Arquivo da Categoria: Fapeam

PAREV recebe propostas até o dia 19 de fevereiro

Programa apoia a realização de eventos de cunho científico e tecnológico ocorrentes no período de julho a dezembro de 2018

Os interessados em submeter projeto na 2ª chamada do Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos e Tecnológicos no Estado do Amazonas (PAREV) têm até o dia 19 de fevereiro de 2018  para submeter propostas no programa.  O PAREV tem como objetivo  divulgar os resultados de pesquisas científicas e contribuir para a promoção do intercâmbio científico e tecnológico.

Esta chamada apoia a realização de eventos de cunho científico e tecnológico ocorrentes no período de julho a dezembro de 2018. Os eventos devem estar relacionados à Ciência, Tecnologia e Inovação como: congressos, simpósios, workshops, seminários, ciclo de palestras, conferências e oficinas de trabalho.

A segunda chamada do PAREV conta com um investimento na ordem de R$750 mil. O programa  é uma ação do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

Um dos requisitos para participar do edital é ter vínculo empregatício com instituição de pesquisa e ensino superior, centros de pesquisas, órgãos públicos sediados ou com unidade permanente no Amazonas, a partir de agora denominados instituição executora do evento e ter título de doutor. Conforme o edital, a publicação com os resultados das propostas serão divulgadas em março 2018.

A proposta deverá ser apresentada em versão eletrônica por intermédio do formulário contido no Sistema de Gestão da Informação da Fapeam (SIGFapeam), disponível na página eletrônica da instituição. Para acessar o formulário eletrônico, o proponente deverá utilizar seu login e senha previamente cadastrados.

Novos usuários deverão realizar o cadastramento no banco de pesquisadores da Fapeam, no endereço supracitado. Além do envio do Formulário on line, via SIGFapeam, a submissão da proposta requer também a apresentação da Documentação Complementar a ser anexada ao sistema SIGFapeam, como especificado no edital.

Acesse o edital clique aqui

banner_parev

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

 

O post PAREV recebe propostas até o dia 19 de fevereiro apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa testa se o medicamento Gabapentina é capaz de controlar a dor de pacientes no pós-operatório

Estudo pioneiro no Amazonas é feito com pacientes submetidos à cirurgia de cabeça e pescoço na FCecon

O medicamento Gabapentina, utilizado na área neurológica para tratar convulsões e dor neuropática, está sendo testado com objetivo de descobrir se ele pode ser usado no controle da dor pós-operatória em pacientes submetidos à cirurgia de cabeça e pescoço na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon).

A pesquisa que conta com apoio do Governo do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) no âmbito do Programa de Apoio à Iniciação Científica (PAIC), é desenvolvida pela graduanda em Medicina, Amanda Puigcerver, que está no 5° período do curso na Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Segundo a estudante o benefício da pesquisa é saber mais sobre a Gabapentina, um medicamento considerado muito comum no país, mas que ainda não é comumente utilizado para essa finalidade.

“No Brasil, um estudo científico envolvendo pacientes submetidos à cirurgia oncológica igual a esse ainda não foi realizado. Se os resultados apontarem o bom desempenho da Gabapentina existe a alternativa de colocarmos como um medicamento fixo na anestesia�, disse.

IMG_3256

Pesquisa é desenvolvida pela graduanda em Medicina, Amanda Puigcerver, da UEA no âmbito do PAIC

 

Aplicação

Conforme Amanda, para saber os efeitos da Gabapentina está sendo realizado um estudo duplo-cego com o paciente, onde o grupo de pesquisa atua com duas medicações, sendo um a Gabapentina e o outro Pregabalina, que são colocados em envelopes denominados como A e B. Os medicamentos são administrados nos pacientes sem que o grupo de pesquisa e os pacientes saibam a medicação ingerida. A identificação de cada um: A ou B é descrita apenas no prontuário de cada paciente.

“No estudo é dado o envelope A ou B para os pacientes e pedimos para eles tomem a medicação antes de se preparar para a cirurgia. Após isso, seguem para a preparação anestésica e fazem a cirurgia. Mas, antes da cirurgia verificamos numa escala de 0 a 10 o grau de dor que eles estão sentindo. Além disso, após a cirurgia, fazemos o acompanhamento com os pacientes no período de 24h e 48h  para saber o grau de  dor que ele ainda sente�, explicou.

