Todos os artigos de Assessoria de Comunicação

Workshop de Tecnologia Social do Inpa discute multi-incubação e experiências comunitárias

Evento apresentará pesquisas, exposições de experiências e negócios desenvolvidos na Amazônia. A proposta é discutir desafios e indicar caminhos. https://doity.com.br/viii-workshop-de-tecnologia-social-cotesinpa

 

Da Redação – Inpa

Banner: Lailla Pontes

 

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) realizará nos dias 13 e 14 de agosto o VIII Workshop de Tecnologia Social, que busca socializar informações sobre produtos e técnicas desenvolvidos a partir da interação entre ciência e sociedade e são utilizados para resolver desafios sociais como acesso à água potável, alimentação e renda. Organizado pela Coordenação de Tecnologia Social (Cotes), o tradicional evento é gratuito e aberto ao público.

Para este ano o tema escolhido é Multi-incubação e Desenvolvimento de Produtos, Experiências e Negócios Comunitários. A proposta é discutir as experiências e possibilidades de se associar, em ambientes de incubação, empresas mais convencionais com empreendimentos solidários que operam movidos por lógicas de partição de benefícios e processos decisórios coletivos.

“De um lado, o evento contará com pesquisadores de peso debatendo as questões a partir da ótica da pesquisa na área interdisciplinar em questão. De outro lado, haverá uma série de exposições de experiências na região amazônica apresentando os desafios e indicando caminhos para o desenvolvimento da área”, adianta a coordenadora da Cotes e do evento, a psicóloga com doutorado em saúde pública Denise Gutierrez.

O Workshop será realizado no Bosque da Ciência, localizado na Rua Bem-vi, s/nº, bairro Petrópolis Manaus. É voltado para estudantes de diversos níveis, membros de ONGs, gestores públicos, pesquisadores, professores, líderes comunitários, produtores rurais e interessados.

Para se inscrever, basta acessar https://doity.com.br/viii-workshop-de-tecnologia-social-cotesinpa. A organização emitirá certificado de participação aos inscritos com presença registrada nos dois dias do evento.

Palestras, oficinas e minicursos serão realizados no evento também por parceiros do Inpa, Embrapa, Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

O evento conta ainda com o apoio do projeto Implantação de Unidades Demonstrativas Agroflorestais na Amazônia (IUDAA), projeto do Inpa patrocinado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) voltada para a produção de alimentos nas áreas de piscicultura e plantios agroflorestais.

 

Programação

 

A solenidade de abertura será no dia 13 de agosto, das 8h30 às 9h, seguida da Conferência de Abertura com a Coordenadora da Incubadora de Tecnologia Social e Inovação e da Escola de Empreendedorismo do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB), Sonia Marise Salles Carvalho. A conferencista apresentará sua experiência com a Multi-incubação e Desenvolvimento de Produtos: Experiências de Negócios Comunitários, dando destaque às boas práticas de metodologias de incubação.

Outro palestrante será o diretor do Núcleo Interdisciplinar para o Desenvolvimento Social (NIDES/UFRJ), Felipe Addor, que falará sobre a fundamentação teórica ligada à questão da Tecnologia e Desenvolvimento Social Solidário, as lógicas subjacentes a essa proposta ético-política de olhar para as comunidades, suas demandas e capacidade criativo-organizacional. Addor é organizador de vários livros de tecnologia social e incubação, e na oportunidade fará apresentação de três obras lançadas por ele e parceiros em 2018.

 

Experiências

 

Atividades do IUDAA serão algumas das iniciativas que serão apresentadas no evento. O professor Ananias Cruz falará sobre o Manejo fitossanitário alternativo em cultivos de agricultores familiares do Alto Solimões e a colaboradora Sanny Maria Porto (Ufam/Inpa) mostrará ações do projeto associadas à Sanidade Aquícola.

O pesquisador do Inpa Johannes Leeuwen, por exemplo, terá participação em duas atividades, em dias diferentes. Uma será sobre Métodos de Pesquisa Participativa e seu uso na identificação e aperfeiçoamento de opções agroflorestais e a outra se trata de Melhorar a Meliponicultura Cabocla com boas técnicas.

