Arquivo da Categoria: Amazônia

Manaus sedia evento internacional sobre Gestão da Amazônia

A realização é da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) em parceria com a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP), com o apoio da Fapeam

De 29 a 31 de agosto, a capital amazonense sediará evento internacional inédito. Trata-se do  Amazonian Management Symposium – AMAS (1˚ Congresso de Gestão da Amazônia). Palestrantes nacionais e internacionais participarão do evento, debatendo a temática central sob a ótica da Inovação, Sustentabilidade e Governança.

O AMAS, que será realizado no Centro de Convenções do Amazonas Vasco Vasques,  é uma realização da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) em parceria com a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP).  “Este evento é resultado da parceria firmada entre as duas instituições de ensino há mais de um ano e o objetivo principal é debater o tripé Inovação, Sustentabilidade e Governança a partir da interação entre Academia e setor produtivo”, destaca o professor da UEA e vice-presidente da Comissão Organizadora, Dr. Paulo César Araújo.

A estimativa de público é de aproximadamente 300 congressistas, entre os quais, pesquisadores, estudantes, representantes do setor produtivo, de órgãos governamentais, entre outros. Interessados em participar já podem realizar inscrição pelo site https://amasconference.com/.

A cerimônia de abertura e Palestra Magna ocorrerá no dia 29 de agosto, das 18h30 às 19h30. Na programação, estão previstas ainda plenárias com pesquisadores internacionais; painéis para debater os temas Governança&Sustentabilidade e Empreendedorismo&Inovação; bem como apresentações orais de artigos selecionados e Oficinas Metodológicas sobre Softwares Analíticos e Estratégias Metodológicas.

para-destaque-site---amas-1

Segundo o presidente da Comissão Organizadora e professor titular da FEA/USP, Dr. Roberto Sbragia, a Amazônia é um habitat que possui extraordinária biodiversidade, ampla dimensão geográfica e conta com população em todos os países por ela abrangidos de mais de 30 milhões de habitantes, sendo assim, o AMAS será um evento focado na busca de alternativas em Inovação, especialmente tecnológica e social; Sustentabilidade e Governança abrangendo inclusive a questão de políticas públicas.

Conforme o diretor técnico-científico da Fapeam, Dércio Reis, ao longo dos últimos anos, a Fundação tem atuado fortemente na formação de capital intelectual, no fomento a empresas e no fortalecimento da infraestrutura de inovação do Estado e, por outro lado, Manaus conta com um dos mais importantes polos fabris da América Latina, constituído por empresas nacionais e multinacionais, oriundas de diversos países, entre os quais, Japão, China e França, além de contar com diversas organizações não-governamentais que não necessariamente produzem bens ou serviços. “Nesse sentido, o AMAS proporcionará uma importante troca de experiência entre a Academia e todos esses atores no sentido de fortalecer as ações de integração para o desenvolvimento da inovação, da sustentabilidade e da governança”, salientou.

Submissão de artigos e visitas técnicas

Professores, pesquisadores, especialistas e estudantes também podem submeter artigos ao Congresso. Para isso, as inscrições estarão disponíveis a partir do próximo mês. Os artigos podem estar relacionados tanto aos temas centrais do Congresso, como a áreas correlatas.

As propostas deverão ser submetidas mediante resumo, o qual deve conter itens como, por exemplo, tipo de contribuição, finalidade e resultados, a ser disponibilizado no sistema de submissão. Uma comissão científica formada por representantes do corpo docente da USP e UEA ficará responsável pela avaliação dos artigos que poderão, inclusive, ser publicados em revistas renomadas da área de Administração. A escolha dos artigos a serem publicados será feita com base na linha editorial de cada periódico e na adequação temática e estrutural dos textos.

Também serão realizadas Visitas Técnicas às seguintes empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM): Moto Honda, Samsung e Pharmakos. Serão disponibilizadas 90 vagas – 30 para cada uma das empresas. A escolha dos locais a serem visitados ocorrerá durante a inscrição. O preenchimento das vagas seguirá a ordem de inscrição dos congressistas.

O Amazonian Management Symposium conta com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), além do apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Programa de Pós-graduação em Administração da FEA/USP, Fundação Instituto de Administração (FIA Business School), Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam) e Associação Latino-Iberoamericana de Gestão Tecnológica (Altec).

 

Departamento de Difusão do Conhecimento- Decon

O post Manaus sedia evento internacional sobre Gestão da Amazônia apareceu primeiro em FAPEAM.

Manaus sedia evento internacional sobre Gestão da Amazônia

A realização é da Universidade do Estado do Amazonas em parceria com a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, com o apoio da Fapeam

De 29 a 31 de agosto, a capital amazonense sediará evento internacional inédito. Trata-se do  Amazonian Management Symposium – AMAS (1˚ Congresso de Gestão da Amazônia). Palestrantes nacionais e internacionais participarão do evento, debatendo a temática central sob a ótica da Inovação, Sustentabilidade e Governança.

O AMAS, que será realizado no Centro de Convenções do Amazonas Vasco Vasques,  é uma realização da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) em parceria com a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP).  “Este evento é resultado da parceria firmada entre as duas instituições de ensino há mais de um ano e o objetivo principal é debater o tripé Inovação, Sustentabilidade e Governança a partir da interação entre Academia e setor produtivo”, destaca o professor da UEA e vice-presidente da Comissão Organizadora, Dr. Paulo César Araújo.

A estimativa de público é de aproximadamente 300 congressistas, entre os quais, pesquisadores, estudantes, representantes do setor produtivo, de órgãos governamentais, entre outros. Interessados em participar já podem realizar inscrição pelo site https://amasconference.com/.

A cerimônia de abertura e Palestra Magna ocorrerá no dia 29 de agosto, das 18h30 às 19h30. Na programação, estão previstas ainda plenárias com pesquisadores internacionais; painéis para debater os temas Governança&Sustentabilidade e Empreendedorismo&Inovação; bem como apresentações orais de artigos selecionados e Oficinas Metodológicas sobre Softwares Analíticos e Estratégias Metodológicas.

para-destaque-site---amas-1

Segundo o presidente da Comissão Organizadora e professor titular da FEA/USP, Dr. Roberto Sbragia, a Amazônia é um habitat que possui extraordinária biodiversidade, ampla dimensão geográfica e conta com população em todos os países por ela abrangidos de mais de 30 milhões de habitantes, sendo assim, o AMAS será um evento focado na busca de alternativas em Inovação, especialmente tecnológica e social; Sustentabilidade e Governança abrangendo inclusive a questão de políticas públicas.