O estudo, que começou em setembro de 2017, já analisou 20 pacientes. A previsão é que o número aumente e alcance no mínimo 80 pacientes até o fim do projeto previsto para finalizar no segundo semestre deste ano.

A estudante explicou que no fim do estudo a equipe irá analisar a medicação A e B e descobrir qual medicamento foi mais eficiente nos relatos dos pacientes para diminuir a dor.

“A partir dos resultados, vamos saber se a Gabapentina é realmente eficiente para o tratamento anestésico�, disse.

Os resultados parciais da pesquisa científica serão divulgados durante o Congresso de Iniciação Científica no FCecon no mês de fevereiro.

PAIC

 O programa visa disseminar o conhecimento científico por meio do envolvimento das instituições, pesquisadores e estudantes de graduação em todo o processo de investigação, proporcionando principalmente aos alunos a experiência prática e o desenvolvimento de habilidades em pesquisas.

 

IMG_3264

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

O post Pesquisa testa se o medicamento Gabapentina é capaz de controlar a dor de pacientes no pós-operatório apareceu primeiro em FAPEAM.

Aplicativos E-Fapeam e Fapeam Docs estão disponíveis na plataforma iOS

Sistemas permitem acessar editais lançados, programas, tutoriais, serviços, redes sociais e notícias da Fapeam, entre outros serviços

Os aplicativos E-Fapeam e Fapeam Docs, que permitem o acesso ao conteúdo e as atividades desenvolvidas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), a partir de agora também estão disponíveis para download na plataforma  iOS, para usuários de Iphone e Ipad. Em 2017, foi lançada a versão Android dos aplicativos.

Os aplicativos desenvolvidos pela Fapeam, em parceria com o Centro de Treinamento Samsung Ocean e o Laboratório de Tecnologia, Inovação e Economia Criativa (Ludus), ambos da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), estão disponíveis para download, de forma gratuita, no App Store e Google Store.

A novidade é que os aplicativos, tanto para sistema Android quanto para o iOS, têm novas ferramentas e interfaces que deixaram o aplicativo com  visual moderno e de fácil acesso para os usuários.

Com o E-Fapeam o usuário fica por dentro dos editais lançados, decisões do conselho, tutoriais, serviços, redes sociais e notícias da Fapeam, entre outros serviços. Já o Fapeam Docs oferece ao usuário acesso as revistas digitais, suplementos, catálogos, relatórios e demais documentos.

“Os sistemas foram desenvolvidos dentro do Ludus pelos alunos sob a supervisão dos professores. Os novos aplicativos agora funcionam no sistema iOS e Android. E possuem várias melhorias técnicas e desempenho em relação a versão anterior”, disse o coordenador do projeto, o doutor Jucimar Silva.

Usuários

A pesquisadora e doutora em Ciências Biológicas, Yamile Benaion Alencar, disse que com os aplicativos da Fapeam os pesquisadores e demais usuários da plataforma online da instituição ganham rapidez no acesso a todas as informações científicas, o que dinamiza o processo de interação dos usuários com a instituição.

“Hoje os recursos da área de tecnologia da informação são indispensáveis para maior rapidez das informações importantes que a Fapeam disponibiliza diariamente e que contribuem de forma significativa para disseminação das informações de natureza técnica e cientifica em nossa região. Acredito que isso beneficia a todos os usuários e, principalmente, nós os pesquisadores que necessitamos estar por dentro dos lançamentos dos editais, tutoriais de prestação de contas e notícias relacionadas as nossas pesquisas”, informou.

Para a graduanda em Enfermagem, Nataly Alves, que acompanha as notícias do cenário científico no portal eletrônico e na revista da instituição, disse que com aplicativo será mais fácil se manter informada sobre o que acontece no cenário de Ciência, Tecnologia e Inovação (C,T&I) no Amazonas.

