Arquivo da Categoria: Fiocruz Amazônia

Debates de teses marcam o segundo dia de Congresso Interno da Fiocruz

O segundo dia de realização do VIII Congresso Interno da Fiocruz segue com os debates e deliberações dos enunciados das teses e suas diretrizes. O Congresso é a instância máxima de deliberação institucional e tem como objetivo aprovar as grandes estratégias e diretrizes institucionais para o período 2017-2020. O evento acontece no campus da Fiocruz, em Manguinhos, no Rio de Janeiro e reúne delegações eleitas em todas as unidades regionais.

A delegação do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) foi eleita no dia 26/11 e é composta por 7 delegados, 1 suplente e 2 observadores, além do diretor Sérgio Luz. Ao todo, o Congresso reúne 301 delegados, além dos observadores internos e externos.  Esta edição do Congresso tem como tema “A Fiocruz e o futuro do SUS e da democracia”.

O VIII Congresso Interno funciona com 12 grupos de trabalho (Gts). Cada grupo conta com um coordenador, um relator e um relator- adjunto. Ao todo são 11 teses, com diretrizes político-institucionais que estão sendo debatidas na Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (Ensp) e na Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV).

Conheça as impressões da delegação do ILMD/Fiocruz Amazônia sobre os primeiros dias de Congresso:

Para Sônia de Oliveira, tecnologista em saúde pública, que integra o GT-7, esta edição do Congresso Interno está bem produtiva, uma vez que “o grupo é participativo, e o diferencial nesta edição é que os delegados já trouxeram suas teses e diretrizes reformuladas, para novas proposituras”.

Rodrigo Tobias, pesquisador, está no GT-6, e para ele os debates têm demonstrado conhecimento aprofundado dos delegados sobre os compromissos da Fiocruz. “O VIII Congresso Interno promete ser um evento que marcará a história da Fiocruz por debater e sinalizar proposições políticas e institucionais no cenário da saúde pública brasileira”.

Na opinião de Anízia Aguiar, analista de gestão em saúde pública, os debates têm sido “ricos e ratificam o compromisso da Fiocruz com o fortalecimento e consolidação do SUS, e o interesse da instituição em ampliar sua capacidade interna, além de fomentar a criação de redes interinstitucionais envolvendo o controle social, para fazer frente às demandas contemporâneas”.

Como observadora, Elisangela Bieler, acha esse momento importante para se conhecer mais profundamente a Fiocruz. “Nos debates os delegados não estão pensando apenas em suas unidades, mas pensando de forma coletiva, o que tem deixado o debate ainda mais rico”.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas

Fotos: Marlúcia Seixas

ILMD/Fiocruz Amazônia lança revista de divulgação científica em versão digital

Com a missão de divulgar à sociedade os frutos de esforços científicos, a ‘Fiocruz Amazônia Revista’, é lançada em versão digital, neste mês de dezembro, pelo Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) que é um importante ambiente de pesquisas a serviço da saúde pública, localizado na capital amazonense.

“Este é um meio que complementa e fortalece ainda mais a política de comunicação institucional do ILMD/Fiocruz Amazônia, que já tem agregados outros produtos como o portal institucional, o mural, os eventos institucionais e científicos e as mídias sociais digitais”, destacou o diretor da instituição Sérgio Luz, na apresentação da publicação.  A ideia de elaborar um produto tanto off line (impresso) quanto online (disponível na internet) amplia a abrangência deste importante veículo para os diversos públicos.

A revista conta, nesta primeira edição, com 72 páginas, 14 matérias e 06 sessões que abordam novidades em pesquisas e ações desenvolvidas pela equipe de colaboradores do ILMD a serviço da melhoria das condições de saúde da população.

Um dos diferenciais da revista é a proposta de uma linguagem coloquial e recursos que facilitem a interação com os leitores como o uso do QR Code para acessos direto a vídeos e materiais citados nas matérias e também a indicação de significados de termos técnicos em pequenas caixas de texto explicativos que simulam hiperlinks, alinhando a linguagem off-line a online.

Matéria de capa

A matéria de capa deste primeiro número especial é sobre o método inovador, desenvolvido na Fiocruz Amazônia, voltado para um diagnóstico molecular da infecção pelos vírus Mayaro e Oropouche, de forma precisa e simultânea. Esses vírus apresentam sintomas que podem ser confundidos com outras arboviroses, como por exemplo a dengue, e por este motivo muitos desses casos acabam sendo subnotificados. Especialista nessas arboviroses, o virologista e doutor em microbiologia Felipe Naveca, coordenador responsável pela invenção, disse que a pesquisa levou vários anos até chegar à patente. O leitor pode conferir a matéria completa na revista disponível no portal do ILMD.