 Conforme o diretor técnico-científico da Fapeam, Dércio Reis, ao longo dos últimos anos, a Fundação tem atuado fortemente na formação de capital intelectual, no fomento a empresas e no fortalecimento da infraestrutura de inovação do Estado e, por outro lado, Manaus conta com um dos mais importantes polos fabris da América Latina, constituído por empresas nacionais e multinacionais, oriundas de diversos países, entre os quais, Japão, China e França, além de contar com diversas organizações não-governamentais que não necessariamente produzem bens ou serviços. “Nesse sentido, o AMAS proporcionará uma importante troca de experiência entre a Academia e todos esses atores no sentido de fortalecer as ações de integração para o desenvolvimento da inovação, da sustentabilidade e da governança”, salientou.

Submissão de artigos e visitas técnicas

Professores, pesquisadores, especialistas e estudantes também podem submeter artigos ao Congresso. Para isso, as inscrições estarão disponíveis a partir do próximo mês. Os artigos podem estar relacionados tanto aos temas centrais do Congresso, como a áreas correlatas.

As propostas deverão ser submetidas mediante resumo, o qual deve conter itens como, por exemplo, tipo de contribuição, finalidade e resultados, a ser disponibilizado no sistema de submissão. Uma comissão científica formada por representantes do corpo docente da USP e UEA ficará responsável pela avaliação dos artigos que poderão, inclusive, ser publicados em revistas renomadas da área de Administração. A escolha dos artigos a serem publicados será feita com base na linha editorial de cada periódico e na adequação temática e estrutural dos textos.

Também serão realizadas Visitas Técnicas às seguintes empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM): Moto Honda, Samsung e Pharmakos. Serão disponibilizadas 90 vagas – 30 para cada uma das empresas. A escolha dos locais a serem visitados ocorrerá durante a inscrição. O preenchimento das vagas seguirá a ordem de inscrição dos congressistas.

Amazonian Management Symposium conta com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), além do apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Programa de Pós-graduação em Administração da FEA/USP, Fundação Instituto de Administração (FIA Business School), Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam) e Associação Latino-Iberoamericana de Gestão Tecnológica (Altec).

A realização é da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) em parceria com a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP), com o apoio da Fapeam.

De 29 a 31 de agosto, a capital amazonense sediará evento internacional inédito. Trata-se do  Amazonian Management Symposium – AMAS (1˚ Congresso de Gestão da Amazônia). Palestrantes nacionais e internacionais participarão do evento, debatendo a temática central sob a ótica da Inovação, Sustentabilidade e Governança.

O AMAS, que será realizado no Centro de Convenções do Amazonas Vasco Vasques é uma realização da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) em parceria com a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP).  “Este evento é resultado da parceria firmada entre as duas instituições de ensino há mais de um ano e o objetivo principal é debater o tripé Inovação, Sustentabilidade e Governança a partir da interação entre Academia e setor produtivo”, destaca o professor da UEA e vice-presidente da Comissão Organizadora, Dr. Paulo César Araújo.

A estimativa de público é de aproximadamente 300 congressistas, entre os quais, pesquisadores, estudantes, representantes do setor produtivo, de órgãos governamentais, entre outros. Interessados em participar já podem realizar inscrição pelo site https://amasconference.com/.

A cerimônia de abertura e Palestra Magna ocorrerá no dia 29 de agosto, das 18h30 às 19h30. Na programação, estão previstas ainda plenárias com pesquisadores internacionais; painéis para debater os temas Governança&Sustentabilidade e Empreendedorismo&Inovação; bem como apresentações orais de artigos selecionados e Oficinas Metodológicas sobre Softwares Analíticos e Estratégias Metodológicas.

Segundo o presidente da Comissão Organizadora e professor titular da FEA/USP, Dr. Roberto Sbragia, a Amazônia é um habitat que possui extraordinária biodiversidade, ampla dimensão geográfica e conta com população em todos os países por ela abrangidos de mais de 30 milhões de habitantes, sendo assim, o AMAS será um evento focado na busca de alternativas em Inovação, especialmente tecnológica e social; Sustentabilidade e Governança abrangendo inclusive a questão de políticas públicas.

Conforme o diretor técnico-científico da Fapeam, Dércio Reis, ao longo dos últimos anos, a Fundação tem atuado fortemente na formação de capital intelectual, no fomento a empresas e no fortalecimento da infraestrutura de inovação do Estado e, por outro lado, Manaus conta com um dos mais importantes polos fabris da América Latina, constituído por empresas nacionais e multinacionais, oriundas de diversos países, entre os quais, Japão, China e França, além de contar com diversas organizações não-governamentais que não necessariamente produzem bens ou serviços. “Nesse sentido, o AMAS proporcionará uma importante troca de experiência entre a Academia e todos esses atores no sentido de fortalecer as ações de integração para o desenvolvimento da inovação, da sustentabilidade e da governança”, salientou.

Submissão de artigos e visitas técnicas

Professores, pesquisadores, especialistas e estudantes também podem submeter artigos ao Congresso. Para isso, as inscrições estarão disponíveis a partir do próximo mês. Os artigos podem estar relacionados tanto aos temas centrais do Congresso, como a áreas correlatas.

As propostas deverão ser submetidas mediante resumo, o qual deve conter itens como, por exemplo, tipo de contribuição, finalidade e resultados, a ser disponibilizado no sistema de submissão. Uma comissão científica formada por representantes do corpo docente da USP e UEA ficará responsável pela avaliação dos artigos que poderão, inclusive, ser publicados em revistas renomadas da área de Administração. A escolha dos artigos a serem publicados será feita com base na linha editorial de cada periódico e na adequação temática e estrutural dos textos.

Também serão realizadas Visitas Técnicas às seguintes empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM): Moto Honda, Samsung e Pharmakos. Serão disponibilizadas 90 vagas – 30 para cada uma das empresas. A escolha dos locais a serem visitados ocorrerá durante a inscrição. O preenchimento das vagas seguirá a ordem de inscrição dos congressistas.

Amazonian Management Symposium conta com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), além do apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Programa de Pós-graduação em Administração da FEA/USP, Fundação Instituto de Administração (FIA Business School), Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur), Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam) e Associação Latino-Iberoamericana de Gestão Tecnológica (Altec).

Departamento de Difusão do Conhecimento- Decon

O post Manaus sedia evento internacional sobre Gestão da Amazônia apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa analisou encontro entre Amazônia e o pensamento marxista brasileiro

Estudo será apresentado ao público na Ufam, na próxima segunda-feira (9), às 14h

Analisar o encontro entre a Amazônia e o pensamento marxista brasileiro foi objetivo de um estudo desenvolvido pelo doutor em Sociologia Luiz Fernando de Souza Santos. A pesquisa é fruto da tese de doutorado dele e será apresentada ao público na próxima segunda-feira (9), às 14h, no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas e Sociais (ICHL), da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Intitulado “Entre o Mágico e o Cruel: a Amazônia no Pensamento Marxista Brasileiro” a pesquisa contou com apoio do Governo do Amazonas, via a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), por meio do Programa de Bolsas de Pós-Graduação em Instituições fora do Estado do Amazonas (PROPG-AM).