“Fico feliz em saber que a Fapeam disponibilizou os aplicativos para as duas plataformas. Hoje em dia, o smartphone, por exemplo, é um item indispensável para maioria das pessoas. Por isso, criar a ferramenta é permitir que os usuários possam ter acesso a tudo isso com apenas um clique, na palma da mão”, disse.

banner_app

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

 

 

 

O post Aplicativos E-Fapeam e Fapeam Docs estão disponíveis na plataforma iOS apareceu primeiro em FAPEAM.

Exposição fotográfica retrata Teatro Amazonas e seu entorno sob o olhar de estudantes

 A exposição acontece no Teatro Chaminé ate o dia 2 de fevereiro. As fotografias foram feitas por alunos do IEA

O Teatro Amazonas e seu entorno foram registrados de ângulos diferentes pelas lentes dos alunos do Instituto de Educação do Amazonas (IEA). As fotografias fazem parte da exposição “Minha Cultura, Meu Maior Patrimônio”, que está no Teatro Chaminé, no Centro de Manaus, até o dia 2 de fevereiro de 2018.

A ação que contribui para a valorização da cultura conta 30 registros fotográficos. A exposição está aberta para visitação de terça a sábado, 13h às 17h. No domingo de 11h às 15h. A entrada é gratuita.

A exposição fotográfica é uma das fases do projeto intitulado ‘Minha cultura, meu maior patrimônio: a valorização dos patrimônios materiais do centro histórico de Manaus pelos alunos do 6º e 7º anos do IEA’, aprovado na edição 2017 do Programa Ciência na Escola (PCE).

De acordo com a coordenadora do projeto, Denise Bezerra, o público que visitar a exposição poderá encontrar por meio das fotografias o olhar dos estudantes através da valorização dos patrimônios históricos de Manaus.

“Esta é uma das atividades desenvolvidas dentro do projeto do PCE 2017. Após a exposição, pensamos em fazer com as fotos um leilão beneficente em prol do Abrigo Coração do Pai, bairro Japiim. As peças serão leiloadas e expostas no abrigo com objetivo de fazer com que as pessoas conheçam e ajudem o local. A data do evento ainda está sendo definida. Mas, quem visitar a exposição já pode escolher a fotografia e deixar anotado o lance”, contou a professora.

IMG_3086

Exposição fotográfica é uma das fases do projeto desenvolvido no âmbito do Programa Ciência na Escola (PCE)

Antes da exposição, as histórias por trás dos patrimônios materiais do centro histórico de Manaus estavam sendo conhecidas e registradas pelos alunos  a partir da perspectiva artística, educação patrimonial e alfabetização científica.

O projeto do PCE também contou com a parceria dos graduandos do curso de Comunicação Social-Relações Públicas da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). A parceria possibilitou a realização de cursos e oficinas de fotografias para os alunos do IEA.

A bolsista de alfabetização científica, Marcella Wolfarth, que participa pela segunda vez do PCE, conta que a exposição mostra uma parte do aprendizado adquirido na sala de aula e que o público pode conferir de perto este trabalho.

“Tivemos oficinas com os alunos da Ufam que passaram dicas sobre ângulos e o uso da câmera para fazermos as melhores fotografias. No projeto, procuramos saber mais sobre os monumentos, teve toda uma pesquisa antes de fazermos as fotos. As fotografias, que fazem parte da exposição, mostram detalhes que muitas vezes passam despercebidos pela população”, disse Marcella.

A bolsista do PCE, Leika Silveira, disse que foi gratificante fazer o registro do Teatro Amazonas e do entorno.

“A cada registro foi possível conhecer mais sobre a história de cada local. Por meio do projeto, percebemos que os patrimônios culturais da nossa cidade devem ser valorizados e preservados”, contou a estudante.

Para a aluna, Rayandra Paz,  foi um privilégio participar do projeto e ver o trabalho fazer parte de uma exposição. Uma experiência, segundo ela, que levará para a vida.

“Eu consegui fazer foto próximo ao Teatro Amazonas e da Igreja São Sebastião. Muitas pessoas que moram em Manaus não conhecem os pontos turísticos da cidade, como estudante tive essa oportunidade de conhecer e saber a história deles”, disse Rayandra.

FOTO EXPOSIÇÃO TEATRO CHAMINÉ

Exposição conta 30 registros fotográficos e fica aberta para visitação de terça a sábado, 13h às 17h. No domingo de 11h às 15h. A entrada é gratuita.