Conteúdo de Divulgação Científica

Os leitores também podem conferir, nesta edição especial, uma entrevista exclusiva com a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, que fala sobre a condição de ser pioneira como mulher a conduzir uma importante instituição como a Fiocruz. Nísia também comenta sobre a Fiocruz Amazônia, que, na sua visão, exerce um papel fundamental na pesquisa e no ensino da região.

Outro destaque da publicação é uma matéria sobre a projeção internacional do Curso Técnico de Agente Comunitário Indígena de Saúde e projeto de Estações de Disseminação de Larvicida. Vale a pena conferir os detalhes dessas duas iniciativas.

Uma matéria esclarecedora sobre tuberculose e aspergilose pulmonar foi produzida para mostrar os estudos desenvolvidos na instituição sobre as doenças. Na matéria, pesquisadores sugerem a necessidade da criação de um protocolo de acompanhamento clínico e laboratorial.

Neste primeiro número, é divulgado o trabalho do Laboratório Diversidade Microbiana da Amazônia com Importância para a Saúde (DMAIS) da Fiocruz Amazônia. A matéria mostra uma das pesquisas relevantes do laboratório desenvolvido junto à comunidade do Lago do Limão, no município de Iranduba, que identificou microorganimos causadores de doenças na água e solo.  Os resultados do projeto podem vir a auxiliar uma melhor tomada de decisão pelas autoridades de saúde para minimizar os problemas encontrados na comunidade. Já o Laboratório de Diagnóstico e Controle de Doenças Infecciosas na Amazônia (DCDIA) traz nesta edição uma pesquisa que identifica resistência bacteriana nas UTIs de diferentes hospitais de Manaus e no Igarapé do Mindu.

Gestão e ações institucionais

A parte estratégica do ILMD/Fiocruz Amazônia também teve espaço nesta edição com a matéria sobre a Gestão Eficiente para o futuro com a apresentação do Diagnóstico institucional como marco zero para o planejamento de próximos passos, levado a público durante a Jornada de Pesquisa do ILMD, em 11 de abril deste ano. Um outro fato marcante retratado na revista é a Sessão Especial realizada pela Assembleia Legislativa do Estado em homenagem aos 23 anos do ILMD/Fiocruz Amazônia e Ano Oswaldo Cruz, que foi requerida pelo deputado Luiz Castro.

Os leitores também podem conferir a trajetória de 15 anos de serviços à comunidade da Biblioteca do ILMD, bem como uma reportagem sobre o processo de definição da nova identidade visual do ILMD/Fiocruz Amazônia com o propósito de alinhar estratégia de comunicação ao desenvolvimento institucional.  As ações voltadas para a saúde dos trabalhadores da instituição como a implantação do Programa Circuito Saudável também tiveram espaço editorial garantido nesta edição.

Uma homenagem especial foi registrada nesta primeira edição para o pesquisador Antônio Levino por sua trajetória pessoal e profissional. A publicação traz ainda a notícia de que a pesquisadora Luiza Garnelo é a primeira a conquistar o III Prêmio Fiocruz Mulher de Ciências e Humanidades.

Sessões

A publicação conta com sessões que trazem informações adicionais aos leitores, como o espaço Em campo que tem a proposta de mostrar a cada edição a experiência dos pesquisadores em suas atuações. Nesta edição, a pesquisadora Michele El Kadri, do Laboratório de História Políticas Públicas e Saúde na Amazônia (Lahpsa), trouxe seu relato intitulado ‘A Ciência presente no lugar ou o lugar presente na ciência?’.

Outra sessão é a Saúde em Nota que traz informações rápidas e objetivas sobre fatos que vão ocorrer ou que vão acontecer na instituição; o Calendário da Saúde divulga a cada edição os principais eventos e datas nacionais relacionadas à temática; Já o Multimídia mostra dicas de documentários, filmes e aplicativos relacionados à saúde; Sua leitura é um espaço voltado para indicações de obras disponíveis na bilbioteca; e Na essência, tem a proposta de compartilhar uma breve trajetória histórica de importantes pesquisadores que impactaram na pesquisa científica voltada a melhoria das condições de vida e saúde da sociedade.