Desenvolvido na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em parceria com a Universidade Federal de São Carlos, em São Paulo, Santos disse que o estudo partiu das seguintes hipóteses: a Amazônia não é o relicário de um passado remoto, mas é presente, intimamente ligada que está às formas de acumulação capitalista. E mais que uma espacialidade geográfica particular, ela se constitui para as ciências sociais, para o marxismo brasileiro, num potente elemento de explicação heurística, que nos ajuda a refletir melhor sobre o sentido de nossa época.

“A possível contribuição desta pesquisa para a sociedade, reside no debate que faz entre os nexos do local/regional com a nação e o mundo. Os projetos de desenvolvimento à nação e a região devem estar submetidos a uma lógica que faça a ruptura com dualismos como centro e periferia, que só reificam as desigualdades. O desenvolvimento da região se baseia no padrão que rompe  modelos, que a destinam como um lugar de acumulação primitiva de capital em favor do capital industrial e financeiro, como até aqui tem se dado”, pontuou.

14520365_1066823620033051_8204657603379905900_n

Pesquisa contou com apoio da Fapeam e foi realizada pelo doutor em Sociologia Luiz Fernando de Santos

Segundo Santos, a linha da pesquisa é do pensamento social e de teoria sociológica.  Na era dos discursos científicos assépticos, ou de críticas radicais que não ultrapassam os umbrais das formas estetizadas de enunciação, próprias do império dos termos acompanhados pelo prefixo pós (pós-moderno, pós-estruturalismo, pós-marxismo, pós- colonialismo).

“Este é um trabalho que se envolve com uma página da sociologia brasileira, particularmente da Escola Sociológica Paulista, que pretende retirar da quietude, do silêncio, seus nexos com a tradição marxista e os desdobramentos destes no encontro dessa escola e dessa tradição intelectual com a Amazônia”, explicou.

Entre os resultados da pesquisa ele destaca a contribuição teórica para uma apreensão da Amazônia como artefato sócio-histórico-cultural.  Trazer para o âmbito da teoria sociológica o encontro que remonta ao século XIX, atravessa o século e chega até o presente, do marxismo com a região Amazônica.

“Conexo ao item anterior, esta pesquisa pôde demonstrar que Karl Marx, em sua obra fundamental, O Capital, já possui marcas dos trópicos em sua exposição da crítica da economia política. Por fim, derivado da hipótese assinalada antes, a tese pôde demonstrar que, através da Amazônia, é possível uma leitura sociológica da nação e do mundo”, disse.

Metodologia

 Para o estudo foram usados elementos diversos: leitura e análise de livros, capítulos de livros, dos autores centrais à pesquisa. Também foram realizadas entrevistas com os pesquisadores da Amazônia que trazem marcas da influência da Escola Sociológica Paulista. Assim como foi coletado e analisado uma massa documental elativa aos cursos de Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará e Universidade Federal do Amazonas que informavam sobre o processo de formação dos pesquisadores destas universidades e o contexto de institucionalização dos referidos cursos.

“Os autores analisados são aqueles da chamada Escola Sociológica Paulista e aqueles que, professores-pesquisadores das Universidades Federais do Amazonas e Pará, dialogaram com a referida Escola, a saber: Florestan Fernandes, Octavio Ianni, Fernando Henrique Cardoso, José de Souza Martins, Francisco de Oliveira, Renan Freitas Pinto, Marilene Correa da Silva Freitas, Violeta Refkaleski Loureiro e Alex Fiúza de Melo”, explicou.

PROPG-AM

O programa concede bolsas de mestrado e doutorado aos profissionais graduados, residentes no Estado do Amazonas há, no mínimo, quatro anos, interessados em realizar curso de pós-graduação stricto sensu, em Programa de Pós-Graduação recomendado pela Capes em outros Estados da Federação.

“O apoio da Fapeam  foi de suma importância para o desenvolvimento desta pesquisa. Compreendo que esta Fundação é estratégica para o desenvolvimento de uma política de Ciência, Tecnologia e Inovação que efetivamente contribua para que a região tenha melhor destino”, disse.

14333793_1057571550958258_14035030256278274_n (1)

 

Departamento de Difusão do Conhecimento- Decon

O post Pesquisa analisou encontro entre Amazônia e o pensamento marxista brasileiro apareceu primeiro em FAPEAM.

Pesquisa analisou encontro entre Amazônia e o pensamento marxista brasileiro

Estudo será apresentado ao público na Ufam, na próxima segunda-feira (9), às 14h

Analisar o encontro entre a Amazônia e o pensamento marxista brasileiro foi objetivo de um estudo desenvolvido pelo doutor em Sociologia Luiz Fernando de Souza Santos. A pesquisa é fruto da tese de doutorado dele e será apresentada ao público na próxima segunda-feira (9), às 14h, no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas e Sociais (ICHL), da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Intitulado “Entre o Mágico e o Cruel: a Amazônia no Pensamento Marxista Brasileiro” a pesquisa contou com apoio do Governo do Amazonas, via a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), por meio do Programa de Bolsas de Pós-Graduação em Instituições fora do Estado do Amazonas (PROPG-AM).

Desenvolvido na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em parceria com a Universidade Federal de São Carlos, em São Paulo, Santos disse que o estudo partiu das seguintes hipóteses: a Amazônia não é o relicário de um passado remoto, mas é presente, intimamente ligada que está às formas de acumulação capitalista. E mais que uma espacialidade geográfica particular, ela se constitui para as ciências sociais, para o marxismo brasileiro, num potente elemento de explicação heurística, que nos ajuda a refletir melhor sobre o sentido de nossa época.

“A possível contribuição desta pesquisa para a sociedade, reside no debate que faz entre os nexos do local/regional com a nação e o mundo. Os projetos de desenvolvimento à nação e a região devem estar submetidos a uma lógica que faça a ruptura com dualismos como centro e periferia, que só reificam as desigualdades. O desenvolvimento da região se baseia no padrão que rompe  modelos, que a destinam como um lugar de acumulação primitiva de capital em favor do capital industrial e financeiro, como até aqui tem se dado”, pontuou.

14520365_1066823620033051_8204657603379905900_n

Pesquisa contou com apoio da Fapeam e foi realizada pelo doutor em Sociologia Luiz Fernando de Santos

Segundo Santos, a linha da pesquisa é do pensamento social e de teoria sociológica.  Na era dos discursos científicos assépticos, ou de críticas radicais que não ultrapassam os umbrais das formas estetizadas de enunciação, próprias do império dos termos acompanhados pelo prefixo pós (pós-moderno, pós-estruturalismo, pós-marxismo, pós- colonialismo).

“Este é um trabalho que se envolve com uma página da sociologia brasileira, particularmente da Escola Sociológica Paulista, que pretende retirar da quietude, do silêncio, seus nexos com a tradição marxista e os desdobramentos destes no encontro dessa escola e dessa tradição intelectual com a Amazônia”, explicou.

