Arquivo da Categoria: ILMD

Fiocruz Amazônia abre inscrições para o curso de atualização em Biologia Computacional: Análise de Transcriptomas Públicos

De 16 de setembro a 4 de outubro estão abertas as inscrições para o curso de atualização em Biologia Computacional: Análise de Transcriptomas Públicos, promovido pelo Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia).

O curso é gratuito e destinado a alunos de pós-graduação e profissionais da área de saúde que atuam ou desejam atuar na área de bioinformática.

Para o curso estão sendo disponibilizadas 20 vagas e o seu preenchimento obedece às condições dispostas no processo seletivo. Acesse aqui a chamada pública simplificada.

A inscrição é feita pelo Campus Virtual da Fiocruz. Vale ressaltar que, ao preencher o formulário de inscrição, o candidato deve inserir o link do seu Currículo Lattes no local indicado, para efetivação da inscrição.

SOBRE O CURSO

O curso é coordenado pelo Prof. Dr. PriteshJaychand Lalwani, Imunologista, e será realizado na sede do ILMD/Fiocruz Amazônia, localizada na Rua Teresina, 476, Bairro Adrianópolis.

As aulas serão ministradas pelos professores Andre Luiz Barbosa Bafica, Professor Associado de Imunologia, e Edroaldo Lummertz da Rocha, pesquisador, ambos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). As aulas acontecerão no período de 14 a 17 de outubro, em horário integral (manhã e tarde), totalizando a carga horária de 30h.

Saiba mais sobre o curso de atualização em Biologia Computacional: Análise de Transcriptomas Públicos.

Acesse o portal do Campus Virtual da Fiocruz e conheça outras oportunidades.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Diovana Rodrigues
Imagem: Mackesy Nascimento

Regras e procedimentos de biossegurança são abordados durantes palestras na Fiocruz Amazônia

A Comissão de Biossegurança do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) promoveu, no dia 9/9, as palestras “Organismo Geneticamente Modificado (OGM) e Biossegurança” e “Atualização, regras e procedimentos de Biossegurança”, ministradas pelos pesquisadores, Paulo Roberto de Carvalho, da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio e, Simone Cavalher Machado, da Vice Presidência de Pesquisa e Coleções Biológicas (VPPCB), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Pesquisadores, técnicos e bolsistas de iniciação científica participaram da atividade que teve como objetivo capacitar e disseminar informações sobre regras e procedimentos de biossegurança aos colaboradores e servidores da Fiocruz Amazônia.

SOBRE A CIBio/ILMD

A biossegurança é uma orientação prioritária no ILMD/Fiocruz Amazônia, uma vez que há o desenvolvimento de atividades de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação, realizadas no Laboratório Multiusuários e nas cinco Plataformas Tecnológicas.

Para orientar e incentivar as boas práticas e ações de biossegurança foi instituída a Comissão Interna de Biossegurança do Instituto – CIBio/ILMD (Portaria N. 003/2016-GAB/ILMD), subordinada à vice-diretoria de Pesquisa.

A CIBio/ILMD vem atuando para oferecer cursos e treinamentos que promovam a capacitação dos profissionais e a disseminação dos princípios da biossegurança no Instituto e nas instituições parceiras.

Essas ações visam melhor atender as recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa e otimizar um conjunto de ações para prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente.

Ascom/ ILMD Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Foto: Eduardo Gomes

Em Fonte Boa (AM), oficina aborda atenção à saúde das populações do campo, floresta e águas

O Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade (LTASS) do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD / Fiocruz Amazônia) promoveu entre os dias 27 e 29 de agosto, a oficina “Atenção à Saúde das Populações do campo, floresta e águas: Perspectivas de um sistema de garantias de direitos para populações ribeirinhas das unidades de conservação ambiental”, no município de Fonte Boa (AM). A atividade foi coordenada em parceria com outros laboratórios e pesquisadores do Instituto Aggeu Magalhães (Fiocruz – PE), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Fiocruz CE.