Por Cristiane Barbosa

Imagem: Mackesy Pinheiro

Fiocruz Amazônia realiza minicurso sobre ‘Ferramentas para o estudo das interações arbovírus-hospedeiro’

Iniciou nesta segunda-feira, 4/12, o Seminário Internacional Doenças Infecciosas Negligenciadas da Amazônia. O evento é  promovido pelo Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), por meio do Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação). A primeira atividade foi o minicurso “Ferramentas para o estudo das interações arbovírus-hospedeiro”.

O Seminário continua nos dias 6 e 7/12. Clique e acesse a programação.

As atividades do Seminário são realizadas na sede da Fiocruz Amazônia que fica na rua Teresina, 476, Adrianópolis, Manaus – AM.

O conteúdo do minicurso foi dividido em dois momentos:  pela manhã, com o pesquisador Felipe Naveca que abordou “PCR em Tempo Real: teoria e prática, preparação, reação e análise de dados. O segundo momento, “Infecção experimental em vetores”, foi ministrado pela pesquisadora Claudia Rios Velasquez, no Laboratório Ecologia de Doenças Transmissíveis na Amazônia (EDTA).

As inscrições para o Seminário são gratuitas e dele podem participar estudantes de pós-graduação e pesquisadores. São parceiros do ILMD/Fiocruz Amazônia neste evento, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC) da Fiocruz, e o Institut Pasteur de la Guyane.

Nos dias 6 e 7/12 serão realizadas palestras ministradas por pesquisadores nacionais e internacionais que discorrerão a respeito de temas ligados ao campo das doenças infecciosas negligenciadas, bem como serão abordados aspectos importantes da pesquisa na região Amazônica e projetos em desenvolvimento.

 

INSCRIÇÕES

Para se inscrever o candidato deve encaminhar e-mail para neglect.ilmd@fiocruz.br. No e-mail deve informar a intenção de participar do Seminário, enviar carta de intenções explicando as razões/motivações para participar do evento, nome completo, RG e CPF, ou número do passaporte, nome do orientador, programa de pós-graduação a que está vinculado, ou instituição na qual trabalha, no caso de pesquisador.

Para as palestras foram disponibilizadas 100 vagas. As inscrições são gratuitas, e algumas atividades serão ministradas em inglês.

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é um curso stricto sensu, que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro, no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O Programa se enquadra na grande área em Parasitologia. A pesquisa e o ensino desenvolvidos no contexto do PPGBIO-Interação têm ênfases na ecoepidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores, fatores de virulência, e mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Marlúcia Seixas

Fiocruz Amazônia promoverá Conferências Ciências Sociais e Saúde: diálogos de fronteira

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), por meio do Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade (LTASS) realizará no dia 13/12, as Conferências Ciências Sociais e Saúde: Diálogos de Fronteira.

O encontro tem por objetivo explorar as possibilidades de diálogo entre os saberes das ciências da saúde e das ciências sociais, mostrando de que forma recortes teóricos, referenciais teóricos e abordagens podem contribuir para uma bem-vinda complexificação das explicações de questões de saúde na Amazônia.

Segundo a pesquisadora responsável  pelo evento, Fabiane Vinente, a primeira edição das Conferências Ciências Sociais e Saúde: Diálogos de Fronteira terá como convidado o professor João Siqueira, antropólogo, doutor em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), que ministrará a palestra “Malária e Ciências Sociais: a intermitência do diálogo com outros saberes”

João Siqueira atua em linhas de pesquisa que incluem Etnicidade, Estado e conflitos territoriais na Amazônia, e Doença e representação social. Em sua conferência, irá discutir a problemática do estudo da malária na perspectiva das ciências sociais e explorar a relação entre a representação da malária e as práticas de atenção e cuidado no processo saúde-doença, observando que, se por um lado a questão da malária pressupõe ações políticas e medidas interventivas que são operadas no campo da saúde pública, de outro lado, ela possibilita e até potencializa a problematização da ordem social vigente, tendo em vista que saúde e doença tendem a legitimar, no espaço público, a emergência de determinado problema social.

O evento tem inscrições gratuitas que podem ser feitas no dia e local de sua realização.

LANÇAMENTO

No mesmo encontro João Siqueira irá lançar o livro “Uma doença, diversos olhares: Representação da malária em Nossa Senhora de Fátima, em Manaus”, da Editora Valer.

SERVIÇO

Evento: Conferências Ciências Sociais e Saúde: Diálogos de Fronteira

Quando? 13/12/2017

Onde?  Sede da Fiocruz Amazônia, no Salão Canoas, à rua Teresina, 476, Adrianópolis – Manaus (AM).

Horário?  De 14h30 às 17h

Informações com Edmilson Bibiani (Eventos), pelo telefone (92)3621-2430

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Imagens: divulgação

Após tendência de queda, casos de malária no mundo sobem em 2016, aponta OMS

O número de casos confirmados de malária no mundo diminuiu entre 2010 e 2015, mas voltou a crescer em 2016, informa relatório da Organização Mundial da Saúde divulgado nesta quarta-feira (29). O mundo registrou 216 milhões de casos em 2016, contra 211 milhões em 2015. Segundo a OMS, o registro do ano passado interrompe uma tendência de queda: entre 2010 e 2015, a incidência da doença apresentava uma diminuição de 21%.

“Quando há uma tendência de queda, acredita-se que a doença está controlada, os serviços começam a falhar e, aí, o número de casos aumenta novamente”, diz Marcos Boulos, infectologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

O Brasil confirmou 129.251 casos em 2016, segundo a Organização Mundial da Saúde. E a tendência era de queda, já que 143.161 casos foram registrados em 2015. Especialistas, no entanto, apontam para uma tendência de aumento em 2017.

Na região amazônica, já se registra um crescimento das infecções para esse ano. A região apresentou 7,3 mil casos a mais que o primeiro semestre do ano passado. Tocantins vive um surto (aumento repentino da doença). O estado apresentou 58 casos no primeiro semestre, em comparação com 23 em relação ao ano passado.

SOBRE A MALÁRIA

A malária é uma doença infecciosa causada pelo parasita Plasmodium. É transmitida pela picada do mosquito de gênero Anopheles ou por contato pelo sangue, como o compartilhamento de seringas.

Os sintomas incluem mal-estar, calafrios, seguido de suor intenso e prostração. No caso do plasmodium do tipo falciparum, pode ocorrer uma grave amenia, potencialmente fatal.

O G1 aguarda um retorno do Ministério da Saúde sobre os dados consolidados para este ano no Brasil, mas especialistas como Claudia Rios, pesquisadora da Fiocruz na Amazônia, confirmam uma tendência de aumento, na esteira da média global.

“O Brasil vinha avançando na redução do número de casos desde 2010, entretanto, em 2017, até o mês de agosto, foi registrado um aumento de 44% no número de casos para a região amazônica”, diz.

Surto de malária em Macapá, no Amapá, em registro de setembro desse ano (Foto: Reprodução/Rede Amazônica)

Tanto Marcos Boulos como Claudia Rios citam que o aumento pode ser explicado em parte a uma mudança nas políticas de controle e também por influência de questões climásticas.

“Quando você tem ano eleitoral no município, alguns prefeitos destinam parte do pessoal para outras funções. Ano passado foi ano eleitoral e os serviços ficaram sobrecarregados. Também sempre quando muda a gestão, há uma tendência de aumento”, diz Boulos.

“A incidência de malária no Brasil, ao longo do tempo, é muito variável, e isso está associado a múltiplos fatores como mudanças climáticas, mudança nas lideranças municipais e, portanto, nas políticas de controle”, afirma Cláudia.

MORTES NO MUNDO E REGIÕES AFETADAS

Apesar da tendência global de aumento, morre menos gente em decorrência da doença. Em 2016, a OMS estimava 445 mil mortes globalmente, contra 446 mil em 2015.

A África ainda é a região mais atingida pela doença, com 90% dos casos. Lá, é mais prevalente a malária transmitida pelo Plasmodium falciparum – representando 99% dos casos. A malária transmitida por esse protozoário leva à forma mais grave da doença: o falciparum destroi os glóbulos vermelhos do sangue, o que provoca um quadro grave de anemia.

Já nas Américas, é mais prevalente o Plasmodium vivax, que corresponde a 64% dos casos. Ainda nas Américas, Brasil e Venezuela respondem por 65% dos casos.

No Brasil, a maior parte dos casos é registrada na região amazônica, onde a malária é endêmica (ocorre com frequência na região).

META DE ELIMINAÇÃO DA OMS

Segundo o documento, mais países estão perto de eliminar a malária: em 2016, 37 países reportavam menos de 10 mil casos, contra 37 países em 2010.

A OMS informa que países como Emirados Árabes Unidos (2007), Marrocos (2010), Armênia (2011), Maldivas (2015) e Sri Lanka (2016) eliminaram a doença. Países como a Argentina estão em processo de eliminação.

A eliminação, no entanto, só ocorre quando não há mais transmissão interna da doença e é diferente da erradicação, quando quase não são registrados novos casos. Também são necessários serviços constantes de vigilância para que a eliminação seja garantida.

