ser tomado na unidade de saúde, com o devido acompanhamento profissional.

Marcus Lacerda, pesquisador do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), um dos responsáveis pelo estudo, explica que a Tafenoquina é uma modificação química da Primaquina. Portanto, “o paciente toma uma dose única, ou seja, já no primeiro dia de tratamento e, a partir daí, não tem mais que ficar repetindo a medicação. Então, consideramos um imenso avanço, que vai permitir que as pessoas façam o tratamento adequado”.

Sobre o Plasmodium vivax, o  pesquisador alerta que muitas pessoas não sabem  que o parasito pode ficar no fígado, dormindo, por dois ou três meses, e o paciente pode voltar e ter uma nova malária se não fizer o tratamento completo. “Se a pessoa depois do terceiro dia para de tomar o medicamento, pois fica sem febre, vai voltar a ter recaídas depois de alguns meses”, comenta Lacerda.

Vale ressaltar que a Tafenoquina é a primeira droga aprovada em 60 anos para tratamento da Malária do tipo vivax. Até sua aprovação pela Anvisa, o novo medicamento também  passou por ensaios na Indonésia, Tanzânia, Peru e Tailândia. No Brasil, os testes foram feitos em Manaus (AM) e Porto Velho (RO), sob a coordenação de pesquisadores da Fiocruz Amazônia e da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD).

O estudo da nova droga contou com apoio das seguintes instituições: Medicines for Malaria Venture (MMV) e Glaxo Smith Kline (GSK), e financiamento da Fundação Bill & Melinda Gates.

Com a aprovação do registro pela Anvisa, “no ano que vem,  2020, dois municípios vão começar a implementação do medicamento na prática, Manaus e Porto Velho, que participaram dos ensaios clínicos para o desenvolvimento da medicação”, explica Lacerda. Depois dos resultados finais, a expectativa é que droga seja disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em suas unidades de saúde.

SOBRE A TAFENOQUINA

O pesquisador observa que a Tafenoquina dá muito conforto ao paciente, a medicação está registrada apenas para pessoas acima dos 16 anos. É necessário  fazer um teste rápido antes de se administrar o medicamento para detectar a existência de uma enzima no organismo, pois se a pessoa tiver essa enzima, ela não pode usar a Tafenoquina. Além disso, pacientes grávidas também não podem usar essa medicação .

 A MALÁRIA

A Malária é uma doença infecciosa, causada por protozoários transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles. Os principais sintomas da doença são: febre alta, calafrios, tremores, sudorese, dor de cabeça e outras manifestações como náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite.

Segundo o Ministério da Saúde, a maioria dos casos de malária no Brasil se concentra na Amazônia nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: (1) Michel Melo/Secom e (2) Eduardo Gomes (ILMD/Fiocruz Amazônia)

PPGBIO-Interação divulga resultado dos recursos e prova escrita

A Comissão de Seleção para ingresso no curso de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação), Chamada Pública Nº 008/2019, do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) divulgou o resultado dos recursos e resultado final da prova escrita.

O resultado está disponível na Plataforma Siga,  da Fiocruz, em  http://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é curso strictu sensu que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O curso se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na ecoepidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

Estes diversos aspectos são os principais delineadores para escolha da área de concentração da Ciências Biológicas III, por esta ser uma área multidisciplinar e baseada no eixo bioquímica, genética, biológico, celular e molecular. Os alunos recebem uma formação em áreas estratégicas por sua importância e que precisam ser desenvolvidas no Estado.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

Palestra na Fiocruz Amazônia vai abordar metabólitos secundários do gênero Bocageopsis (Annonaceae) da região amazônica e suas atividades biológicas

Na próxima sexta-feira, 8/11, às 10h, o Centro de Estudos do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) promove a palestra “Metabólitos secundários do gênero Bocageopsis (Annonaceae) da região amazônica e suas atividades biológicas”, a ser ministrada por Elzalina Ribeiro Soares, pesquisadora da Universidade Federal do Amazonas

Durante a palestra, serão apresentados os dados biológicos de três espécies do gênero Bocageopsis (B. canescens, B. multiflora e B. pleiosperma) comumente encontradas na Região Amazônica. Recentes abordagens fitoquímicas realizadas com os óleos essenciais de B. multiflora e B. pleiosperma, e frações alcaloídicas de B. pleiosperma demonstraram a potencialidade química deste gênero.