Durante os três dias de evento, os participantes debateram assuntos, desafios, ações e experiências de intervenções de caráter intersetorial, que possam tornar mais eficientes a gestão pública do Sistema Único de Saúde (SUS) para a melhoria das condições de vida e de saúde das populações ribeirinhas.

Participaram da Oficina de Trabalho a Defensoria Pública da União, Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental, 3º Batalhão da Polícia Militar de Tefé, Movimento de Mulheres da Reserva Mamirauá, Conselheiros Municipais de Saúde, agentes comunitários de Saúde e lideranças comunitárias, mestrandos, estudantes, assim como a população de Fonte Boa.

A atividade é uma das ações previstas no projeto de pesquisa “Atenção à saúde das populações do campo, da floresta e das águas: Perspectivas de um sistema de garantias de direitos para as populações ribeirinhas das unidades de conservação ambiental”, aprovado no edital “Geração de Conhecimento” e financiado pelo Programa “Novos Talentos” do edital Inova da Fiocruz.

Segundo Marcílio Medeiros, pesquisador da Fiocruz Amazônia, em outras palavras, “a proposta da Oficina de Trabalho é pensar como melhor gerir a forma de garantir os direitos assegurados pela Constituição Federativa, e assim melhorar as condições de vida e a situação de saúde das populações ribeirinhas, no sentido de tornar todos e todas responsáveis pela sua efetivação por meio de um sistema de garantias de direitos”, explicou.

Técnicos das instituições estatais e não estatais, além de representantes comunitários, foram distribuídos em Grupos de Trabalho, representando as dimensões da reprodução social: Dimensão Ecológica; Política; Trabalho; Cultura; Biocomunal. Nos grupos, a partir de situações e problemas levantados pela pesquisa, realizada entre os anos de 2013 e 2018, os participantes debateram as melhores estratégias de ação integrada, para garantir o direito dos ribeirinhos aos bens e serviços sociais.

SOBRE O PROJETO

O projeto de pesquisa conta com apoio das Prefeituras de Fonte Boa, Alvarães, Jutaí, Japurá, Maraã, Tonantins e Uarini. Também estiveram envolvidos nas atividades representantes da Igreja Nossa Sra do Guadalupe, Prelazia Tefé, Associação de Moradores e Usuários da RDS Mamirauá Antônio Martins (AMURMAM), Departamento de Mudanças Climáticas e Gestão de UC da Secretaria de estado do Meio Ambiente (DEMUC/SEMA), Secretaria de Estado de Saúde (SUSAM), Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS – AM), Instituto de Desenvolvimento Sustentável (IDS) Fonte Boa / Mamirauá e Fundação Amazonas Sustentável (FAS).

Ascom ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Fotos: Arquivo LTASS

Resultado dos pedidos de isenção da taxa de inscrição do PPGBIO-Interação

A Comissão de Seleção da Chamada Pública Nº 008/2019,  do  Instituto Leônidas & Maria Deane  (ILMD/Fiocruz Amazônia), para o curso de Mestrado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-Interação), divulga o resultado dos pedidos de isenção da taxa de inscrição, que pode ser acessado em http://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127

Chamada Pública Nº 008/2019 do Programa oferece 20 vagas, distribuídas entre duas linhas de pesquisa: Eco epidemiologia das doenças transmissíveis; e Bioquímica, biologia celular e molecular de patógenos e seus vetores. Para se inscrever, o candidato deverá apresentar a documentação solicitada no Edital. A admissão no curso de mestrado será feita através de processo seletivo que é composto das seguintes etapas: Homologação das inscrições, Prova Escrita, Prova Oral e análise do currículo lattes. A 2ª e 3ª etapas do processo seletivo são eliminatórias. As inscrições ocorrem até o dia 16/10.

