Arquivo da Categoria: ensino

Prorrogada data de divulgação das inscrições homologadas no processo seletivo para facilitadores

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia), considerando o grande número de inscrito no processo seletivo, referente a Chamada Pública Nº 006/2019, para a seleção de profissionais com nível superior que irão atuar nos municípios do Amazonas como facilitadores, comunica que publicará o resultado da análise das inscrições, para fins de homologação, no dia 31 de julho de 2019, às 15h.

A Comissão de seleção informa ainda que, no dia 22 de julho, publicará o cronograma do processo seletivo, com as datas das demais etapas do processo.

Confira o comunicado AQUI.

SOBRE O QUALIFICASUS

O Projeto QualificaSUS  é uma iniciativa do ILMD/Fiocruz Amazônia  que tem como objetivo qualificar o corpo de trabalhadores no nível da gestão e do serviço das Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Amazonas e órgãos parceiros, a fim de proporcionar um serviço de melhor qualidade e efetividade aos usuários do SUS.

São cursos de atualização, especialização e mestrado que adotarão modelo pedagógico pautado na integração ensino-serviço, na problematização da realidade local, na valorização do conhecimento e experiência do trabalhador, entendido como sujeito das práticas de gestão e sanitárias desenvolvidas nas unidades de saúde.

Os cursos serão ofertados em todos os 61 municípios, além da capital Manaus. A iniciativa conta com recursos oriundos de emenda 71040010, da bancada parlamentar do Amazonas e com parceria do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Amazonas  (Cosems-AM).

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

Palestra na Fiocruz Amazônia aborda estratégias de integração e cooperação para programas de pós-graduação

Pesquisadores, pós-graduandos, bolsistas e estudantes de iniciação científica do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia) discutiram na manhã desta terça-feira, 21/5, sobre estratégias de integração e cooperação para programas de pós-graduação no país. A temática foi abordada durante a apresentação da palestra “Desafios para os programas de pós-graduação e estratégias de integração e cooperação”, ministrada pelo professor, José Roberto Mineo, coordenador da área de ciências biológicas 3, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Durante a apresentação, Mineo abordou aspectos relevantes para o avanço, crescimento e fortalecimento dos programas de pós-graduação. Entre as principais ações promovidas pela Capes, o palestrante destacou as seguintes estratégias: Avaliação da pós-graduação stricto sensu; Acesso e divulgação da produção científica; Investimento na formação de recursos humanos de alto nível no país e no exterior; Promoção de cooperação científica internacional; Indução e fomento da formação inicial e continuada de professores para a educação básica nos formatos presencial e a distância.

Durante a tarde, José Roberto Mineo reuniu-se com o colegiado do Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação), para tratar de assuntos relacionados ao acompanhamento dos dois anos de atividades desenvolvidas pelo  Programa. O PPGBIO-Interação é um curso stricto sensu da Fiocruz Amazônia, que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro no âmbito da maior biodiversidade mundial.

SOBRE O PALESTRANTE

Mineo é graduado em ciências biológicas – modalidade médica pela Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina, mestre em Microbiologia e Imunologia pela Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina, e doutor em Microbiologia e Imunologia pela Universidade de São Paulo – Instituto de Ciências Biomédicas.

Atualmente, é professor titular de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas, da Universidade Federal de Uberlândia e coordenador da área Ciências Biológicas III da Capes, compreendendo as seguintes áreas do conhecimento: Microbiologia, Imunologia e Parasitologia.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes.
Fotos: Eduardo Gomes

Desafios para programas de pós-graduação será tema de palestra na Fiocruz Amazônia

O Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) promove na próxima terça-feira, 21/5, às 9h, a palestra “Desafios para os programas de pós-graduação e estratégias de integração e cooperação”, a ser ministrada pelo professor, Jose Roberto Mineo, coordenador da área de ciências biológicas 3, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

A conferência acontecerá no Salão Canoas, auditório da Instituição, situado à rua Teresina, 476, Adrianópolis, em Manaus. A palestra é aberta ao público

SOBRE O PALESTRANTE

Mineo é graduado em ciências biológicas – modalidade médica pela Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina, mestre em Microbiologia e Imunologia pela Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina, e doutor em Microbiologia e Imunologia pela Universidade de São Paulo – Instituto de Ciências Biomédicas.