Diferentes partes das plantas (folhas, galhos e cascas do tronco) foram analisadas a abordagens integrativas, possibilitando a identificação de vários metabólitos secundários. Além disso, ensaios antimicrobianos revelaram atividade bacteriológica dos óleos dos galhos finos e galhos grossos de B. multiflora, e das folhas de B. canescens e B. pleiosperma frente as cepas de Staphylococcus aureus, Serratia marcens e Mycobacterium smegmatis.

Segundo o estudo, os óleos essenciais das folhas de B. canescens e galhos finos e grossos de B. multiflora revelaram atividade fungicida frente ao patógeno Candida albicans.  De forma que, os resultados fitoquímicos e biológicos para o gênero Bocageopsis reforçam a importância do gênero para a família Annonaceae.

A apresentação ocorrerá na Sala de aula 1, no prédio anexo, na sede da Fiocruz Amazônia, situada à rua Teresina, 476, Adrianópolis, em Manaus.

SOBRE A PALESTRANTE

Elzalina é graduada em Licenciatura Plena em Química pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM), mestre e Doutora em Química de Produtos Naturais e Biomoléculas pela UFAM. Durante o período do mestrado e doutorado adquiriu experiência em análises por Espectrometria de Massas e LC/MS, bem como determinação estrutural, voltado a química de produtos naturais.

Atuou como docente na UFAM no Departamento de Química como professora substituta (20 horas) nas disciplinas de Química Geral e Orgânica.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

Os eventos são gratuitos e ocorrem às sextas-feiras. As atividades são destinadas a estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

Mestrado Profissional em Saúde da Família (ProfSaúde) prorroga cronograma e período de inscrições

Com o objetivo de formar profissionais aptos a atuarem como preceptores para graduação e residência médica em Saúde da Família, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) lançaram edital de seleção para o Mestrado Profissional em Saúde da Família (ProfSaúde). As inscrições para o processo seletivo e cronograma foram prorrogados.

Confira o edital

De acordo com o presente edital, 210 vagas serão distribuídas entre as 22 instituições que fazem parte da rede ProfSaúde, divididas nas seguintes categorias: Enfermeiros (as), Médicos (as) e Odontólogos (as). Para o Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), foram disponibilizadas sete vagas, correspondentes a candidatos dos estados do Amazonas e Amapá.

INSCRIÇÕES

A inscrição dos candidatos para a Fiocruz será realizada através do preenchimento do formulário de inscrição disponível na plataforma SIGA: www.sigass.fiocruz.br. É importante que no campo “Área de Concentração”, que consta no formulário de inscrição do referido link, seja informado o polo da Fiocruz ao qual estará se candidatando.

No campo “Linha de Pesquisa”, informar para qual vaga está concorrendo (Medicina, Enfermagem ou Odontologia). A documentação exigida no item 4.2 dessa Chamada Pública deverá ser enviada através de Correios (via SEDEX), para a secretaria da respectiva Instituição Associada, pelo candidato ou seu procurador legalmente constituído, dentro do prazo de inscrição.

PROCESSO DE SELEÇÃO

A seleção dos candidatos para o ProfSaúde/ MPSF constará de 3 (três) etapas: 1ª Etapa – Prova de Inglês (eliminatória); 2ª Etapa – Prova escrita de conhecimentos (eliminatória e classificatória); 3ª Etapa – Análise curricular, análise de carta de intenção e prova oral (eliminatória e classificatória). Em cada etapa, o candidato receberá nota na escala de 0,0 (zero) a 10,0 (dez), com aproximação de até uma casa decimal.

O candidato deverá: ser portador de diploma de curso superior em Medicina, Enfermagem ou Odontologia, devidamente registrado no Ministério da Educação; possuir registro no respectivo Conselho Regional e Federal. Além de atender a uma das seguintes situações: ser docente da graduação e/ou residência em Medicina de Família e Comunidade ou Multiprofissional em Saúde da Família de instituições públicas de ensino superior; ser preceptor e/ou tutor de residências multiprofissionais e/ou da graduação em uma das três áreas em instituições públicas de ensino superior; ser profissional com atuação na atenção básica, nas equipes de saúde da Estratégia de Saúde da Família do Sistema Único de Saúde.

O curso, resultado da parceria entre Abrasco e Fiocruz, conta com o apoio da Associação Brasileira de Educação Médica (Abem), da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) e dos ministérios da Saúde e da Educação. O ProfSaúde visa potencializar as atividades de ensino, pesquisa e extensão em Saúde da Família, tanto na academia, quanto nos serviços de saúde.

LINHAS DE PESQUISA

O ProfSaúde/ MPSF está dividido nas seguintes linhas de pesquisa: Atenção integral aos ciclos de vida e grupos vulneráveis; Atenção à saúde, acesso e qualidade na atenção básica em saúde; Educação e saúde: tendências contemporâneas da educação, competências e estratégias de formação profissional; Gestão e avaliação de serviços na Estratégia de saúde da família/atenção básica; Informação e saúde; Pesquisa Clínica: interesse da atenção básica; Vigilância em Saúde.

SOBRE O PROFSAÚDE

O ProfSaúde/ MPSF é um programa de pós-graduação stricto sensu em Saúde da Família, reconhecido pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) do Ministério da Educação.

O curso visa formar profissionais aptos a atuarem como preceptores para graduação e residência médica em Saúde da Família, com o intuito de contribuir para a melhoria do atendimento dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), fortalecer as atividades educacionais de produção do conhecimento e de gestão na Saúde da Família nas diversas regiões do país e estabelecer uma relação integradora entre o serviço de saúde, os trabalhadores, os estudantes na área de saúde e os usuários.

O ProfSaúde/ MPSF é semipresencial, com oferta nacional, realizado na modalidade de ensino a distância com previsão de 9 encontros presenciais. As instituições de Ensino Superior (IES) que integram a Rede Nacional do ProfSaúde/ MPSF são denominadas Instituições Associadas, e são responsáveis pela execução do curso.

ASCOM – ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Narrativas das ciências e o futuro da pós-graduação foram temas de evento na Fiocruz Amazônia

Em seu último dia de realização, o I Encontro da Pós-Graduação do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) iniciou as atividades desta sexta-feira, 1º/11, com a palestra As narrativas das ciências: do positivismo comtiano às crises dos paradigmas contemporâneos relatados pela mídia, ministrada pelo palestrante Ricardo Alexino Ferreira (professor associado da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP).

Em seguida, foi realizada uma roda de conversa sobre O futuro da Pós-Graduação, da qual participaram Fábio Trindade Maranhão Costa (professor da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp), Márcia Perales Mendes Silva (diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas – Fapeam), Richarlls Martins (coordenador da Associação de Pós-Graduandos da Fiocruz do RJ –  APG-Fiocruz), Patrícia Melchionna Albuquerque (coordenadora geral de Pós-Graduação da Universidade do Estado do Amazonas – Propesp/UEA), Adriana Malheiro Alle Marie e Esron Soares Carvalho Rocha (Universidade Federal do Amazonas – Ufam) e Claudia María Ríos Velásquez (pesquisadora e vice-diretora de Ensino, Informação e Comunicação do ILMD/Fiocruz Amazônia).

 

NARRATIVAS DAS CIÊNCIAS

Professor associado da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA -USP) e diretor/apresentador do programa radiofônico de entrevista “Diversidade em Ciência”, da Rádio USP, Ricardo Alexino abordou os diferentes desafios de se fazer ciência e jornalismo, em tempos de conflito de interesses, o que gera a necessidade de ter mais dúvidas que certezas.