A primeira etapa compreenderá a análise, pela Comissão de Seleção da documentação, apresentada pelo candidato. A segunda etapa, Prova Escrita, será discursiva e valerá 10 (dez) pontos. A terceira etapa será a Prova Oral, que compreende a avaliação do projeto de pesquisa e entrevista. A quarta etapa, referente a análise do currículo será classificatória.

O início das aulas está previsto para o dia 2/3/2020.

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é curso strictu sensu que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O PPGBIO-Interação se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na eco-epidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

Estes diversos aspectos são os principais delineadores para escolha da área de concentração da Ciências Biológicas III, por esta ser uma área multidisciplinar e baseada no eixo bioquímica, genética, biológico, celular e molecular. Os alunos recebem uma formação em áreas estratégicas por sua importância e que precisam ser desenvolvidas no Estado.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas

Fiocruz Amazônia participa da cerimônia de posse da nova diretoria da Escola de Enfermagem de Manaus

Nesta sexta-feira, 13/9, diretor e pesquisadores do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) participaram da cerimônia de posse de Esron Rocha, eleito novo Diretor da Escola de Enfermagem de Manaus, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), para o quadriênio 2019-2023.

Instituição parceira da Fiocruz Amazônia, a Escola de Enfermagem de Manaus foi dirigida na última gestão, durante oito anos, por Nair Chase, graduada em Enfermagem pela Escola de Enfermagem de Manaus, mestra em Educação pela Ufam e doutora em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Púiblica Sérgio Arouca/Fiocruz. O Professor Esron Rocha será o 15º diretor da Escola de Enfermagem desde sua fundação em 1949.

Para Nair Chase o sentimento é de gratidão e dever cumprido. “O momento é de profunda satisfação. Entendo que eu cumpri a missão, me dediquei, pois reconheço o que a instituição fez por mim. Estou muito satisfeita, irei continuar na Escola exercendo minhas atividades. Tenho pesquisas em andamento, aulas no mestrado, e estarei disponível para a gestão atual, para aquilo que eles entendam que eu posso contribuir”, destacou.

Em entrevista, Sérgio Luz, diretor da Fiocruz Amazônia destacou a parceria entre as instituições e desejou votos de sucesso para a nova gestão. “A Escola de Enfermagem de Manaus é nossa instituição irmã, desde a implantação. Tivemos a gestão da professora Nair que esteve conosco desde a implantação dos nossos programas de mestrado e doutorado, e agora estamos presenciando a posse do professor Rocha, nosso amigo de trabalho, de bancos escolares. É com grande satisfação que a gente recebe essa nova gestão e desejamos sucesso para eles. Que possamos construir e reforçar cada vez mais essa parceria”, disse.

NOVO DIRETOR

Esron Rocha é Doutor em Ciência na área de concentração Enfermagem na Saúde do Adulto pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Sociedade e Cultura na Amazônia e Especialista em Saúde Pública com ênfase em Saúde Indígena pela Ufam.

Atualmente é professor adjunto III da universidade, nas disciplinas Saúde Coletiva, Saúde Indígena e Estágio Curricular I (módulo rural), Coordenador estadual no âmbito da Ufam do Programa de Acesso e Melhoria da Qualidade – PMAq, Coordenador Pedagógico do curso de Qualificação de Agentes Indígenas de Saúde, Agente Indígena de Saneamento no Alto Rio Negro e Professor Permanente do Mestrado Profissional em Enfermagem da Ufam.

O diretor eleito também é Presidente da Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn/Amazonas), Membro Titular da Comissão Intersetorial de Saúde Indígena (CISI), Avaliador ADOC da Revista Latino América de Enfermagem e Revista Brasileira de Enfermagem (REBEn), Presidente do 71º Congresso Brasileiro de Enfermagem 2019 e Coordenador da Telesaúde Indígena no âmbito da Ufam.  Foi também Coordenador do Programa de Pós-Graduação Latu Sensu da Fiocruz/ Amazônia).