Já o pesquisador da Embrapa-Amapá, Marcelino Carneiro Guedes, apresentará uma experiência desenvolvida na Ilha das Cinzas, que se constitui como uma comunidade de referência para desenvolvimento de tecnologias sociais no estuário do Rio Amazonas, e outras inovações sociais derivadas da pesquisa. Guedes desenvolve trabalhos com ênfase em solos florestais e utilização de resíduos, atuando principalmente em temas de recuperação de áreas degradadas, utilização de lodo de esgoto, saneamento ambiental e ciclagem de nutrientes.

 

Nota da Direção do Inpa sobre fechamento do Bosque da Ciência

A Casa da Ciência, recém inaugurada no Bosque da Ciência, sofreu com ações de vandalismo de visitantes em seu interior, o que levou a coordenadora de Extensão, preocupada com a preservação desse patrimônio, decidir interditar de forma temporária a sua entrada até que providências sejam feitas para monitorar a sua visitação e evitar maiores problemas futuros. O INPA está tentando achar as melhores formas de preservação da Casa da Ciência e do bosque, de modo a preservar sua estrutura para que a mesma seja melhor aproveitada pela população! Estamos abertos a parceiros para levarmos o melhor para a sociedade.

 

Antonia Franco

Diretora do INPA

Bosque da Ciência do Inpa fecha para visitação pública a partir desta terça-feira

A medida foi necessária em função do quadro reduzido de servidores. Instituição buscou várias alternativas, mas não atenderam as necessidades de funcionamento regular do espaço

 

Da Redação – Inpa

 

O Bosque da Ciência, espaço de visitação pública do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), estará fechado para visitação pública a partir desta terça-feira (09) por tempo indeterminado. A Instituição continuará apenas com as visitas em grupo agendadas e confirmadas pela coordenação do serviço de apoio às áreas de visitação.

 

De acordo com a coordenadora de Extensão do Inpa, a pesquisadora Rita Mesquita, o motivo é a necessidade de reformulação do funcionamento do Bosque da Ciência em função do reduzido quadro de servidores para fazer atendimento no espaço. Dedicado à educação, divulgação científica e ao lazer, o bosque recebeu no ano passado cerca de 100 mil visitantes, cerca de 70% de forma gratuita.

 

A entrada custa R$ 5, mas crianças, idosos e grupos escolares e sociais agendados não pagam. O valor arrecadado é depositado numa conta do governo Federal e não tem retornado para o bosque, que funciona de terça a domingo e às segundas-feiras é fechado para manutenção.

 

“Lamentamos muito ter que informar que o bosque vai fechar para visitação e funcionar de forma parcial, apesar de todos os esforços e busca de parcerias”, explicou Mesquita.

 

Ainda segundo a coordenadora, pequenos atos de vandalismo têm acontecido no espaço, e a medida vem ainda para tentar resguardar a integridade do bosque até se tenha condições de funcionar com regularidade. Hoje os 13 hectares do bosque, um fragmento florestal em plena área verde de Manaus, conta com apenas quatro servidores, mais os terceirizados da vigilância e da manutenção (limpeza).

 

bosqueFECHADOINPA080719

 

Para manutenção das atividades e cobertura dos mais de 20 atrativos, o bosque conta com o auxílio de estagiários curriculares (estágio obrigatório da Instituição de Ensino) de cursos técnicos e de graduação das áreas ambiental e de turismo, que variam conforme o período.

 

Dos 23 estagiários curriculares que iniciaram no semestre passado, divididos durante a semana e o fim de semana, apenas 13 estão concluindo as atividades. Mais de 40% desistem durante o percurso, por encontrar estágio remunerado ou falta de recursos financeiros para arcar com deslocamentos ao estágio curricular.

 

Para se ter ideia, somente na Casa da Ciência, que foi reinaugurada há um mês e veio com uma exposição inovadora e interativa, a Tramas da Ciência, são necessárias pelo menos dez pessoas para dar suporte aos visitantes.

 

A Instituição está buscando parcerias com outras organizações, mas as tratativas não se concretizaram. A terceirização do bosque está na pauta, antes algumas ações são necessárias e requerem a aplicação de recursos financeiros, como estudo de viabilidade técnica e econômica.