Entre os resultados da pesquisa ele destaca a contribuição teórica para uma apreensão da Amazônia como artefato sócio-histórico-cultural.  Trazer para o âmbito da teoria sociológica o encontro que remonta ao século XIX, atravessa o século e chega até o presente, do marxismo com a região Amazônica.

“Conexo ao item anterior, esta pesquisa pôde demonstrar que Karl Marx, em sua obra fundamental, O Capital, já possui marcas dos trópicos em sua exposição da crítica da economia política. Por fim, derivado da hipótese assinalada antes, a tese pôde demonstrar que, através da Amazônia, é possível uma leitura sociológica da nação e do mundo”, disse.

Metodologia

 Para o estudo foram usados elementos diversos: leitura e análise de livros, capítulos de livros, dos autores centrais à pesquisa. Também foram realizadas entrevistas com os pesquisadores da Amazônia que trazem marcas da influência da Escola Sociológica Paulista. Assim como foi coletado e analisado uma massa documental elativa aos cursos de Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará e Universidade Federal do Amazonas que informavam sobre o processo de formação dos pesquisadores destas universidades e o contexto de institucionalização dos referidos cursos.

“Os autores analisados são aqueles da chamada Escola Sociológica Paulista e aqueles que, professores-pesquisadores das Universidades Federais do Amazonas e Pará, dialogaram com a referida Escola, a saber: Florestan Fernandes, Octavio Ianni, Fernando Henrique Cardoso, José de Souza Martins, Francisco de Oliveira, Renan Freitas Pinto, Marilene Correa da Silva Freitas, Violeta Refkaleski Loureiro e Alex Fiúza de Melo”, explicou.

PROPG-AM

O programa concede bolsas de mestrado e doutorado aos profissionais graduados, residentes no Estado do Amazonas há, no mínimo, quatro anos, interessados em realizar curso de pós-graduação stricto sensu, em Programa de Pós-Graduação recomendado pela Capes em outros Estados da Federação.

“O apoio da Fapeam  foi de suma importância para o desenvolvimento desta pesquisa. Compreendo que esta Fundação é estratégica para o desenvolvimento de uma política de Ciência, Tecnologia e Inovação que efetivamente contribua para que a região tenha melhor destino”, disse.

14333793_1057571550958258_14035030256278274_n (1)

 

Departamento de Difusão do Conhecimento- Decon

O post Pesquisa analisou encontro entre Amazônia e o pensamento marxista brasileiro apareceu primeiro em FAPEAM.

Presidente da SBPC enfatiza que a Amazônia continua a ser um desafio

Ildeu de Castro ministrou aula inaugural para Pós-Graduação Stricto Sensu da Ufam

 O presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu de Castro, disse que a Amazônia é um dos grandes desafios para o país.  A afirmação ocorreu na manhã desta segunda-feira (19), durante aula inaugural da Pós-graduação da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Estavam presentes, na ocasião, o reitor da Ufam, Sylvio Puga; o diretor técnico-científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Dércio Reis, entre outras autoridades.

Castro acredita que é necessário, no caso da Amazônia, promover ampla discussão sobre alternativas de desenvolvimento econômico e social com sustentabilidade, considerando o imenso potencial da região e principalmente, a adequação às necessidades da população local. Nesse cenário, ele defende que é preciso maior sensibilidade por parte do restante do país, principalmente dos setores dirigentes, no sentido de “ tratar a Amazônia com a dignidade que merece”.

O presidente da SBPC considera imprescindível o papel da Ciência, Tecnologia & Inovação (CT&I) como mola propulsora do desenvolvimento da Amazônia e cita o papel desenvolvido pela Fapeam como primordial. “A Fapeam é um exemplo de esforço para melhorar a Ciência e a Tecnologia na região”, frisa.  Para ele, a importância da participação dos amazônidas na liderança desse processo é essencial.  “Vocês têm a percepção da importância do papel da região para o mundo todo e a região se vê como fundamental para o Brasil”, completou.

Durante a aula inaugural, Ildeu de Castro destacou outros desafios, entre os quais, a melhoria da educação em todos os níveis – desde a educação básica até a de nível superior – e o excessivo de burocracia que impede o avanço da área. De acordo com ele, o Marco Legal de CT&I, que foi aprovado recentemente, tem o potencial de resolver a questão burocrática, mas não necessariamente. Diante desse quadro, as universidades empreendem grande esforço para reduzir os entraves legais, entretanto,  “a burocracia é excessiva no Brasil e ruim para os cidadãos em geral”.

Presidente SBPC, Ildeu de Castro, disse que a Amazônia é um dos grandes desafios para o País

Cenário de recursos para CT&I em 2018

O presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência chama a atenção ainda para o cenário envolvendo os recursos destinados à Ciência, Tecnologia e Inovação para este ano. O Orçamento de Custeio e Capital (OCC), no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), no Projeto de Leio Orçamentária Anual de 2018, passou para R$ 4,6 bilhões para R$ 4,1 bilhões  (R$ 3,4 bilhões para CT&I) devido ao fato de parte do montante sofrer contingenciamento.

Os recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) para operações não reembolsáveis serão de R$ 650 milhões, sendo que, em 2018, a previsão é que sejam arrecadados R$ 4,5 bilhões com este Fundo. Além disso, houve redução em 22% do orçamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e no financiamento dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs), contrastando com a afirmação de representantes governamentais de que eles seriam prioritários na área de CT&I, também terá impacto negativo na ciência brasileira e no seu processo de internacionalização conforme Castro.

Considerando este cenário, foi estabelecida uma agenda prioritária para a CT&I. Segundo Ildeu de Castro, foram definidas inúmeras ações, entre as quais: pressionar o Governo Federal e o Congresso Nacional para que os recursos contingenciados sejam repostos e para que o montante alocado na Reserva de Contingência no Orçamento de 2018, referentes aos recursos do FNDCT, sejam progressivamente liberados. Também se pretende examinar e apoiar os Projetos de Lei no Congresso Nacional que apoiem o Sistema Nacional de CT&I e atuar na implantação e aprimoramento do Marco Legal de CT&I.

“Mandamos diversas cartas para o Executivo e Legislativo, sendo que algumas foram respondidas outras não, mostrando o retorno que os investimentos em C&T já proporcionaram ao Brasil”, frisou Castro. Nesses documentos foram destacados, aspectos relevantes, entre os quais, a importância das universidades públicas e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no processo de fixação do nitrogênio, o que resultou na eliminação de adubos nitrogenados, aumentando a produtividade da soja, bem como a exploração de petróleo em águas profundas, redundando na descoberta do Pré-sal.

Parceria Fapeam e Ufam

Durante a solenidade de abertura da aula inaugural, o reitor da Ufam, Sylvio Puga, destacou a relevância das Universidades como propulsoras da indução do desenvolvimento do país. Ele também fez questão de salientar a nova fase da parceria entre a Universidade Federal do Amazonas e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas adotada após o início de sua gestão. “A Fapeam é uma grande parceria histórica da universidade, mas quando iniciamos nossa gestão, buscamos inaugurar outra fase nessa relação, dialogando sobre as nossas necessidades, mas tendo a certeza de que era preciso trabalhar em parceria”.