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Fotos: Eduardo Gomes

 

Fiocruz Amazônia recebe “Vampirão” durante campanha de doação de sangue

Nesta quinta-feira, 12/9, o Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) recebeu na Praça Sergio Arouca, a presença do Vampirão – unidade móvel da Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam). Servidores, pesquisadores, bolsitas e colaboradores participaram da atividade coordenada pelo Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade (LTASS/ Fiocruz Amazônia) em parceria com o Hemoam.

MANTER OS ESTOQUES

A campanha tem o objetivo de colaborar com a manutenção dos estoques de sangue da Fundação, que atende toda a rede de saúde pública e privada da capital e interior do Amazonas e, no período do Carnaval, costuma registrar aumento de demanda.

O sangue doado ajuda pessoas que necessitam repor o sangue perdido em cirurgias, hemorragias ou acidentes. Há, ainda, as que necessitam receber sangue regularmente, como é o caso dos pacientes, incluindo crianças e adolescentes, que sofrem de câncer no sangue (leucemia e linfoma) e os portadores de anemias graves e hemofilia.

O sangue não pode ser produzido artificialmente. Quando uma pessoa precisa de uma transfusão, por exemplo, pode contar apenas com a solidariedade das pessoas que ajudam a manter os estoques dos bancos de sangue para atender esse tipo de demanda e salvar vidas.

ORIENTAÇÕES

De acordo com as orientações da Fundação Hemoam, qualquer pessoa com boa saúde, idade entre 18 e 67 anos e peso a partir de 50 quilos pode ser doador. Mas não podem doar sangue pessoas que tiveram hepatite depois dos 11 anos de idade; usuários de drogas; pessoas com comportamento sexual de risco; quem teve malária, recebeu transfusão sanguínea ou teve doenças sexualmente transmissíveis nos últimos 12 meses; e quem teve febre nos últimos 30 dias da data da doação.

Antes de doar sangue, o voluntário precisa dormir bem na noite anterior à doação (no mínimo 6 horas). A sessão de coleta do sangue dura cerca de 10 minutos.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Fotos: Eduardo Gomes

 

Palestra do Centro de Estudos da Fiocruz Amazônia vai abordar condições de vida e serviços de saúde em assentamentos na Amazônia

Na próxima sexta-feira, 13/9, às 10h, o Centro de Estudos do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) promove a palestra “Dimensões do abandono como dispositivo de uma condição subalterna: a ausência do Estado e seus rebatimentos nas condições de vida e nos serviços de saúde em assentamentos na Amazônia”, a ser ministrada pela pesquisadora, Ana Cláudia Fernandes Nogueira, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

A palestra pretende apresentar a potência discursiva presente na vivência cotidiana, atravessada pelas condições naturais e políticas que assentamentos embrenhados na Amazônia impõem. Condições, que segundo a pesquisadora, na maioria dos assentamentos, têm sua gênese na exploração dos seringais, que por toda a região levava uma legião de humanos à precarização da vida.

De acordo com Ana Cláudia, a discussão sobre dimensões do abandono como dispositivo da condição de subalternidade “é costurada, como retalhos, principalmente a partir da fala das mulheres, uma vez que independente de suas origens, estas trazem em si a marca da renúncia e lançam seus olhares sobre os acontecimentos como maneira de justificar a partida ou a permanência nos assentamentos”, explicou.

A apresentação ocorrerá na Sala de aula 1, no prédio anexo, na sede da Fiocruz Amazônia, situada à rua Teresina, 476, Adrianópolis, em Manaus.