 

PCE

O PCE incentiva a atração de alunos e professores ao mundo da pesquisa científica no ambiente escolar, envolvendo-os, a partir do 6º do ensino fundamental até a 3ª série do ensino médio, em projetos de cunho científico ou tecnológico.

A atividade é realizada com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

A edição 2017 do PCE, contou com 396 propostas aprovadas que contemplam Manaus e outros 35 municípios do Estado.

A Secretária Executiva Adjunta Pedagógica da Seduc, Luciana Cáuper, destacou que o programa dar suporte  na capacitação técnica do professor em relação a  área científica, tecnológica e inovadora e que isso contribui na formação dos alunos.

IMG_3072

Coordenadora do projeto na escola com os alunos expositores e a Secretária Executiva Adjunta Pedagógica da Seduc, Luciana Cáuper

“É um programa que contribui com  todo o desenvolvimento da escola, porque eles passam a ter contado com a pesquisa científica aliada as práticas pedagógicas que já estão sendo desenvolvidas na escola. Isso é muito positivo para os alunos e para a escola”, contou.

A coordenadora institucional do PCE/ Seduc, Simara Couto de Abrantes, disse que o programa é muito importante para os alunos e professores, uma vez que o incentivo a pesquisa desperta no aluno o interesse para pesquisa científica.

“Este incentivo, desde a educação básica, faz com que o aluno tenha mais interesse e certeza também sobre a área que irá seguir e continuar trilhando o caminho da ciência”, disse.

IMG_3124

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)/ Fapeam

O post Exposição fotográfica retrata Teatro Amazonas e seu entorno sob o olhar de estudantes apareceu primeiro em FAPEAM.

Fapeam divulga resultado da 1ª chamada do PAREV

Esta chamada do programa apoia a realização de eventos de cunho científico e tecnológico ocorrentes no período de março a junho de 2018

Foram aprovados 11 propostas na 1ª chamada do Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos e Tecnológicos no Estado do Amazonas (PAREV), edital Nº 005/2017.  A chamada contempla eventos que ocorrerão de março a junho de 2018.

A lista com os nomes e projetos contemplados na 1ª chamada está disponível na página eletrônica da Fapeam.

O programa apoia a realização de eventos locais, regionais, nacionais e internacionais sediados no Estado do Amazonas, relacionados à Ciência, Tecnologia e Inovação como: congressos, simpósios, workshops, seminários, ciclo de palestras, conferências e oficinas de trabalho, com objetivo de divulgar resultados de pesquisas científicas e contribuir para a promoção do intercâmbio científico e tecnológico.

Esta chamada do PAREV conta com um investimento na ordem de R$450 mil. O programa conta com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

2ª Chamada do PAREV

A Fapeam receberá até o dia 19 de fevereiro de 2018 as propostas dos interessados em submeter projeto na segunda chamada do PAREV. Esta chamada é para apoiar a realização de eventos de cunho científico e tecnológico ocorrentes no período de julho a dezembro de 2018.

A 2ª chamada do PAREV conta com um investimento na ordem de R$750 mil.

BANNER_PAREV

 

Lista das propostas contempladas na I chamada do PAREV

Edital do PAREV

 

Texto e fotos- Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

O post Fapeam divulga resultado da 1ª chamada do PAREV apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa avalia pacientes com resistência à cloroquina usada no tratamento da Malária por Plasmodium Vivax

Estudo foi feito com pacientes com malária por Plasmodium Vivax em tratamento com a cloroquina na FMT-HVD

 

 A resistência in vivo à cloroquina usada no tratamento da malária causada por Plasmodium vivax, uma das espécies causadoras da doença, foi à base de uma pesquisa científica realizada na Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD). O estudo caracteriza o mecanismo de resistência in vivo à  cloroquina e tentar fazer a triagem de um biomarcador, ou seja, um procedimento para que no momento da triagem do paciente seja possível detectar se o paciente apresenta ou não resistência à droga.

O estudo intitulado ‘Busca de biomarcadores para detecção de resistência clinica a cloroquina em pacientes com malária por P. vivax’ avaliou 260 pacientes com a doença, de 2013 a 2014. Dos métodos usados para diagnóstico da malária três pacientes apresentaram resistência in vivo utilizando PCR ultrassensível e nenhum pela  gota espessa.