O Brasil não está entre os países com menos de 10 mil casos — com 129.251 casos em 2016 — e, portanto, a meta de eliminação não é uma realidade para o nosso território.

Marcos Boulos, da USP, diz que há um ano se discutia a eliminação da malária causada pelo Plasmodium falciparum, já que havia uma tendência de queda nos casos provocados especificamente pelo parasita. Comissões de especialistas debatiam se se fazia uma estratégia focada de eliminação ou se se esperava que a eliminação fosse alcançada com a natural queda observada.

“Agora, no entanto, com o aumento, vamos ter de rever essa meta e a prioridade é a reorganização dos serviços para garantir o que vinha sendo feito”, diz.

Hoje, o país tem mais de 23 milhões de pessoas em risco para a doença.

RESISTÊNCIA A ANTIBIÓTICOS E INSETICIDAS

A Organização Mundial de Saúde cita que há registros de casos de resistência do parasita a medicamentos. Também, segundo a entidade, vetores também apresentam resistência a inseticidas. A entidade aponta sobre a necessidade do investimento em pesquisas.

“O problema da resistência existe e isso afeta diretamente as medidas de controle existentes, contribuindo para a manutenção da doença e dificultando a sua eliminação”, diz Cláudia Rios.

Cláudia cita que a Fiocruz da Amazônia desenvolve pesquisas para buscar novas moléculas que possam bloquear a transmissão. A entidade também testa substâncias naturais e sintéticas para o controle do parasita.

Fonte: G1, por Monique Oliveira, G1
Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Inscrições abertas para o Seminário Internacional Doenças Infecciosas Negligenciadas da Amazônia

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) está recebendo inscrições para o Seminário Internacional Doenças Infecciosas Negligenciadas da Amazônia, que será realizado nos dias 4, 6 e 7/12, na sede do Instituto, à rua Teresina, 476, Adrianópolis, Manaus (AM).

A primeira atividade do seminário será o minicurso “Ferramentas para o estudo das interações arbovírus-hospedeiro”, que acontece na próxima segunda-feira (4/12). O evento é promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação).

As inscrições são gratuitas e podem participar estudantes de pós-graduação e pesquisadores. São parceiros do ILMD/Fiocruz Amazônia,  a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC) da Fiocruz, e o Institut Pasteur de la Guyane.

Nos dias 6 e 7/12 serão realizadas palestras ministradas por pesquisadores convidados nacionais e internacionais que discorrerão a respeito de temas no campo das doenças infecciosas negligenciadas, bem como serão abordados aspectos importantes da pesquisa na região Amazônica e projetos em desenvolvimento.

Clique e acesse a programação.

INSCRIÇÕES

Os interessados em participar do evento devem enviar e-mail para neglect.ilmd@fiocruz.br. No e-mail deve conter a indicação de qual a atividade quer participar ou se quer inscrever-se para as duas (minicurso e palestras). Além disso, enviar carta de intenções explicando as razões/motivações para participar do minicurso e/ou seminário, nome completo, RG e CPF, ou número do passaporte, nome do orientador, programa de pós-graduação a que está vinculado, ou instituição na qual trabalha, no caso de pesquisador.

Para o minicurso estão sendo oferecidas 10 vagas. Para as palestras, 100 vagas estão sendo disponibilizadas. As inscrições são gratuitas, e algumas atividades serão ministradas em inglês.

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é um curso stricto sensu, que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro, no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O Programa se enquadra na grande área em Parasitologia. A pesquisa e o ensino desenvolvidos no contexto do PPGBIO-Interação têm ênfases na ecoepidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores, fatores de virulência, e mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Imagem: Mackesy Pinheiro

Visita de pesquisadores de Liverpool à Fiocruz Amazônia acende possibilidades de parcerias institucionais

Pesquisadores da Liverpool School of Tropical Medicine (LSTM) estão em Manaus para reunir com pesquisadores do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia).  A programação do encontro vai até quinta-feira (30/11) e consta de conferências e interlocuções sobre parasitologia, terapias e medicamentos.

Para o vice-presidente de Pesquisa e Coleções Biológicas, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Rodrigo Correa de Oliveira, a visita dos pesquisadores é muito oportuna, visto que os pesquisadores da LSTM têm um sistema muito bem estruturado e têm descoberto novos medicamentos o que pode ser significativo não só para a Fiocruz Amazônia, mas para o sistema de saúde brasileiro.

“Vejo que dentro dessa colaboração entre a LSTM, a Fiocruz Amazônia e a Fiocruz Nacional nós podemos chegar a um processo de investigação junto com Farmanguinhos e com as outras unidades da Fiocruz, de verificação de novas drogas para várias doenças, por que eles têm um sistema de alta velocidade de avaliação de produtos naturais e, junto com eles, poderíamos ter uma abordagem bastante significativa de produtos naturais não só da Amazônia, mas também de outras regiões do país”, disse Rodrigo Oliveira.

Para o diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, Sérgio Luz, a visita dos pesquisadores possibilita colaboração com a LSTM. “São pesquisadores de uma instituição de grande importância na pesquisa, que tem tradição e trabalhos relevantes na parte de saúde pública. Essa parceria é uma oportunidade não só de se ter projetos de colaboração, mas também abre portas para outras cooperações que atendam aos nossos estudantes e corpo técnico não só em filárias, mas também em outros temas”.

O encontro tem programação definida até o dia 30/11. Veja abaixo:

EVENT PROGRAMME FOR 29.11.2017 

09:00 – 12:00 – Tour of the FMT-HVD

Fiocruz ILMD researcher and FMT-HVD medical practitioner Dr Marcus Lacerda and FMT-HVD director of research Dr Wuelton Monteiro will greet the LSTM guests at the FMT-HVD and provide them with a tour of the hospital’s research facilities.

Student Talks

13:00 – 13:30 –Uziel Swaua Msc (Fiocruz ILMD)

Evidence for M. ozzardi resistance to Ivermectin in Sao Gabriel do Cachoeira.

13:30 – 14:00 – Túllio Romão Ribeiro da Silva Msc (Fiocruz ILMD)

Flies in the ointment: Onchocerciasis vector bites are significantly reduced by the skin application of mineral oil during human landing catches

14:00 – 14:30 – Yago Santos Bsc (Fiocruz ILMD)

Are standard Wolbachia detection tools over-estimating the prevalence of Wolbachia infections in mosquitoes?

14:30 – 14:45 – Coffee break

Our invited guest will be served Brazilian coffee, fresh rainforest fruit juice and regional snacks during this brief interval.

14:45 – 15:00 – Tour of the Fiocruz ILMD laboratory facilities

Our invited guest will be provided with a tour the Fiocruz ILMD laboratory facilities.

 15:00- 17:00 – Fiocruz & LSTM project proposal discussions: closed session

In this closed-door meeting the LSTM team and selected Fiocruz researchers will discuss collaborative research proposals and funding opportunities.

 

 EVENT PROGRAMME FOR THE 30.11.2017

 

9:00- 12:00 –Project proposal wrapping up meeting: closed session

During this session, the LSTM team and Fiocruz researchers will select specific research project proposals and specific funding calls that collaborative joint grant applications can be submitted to.  The LSTM team and Fiocruz researchers will decide on a firm agenda for the preparation of grant-application submission with clearly delineated tasks for each of the applicants.

12-00-14-00 – Special lunch

Dr Luz will take our LSTM guest to a special restaurant so our guest can sample the best of traditional Amazonia food and drink.

14-00- 17:00 –Project proposal spill-over meeting or free session.

Depending on the progress of the meeting and the desires of our LSTM guests, this session can be used to resolve out-standing issues from earlier discussions or can be used for tourist activities. The Brazilian Amazon has a lot to offer tourists and we will be glad to show our guests the parts that most interest them. They will, of course, need to remember their swimming trunks if the decide they want to swim with our pink river dolphins.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Marlúcia Seixas

Fiocruz Amazônia abre inscrições para o Seminário Internacional Doenças Infecciosas Negligenciadas da Amazônia

De 4 a 7 de dezembro, o Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), por meio Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação), realiza o Seminário Internacional Doenças Infecciosas Negligenciadas da Amazônia.  O evento acontecerá 9 às 17h, no Salão Canoas, à rua Teresina, 476, Adrianópolis, Manaus (AM).

O Seminário é direcionado a estudantes de pós-graduação e pesquisadores. Está dividido em duas atividades: a primeira, é o minicurso “Ferramentas para o estudo das interações arbovírus-hospedeiro”, que ocorrerá nos dias 4 e 5/12; a segunda acontecerá nos dias 6 e 7/12, e serão palestras ministradas por pesquisadores convidados nacionais e internacionais que discorrerão a respeito de temas no campo das doenças infecciosas negligenciadas, bem como abordarão tópicos importantes sobre pesquisa na região Amazônica e projetos em desenvolvimento.

O evento é realizado pelo ILMD/Fiocruz Amazônia e tem como parceiros a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC) da Fiocruz, e o Institut Pasteur de la Guyane.

Inscrições

Os interessados em participar do evento devem enviar e-mail para neglect.ilmd@fiocruz.br. No e-mail deve conter a indicação de qual a atividade quer participar ou se quer inscrever-se para as duas (minicurso e palestras). Além disso, enviar carta de intenções explicando as razões/motivações para participar do minicurso e/ou seminário, nome completo, RG e CPF, ou número do passaporte, nome do orientador, programa de pós-graduação a que está vinculado, ou instituição na qual trabalha, no caso de pesquisadores.

Para o minicurso estão sendo oferecidas 10 vagas. Para as palestras, 100 vagas estão sendo disponibilizadas. As inscrições são gratuitas, e algumas atividades serão ministradas em inglês.

Sobre o PPGBIO- Interação

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é um curso stricto sensu, que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro, no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O Programa se enquadra na grande área em Parasitologia. A pesquisa e o ensino desenvolvidos no contexto do PPGBIO-Interação têm ênfases na ecoepidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores, fatores de virulência, e mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

Fonte- ILMD/Fiocruz Amazônia

 

O post Fiocruz Amazônia abre inscrições para o Seminário Internacional Doenças Infecciosas Negligenciadas da Amazônia apareceu primeiro em FAPEAM.

Dados sobre condições de vida e desigualdade em saúde chamam atenção de alunos na Semana de C&T

As condições de saúde e sociais na região Norte são precárias em relação principalmente ao Sul e Sudeste do País. Essa foi das constatações da palestra ‘Condições de vida e desigualdade em saúde no Brasil e na Amazônia’ ministrada pela pesquisadora e médica do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), Luiza Garnelo, para alunos do ensino médio da Escola Estadual Gilberto Mestrinho.

O evento ocorreu na sexta-feira (24/11), no Espaço da Cidadania Ambiental (Ecam), no Manauara Shopping, como parte da programação da 14ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), promovida pela Fiocruz Amazônia, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (Semed).

Garnelo apresentou, na oportunidade, diversos gráficos e números de indicadores e taxas relacionadas a questões socioeconômicas e que têm reflexos nas condições de vida e saúde da população, em especial da região Norte do País, com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A abordagem da difusão científica junto aos alunos está ligada à temática do evento ‘A matemática na saúde’, promovido pela Fiocruz Amazônia em parceria com a Semed ao longo desta semana (21 a 24/11).

Ela mostrou dados como o coeficiente de mortalidade infantil x renda per capita; média de renda; taxa de analfabetismo; taxa de mortalidade infantil segundo a renda familiar; indicadores de vulnerabilidade; indicadores de mulheres que fazem mamografia e preventivo, dentre outros dados de relevância.

“Fica ainda mais contrastante quando começamos a estudar os números da geração de riqueza. Não é que esteja faltando riqueza na região Norte, mas é a distribuição que é muito desigual, pois é uma das regiões com maior concentração de riqueza do País”, destacou a pesquisadora.

A pesquisadora revelou ainda que a população interiorana do Amazonas é uma das mais prejudicadas, pois não tem infraestrutura social, como transporte, informação e principalmente o acesso à saúde. “Os dados que temos de renda per capita e das condições de saúde dessa população são muito desfavoráveis. Assim, a má distribuição de renda e a desigualdade social impactam diretamente na saúde e qualidade de vida e é mais exacerbada no interior pela situação de extrema pobreza”, analisou ela, diante dos números levantados pelo IBGE.

Sobre o evento, a pesquisadora disse que é um momento privilegiado porque transmitiu informações para jovens ainda em fase escolar e que nunca têm acesso a esses tipos de dados. “Muitas vezes a falta de informação faz com que as pessoas se sintam responsáveis pela própria miséria, como se tivessem culpa”, pontuou.

Segundo ela, há uma desigualdade estrutural que só piora as condições de vida das pessoas porque elas não têm armas para lutar contra isso, já que não é só o esforço individual, mas é necessário mudar os dirigentes, bem como as prioridades políticas e fiscalizar a alocação de recursos. “A ideia é que a ciência que levanta e investiga esses dados e publica em periódicos especializados, consiga acessar diretamente uma população que sofre e que não tem uma clareza da origem de seus problemas”, detalhou.

OPINIÃO DE QUEM FOI

Na visão do aluno do 3º ano do ensino médio, Vinicius Guimarães, 17 anos, a experiência foi bem interessante. “A palestra chamou muita atenção pelos números e gráficos que eu nunca tinha visto”, disse ele.