Inpa divulga resultado de seleção para o Programa de Iniciação Cientifica

As bolsas serão implementadas obedecendo ao critério de classificação da nota obtida no processo avaliativo

Da Redação - Inpa

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) divulgou na última sexta - feira (05) o resultado de seleção para o Programa de Iniciação Científica da Instituição (PIBIC-CNPq e PAIC-FAPEAM 2019-2020).

Dos inscritos, 167 alunos foram aprovados. As bolsas serão implementadas obedecendo ao critério de classificação da nota obtida no processo avaliativo, por subárea do conhecimento e conforme o número de cotas concedidas pelas agências de fomento.

O objetivo do programa é introduzir os graduandos na carreira científica, descobrindo e treinando novos talentos para a ciência. Além de proporcionar aos estudantes a aprendizagem de técnicas e métodos científicos, estimulando o desenvolvimento do pensar crítico e da criatividade para a formação de pessoas qualificadas para um futuro ingresso nos programas de pós-graduação.

Para acessar a resultado clique aqui.

Pesquisadores podem se inscrever nas Câmaras de Assessoramento Científico da Fapeam

bannerCamarasAssessoramentoFapeamINPA

 

O resultado do processo eleitoral está previsto para o dia 9 de agosto. O mandato será de dois anos

 

Da Redação - Fapeam

 

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) recebe até o dia 12 de julho as inscrições de interessados em participar do Processo Eleitoral das Câmaras de Assessoramento Científico de Pesquisa e de Pós-Graduação. A inscrição deve ser feita por meio da plataforma SIGFapeam, disponível no site da Fundação.

 

Podem se candidatar a membro das Câmaras pesquisadores com título de doutor vinculados às instituições de ensino superior ou de pesquisa do Amazonas, por área de conhecimento, conforme especificado no edital.

 

A votação para a escolha dos membros será no período de 26 de julho a 5 de agosto deste ano por meio do sistema online, disponibilizado pela Fapeam. A divulgação do resultado está prevista para o dia 9 de agosto. O mandato será de dois anos a contar da nomeação publicada no Diário Oficial do Estado.

 

Câmaras de Assessoramento Científico

 

Compete às Câmaras de Assessoramento Científico de Pesquisa e de Pós-Graduação analisar o mérito científico e técnico dos pleitos de fomento, apoio e incentivos formulados à Fapeam, avaliar a execução quanto aos aspectos técnico-científicos dos projetos que tenham recebido apoio financeiro da instituição. Além de outras atividades compatíveis com os objetivos da Fapeam que lhe sejam designadas pelo Conselho Superior ou pela Diretoria Técnico-Científica.

 

 PROCESSO ELEITORAL DAS CÂMARAS DE ASSESSORAMENTO FAPEAM

Bosque da Ciência oferece no domingo atividades alusivas ao Dia Nacional da Ciência

DiaNacionalDaCienciaINPA2019

Exposições e experiência interativa com realidade virtual serão desenvolvidas no espaço de visitação pública do Inpa

Da Redação - Inpa

Banner: Lailla Pontes

Em alusão ao Dia Nacional da Ciência (08 de Julho), o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) promoverá neste domingo (07) atividades práticas no Bosque da Ciência para mostrar aos visitantes pesquisas que a Instituição e parceiros desenvolvem em prol da conservação e da biodiversidade da Amazônia. O espaço de visitação pública do Inpa está localizado na rua Bem-te-vi s/nº, bairro Petrópolis, zona Sul de Manaus.

Pela manhã serão realizadas duas exposição. “Macróficas Aquáticas” acontecerá das 9h às 11h3 a exposição de plantas aquáticas no Chapéu de Palha no entorno do Lago, mostrando um pouco da biodiverdade aquática da região. A outra será “Biodiversidade nas Cidades” das 10h às 16h, com exposição de aves taxidermizadas artisticamente, joguinhos, vídeos dos trabalhos realizados no Laboratório de Biologia da Conservação (Labic).

Vinculado à Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), o Labic estuda os efeitos da fragmentação da floresta e mudanças da paisagem sobre as comunidades de animais na Região Metropolitana de Manaus (RMM).

Outra atividade da programação é uma experiência interativa intitulada “Realidade Virtual na Floresta”, que acontecerá das 14h às 16h30.