SOBRE A PALESTRANTE

Ana Cláudia é graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Amazonas, especialista em Antropologia da Saúde pela Fiocruz Amazônia, Mestre em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, na área de Política de Gestão Ambiental pela Universidade Federal do Amazonas, e Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Tem experiência na área de Sociologia, Antropologia e Ciências do Ambiente, com ênfase em Sociologia Rural, Meio Ambiente e Saúde, Agroecologia, Educação do Campo, atuando nos seguintes temas: meio ambiente, assentamentos rurais, conflitos rurais, política pública e cultura .

Atualmente é professora Adjunta da Universidade Federal do Amazonas no Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente – IEAA, Campus do Vale do Madeira e membro do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Ambiente, Socioeconomia e Agroecologia – NUPEAS, no IEAA.

CENTRO DE ESTUDOS

O Centro de Estudos do ILMD/Fiocruz Amazônia é um núcleo que oportuniza encontros, palestras, seminários e debates sobre diversos temas ligados à pesquisa e ao ensino para a promoção da saúde.

Os eventos são gratuitos e ocorrem às sextas-feiras. As atividades são destinadas a estudantes de graduação e pós-graduação, pesquisadores, professores e trabalhadores da área da Saúde.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

Fiocruz Amazônia abre inscrições para o curso de atualização em Geoprocessamento e Análise Espacial em Saúde

De 10 de setembro a 11 de outubro estão abertas as inscrições para o curso de atualização em Geoprocessamento e Análise Espacial em Saúde, que é promovido pelo Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia).

O curso é gratuito e destinado a profissionais graduados em atuação no campo da Saúde Pública e alunos de pós-graduação em Saúde Pública e áreas afins. Para o curso estão sendo disponibilizadas 10 vagas e o seu preenchimento obedece às condições dispostas no processo seletivo. Acesse aqui a chamada pública simplificada.

A inscrição é feita pelo Campus Virtual da Fiocruz. Vale ressaltar que, ao preencher o formulário de inscrição, o candidato deve inserir o link do seu Currículo Lattes no local indicado, bem como enviar carta de intenção, dentre outros documentos que devem ser encaminhados para efetivar a inscrição.

SOBRE O CURSO

O curso é coordenado pela professora Fernanda Fonseca, tecnologista,  e será realizado na sede do ILMD/Fiocruz Amazônia, à Rua Teresina, 476, Bairro Adrianópolis. As aulas serão ministradas pelos professores André Luiz Sá de Oliveira, pesquisador do Instituto Aggeu Magalhães (IAM/Fiocruz Pernambuco), e Mônica de Avelar Figueiredo Mafra Magalhães, tecnologista do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT/Fiocruz Rio de Janeiro). As aulas acontecerão no período de 25 a 29 de novembro, em horário integral (manhã e tarde), totalizando a carga horária de 40h.

Saiba mais sobre o curso de atualização em  Geoprocessamento e Análise Espacial em Saúde.

Acesse o portal do Campus Virtual da Fiocruz e conheça outras oportunidades.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Imagem: Mackesy Nascimento

 

Começaram nesta segunda-feira, 9, as aulas da turma de 2019 do PPGVIDA

As aulas da turma 2019 do Curso de Mestrado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA) do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) iniciaram nesta segunda-feira, 9/9, às 8h, com a palestra inaugural “Saúde da Terra???????”, ministrada por Marco Akerman, professor e pesquisador da Faculdade de Saúde Pública, da Universidade de São Paulo (USP).

Durante a aula, Marco Akerman abordou o seguinte conteúdo: de onde vem o termo “Saúde planetária” e qual é a sua definição?; que marcas a civilização humana está deixando na Terra?; que sinais e sintomas?; o que vem sendo hipotetizado (e já provado) como determinação da crescente enfermidade da Terra e seu efeito sobre a saúde das populações?; há algo a se fazer no macro, no meso e no micro; quem precisa se mobilizar?; que obstáculos pelo caminho?; que esperanças?