A coordenadora do estudo, a Doutora em Medicina Tropical pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Gisely Cardoso de Melo, disse que durante a pesquisa os pacientes atendidos pela FMT-HVD foram caracterizados como resistentes, ou seja, que não respondem à droga cloroquina utilizado para tratamento do Plasmodium vivax.

Entre os métodos usados para diagnosticar a resistência à droga o PCR ultrassensível foi mais eficaz na hora de detectar a resistência da droga do que o método por gota espessa e o PCR convencional.

“Os pacientes que voltavam a ter malária era confirmado se eles eram realmente resistentes à droga com a dosagem da cloroquina e desetilcloroquina  no sangue no D28”, disse a pesquisadora.

Gisely informou ainda que nos pacientes que apresentaram resistência foi realizado a caracterização molecular, ou seja, a biomarcadores relacionados com o plasmodium para ver qual o mecanismo que desencadeava a resistência à cloroquina.

“Observamos que os pacientes resistentes à cloroquina tinham aumento da expressão de dois genes relacionado à resistência dos transportadores de droga e observamos que a expressão gênica estava aumentada nesses dois genes e que foi desencadeada pela inserção de 19 pares de bases seguidas 4 repetições AAG. ”, disse.

DSC02712-editadaCoordenadora Gisely Cardoso de Melo avaliou 260 pacientes com a doença, de 2013 a 2014

PPSUS

O Programa de Pesquisa para o SUS: gestão compartilhada em saúde (PPSUS) é realizado pelo o Governo do Estado do Amazonas, por intermédio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com o Ministério da Saúde (MS), por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (Decit/SCTIE/MS), com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e com a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Amazonas (Susam).

O objetivo do programa é financiar projetos de pesquisa que promovam a melhoria da qualidade da atenção à saúde no Estado do Amazonas no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS), representando significativa contribuição para o desenvolvimento da CT&IS local.

DSC02708 - EDITADA

Texto e fotos- Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

O post Pesquisa avalia pacientes com resistência à cloroquina usada no tratamento da Malária por Plasmodium Vivax apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa avalia pacientes com resistência à cloroquina usada no tratamento da Malária por Plasmodium Vivax

Estudo foi feito com pacientes com malária por Plasmodium Vivax em tratamento com a cloroquina na FMT-HVD

 

 A resistência in vivo à cloroquina usada no tratamento da malária causada por Plasmodium vivax, uma das espécies causadoras da doença, foi à base de uma pesquisa científica realizada na Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD). O estudo caracteriza o mecanismo de resistência in vivo à  cloroquina e tentar fazer a triagem de um biomarcador, ou seja, um procedimento para que no momento da triagem do paciente seja possível detectar se o paciente apresenta ou não resistência à droga.

O estudo intitulado ‘Busca de biomarcadores para detecção de resistência clinica a cloroquina em pacientes com malária por P. vivax’ avaliou 260 pacientes com a doença, de 2013 a 2014. Dos métodos usados para diagnóstico da malária três pacientes apresentaram resistência in vivo utilizando PCR ultrassensível e nenhum pela  gota espessa.

A coordenadora do estudo, a Doutora em Medicina Tropical pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Gisely Cardoso de Melo, disse que durante a pesquisa os pacientes atendidos pela FMT-HVD foram caracterizados como resistentes, ou seja, que não respondem à droga cloroquina utilizado para tratamento do Plasmodium vivax.

Entre os métodos usados para diagnosticar a resistência à droga o PCR ultrassensível foi mais eficaz na hora de detectar a resistência da droga do que o método por gota espessa e o PCR convencional.

“Os pacientes que voltavam a ter malária era confirmado se eles eram realmente resistentes à droga com a dosagem da cloroquina e desetilcloroquina  no sangue no D28”, disse a pesquisadora.

Gisely informou ainda que nos pacientes que apresentaram resistência foi realizado a caracterização molecular, ou seja, a biomarcadores relacionados com o plasmodium para ver qual o mecanismo que desencadeava a resistência à cloroquina.

“Observamos que os pacientes resistentes à cloroquina tinham aumento da expressão de dois genes relacionado à resistência dos transportadores de droga e observamos que a expressão gênica estava aumentada nesses dois genes e que foi desencadeada pela inserção de 19 pares de bases seguidas 4 repetições AAG. ”, disse.

DSC02712-editadaCoordenadora Gisely Cardoso de Melo avaliou 260 pacientes com a doença, de 2013 a 2014

PPSUS

O Programa de Pesquisa para o SUS: gestão compartilhada em saúde (PPSUS) é realizado pelo o Governo do Estado do Amazonas, por intermédio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com o Ministério da Saúde (MS), por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (Decit/SCTIE/MS), com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e com a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Amazonas (Susam).

O objetivo do programa é financiar projetos de pesquisa que promovam a melhoria da qualidade da atenção à saúde no Estado do Amazonas no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS), representando significativa contribuição para o desenvolvimento da CT&IS local.

DSC02708 - EDITADA

Texto e fotos- Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

O post Pesquisa avalia pacientes com resistência à cloroquina usada no tratamento da Malária por Plasmodium Vivax apareceu primeiro em FAPEAM.

Fapeam recebe propostas para 2ª chamada do PAREV

Programa apoia a realização de eventos de cunho científico e tecnológico ocorrentes no período de julho a dezembro de 2018

 A Fapeam recebe até o dia 19 de fevereiro de 2018 as propostas dos interessados em submeter projeto na segunda chamada do Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos e Tecnológicos no Estado do Amazonas (PAREV). Esta chamada é para apoiar a realização de eventos de cunho científico e tecnológico ocorrentes no período de julho a dezembro de 2018.

Os eventos devem estar relacionados à Ciência, Tecnologia e Inovação como: congressos, simpósios, workshops, seminários, ciclo de palestras, conferências e oficinas de trabalho, visando divulgar resultados de pesquisas científicas e contribuir para a promoção do intercâmbio científico e tecnológico.

A segunda chamada do PAREV conta com um investimento da ordem de R$750 mil. O programa conta com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

Um dos requisitos para participar do edital é ter vínculo empregatício com instituição de pesquisa e ensino superior, centros de pesquisas, órgãos públicos sediados ou com unidade permanente no Amazonas, a partir de agora denominados instituição executora do evento e ter título de doutor. Como consta no edital, a publicação com os resultados das propostas serão divulgadas em março 2018.

Acesse o edital clique aqui

banner_parev

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

O post Fapeam recebe propostas para 2ª chamada do PAREV apareceu primeiro em FAPEAM.

Estudantes aprendem Geografia por meio de jogos lúdicos

Projeto é desenvolvido via o Programa Ciência na Escola e tem auxiliado alunos na aprendizagem da disciplina

Quem disse que aprender brincando não é possível? Os estudantes da Escola Municipal Antonina Borges de Sá, no bairro São José, Zona Leste de Manaus, estão aprendendo de uma forma diferente a disciplina de Geografia. As aulas agora contam com o apoio de jogos lúdicos que auxiliam no ensino e aprendizagem desta matéria.

Amarelinha, jogo da velha, trilha dos países, caça palavras, quebra-cabeça, roleta magnética e dominó são alguns exemplos de jogos trabalhados na escola.  O projeto trabalha com alunos do 8º ano do ensino fundamental e mostrou que os jogos têm influenciado e melhorado o desempenho dos alunos na disciplina.

O projeto é desenvolvido com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) via o Programa Ciência na Escola (PCE), realizado em parceria com a  Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

IMG_2333

Jogos têm influenciado e melhorado o desempenho dos alunos na disciplina de Geografia na Escola Municipal Antonina Borges de Sá

 

Segundo a coordenadora do projeto, Raquel Vieira, a atividade conseguiu despertar e aumentar o interesse dos estudantes em aprender a disciplina.

“Sabemos que os alunos adoram jogar. Fizemos uma pesquisa para saber se eles gostavam das aulas com jogos lúdicos e o resultado foi positivo. Os dados mostram que eles acham as aulas dinâmicas mais atrativas e, consequentemente, auxilia na aprendizagem” conta Raquel.

Raquel disse ainda que o projeto é oportuno porque identifica e contextualiza as atividades lúdicas como instrumento pedagógico, interagindo com materiais e procedimentos variados ao ampliar as concepções relativas ao ensino da geografia.

O projeto conta a participação de cinco bolsistas da alfabetização científica do PCE, que ajudam a levar o conhecimento adquirido com o projeto aos demais estudantes da escola. A equipe é formada pelos estudantes: Ana Paula Mendonça, Mikael da Silva, Luiz de Souza, Keven Ribeiro e Jennifer Laredo.

A bolsista Jennifer Laredo disse que o projeto de alfabetização científica conseguiu despertar seu interesse pela pesquisa e em aprender mais sobre a disciplina.

“Os jogos lúdicos da forma como está sendo aplicado têm nos ajudado a aprender e entender a disciplina de forma mais fácil” disse a estudante.

PCE

O PCE incentiva a aproximação da ciência no ambiente escolar e pretende envolver professores e estudantes das Escolas Públicas Estaduais do Amazonas e Municipais de Manaus, do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental, da 1ª à 3ª série do Ensino Médio, em projetos de pesquisa científica e tecnológica.

IMG_2337

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon

O post Estudantes aprendem Geografia por meio de jogos lúdicos apareceu primeiro em FAPEAM.

Estudantes aprendem Geografia por meio de jogos lúdicos

Projeto é desenvolvido via o Programa Ciência na Escola e tem auxiliado alunos na aprendizagem da disciplina

Quem disse que aprender brincando não é possível? Os estudantes da Escola Municipal Antonina Borges de Sá, no bairro São José, Zona Leste de Manaus, estão aprendendo de uma forma diferente a disciplina de Geografia. As aulas agora contam com o apoio de jogos lúdicos que auxiliam no ensino e aprendizagem desta matéria.

Amarelinha, jogo da velha, trilha dos países, caça palavras, quebra-cabeça, roleta magnética e dominó são alguns exemplos de jogos trabalhados na escola.  O projeto trabalha com alunos do 8º ano do ensino fundamental e mostrou que os jogos têm influenciado e melhorado o desempenho dos alunos na disciplina.

O projeto é desenvolvido com apoio do Governo do Amazonas por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) via o Programa Ciência na Escola (PCE), realizado em parceria com a  Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

IMG_2333

Jogos têm influenciado e melhorado o desempenho dos alunos na disciplina de Geografia na Escola Municipal Antonina Borges de Sá

 

Segundo a coordenadora do projeto, Raquel Vieira, a atividade conseguiu despertar e aumentar o interesse dos estudantes em aprender a disciplina.

“Sabemos que os alunos adoram jogar. Fizemos uma pesquisa para saber se eles gostavam das aulas com jogos lúdicos e o resultado foi positivo. Os dados mostram que eles acham as aulas dinâmicas mais atrativas e, consequentemente, auxilia na aprendizagem” conta Raquel.

Raquel disse ainda que o projeto é oportuno porque identifica e contextualiza as atividades lúdicas como instrumento pedagógico, interagindo com materiais e procedimentos variados ao ampliar as concepções relativas ao ensino da geografia.

O projeto conta a participação de cinco bolsistas da alfabetização científica do PCE, que ajudam a levar o conhecimento adquirido com o projeto aos demais estudantes da escola. A equipe é formada pelos estudantes: Ana Paula Mendonça, Mikael da Silva, Luiz de Souza, Keven Ribeiro e Jennifer Laredo.

A bolsista Jennifer Laredo disse que o projeto de alfabetização científica conseguiu despertar seu interesse pela pesquisa e em aprender mais sobre a disciplina.

“Os jogos lúdicos da forma como está sendo aplicado têm nos ajudado a aprender e entender a disciplina de forma mais fácil” disse a estudante.

PCE

O PCE incentiva a aproximação da ciência no ambiente escolar e pretende envolver professores e estudantes das Escolas Públicas Estaduais do Amazonas e Municipais de Manaus, do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental, da 1ª à 3ª série do Ensino Médio, em projetos de pesquisa científica e tecnológica.

IMG_2337

 

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon

O post Estudantes aprendem Geografia por meio de jogos lúdicos apareceu primeiro em FAPEAM.