Em seu discurso, o diretor técnico-científico da Fapeam ratificou que o apoio à Pós-graduação é uma estratégia fundamental para o Governo do Estado. Ele disse ainda que a Amazônia só conseguirá substituir o atual modelo econômico com ações baseadas no conhecimento e este por sua vez, passa obrigatoriamente pela Pós-graduação. O diretor técnico-científico alertou para a necessidade de se priorizar o desenvolvimento de tecnologias e ressaltou que a região tem um grande trunfo, que o diferencia no mercado: a marca Amazônia. “Amazônia é importante para o mundo, logo o mundo precisa conhecer um pouco mais as riquezas da Amazônia”, comentou Reis, o qual destacou que a Fundação está dialogando com as instituições a fim de que os resultados dos investimentos sejam otimizados.

3

Representantes de instituições de ensino e pesquisa participaram da aula inaugural para Pós-Graduação da Ufam

Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

O post Presidente da SBPC enfatiza que a Amazônia continua a ser um desafio apareceu primeiro em FAPEAM.

Campanha de vacinação em Roraima vai reforçar proteção contra sarampo

Começa no próximo sábado (10) a campanha de vacinação contra o sarampo em Roraima, que será realizada pelo Ministério da Saúde em conjunto com o Estado e todos os 15 municípios. Deverão ser vacinadas cerca de 400 mil pessoas, entre brasileiros e imigrantes venezuelanos até 10 de abril, data prevista para o final da mobilização. O “dia D” será no primeiro dia de mobilização (10/03). Também haverá campanha publicitária, que será divulgada na televisão, rádio, internet, carro de som e mobiliário urbano. Além de evitar novos casos da doença, a estratégia governamental quer impedir que o vírus volte a circular de forma sustentada no Brasil. Até esta terça-feira (6), foram confirmados seis casos de sarampo no estado, todos em crianças imigrantes da Venezuela. Está em investigação um óbito e 24 casos.

Confira apresentação completa (PDF)

“O Brasil está tomando todas as medidas necessárias para garantir a saúde dos brasileiros e dos venezuelanos em Roraima, porque sabemos o impacto que a imigração traz para a sociedade. Além da campanha de vacinação, uma série de ações está em curso para evitar novos casos da doença, incluindo o repasse de recursos e treinamento de profissionais”, explicou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

No momento, a Venezuela enfrenta um surto da doença, inclusive no município de Caroni, que faz fronteira com o estado brasileiro. Para aumentar as coberturas vacinais e proteger a população de Roraima, o Ministério da Saúde, em conjunto com gestores locais, vem realizando uma série de ações, como vacinação de bloqueio e intensificação da vacinação nos municípios. A intensificação de vacinação já está sendo realizada desde fevereiro, com o envio de doses pelo Ministério da Saúde.

REVEJA A COLETIVA

Fazem parte do público-alvo da campanha as pessoas não vacinadas contra doença, entre 6 meses e 49 anos de idade. A vacina tríplice viral é contraindicada para gestantes e crianças abaixo dos seis meses, mesmo em situações de surto de sarampo. Pessoas com imunodepressão deverão ser avaliadas e vacinadas, segundo orientações do Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais. É aconselhável que a gravidez seja evitada até, pelo menos, um mês após a vacinação.

AÇÕES

Uma equipe do Ministério da Saúde permanece na região para acompanhar as ações e prestar orientação no enfrentamento da situação. O Ministério da Saúde realizou, no final de fevereiro, treinamento para 277 profissionais de saúde e 26 técnicos sobre aspectos gerais da doença e ações de vigilância epidemiológica. Além disso, a pasta apoiou os gestores locais na revisão de mais de 42 mil prontuários e fichas de atendimento, com o intuito de encontrar casos de sarampo que possam ter passado despercebidos pela assistência. Também foi realizada intensificação vacinal nos estrangeiros presentes no posto da Polícia Federal. O município está com uma equipe de vacinadores fixa neste local para dar continuidade à vacinação.

O país permanece com o certificado de eliminação da doença, concedido pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), em 2016. Entre 2013 e 2015, ocorreram surtos relacionados à importação, sendo que o maior número de casos foi registrado nos estados de Pernambuco e Ceará, totalizando 1.310 casos confirmados. Em 2016, o país recebeu a certificação de eliminação.

“Até o momento, não há evidência de transmissão autóctone de casos no Brasil. Portanto, pela situação atual, o país não perde o certificado de eliminação da doença. A situação continuará sendo acompanhada pela OPAS e pela Organização Mundial de Saúde”, afirmou o representante da OPAS no Brasil, Joaquín Molina.

IMIGRAÇÃO

O Governo Federal acompanha a situação da imigração de Venezuelanos no norte do país. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, assinou em janeiro deste ano, em Boa Vista (RR), Plano Integrado de Ação para a Saúde dos Imigrantes no estado de Roraima. A estratégia possui ações que orientam, ampliam e qualificam a assistência na atenção básica e hospitalar e de vigilância em saúde, e define os responsáveis pela assistência no estado. Dentre as medidas estão ainda ações de alimentação e nutrição, e assistência à população em situação de rua. O Ministério da Saúde produziu ainda materiais bilíngue (português e espanhol) com informações sobre acesso e cuidados de doenças prioritárias e agravos de saúde.

Para reforçar o monitoramento da situação epidemiológica, controle vetorial e estímulo à vacinação, principalmente na população migrante em situação de rua, o horário de atendimento de Unidades Básicas de Saúde para a vacinação foi ampliado. Além das vacinas, são disponibilizados soros e kits de medicamentos, composto por antibióticos e anti-inflamatórios, além de insumos, como luvas e máscaras descartáveis. Ainda foi realizada a capacitação de profissionais de saúde em agravos de doenças prevalentes no estado e diagnóstico e manejo clínico de arboviroses.

Para ampliar a capacidade de atendimento, o Ministério da Saúde reforçou a atenção básica com recursos de R$ 2,5 milhões/ano, que possibilitou a habilitação de 11 Agentes Comunitários de Saúde; 10 Equipes de Saúde da Família; 9 Equipes de Saúde Bucal; 3 Núcleos de Apoio à Saúde da Família e 4 Unidades Odontológicas Móveis.

No final de 2017 foi assinado convênio entre Ministério da Saúde e o Corpo de Bombeiros do Estado de Roraima para mapeamento das condições de saúde da população migrante e capacitação das forças de saúde e segurança para atender emergências. O valor foi de R$ 4 milhões.

Além disso, o Ministério da Saúde doou equipamentos e mobiliários para estruturação de dois leitos de estabilização no Hospital Estadual Délio Tupinambá, em Pacaraima, no valor de R$ 324 mil, qualificando o cuidado imediato no município para que não haja a necessidade de transferência imediata de qualquer caso mais grave para a capital, Boa Vista. Os 73 equipamentos e mobiliários eram pertencentes à Força Nacional do SUS. Oito ambulâncias do SAMU 192 foram doadas ao estado em 2017, no valor de R$ 1,3 milhão.

O Ministério da Saúde aumentou o Teto MAC em R$ 12 milhões ao estado, em 2017, para ampliar a capacidade de atendimento. Além disso, foram habilitados serviços de média e alta complexidade, com 39 novos serviços, entre leitos, Rede Cegonha, Saúde Bucal, Rede de Atenção Psicossocial, entre outros. O impacto anual é de R$ 18,4 milhões.

Também foi enviada equipe da Força Nacional do SUS, que fez diagnóstico da situação dos atendimentos locais. Foram coletadas informações de funcionamento, atendimento, abastecimento de medicamentos, presença ou aumento de doenças, além da situação dos principais hospitais que atendem a região.

FEBRE AMARELA

Para aumentar a cobertura vacinal, os estados do Rio de Janeiro e São Paulo decidiram continuar a estratégia de vacinação da população. A medida conta com o apoio do Ministério da Saúde. Dados preliminares enviados pelas Secretarias de Saúde dos três estados ao Ministério da Saúde apontam que, até 6 de março, 17,3, milhões de pessoas foram vacinadas, incluindo o acumulado do público vacinado nos municípios. O número corresponde a 76% do público-alvo previsto na campanha. O Ministério da Saúde reforça a importância da vacinação da população dos estados do Rio de Janeiro, Bahia e São Paulo durante a campanha contra febre amarela.

“Essa cobertura mostra o comprometimento dos estados na imunização contra a febre amarela e a necessidade de realizar essa estratégia. O processo de vacinação é crescente nas áreas com recomendação no Brasil e a recomendação é que os estados e municípios continuem vacinando até atingir a alta cobertura”, avaliou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Adeilson Cavalcante.

Conforme dados repassados ao Ministério da Saúde pelos estados, até o dia 6 de março, 8,4 milhões (90%) de pessoas foram vacinadas em São Paulo e 7,1 milhões (71,5%) no Rio de Janeiro. Já no estado da Bahia, 1,8 milhão de pessoas foram vacinadas, o que totaliza 55% do público-alvo.

Para auxiliar os estados e municípios na realização da campanha, o Ministério da Saúde repassou aos estados no ano de 2018 até o momento, 23,8 milhões de doses da vacina. Para os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia foram enviados 18,4 milhões de doses para implementação da Campanha de Vacinação Contra a Febre Amarela. Foram 13,4 milhões para São Paulo, 4,7 milhões para o Rio de Janeiro e 300 mil para a Bahia.

Agência Saúde, Por Camila Bogaz e Amanda Mendes
Foto: Rodrigo Nunes/MS

Mudanças climáticas globais influenciam os riscos de extinção de espécie de lagarto da Amazônia

Espécie conhecida, popularmente, como Lagarto-da-mata ou Calango tem em média 48,4% de risco de extinção local até 2050. Para 2070 o número sobe para 72,8%

Estudo científico analisou os impactos que as mudanças climáticas podem causar na biodiversidade da região e utilizou como modelo a espécie típica de lagarto amazônico conhecido, popularmente, como Lagarto-da-mata ou Calango (Kentropyx calcarata). Durante a pesquisa foram estudadas populações desta espécie na Amazônia e na transição da Amazônia com o Cerrado.

O trabalho foi realizado pelo pesquisador Emerson Pontes, durante o curso de mestrado em Ecologia, no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). A pesquisa contou a orientação da Dra. Fernanda Werneck e coorientação do Dr. William Magnusson, em parceria com pesquisadores brasileiros e estrangeiros.

Segundo Pontes, com o aumento da temperatura, redução das chuvas e cobertura florestal na Amazônia-Cerrado, a espécie K. calcarata tem em média 48.4% de risco de extinção local, até 2050. Para 2070, o risco de extinção é ainda mais alarmante, o número sobe para 72,8%.

“Esta espécie de lagarto, assim como tantas outras, precisa da floresta em pé. Com as mudanças climáticas e o aumento das taxas de desmatamento alarmantes que seguem na Amazônia, estes riscos de extinção estimados podem, infelizmente, se tornarem em extinções reais”, contou.

Espécie é conhecida, popularmente, como Lagarto-da-mata ou Calango. Pesquisa foi feita na Amazônia e na transição da Amazônia com o Cerrado

O estudo iniciou em 2014 e para chegar neste resultado, o pesquisador disse que foram realizadas expedições de coleta para as florestas fechadas e úmidas nos estados do Amazonas, Pará e Amapá (Amazônia) e para as florestas abertas, mais quentes e secas no estado do Tocantins na transição Amazônia-Cerrado.

Pontes disse que em cada localidade amostral foram registradas as temperaturas ambientais e realizados experimentos fisiológicos de laboratório com os lagartos para estimar quanto os indivíduos da espécie toleravam de calor e frio, quanto corriam em diferentes temperaturas corporais e também qual era a temperatura preferida individual para o funcionamento do corpo do animal.

“Para estudar a vulnerabilidade da espécie, estimamos quanto o ambiente estará adequado no futuro para que a espécie esteja presente. Para isso, calculamos os riscos de extinção locais de K. calcarata, juntando dados da distribuição atual da espécie aos dados térmicos da fisiologia e dos ambientes, além de estimativas de pluviosidade, temperatura e cobertura florestal para o futuro. Foi dessa forma que buscamos estimar as respostas populacionais da espécie em cenários climáticos futuros”, explicou.

Pesquisa registrou as temperaturas ambientais e realizou experimentos fisiológicos de laboratório com os lagartos

O pesquisador disse que em alguns lugares a espécie de lagarto poderá sofrer redução populacional ou deixar de existir, enquanto em outros, ela ainda poderá persistir, mas tudo depende principalmente da manutenção do seu hábitat: as florestas.

“Nossos resultados indicam que as populações de zonas de transição Amazônia-Cerrado, mais próximas ao Arco do Desmatamento, possuem temperaturas críticas máximas maiores e menos variáveis e parecem estar adaptadas a temperaturas ambientais mais elevadas quando comparadas a populações do núcleo dos biomas. O resultado desafia visões da literatura de que a biologia termal das espécies varia pouco intra-especificamente, e abre portas para o entendimento de que as respostas adaptativas ou processos de extinção local podem variar substancialmente geograficamente”, completou a pesquisadora Dra. Werneck.

O pesquisador ressaltou que perder uma espécie significa empobrecer a biodiversidade, além de comprometer em algum nível o funcionamento das florestas e de seus ecossistemas, o que pode significar também prejuízos à vida de outros seres vivos, o que inclui os seres humanos.

Conforme Pontes, algumas das perguntas e hipóteses levantadas pelo seu trabalho e colaboradores estão sendo investigada pelo grupo de pesquisa da Dra. Fernanda Werneck no Inpa. Os estudos e projetos adicionais integram abordagens ecológicas e genéticas para inferir a história populacional, prever riscos de extinção local e potenciais respostas adaptativas para diversos lagartos sob cenários de mudanças climáticas futuras em paisagens de vegetação florestal e aberta amazônicas e no ecotóno Amazônia-Cerrado.

Emerson Pontes

Estudo foi feito por Emerson Pontes durante o curso de mestrado em Ecologia, no Inpa.

Apoio

 A pesquisa contou com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), L’Oréal-UNESCO-ABC Para Mulheres na Ciência e L’Oréal-UNESCO For Women In Science award,  Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF), Partnerships for Enhanced Engagement in Research-PEER (U.S. National Academy of Sciences e U.S. Agency of International Development), do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) e do Centro de Estudos Integrados da Biodiversidade Amazônica (INCT CENBAM).

 

 

 

Departamento de Difusão do Conhecimento (Decon)

Foto: Acervo do Pesquisador

 

 

O post Mudanças climáticas globais influenciam os riscos de extinção de espécie de lagarto da Amazônia apareceu primeiro em FAPEAM.

Matéria da série Clima e Saúde, do Icict/Fiocruz, aborda queimadas

Série de reportagens produzidas pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz) aborda mudanças climáticas e seus efeitos na saúde do brasileiro, a partir de estudos do Observatório Nacional de Clima e Saúde. A nova matéria tem como tema queimadas.

Olhando para trás, 2004 ficou marcado pelos 270.295 focos de incêndio em todo o país – o ápice do número de queimadas no século XXI. Naquele ano, apenas no bioma Amazônia, que ocupa cerca de 40% do território nacional e onde estão os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima, e também partes do Maranhão, Tocantins e Mato Grosso, foram 145.251 focos.

Em 2017, foram 275.120 focos de incêndio em todo o território nacional, conforme dados do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), um aumento de 1,78%. O bioma Amazônia no entanto, teve uma pequena redução, com 132.296 focos. Contudo, não há muito o que comemorar – segundo reportagem do jornal O Globo, “o fogo aumentou em áreas de floresta natural, onde não chegava antes — afirma Alberto Setzer, responsável pelo monitoramento de queimadas do Inpe”.

Em Rondônia, onde está situado o sítio sentinela do Observatório Nacional de Clima e Saúde, os focos de fogo apresentam também um número elevado.

O sítio sentinela está localizado na capital rondoniense, em Porto Velho, uma das áreas mais afetadas por conta das queimadas na região amazônica. Ele é coordenado pela pesquisadora associada do Observatório, Sandra Hacon, da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp) e o pesquisador Christovam Barcellos, do Icict, ambos da Fiocruz.

Segundo a pesquisadora Hacon, desde o Programa de Integração Nacional, na década de 1970, o desmatamento na região amazônica começou a ocorrer com maior intensidade, com o processo de colonização e o incentivo de ocupação do território pelo governo federal. “Esse intenso processo de desmatamento dará lugar, mais tarde, a indústria madereira e a pecuária na região, que destrói de forma intensa e extensa o solo da Amazônia, com o desmatamento, que leva às queimadas”, explica. Mas, como as queimadas podem prejudicar à saúde da população da região? Hacon afirma que “há a emissão de material particulado, microscópico, que em sua composição tem vários compostos e elementos. Esse material particulado, principalmente, é que vai prejudicar a saúde da população da Amazônia”.

Ela chama a atenção sobre a alta taxa de desmatamento de Rondônia – cerca de 70% de seu território já havia sido desmatado para plantações e pastagens. Com isso, “aumentaram as taxas de doenças respiratórias, principalmente nos grupos vulneráveis – crianças e idosos – e pessoas com doenças pregressas, relacionadas tanto quanto às doenças respiratórias, quanto às doenças cardiovasculares”.

Em um estudo de 2013, intitulado “Distribuição espaço-temporal das queimadas e internações por doenças  respiratórias em menores de cinco anos de idade em Rondônia, 2001 a 2010”, das pesquisadoras Poliany Rodrigues (Ensp/Fiocruz), Eliane Ignotti  (Unemat e UFMT, ambas do Mato Grosso) e Sandra Hacon, chama a atenção de que “as áreas com maior número de focos de queimadas diferiram daquelas com as taxas mais elevadas de internações por doenças respiratórias. Isso pode demonstrar a importância do transporte deste material particulado em longas distâncias na Amazônia.

Supõe-se que a exposição aos poluentes provenientes das queimadas não necessariamente coincidiu com o local de ocorrência do foco de queimada, razão pela qual os focos de calor devem ser utilizados como indicadores indiretos de exposição”.  Além disso, as pesquisadoras recomendam que haja um “monitoramento do material particulado proveniente das queimadas na microrregião de Porto Velho, apontada neste estudo como área crítica por apresentar a maior concentração de focos de queimadas da região. Também é relevante acompanhar os indicadores de saúde sobre os impactos à saúde humana provocados pelos poluentes gerados nas queimadas, com a implantação de áreas sentinelas pelos programas de vigilância à saúde na Amazônia”.

O site do Icict levantou alguns dados do Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS), do Datasus, sobre doenças respiratórias na região de 2012 até novembro de 2017.

Esta é a segunda matéria da série “Clima e Saúde”, sobre as mudanças climáticas e seus efeitos na saúde do brasileiro, a partir dos estudos realizados pelo Observatório Nacional de Clima e Saúde, do Icict, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Na próxima matéria, o sítio sentinela Transfronteiriço, entre a Guiana Francesa e o Brasil, que pesquisa as ocorrências de malária na região e seus impactos na população local da fronteira entre os dois países.

Leia matéria completa da série Clima e Saúde, no site do Icict/Fiocruz.

Confira também Observatório Clima e Saúde ganha destaque na OMS e na COP23

Icict/Fiocruz, por Graça Portela

Tese da Amazônia é aprovada no VIII Congresso Interno da Fiocruz

Encerrou ontem (14/12) o VIII Congresso Interno da Fiocruz. Durante a última sessão plenária foi aprovada a Tese 9, proposta pelos servidores e demais membros da comunidade do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia). A tese da Amazônia, como foi por diversas vezes chamada, não se fechou no bioma, mas no reconhecimento de que a Amazônia é estratégica para a humanidade e de que a Fiocruz pode cooperar, com outras instituições da região, na geração de conhecimento e inovação em saúde.

A Fiocruz está presente na Amazônia com duas unidades: no Amazonas e em Rondônia. Para a presidente da Fiocruz e do Congresso Interno, Nísia Trindade, a Tese 9 veio como uma proposta nova e de importância reconhecida por todos os grupos  de trabalho e delegações. Na oportunidade, ela congratulou-se com os delegados que coletivamente defenderam a importância estratégica da Amazônia para a Fiocruz.

A delegação do ILMD/Fiocruz Amazônia comemorou a aprovação da Tese 9 e suas diretrizes. Para o diretor, Sérgio Luz, a aprovação da Tese como uma das grandes estratégias e diretrizes institucionais para o período 2017-2020, traz grandes benefícios para a Fiocruz e para a Região Amazônica na área da saúde, educação, ciência, tecnologia e inovação.

Ricardo Godoi, diretor da Fiocruz Rondônia e um dos defensores da Tese 9, lembrou que a Fiocruz na Amazônia é ILMD e Rondônia, e que muitas vezes, na Região, estas unidades são convidadas por outras instituições para cooperarem com importantes projetos de tecnologia e inovação em saúde.

O VIII Congresso Interno da Fiocruz aconteceu no período de 11 a 14/12, no campus da Fiocruz, em Manguinhos, no Rio de Janeiro, e teve como objetivo debater e aprovar as grandes estratégias e diretrizes institucionais para o período 2017-2020, bem como contribuir para a sua implementação, a partir do documento de referência “A Fiocruz e o Futuro do SUS e da Democracia”.

OPINIÃO DOS DELEGADOS DA AMAZÔNIA

Sonia Oliveira: Gostei muito de poder ter participado deste congresso, foi muito enriquecedor. Cada momento ficará marcado na memória, no coração e na história, com a aprovação da Tese 9.

Rodrigo Tobias: O sucesso do congresso foi brindado com nossa tese amazônica aprovada. Isso foi fruto de trabalho de todos, desde a gestão que trouxe a causa como possibilidade, a construção da tese, a discussão de grupos ainda em Manaus, a eleição de delegados, a nossa atuação coordenada, colaborativa e solidária no ato da participação dos grupos no RJ e a aprovação da plenária final do congresso. Isso significa mais trabalho, mais responsabilidade e empenho em aproximar a Fiocruz da sociedade e canalizar esforços das outras unidades, para a nossa realidade amazônica. Considero a Amazônia a principal fronteira científica do Brasil e, sendo assim, vamos fazer jus à nossa missão institucional na Região.

Aldemir Maquiné: Esse congresso me remeteu há 15 anos, quando participei pela primeira vez de um Congresso Interno da Fiocruz. Cada Congresso é único. Nesta edição, no meu grupo de trabalho, nós tivemos ao nosso lado pessoas que desenvolvem trabalhos na Amazônia e que entenderam a Tese 9, como uma proposta estratégica da Fiocruz. A aprovação desta Tese mostra a maturidade do ILMD/Fiocruz Amazônia na sua propositura e da Fiocruz por perceber a importância estratégica da Região.

Priscila  Aquino: O Congresso Interno da Fiocruz foi uma oportunidade única de imergir na política institucional e discutir os direcionamentos que guiarão os próximos 4 anos da instituição. Acredito na necessidade da Fiocruz reforçar seu papel estratégico na Amazônia.

Cláudio Peixoto: Sucesso é a palavra que reflete esse momento.

Anízia Aguiar: Estou feliz e agradecida. Feliz por ter tido, finalmente, a oportunidade de participar do Congresso Interno da Fiocruz, com toda a riqueza que ele contém.Foi lindo ver a defesa das teses e o conteúdo delas sempre interessado na equidade, na justiça e no bem estar social, buscando garantir que a Fiocruz mantenha sua capacidade de continuar atuando como instituição de Estado.

Cláudia Rios: O primeiro sentimento com a aprovação da Tese 9 é de alivio, por termos, pela primeira vez, conseguido aprovar uma tese. Isso é fundamental. Daqui pra frente, temos que analisar tudo que foi discutido e aprovado, e começar a planejar o que vamos fazer para alcançar o que foi proposto. Vamos ter que trabalhar muito e contar com o comprometimento de todos, para atender a essas diretrizes.

As teses aprovadas no VIII Congresso Interno da Fiocruz serão posteriormente encaminhadas para homologação do Conselho Deliberativo da Fiocruz.

ILMD/Fiocruz Amazonia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Marlúcia Seixas

Fiocruz Amazônia abre inscrições para o Seminário Internacional Doenças Infecciosas Negligenciadas da Amazônia

De 4 a 7 de dezembro, o Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), por meio Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro (PPGBIO-Interação), realiza o Seminário Internacional Doenças Infecciosas Negligenciadas da Amazônia.  O evento acontecerá 9 às 17h, no Salão Canoas, à rua Teresina, 476, Adrianópolis, Manaus (AM).

O Seminário é direcionado a estudantes de pós-graduação e pesquisadores. Está dividido em duas atividades: a primeira, é o minicurso “Ferramentas para o estudo das interações arbovírus-hospedeiro”, que ocorrerá nos dias 4 e 5/12; a segunda acontecerá nos dias 6 e 7/12, e serão palestras ministradas por pesquisadores convidados nacionais e internacionais que discorrerão a respeito de temas no campo das doenças infecciosas negligenciadas, bem como abordarão tópicos importantes sobre pesquisa na região Amazônica e projetos em desenvolvimento.

O evento é realizado pelo ILMD/Fiocruz Amazônia e tem como parceiros a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação (VPEIC) da Fiocruz, e o Institut Pasteur de la Guyane.

Inscrições

Os interessados em participar do evento devem enviar e-mail para neglect.ilmd@fiocruz.br. No e-mail deve conter a indicação de qual a atividade quer participar ou se quer inscrever-se para as duas (minicurso e palestras). Além disso, enviar carta de intenções explicando as razões/motivações para participar do minicurso e/ou seminário, nome completo, RG e CPF, ou número do passaporte, nome do orientador, programa de pós-graduação a que está vinculado, ou instituição na qual trabalha, no caso de pesquisadores.

Para o minicurso estão sendo oferecidas 10 vagas. Para as palestras, 100 vagas estão sendo disponibilizadas. As inscrições são gratuitas, e algumas atividades serão ministradas em inglês.

Sobre o PPGBIO- Interação

O Programa de Pós-Graduação em Biologia da Interação Patógeno-Hospedeiro é um curso stricto sensu, que tem como essência a dinâmica de transmissão das doenças e as interações moleculares e celulares da relação patógeno-hospedeiro, no âmbito da maior biodiversidade mundial.

O Programa se enquadra na grande área em Parasitologia. A pesquisa e o ensino desenvolvidos no contexto do PPGBIO-Interação têm ênfases na ecoepidemiologia e biodiversidade de micro-organismos e vetores, fatores de virulência, e mecanismos fisiopatológicos e imunológicos associados na interação parasito-hospedeiro.

Fonte- ILMD/Fiocruz Amazônia

 

O post Fiocruz Amazônia abre inscrições para o Seminário Internacional Doenças Infecciosas Negligenciadas da Amazônia apareceu primeiro em FAPEAM.