Para a estudante Pollyanna Marinho, 17 anos, sair do ambiente da escola e conhecer a rotina de pesquisadores é transformador para seus estudos. “Ter vindo participar dessa atividade me permitiu ter uma visão mais ampla e entender melhor sobre assuntos novos”, declarou.

A professora responsável pela turma, Maria Suziany Santos, revelou que todos os alunos da escola gostariam muito de ter participado das atividades e que gerou uma grande curiosidade por parte de todos. “É de grande valia iniciativas desta natureza, pois sabemos que em sala de aula o tempo é curto e esse evento proporcionou o contato deles com um laboratório externo”, afirmou.

MOSTRA CIENTÍFICA

A nutricionista Sarah Cordeiro do Núcleo de Saúde do Trabalhador (NUST/ILMD) coordenou, no período de 21 a 24/11, a mostra do jogo interativo ‘Restaurante Virtual’ sobre alimentação saudável e orientações nutricionais para os visitantes da SNCT. “O objetivo foi levar à sociedade a promoção de saúde. Trabalhamos durante toda a semana com a conscientização sobre a quantidade de porções adequadas, baseado no Guia Alimentar da População Brasileira”, disse.

Um minilaboratório com microscópios foi disponibilizado para as crianças e jovens conhecerem de perto fungos e bactérias causadores de doenças e até os utilizados para produção de medicamentos e na indústria alimentícia. “A ideia foi mostrar para os alunos como funciona parte de nossas atividades e o estudo desses micro-organismos e como podemos enxergá-los no laboratório”, explicou a mestre em Ciências de Alimentos e bolsista da Fiocruz Amazônia, Lirna Silva, que foi uma das envolvidas na mostra

Ainda no dia 24/11 ocorreu a palestra sobre ‘Dermatófitos, ministrada por Laissa Barroso.

Por Cristiane Barbosa
Fotos: Cristiane Barbosa
Edição: Marlúcia Seixas

Obsma conclui Oficinas Pedagógicas em Porto Velho

Encerraram ontem, 23/11, as Oficinas Pedagógicas da Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente (Obsma), em Porto Velho (RO). A abertura do evento foi na segunda-feira (20/11). Depois, foram 3 dias dedicados ao diálogo e orientação a professores sobre como abordar com seus alunos as temáticas de saúde e meio ambiente, a partir de recursos relacionados a projeto de ciências, produção de texto e produção audiovisual, que são as modalidades da Olimpíada.

No último dia, foi ministrada pela professora Alcione de Araújo, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e colaboradora da Obsma, a oficina de produção textual. No dia 22/11, ocorreu a oficina de audiovisual, com o programador e produtor visual Wagner Nagib. No primeiro dia, projeto de ciências, com Cristina Araripe, pesquisadora da Fiocruz e coordenadora nacional da Obsma.

A Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente é um projeto educativo bienal promovido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para estimular o desenvolvimento de atividades interdisciplinares nas escolas públicas e privadas de todo o país.

As Oficinas Pedagógicas da Obsma em Porto Velho foram organizadas pela Coordenação Regional Norte, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação de Rondônia (Seduc-RO), por meio da Coordenação do Núcleo do Programa Saúde na Escola (PSE).

Segundo a coordenadora do PSE, Maria Inês Fernandes, a expectativa é de que os professores que participaram das atividades pedagógicas da Obsma, tornem-se multiplicadores do conhecimento adquirido e possam contribuir para que mais educadores de Rondônia, inscrevam projetos na Olimpíada.

Participaram das oficinas professores dos 52 municípios de Rondônia. Alguns educadores chegaram a viajar por 11 horas de ônibus até chegar ao Rondon Palace Hotel, local onde foram ministradas as Oficinas.

A coordenadora Regional Norte da Obsma, Rita Bacuri, ressaltou a importância do envolvimento e empenho da Seduc e do PSE, para prover condições para participação dos professores nas atividades pedagógicas, e espera que a 9ª. edição da Obsma seja contemplada com muitas  inscrições de professores de Rondônia.

No encerramento, além das palavras de agradecimento e motivação para impulsionar novos projetos, houve também sorteios de camisas e canecas.

Confira as fotos das Oficinas Pedagógicas em Porto Velho.

 

Saiba mais sobre as Oficinas Pedagógicas da Obsma

Saiba como organizar Oficinas Pedagógicas na sua cidade/região?

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Marlúcia Seixas