Atualmente, é professor titular de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas, da Universidade Federal de Uberlândia e coordenador da área Ciências Biológicas III da Capes, compreendendo as seguintes áreas do conhecimento: Microbiologia, Imunologia e Parasitologia.

Possui experiência na área de imunologia, com ênfase em imunologia aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: biologia celular e molecular do Toxoplasma gondii; fatores de virulência associados aos genótipos de T. gondii e outros parasitos filogeneticamente relacionados; caracterização da resposta imune em modelos experimentais de infecções por microrganismos intracelulares; imunodiagnóstico da toxoplasmose aguda em gestantes e recém-nascidos, e da reativação desta infecção em pacientes imunodeprimidos; imunodiagnóstico de infecções congênitas em outras protozooses que acometem a espécie humana e animais domésticos.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Foto: Eduardo Gomes

Aula inaugural dos programas de pós-graduação da Fiocruz Amazônia aborda internacionalização na ciência

“Internacionalização: o caminho para a ciência de qualidade” foi o tema da aula inaugural, que marcou o início do ano letivo dos cursos de mestrado dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da lnteração Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-Interação) e em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA), do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), ocorrida nesta quarta-feira, 20/3.

O tema foi apresentado pelo pesquisador Fábio Trindade Maranhão Costa, que trabalha com Parasitologia, com ênfase em Protozoologia Parasitária, é Professor Associado (Livre Docente) da Universidade Estadual de Campinas Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), além de coordenador de ações internacionais e chefe do departamento de Genética, Evolução, Microbiologia e Imunologia do Instituto de Biologia da UNICAMP, e Editor Acadêmico da revistas PLoS One e Frontiers in Immunology.

Durante a palestra, o pesquisador abordou a importância da internacionalização das instituições, visando o desenvolvimento de uma ciência de qualidade. “As instituições que querem crescer precisam passar pela internacionalização e desregionalização, pois quando você internacionaliza você troca experiências, informações e dados. Ciência é networking, se hoje você quer fazer um estudo global, de impacto significativo cientificamente, você precisa estar em nível global”, ressaltou.

Os programas, cursos e atividades de ensinos desenvolvidos pela Fiocruz Amazônia visam qualificar profissionais para funções especializadas nos campos das ciências e tecnologias em saúde, necessários à sociedade, bem como aprofundar conhecimentos e habilidades, voltando-se prioritariamente para a área de Saúde Coletiva e afins, promovendo atualização sobre os avanços de conhecimentos nesse campo e a ampliação das competências profissionais dos discentes.

Atualmente a Fiocruz Amazônia conta com os seguintes cursos de Mestrado: Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação) e o Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA).

Claudia María Ríos Velásquez, Vice-Diretora de Ensino, Informação e Comunicação da Unidade destacou a importância do esforço na carreira científica aos novos alunos. “Se vocês escolheram trabalhar com ciência, vocês vão ter que se esforçar muito. Espero que o tempo que passem por aqui seja de harmonia, conhecimento e crescimento.

SOBRE O PPGVIDA

O Programa tem como objetivo capacitar profissionais para desenvolver modelos analíticos capazes de subsidiar pesquisas em saúde, apoiar o planejamento, execução e gerenciamento de serviços e ações de controle e o monitoramento de doenças e agravos de interesse coletivo e do Sistema Único de Saúde na Amazônia.

Além disso, o PPGVIDA também visa planejar, propor e utilizar métodos e técnicas para executar investigações na área de saúde, mediante o uso integrado de conceitos e recursos teórico-metodológicos advindos da saúde coletiva, biologia parasitária, epidemiologia, ciências sociais e humanas aplicadas à saúde, comunicação e informação em saúde e de outras áreas de interesse acadêmico, na construção de desenhos complexos de pesquisa sobre a realidade amazônica

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O PPGBIO-Interação tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro, no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O PPGBIO-Interação se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na ecoepidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Fotos: Eduardo Gomes

Fiocruz Amazônia recepciona nova turma do PPGBIO-Interação

Depois da abertura do ano letivo do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD / Fiocruz Amazônia), iniciam as aulas da nova turma do Curso de Mestrado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da lnteração Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-Interação).

A primeira disciplina será “Seminários I”, a ser coordenada pelo professor Sérgio Luiz Bessa Luz, ofertada no dia 16/3. A primeira palestra fará parte da programação do Centro de Estudos da Instituição.

