Arquivo da Categoria: FCecon

Pesquisa testa se o medicamento Gabapentina é capaz de controlar a dor de pacientes no pós-operatório

Estudo pioneiro no Amazonas é feito com pacientes submetidos à cirurgia de cabeça e pescoço na FCecon

O medicamento Gabapentina, utilizado na área neurológica para tratar convulsões e dor neuropática, está sendo testado com objetivo de descobrir se ele pode ser usado no controle da dor pós-operatória em pacientes submetidos à cirurgia de cabeça e pescoço na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon).

A pesquisa que conta com apoio do Governo do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) no âmbito do Programa de Apoio à Iniciação Científica (PAIC), é desenvolvida pela graduanda em Medicina, Amanda Puigcerver, que está no 5° período do curso na Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Segundo a estudante o benefício da pesquisa é saber mais sobre a Gabapentina, um medicamento considerado muito comum no país, mas que ainda não é comumente utilizado para essa finalidade.

“No Brasil, um estudo científico envolvendo pacientes submetidos à cirurgia oncológica igual a esse ainda não foi realizado. Se os resultados apontarem o bom desempenho da Gabapentina existe a alternativa de colocarmos como um medicamento fixo na anestesia�, disse.

IMG_3256

Pesquisa é desenvolvida pela graduanda em Medicina, Amanda Puigcerver, da UEA no âmbito do PAIC

 

Aplicação

Conforme Amanda, para saber os efeitos da Gabapentina está sendo realizado um estudo duplo-cego com o paciente, onde o grupo de pesquisa atua com duas medicações, sendo um a Gabapentina e o outro Pregabalina, que são colocados em envelopes denominados como A e B. Os medicamentos são administrados nos pacientes sem que o grupo de pesquisa e os pacientes saibam a medicação ingerida. A identificação de cada um: A ou B é descrita apenas no prontuário de cada paciente.

“No estudo é dado o envelope A ou B para os pacientes e pedimos para eles tomem a medicação antes de se preparar para a cirurgia. Após isso, seguem para a preparação anestésica e fazem a cirurgia. Mas, antes da cirurgia verificamos numa escala de 0 a 10 o grau de dor que eles estão sentindo. Além disso, após a cirurgia, fazemos o acompanhamento com os pacientes no período de 24h e 48h  para saber o grau de  dor que ele ainda sente�, explicou.

O estudo, que começou em setembro de 2017, já analisou 20 pacientes. A previsão é que o número aumente e alcance no mínimo 80 pacientes até o fim do projeto previsto para finalizar no segundo semestre deste ano.

A estudante explicou que no fim do estudo a equipe irá analisar a medicação A e B e descobrir qual medicamento foi mais eficiente nos relatos dos pacientes para diminuir a dor.

“A partir dos resultados, vamos saber se a Gabapentina é realmente eficiente para o tratamento anestésico�, disse.

Os resultados parciais da pesquisa científica serão divulgados durante o Congresso de Iniciação Científica no FCecon no mês de fevereiro.

PAIC

 O programa visa disseminar o conhecimento científico por meio do envolvimento das instituições, pesquisadores e estudantes de graduação em todo o processo de investigação, proporcionando principalmente aos alunos a experiência prática e o desenvolvimento de habilidades em pesquisas.

 

IMG_3264

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

O post Pesquisa testa se o medicamento Gabapentina é capaz de controlar a dor de pacientes no pós-operatório apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa analisa qualidade de vida do cuidador de paciente com câncer em Manaus

O estudo quer saber como anda a qualidade de vida do cuidador para assim propor ações preventivas para ajudar na saúde do acompanhante

Uma pesquisa desenvolvida com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) vem analisando a qualidade de vida do cuidador familiar do paciente em internação hospitalar com diagnóstico de câncer, na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon).

O estudo é realizado pela graduanda em Enfermagem Giselle Luany Jefres e orientado pela pesquisadora Júlia Mônica Benevides. O trabalho iniciou em 2016, no âmbito do Programa de Apoio à Iniciação Científica, e já avaliou 74 pessoas, que ficaram de um mês até dois anos como cuidador de paciente na FCecon. Desse número 70 são mulheres, na faixa etária de 30 a 40 anos.

A pesquisa tem previsão para terminar em 2019. Até lá, se espera coletar dados de quase 400 cuidadores. “Estamos tentando verificar não apenas o paciente, mas também o cuidador para evitar que esse acompanhante venha desencadear alguma doença e se tornar também um paciente. Na pesquisa estamos verificando de que forma podemos agir com o cuidador para evitar isso como, por exemplo, por meio da área de psicologia do hospital através de diálogos e conversas”, conta Giselle.

Segundo Giselle, para a coleta e avaliação foram realizados dois questionários, com questões sobre a vida pessoal e financeira, além das informações sobre o ambiente onde cuidador reside e sobre o tempo que acompanha o paciente durante o tratamento.

IMG_2041A graduanda em Enfermagem Giselle Luany Jefres tem previsão para terminar a pesquisa em 2019, com dados de quase 400 cuidadores

A graduanda em Enfermagem diz que o resultado do questionário mostra que todos os 74 cuidadores avaliados apresentaram qualidade de vida regular, ou seja, não é um nível elevado e nem muito baixo. Um dos fatores que pode estar associado a isso é a condição financeira.

“O fato de receber um salário mínimo pode acabar estressando o cuidador, pois não tem renda suficiente, por exemplo, para pegar o transporte e manter sua ida ao hospital. Isso acarreta estresse, desconforto e pode prejudicar o paciente, fazendo ele se sentir um “fardo” para o cuidador”, afirmou.

Essa é a primeira vez que a estudante participa de um projeto de iniciação científica. Ela destacou a importância do apoio da Fapeam no andamento da pesquisa.

“O apoio da Fapeam nos permitiu fazer essa coleta de dados, pesquisar, ampliar o nosso conhecimento e contribuir com a sociedade por meio de ações de prevenção à saúde”, destacou.

Sobre o Paic

 O programa de Apoio à Iniciação Científica (Paic) visa disseminar o conhecimento científico por meio do envolvimento das instituições, pesquisadores e estudantes de graduação em todo o processo de investigação, proporcionando principalmente aos alunos a experiência prática e o desenvolvimento de habilidades em pesquisas.

IMG_2051

 

Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)/ Fapeam

O post Pesquisa analisa qualidade de vida do cuidador de paciente com câncer em Manaus apareceu primeiro em FAPEAM.