O Bosque da Ciência é um fragmento florestal de 13 hectares dentro da área urbana de Manaus. É dedicado à divulgação científica, educação e lazer, que abriga uma vegetação florestal, animais da fauna amazônica de vida livre e atrativos para a visitação turística.

                                                         

Tecnologia Social é tema de reunião do Grupo de Estudos Estratégicos Amazônicos do Inpa

ConformeDenise Gutierrez, a Tecnologia Social trata de mecanismos envolvidos no compartilhamento de conhecimentos por meio da interação entre Ciência e Sociedade

 

Da Redação – Geea

Fotos: Wérica Lima – Inpa

 

Nesta quarta-feira (03), foi realizada a 61ª Reunião do Grupo de Estudos Estratégicos Amazônicos (Geea), tendo como tema “Tecnologia Social: fatos e perspectivas”. A palestrante convidada foi a psicóloga com doutorado em saúde pública Denise Machado Duran Gutierrez, professora da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) que há vários anos atua no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIc), num setor que ela ajudou a fundar, a Coordenação de Tecnologia Social (Cotes), vinculada ao setor de Extensão deste Inpa.

 

A palestrante abordou o tema em dois eixos principais: o primeiro, tratando de enunciados e definições do próprio termo e o segundo, de algumas iniciativas desenvolvidas pelo INPA em parceria com outras instituições regionais e que tem um perfil essencialmente interativo entre ciência, conhecimento tradicional e demanda social.

 

Conceituação

 

GEEADeniseGutierrezFotoWericaLimaINPA2

 

Gutierrez salienta que Tecnologia Social (TS) é um termo relativamente moderno, mas que trata de questões muito antigas. Em linhas gerais, ela trata dos mecanismos envolvidos no compartilhamento de conhecimentos através da interação entre Ciência e Sociedade.

 

De maneira mais abrangente, e conforme enunciada pela própria Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações (MCTIC) TS é um “conjunto de técnicas ou metodologias desenvolvidas na interação com a comunidade e que possam ser reaplicadas em diferentes contextos para propiciar oportunidades de inclusão produtiva e social, bem como soluções tecnológicas convencionais que favoreçam o aperfeiçoamento ou a inovação de produtos, processos e serviços de empreendimentos individuais, microempresas e empresas de pequeno porte”.

 

Segundo Gutierrez, partindo-se dessa definição, é fácil perceber que a TS lida com novos produtos, processos, equipamentos e serviços e que a ideia de novidade é fundamental, porque ela abrange e também fomenta transformações, visões diferentes, maneiras distintas de perceber, relacionar, fazer, gerenciar e produzir.

 

A Tecnologia Social possui uma abrangência muito grande, mas está mais vinculada aos setores da alimentação, educação, energia, habitação, renda, recursos hídricos, saúde, meio ambiente. Também é importante salientar que ela não é totalmente autônoma, tendo necessidade de atuar articulada com o saber popular, a organização social e o conhecimento técnico-científico. Além disso, para propiciar o desenvolvimento pleno e sustentável, a TS precisa ter efetividade e ser reaplicável. Reaplicar vai muito além de replicar, pois implica em aplicar sempre de acordo com novas demandas e novos desafios, tendo a colaboração de todos ou atores envolvidos na atividade.

 

A Tecnologia Social possui e ao mesmo tempo contempla quatro grandes dimensões distintas, mas mutuamente dependentes: a tecnociência (conhecimento, ciência, tecnologia); a educação universal e de qualidade; a participação coletiva, incluindo a cidadania e democracia e a relevância social, incluindo a qualidade de vida e a sustentabilidade econômica e social.

Gutierrez cita a concepção teórica do setor de extensão do Inpa como uma instância que congrega essas quatro dimensões, lembrando que este foi criado tendo por base três eixos centrais de atuação complementar: a extensão tecnológica e de inovação, fortemente vinculada com os programas e projetos de pesquisas; o serviço de apoio às áreas de visitação, incluindo o bosque, a casa de ciência e acervos destinados ao grande público e, por último, as tecnologias sociais, que fazem a intermediação entre as demandas sociais e os resultados produzidos pela pesquisa do Inpa, tanto no âmbito dos projetos e programas científicos, como também dos cursos de pós-graduação.