Nesta quarta-feira, 7/3, os alunos participaram de uma recepção realizada pela coordenação do curso, onde foram apresentados o regulamento do ensino, regimento do PPGBIO-Interação, manual do aluno e calendário acadêmico. Os programas, cursos e atividades de ensino desenvolvidos pela Fiocruz Amazônia têm por finalidade: Qualificar profissionais para funções especializadas nos campos das ciências e tecnologias em saúde, necessários à sociedade.

Esta é a segunda turma do mestrado PPGBIO-Interação, o curso tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro no âmbito da maior biodiversidade mundial.

Stefanie Lopes, coordenadora do curso. (Fotos: Eduardo Gomes/ ILMD – Fiocruz Amazônia)

Compõem o corpo docente permanente do curso os pesquisadores doutores, Cláudia Maria Rios Velasquez, Felipe Arley Costa Pessoa, Felipe Gomes Naveca, James Lee Crainey, Marcus Vinicius Guimarães Lacerda, Patricia Puccineli Orlandi, Paulo Afonso Nogueira, Priscila Aquino, Pritesh Jaychand Lalwani, Sério Luiz Bessa Luz, Stefanie Costa Pinto Lopes, Ana Carolina Vicente e Wuelton Marcelo Monteiro.

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O PPGBIO-Interação se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na ecoepidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

O programa está dividido nas seguintes linhas de pesquisa: Eco-epidemiologia das doenças transmissíveis, e Bioquímica, biologia celular e molecular de patógenos e seus vetores.

Para mais informações sobre o PPGBIO-Interação, clique.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes.
Fotos: Eduardo Gomes

Aula inaugural marca início do ano letivo na Fiocruz Amazônia

Na próxima terça-feira, 6/3, será dado início ao ano letivo do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD / Fiocruz Amazônia). A abertura das atividades será marcada pela palestra “Capacitação de pessoal para o Sistema Único de Saúde (SUS): desafios e perspectivas”, que será ministrada por Manoel Barral Netto, vice-presidente de Educação, Informação e Comunicação, da Fundação Oswaldo Cruz (VPEIC/Fiocruz).

Na oportunidade, também será a aula inaugural do Curso de Mestrado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biologia da lnteração Patógeno Hospedeiro (PPGBIO-Interação). O evento terá início às 9h, no Salão Canoas, auditório da Unidade, situada à rua Teresina, 476, Adrianópolis, Zona Sul de Manaus.

Os programas, cursos e atividades de ensinos desenvolvidos pela Fiocruz Amazônia visam qualificar profissionais para funções especializadas nos campos das ciências e tecnologias em saúde, necessários à sociedade, bem como aprofundar conhecimentos e habilidades, voltando-se prioritariamente para a área de Saúde Coletiva e afins, promovendo atualização sobre os avanços de conhecimentos nesse campo e a ampliação das competências profissionais dos discentes.

Atualmente o Instituto conta com os seguintes cursos de Mestrado: Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação) e o Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA)

SOBRE O PPGVIDA

O Programa tem como objetivo capacitar profissionais para desenvolver modelos analíticos capazes de subsidiar pesquisas em saúde, apoiar o planejamento, execução e gerenciamento de serviços e ações de controle e o monitoramento de doenças e agravos de interesse coletivo e do Sistema Único de Saúde na Amazônia.

Além disso, o PPGVIDA também visa planejar, propor e utilizar métodos e técnicas para executar investigações na área de saúde, mediante o uso integrado de conceitos e recursos teórico-metodológicos advindos da saúde coletiva, biologia parasitária, epidemiologia, ciências sociais e humanas aplicadas à saúde, comunicação e informação em saúde e de outras áreas de interesse acadêmico, na construção de desenhos complexos de pesquisa sobre a realidade amazônica

SOBRE O PPGBIO-INTERAÇÃO

O PPGBIO-Interação tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro, no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O PPGBIO-Interação se enquadra na grande área em Parasitologia devido a pesquisa e ensino terem ênfase na ecoepidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores; fatores de virulência, mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Imagem: Mackesy Nascimento

 

Projeto do Programa Ciência na Escola usa rede social para auxiliar no ensino da matemática

Rede social Edmodo é semelhante ao Facebook, mas voltada para área da educação, e permite resoluções de questões e interações virtuais entre os estudantes

Não é novidade que as redes sociais fazem sucesso, principalmente, entre adolescentes e jovens. Toda essa interação digital agora faz parte de um projeto de alfabetização científica que busca despertar ainda mais o interesse dos alunos pela disciplina de matemática por meio de uma plataforma semelhante ao Facebook. A atividade é desenvolvida com alunos do ensino médio da Escola Estadual Cid Cabral da Silva, no bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus.

O projeto é desenvolvido com apoio do Governo do Amazonas via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) por meio do Programa Ciência na Escola (PCE) realizado em parceria com a  Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

A plataforma utilizada no ensino da disciplina de matemática é a Edmodo, uma rede social educativa que permite os alunos terem acesso a diversos conteúdos com facilidade, em qualquer lugar, por meio dos smartphone, computadores e tabletes.

Segundo o coordenador do projeto, o professor Frank Osorio Junior, o grande desafio de ensinar a Matemática se dar pelo fato de tornar as aulas um atrativo para os alunos. Por isso, ele decidiu aliar a tecnologia ao ensino da disciplina.

“Desta forma tornamos as aulas mais proveitosas, pois a plataforma Edmodo tem uma gama de funcionalidades que atraem os alunos e permite a interação  com os demais colegas em salas virtuais, com a mediação direta e indireta do professor coordenador”, disse.

IMG_2238

Professor Frank disse que a ferramenta desperta o interesse dos alunos para aprendizagem da disciplina da matemática

Ainda segundo Junior, como o projeto é realizado com alunos do 1° ano do ensino médio, a ideia é fazer simulados com base no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e desta forma prepara-los para as provas. A estimativa do professor é fazer com que 300 alunos da escola participem dos testes.

“A rede social é similar ao facebook, onde podemos postar conteúdos, vídeos, atividades e testes. Isso cria um vínculo com o aluno, pois a cada momento que postamos algum conteúdo na rede, o aluno cadastrado receberá uma notificação. Assim como acontece nas redes sociais já conhecidas, o aluno poderá visualizar as notificações. O aluno também poderá esclarecer dúvidas sobre a disciplina ou expor sua ideia sobre determinada questão”, contou Junior.

IMG_2246

Edmodo é uma plataforma digital parecida com o Facebook, mas voltada para área o ensino e aprendizagem

Para a bolsista do PCE, Lorrany de Oliveira Braga, a tecnologia na escola faz com que os alunos se interessem mais pela disciplina de matemática que muitas vezes é considerada difícil pelos estudantes.

“Os estudantes acham a matemática difícil por envolver cálculo. Com esta tecnologia podemos ver algo diferente que além de nos ajudar permite essa interação com os outros colegas da sala para resolver as questões”, disse.

A estudante Giselly de Almeida, que também integra a equipe de bolsistas do PCE, disse que o projeto é uma experiência boa e nova. Giselly revelou também ter dificuldade na aprendizagem da disciplina. “Eu não sou boa em matemática, mas como o trabalho envolve tecnologia e redes sociais isso  despertou meu interesse pela matemática e fez com que eu melhorasse nas minhas atividades escolares”, contou.

Já o estudante Lucas Pereira destacou que o projeto tem sido inovador e que a ferramenta educativa o ajudou a melhorar as notas na escola.

“No primeiro bimestre quando o professor começou a explicar e usar o Edmodo a minha nota melhorou no 2° bimestre comparada ao 1°bimestre”, destacou.

PCE

O PCE incentiva a aproximação da ciência no ambiente escolar e pretende envolver professores e estudantes de escolas públicas estaduais do Amazonas e municipais de Manaus, do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, da 1ª à 3ª série do ensino médio, em projetos de pesquisa científica e tecnológica.

Além do incentivo à ciência e pesquisa, o programa pretende facilitar o acesso a informações científicas e tecnológicas aos diferentes participantes do programa bem como contribuir para o processo de formação continuada de professores da rede pública de ensino além de despertar a vocação científica e incentivar talentos entre os estudantes.

IMG_2229

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

Vídeo – Secom

O post Projeto do Programa Ciência na Escola usa rede social para auxiliar no ensino da matemática apareceu primeiro em FAPEAM.

Projeto do Programa Ciência na Escola usa rede social para auxiliar no ensino da matemática

Rede social Edmodo é semelhante ao Facebook, mas voltada para área da educação, e permite resoluções de questões e interações virtuais entre os estudantes

Não é novidade que as redes sociais fazem sucesso, principalmente, entre adolescentes e jovens. Toda essa interação digital agora faz parte de um projeto de alfabetização científica que busca despertar ainda mais o interesse dos alunos pela disciplina de matemática por meio de uma plataforma semelhante ao Facebook. A atividade é desenvolvida com alunos do ensino médio da Escola Estadual Cid Cabral da Silva, no bairro Cidade Nova, Zona Norte de Manaus.

O projeto é desenvolvido com apoio do Governo do Amazonas via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) por meio do Programa Ciência na Escola (PCE) realizado em parceria com a  Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) e Secretaria Municipal de Educação (Semed).

A plataforma utilizada no ensino da disciplina de matemática é a Edmodo, uma rede social educativa que permite os alunos terem acesso a diversos conteúdos com facilidade, em qualquer lugar, por meio dos smartphone, computadores e tabletes.

Segundo o coordenador do projeto, o professor Frank Osorio Junior, o grande desafio de ensinar a Matemática se dar pelo fato de tornar as aulas um atrativo para os alunos. Por isso, ele decidiu aliar a tecnologia ao ensino da disciplina.

“Desta forma tornamos as aulas mais proveitosas, pois a plataforma Edmodo tem uma gama de funcionalidades que atraem os alunos e permite a interação  com os demais colegas em salas virtuais, com a mediação direta e indireta do professor coordenador”, disse.

IMG_2238

Professor Frank disse que a ferramenta desperta o interesse dos alunos para aprendizagem da disciplina da matemática

Ainda segundo Junior, como o projeto é realizado com alunos do 1° ano do ensino médio, a ideia é fazer simulados com base no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e desta forma prepara-los para as provas. A estimativa do professor é fazer com que 300 alunos da escola participem dos testes.

“A rede social é similar ao facebook, onde podemos postar conteúdos, vídeos, atividades e testes. Isso cria um vínculo com o aluno, pois a cada momento que postamos algum conteúdo na rede, o aluno cadastrado receberá uma notificação. Assim como acontece nas redes sociais já conhecidas, o aluno poderá visualizar as notificações. O aluno também poderá esclarecer dúvidas sobre a disciplina ou expor sua ideia sobre determinada questão”, contou Junior.

IMG_2246

Edmodo é uma plataforma digital parecida com o Facebook, mas voltada para área o ensino e aprendizagem

Para a bolsista do PCE, Lorrany de Oliveira Braga, a tecnologia na escola faz com que os alunos se interessem mais pela disciplina de matemática que muitas vezes é considerada difícil pelos estudantes.

“Os estudantes acham a matemática difícil por envolver cálculo. Com esta tecnologia podemos ver algo diferente que além de nos ajudar permite essa interação com os outros colegas da sala para resolver as questões”, disse.

A estudante Giselly de Almeida, que também integra a equipe de bolsistas do PCE, disse que o projeto é uma experiência boa e nova. Giselly revelou também ter dificuldade na aprendizagem da disciplina. “Eu não sou boa em matemática, mas como o trabalho envolve tecnologia e redes sociais isso  despertou meu interesse pela matemática e fez com que eu melhorasse nas minhas atividades escolares”, contou.

Já o estudante Lucas Pereira destacou que o projeto tem sido inovador e que a ferramenta educativa o ajudou a melhorar as notas na escola.

“No primeiro bimestre quando o professor começou a explicar e usar o Edmodo a minha nota melhorou no 2° bimestre comparada ao 1°bimestre”, destacou.

PCE

O PCE incentiva a aproximação da ciência no ambiente escolar e pretende envolver professores e estudantes de escolas públicas estaduais do Amazonas e municipais de Manaus, do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, da 1ª à 3ª série do ensino médio, em projetos de pesquisa científica e tecnológica.

Além do incentivo à ciência e pesquisa, o programa pretende facilitar o acesso a informações científicas e tecnológicas aos diferentes participantes do programa bem como contribuir para o processo de formação continuada de professores da rede pública de ensino além de despertar a vocação científica e incentivar talentos entre os estudantes.

IMG_2229

Texto e fotos – Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

Vídeo – Secom

O post Projeto do Programa Ciência na Escola usa rede social para auxiliar no ensino da matemática apareceu primeiro em FAPEAM.

Alunos do ILMD são aprovados em Programa de Mobilidade Acadêmica da Fiocruz

A Coordenação Geral de Pós-graduação (CGPG) da Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou lista dos candidatos aprovados para o Programa de Mobilidade Acadêmica da Instituição. Dos cinco alunos selecionados, três são do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia).

Thayana Cruz de Souza, aluna do Programa de Doutorado em Ciências – Cooperação IOC-ILMD, Eric Fabrício Marialva e Ismael Alexandre da Silva Nascimento, alunos do Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação) foram aprovados na chamada de seleção pública, oferecida para alunos de pós-graduação Stricto sensu, matriculados em programas de mestrado acadêmico, mestrado profissional ou doutorado da Fiocruz.

O objetivo do programa é selecionar alunos, que tenham interesse em desenvolver projetos de pesquisa em unidades ou escritórios da Fiocruz, distintas daquelas nas quais estão regularmente associados. A ideia é induzir a formação de profissionais da saúde, ampliando a possibilidade de capacitação técnico-cientifica dos pós-graduandos, além de amplificar as oportunidades de interdisciplinaridade.

PESQUISA E MOBILIDADE

Com o objetivo de estudar a biologia de L. migonei em condições de laboratório e sua interação com Leishmania infantum chagasi, o mestrando Eric Marialva desenvolverá no Instituto René Rachou (Fiocruz Minas), o estudo “Biologia experimental de Lutzomyia migonei (Diptera, Psychodidae, Phlebotominae): Aprimoramento de técnicas de criação em massa e modelo experimental para infecção e transmissão de Leishmania infantum chagasi.

Segundo Marialva, a Fiocruz Minas “possui expertise em modelos de transmissão experimental de diversos insetos vetores e agentes etiológicos, incluindo modelos flebótomos-leishmânias. Irei desenvolver na unidade: Infecção experimental de Lutzomyia migonei por Leishmania infantum chagasi e Le. braziliensis; transmissão de Leishmania pela picada de L. migonei e qPCR em tempo real para detecção e quantificação das leishmânias, sob a orientação e supervisão da Dra. Nagila Francinete Costa Secundino, entre outubro e dezembro de 2017”.

Sob orientação do Dr. Felipe Gomes Naveca, o mestrando Ismael Nascimento teve aprovado o projeto “Diversidade genética do vírus Chikungunya e sua relação com sintomatologia observada durante a circulação em dois estados da Amazônia Ocidental (Amazonas e Roraima). O objetivo principal do estudo é analisar a diversidade genética intra e inter-hospedeiro, processos evolutivos e manifestações da infecção, relacionados ao vírus Chikungunya circulante nos estados de Roraima e Amazonas, entre os anos de 2014 e 2017.

Segundo Nascimento, outro objetivo deste intercâmbio é o treinamento em ferramentas de bioinformática para a análise da história evolutiva e filogeográfica de agentes virais e análise de dados gerados por Sequenciamento de Nova Geração (NGS).

“As atividades serão desenvolvidas no Instituto Oswaldo Cruz (IOC), sob supervisão do Dr Gonzalo Bello, e compreenderão a inferência filogenética, entre sequências derivadas de genomas virais, reconstrução filogeográfica baseada nas sequencias de nucleotídeo e análises variadas de dados obtidos por NGS, como diversidade genética”, explicou.

A doutoranda Thayana Cruz está desenvolvendo o estudo “Identificação de proteases fibrinolíticas em bactérias e fungos da Coleção Biológica da Fiocruz Amazônia, sua expressão em E. coli, purificação e caracterização bioquímica”, sob coorientação da Dra Ormezinda Fernandes.

Parte da tese será desenvolvida no Laboratório de Genômica Funcional e Bioinformática (LAGFB) do IOC, sob orientação do Dr. Wim Degrave, e pretende identificar e selecionar proteases fibrinolíticas em bactérias e fungos estocados no acervo da Coleção Biológica da Fiocruz Amazônia, visando desenvolver biomoléculas com potencial terapêutico, expressando os mesmos sob forma recombinante em E. coli.

Ascom ILMD/Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Fotos: Eduardo Gomes