Neste dia também foi apresentada a equipe do ensino, o regulamento, o regimento do PPGVIDA, informações sobre bolsas do programa, manual do aluno e o calendário acadêmico. À tarde, foi iniciado o primeiro módulo do curso, Espaço, saúde e ambiente na Amazônia, ministrado pela professora e pesquisadora da Fiocruz Amazônia, Maria Luiza Garnelo.

Vagas ALUNOS ESTRANGEIROS

O Curso de Mestrado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA) está com inscrições abertas para candidatos estrangeiros. O ingresso de alunos estrangeiros será realizado mediante processo seletivo simplificado, nos termos da chamada pública e cronograma com todos os eventos das etapas, disponíveis no Edital.

Para acesso ao edital clique AQUI

Os programas, cursos e atividades de ensino desenvolvidos pela Fiocruz Amazônia visam qualificar profissionais para funções especializadas nos campos das ciências e tecnologias em saúde, necessários à sociedade, bem como aprofundar conhecimentos e habilidades, voltando-se prioritariamente para a área de saúde coletiva e afins, promovendo atualização sobre os avanços nesse campo e a ampliação das competências profissionais dos discentes.

SOBRE O PPGVIDA

O Programa tem como objetivo capacitar profissionais para desenvolver modelos analíticos capazes de subsidiar pesquisas em saúde, apoiar o planejamento, execução e gerenciamento de serviços e ações de controle e o monitoramento de doenças e agravos de interesse coletivo e do Sistema Único de Saúde na Amazônia.

Além disso, o PPGVIDA também visa planejar, propor e utilizar métodos e técnicas para executar investigações na área de saúde, mediante o uso integrado de conceitos e recursos teórico-metodológicos advindos da saúde coletiva, biologia parasitária, epidemiologia, ciências sociais e humanas aplicadas à saúde, comunicação e informação em saúde e de outras áreas de interesse acadêmico, na construção de desenhos complexos de pesquisa sobre a realidade amazônica

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Foto: Eduardo Gomes

Fiocruz Amazônia abre inscrições para processo seletivo do PPGBIO-Interação

Iniciaram nesta sexta-feira, 6/9, as inscrições para o processo seletivo do curso de Mestrado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da Interação Patógeno Hospedeiro – PPGBIO-Interação, do Instituto Leônidas & Maria Deane  (ILMD/Fiocruz Amazônia). Os interessados podem se inscrever por meio de formulário online, disponível na Plataforma Siga: http://www.sigass.fiocruz.br/pub/inscricao.do?codP=127

A Chamada Pública Nº 008/2019 do Programa oferece 20 vagas, distribuídas entre duas linhas de pesquisa: Eco epidemiologia das doenças transmissíveis; e Bioquímica, biologia celular e molecular de patógenos e seus vetores. Até o dia 12/9, ocorre o período para solicitação da isenção da taxa de inscrição.

Para se inscrever, o candidato deverá apresentar a documentação solicitada no Edital. A admissão no curso de Mestrado será feita através de processo seletivo que é composto das seguintes etapas: Homologação das inscrições, Prova Escrita e Prova Oral (Entrevista). Todas as etapas do processo seletivo são eliminatórias. As inscrições ocorrem até o dia 16/10.

A primeira etapa compreenderá a análise, pela Comissão de Seleção da documentação, apresentada pelo candidato. A segunda etapa, Prova Escrita, será discursiva e valerá 10 (dez) pontos. A terceira etapa será a Prova Oral, que compreende a avaliação do projeto de pesquisa, pontuação do currículo lattes e entrevista.

O início das aula está previsto para ocorrer no dia 2/3/2020.

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é curso strictu sensu que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O PPGBIO-Interação se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na eco-epidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

Estes diversos aspectos são os principais delineadores para escolha da área de concentração da Ciências Biológicas III, por esta ser uma área multidisciplinar e baseada no eixo bioquímica, genética, biológico, celular e molecular. Os alunos recebem uma formação em áreas estratégicas por sua importância e que precisam ser desenvolvidas no Estado.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes