Arquivo da Categoria: em Manaus

Especialistas discutem novos métodos de diagnósticos para Histoplamose, em Manaus

Pesquisadores, micologistas, infectologistas, enfermeiros e microbiologistas de 22 países das Américas participaram do II Encontro Regional de Histoplasmose, em Manaus, para discutir novos métodos de diagnósticos comercialmente disponíveis para Histoplasmose. O encontro ocorreu no período 22 a 24 de março, no Tropical Executive Hotel, no bairro Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus.

Com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), por meio do Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos e Tecnológicos no Estado do Amazonas (Parev), o evento foi coorganizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia/Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Inpa/MCTI), Fundação de Medicina Tropical Heitor Viera Dourado (FMT-HVD) e promovido pelo Histoplasmosis Advocacy Group (iHAG).

Foto fora

Encontro Regional de Histoplasmose discutiu novos métodos de diagnósticos para Histoplasmose

Segundo o coordenador do evento, João Braga de Souza, do Inpa, por ano, cerca de 20 a 30 pacientes desenvolvem Histoplasmose no Amazonas.

“Trata-se de uma micose sistêmica que afeta, principalmente, uma parte dos pacientes acometidos por HIV-AIDS. Porém, pessoas com o sistema imunológico comprometido também podem desenvolver a doença que é causada pelo fungo Histoplasma Capsulatum”, disse o micologista.

Doutor em Biotecnologia Industrial, Souza explica que a infecção por Histoplasmose ocorre quando a pessoa aspira do ambiente, fragmentos do fungo Histoplasma capsulatum. Essas partículas são encontradas em locais contaminados por fezes de morcegos, aves e terra de compostagem. O principal sintoma da doença é a febre.

“A pessoa aspira o fungo e o microrganismo invade o pulmão. Dependendo da resposta imunológica do acometido pode gerar uma infecção disseminada que afeta o sangue, fígado, baço e o sistema linfático, levando à mortalidade”, informou.

Dr. João Vicente de Souza-INPA-Seg. Congresso Histoplasmosi-10

Evento foi coordenado pelo doutor em Biotecnologia, João Braga de Souza, do Inpa

Segundo o pesquisador, atualmente se utiliza para detectar a doença o diagnóstico convencional (laboratorial) por meio de cultura de material obtido do paciente da medula óssea, sangue, escarro e material de lesões.

“O diagnóstico laboratorial (cultura) pode demorar em média 25 dias. O diagnóstico precoce aumenta as chances de cura dos pacientes”, disse.

Com o encontro, os especialistas pretendem contribuir para a adoção de metodologia de diagnóstico de forma mais rápida, que contemple 80% dos países das Américas até 2020.

Para a pesquisadora em Micologia da FMT-HVD, Katia Santana Cruz, o diagnóstico precoce vai impactar no tratamento da doença e propiciar maior sobrevivência dos pacientes.

“Melhorando o diagnóstico aumenta a expectativa de vida do paciente. O nosso diagnóstico atual era feito depois que o paciente apresentava muitas severidades, ou seja, estava praticamente bem debilitado. Agora, estamos estabelecendo um novo protocolo para testar na FMT- HVD”, disse.

Parev

Programa de Apoio à Realização de Eventos Científicos e Tecnológicos no Estado do Amazonas (Parev) da Fapeam tem o objetivo de apoiar a realização de eventos locais, regionais, nacionais e internacionais sediados no Estado do Amazonas, relacionados à Ciência, Tecnologia e Inovação, como congressos, simpósios, “workshops”, seminários, ciclo de palestras, conferências e oficinas de trabalho, visando divulgar resultados de pesquisas científicas e contribuir para a promoção do intercâmbio científico e tecnológico.

Por Helen Melo

Fotos- Érico Xavier

O post Especialistas discutem novos métodos de diagnósticos para Histoplamose, em Manaus apareceu primeiro em FAPEAM.