“O jornalista tem que trabalhar com a narrativa do cotidiano, mas para isso vai utilizar diferentes tipos de narrativas, muitas vezes marcadas pelos interesses e a ideia do poder. Lógico que estou falando aqui no sentido amplo, não daquelas publicações que já ultrapassaram isso, mas daquelas que estão mais viciadas e que, infelizmente, ainda são os veículos hegemônicos. Vivemos em uma sociedade em que tudo é transformado em mercadoria e precisamos ficar atentos a isso e nos discursos que são feitos”, comentou Ricardo Alexino.

Na oportunidade, ele alertou também que com o jornalismo focado apenas no presente, o jornalista prende-se em conceitos de verdade, objetividade e imparcialidade e não questiona o contexto em que está inserida a notícia. Na linha do tempo da abordagem da Ciência no jornalismo brasileiro, os jornais da segunda metade do século XIX tratavam de assuntos mais voltados a raça e eugenia, manipulando fatos científicos para propagar as ideologias da época. Outro importante fato histórico relatado foi a influência da economia nos mais diferentes aspectos da produção cultural, com a criação dos super-heróis para lidar com as crises econômicas.

O FUTURO DA PÓS-GRADUAÇÃO

Na roda de conversa professores, coordenadores de cursos, diretores de instituições de ensino e pesquisa apresentaram aos alunos um breve diagnóstico da pós-graduação em suas instituições e os efeitos causados pelos cortes de bolsas e investimentos do Governo Federal, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e  do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Claudia María Ríos Velásquez (ILMD/Fiocruz Amazônia) falou dos esforços que estão sendo feitos pela Fiocruz para a manutenção dos cursos e da oferta de bolsas para os alunos da pós-graduação. Porém, alertou que para o 2020, “a expectativa é incerta; o futuro não está muito claro”, sinalizando que, caso permaneça esse cenário de falta de investimentos,  os cursos da Unidade da Fiocruz no Amazonas e o quantitativo de bolsas podem ser afetados.

Patrícia Melchionna Albuquerque (UEA) e Adriana Malheiro Alle Marie (Ufam) manifestaram a mesma preocupação, apesar de reconhecerem o esforço do Governo do Amazonas, para a manutenção dos programas de pós-graduação e de bolsas para os estudantes.

Marcia Perales lembrou que a Fapeam é uma instituição nova (16 anos), e que ao longo de sua vida passou por momentos de ascensão, com recursos significativos para investimentos, mas que também a instituição teve um período de declínio nos investimentos.

Ressaltou que em 2019, num esforço do governador do Amazonas, Wilson Lima, a Fapeam está retomando os investimentos em programas que atendem às suas linhas de ação, em especial a de formação e capacitação de recursos humanos para ciência, tecnologia e inovação (CT&I). Na oportunidade, Marcia Perales, conclamou os atores diretamente envolvidos com os cursos de pós-graduação para unirem esforços, a fim de que os programas de pós-graduação no Estado avancem, e os convidou para a reunião a acontecer no dia 7 de novembro,  com a diretora de avaliação da Capes, Sônia Nair Báo, em Manaus, para tratar da Avaliação do Sistema Nacional de Pós-Graduação da Capes (SNPG/Capes).

Sérgio Luz, pesquisador e diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, endossou as colocações feitas por Márcia Perales, e ressaltou que os investimentos da Fapeam neste ano deram fôlego para  a manutenção do número de bolsas para alunos, bem como para a realização de ações e atividades no Instituto.

Ao final do Encontro, alunos dos cursos de mestrado e doutorado da Fiocruz Amazônia reuniram-se com Richarlls Martins, para uma possível formação de associação local em defesa da CT&I e de interesses dos pós-graduandos da Unidade.

 

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas de Almeida e Diovana Rodrigues
Fotos: Érico Xavier (Fapeam)