 

Nesse contexto, ela também cita a criação da Coordenação de Tecnologia social (CTS), lembrando sua missão explícita de ser “modelo de excelência no desenvolvimento de tecnologias sociais fazendo convergir necessidades e demandas sociais com o conhecimento técnico científico produzido pelo Inpa".

 

 

GEEADeniseGutierrezFotoWericaLimaINPA1

 

Iniciativas Promissoras

 

Por fim, Gutierrez cita iniciativas promissoras do Instituto no campo das Tecnologias Sociais, todas dispondo de unidades demonstrativas e resultados positivos, muitas deles já efetivos e reaplicáveis e até servindo de políticas públicas. As iniciativas fazem parte de uma cartilha denominada Tecnologias para Inclusão Social, publicada em 2018 pela Editora Inpa e na qual estão organizadas nos seguintes setores:

 

I: Tecnologias em produção de alimentos, segurança alimentar e nutricional, compreendendo criação de matrinxã em canais de igarapés; plantios agroflorestais; meliponicultura; sistemas sustentáveis de produção, melhoramento genético e conservação in situ de plantas; aproveitamento de frutos regionais para agregação de valor nutricional em produtos alimentares; feiras de trocas para preservação de sementes crioulas; manejo comunitário de recursos naturais; enriquecimento de sucos com farinha da casca de camu-camu; farinha à base de açaí e buriti; fungos amigos: vinagres e cervejas artesanais; enriquecimento do solo por adubação verde.

 

II: Tecnologias: educação e meio ambiente, incluindo projeto eduque de educação ambiental; piradados e ecoethos: jogo didático interativo sobre conservação ambiental; escola verde sobre educação ambiental.

 

III: Tecnologias em habitação e materiais sustentáveis, incluindo o aproveitamento de madeiras caídas para confecção de pequenos objetos; materiais ecológicos sustentáveis; placas de biocompósito para construção civil e de móveis; aproveitamento de galhos para construção de móveis artesanais; aproveitamento de sementes em artesanato; palm-haste para coleta de frutos de palmeiras; buriti para a indústria de cosméticos e produção de farinha; processamento de pescado.

 

IV: Tecnologias em Saúde, prevenção de doenças, incluindo solução de cravo-da-índia e cal e cloro no controle de mosquito da dengue.A palestrante tece detalhes sobre as TS acima esboçadas, esclarecendo alguns detalhes técnicos e o alcance social e econômico de cada uma delas e finaliza lembrando a importância da pesquisa científica estar sempre focada nas demandas sociais.

 

Ao final, comenta alguns questionamentos e posicionamentos dos participantes da reunião, sobretudo quanto às dificuldades ainda encontradas para a replicação e aprimoramento das tecnologias sociais. Por fim, enfatiza o imenso potencial que a TS apresenta para as instituições de pesquisa e ensino, pois ela é um instrumento facilitador e indutor da integração entre demandas sociais e os conhecimentos populares e científicos.

 

Saiba Mais

 

 Tecnologias para inclusão social: experiências contemporâneas do INPA em extensão com foco nas tecnologias sociais

 

 Livros GEEA - Grupo de Estudos Estratégicos Amazônicos

“Festança no Roçado” do Inpa acontece nesta sexta-feira com diversas atrações e comidas típicas

FestaJulina2010INPAAcervoASCOM

O arraial do Inpa é uma festa tradicional que acontece todos os anos, reunindo a comunidade interna e externa

Da Redação - Inpa

          

Nesta sexta-feira (05), a Comissão de Evento do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) promove mais uma edição da tradicional “Festança no Roçado”, a partir das 18h, na Quadra de Esportes do Instituto (Campus I). Comidas e bebidas típicas, brincadeiras, músicas e grupos de dança constam na programação. A Festança é aberta ao público.

Promovido para estreitar laços da comunidade do Inpa (servidores, alunos de pós-graduação, bolsistas, colaboradores e terceirizados), a Festança é uma oportunidade de reunir todos em um momento de confraternização e alegria.

Entre as atrações, cinco já confirmaram presença: Quadrilha Tradicional 7 Quedas, Dança Nordestina Capitão Silvino, Ciranda Força Jovem, Dança Nacional do Café XV de Outubro e Forró Delivery (Pé de Serra).

“Festança no Roçado” do Inpa acontece nesta sexta-feira com diversas atrações e comidas típicas

O arraial do Inpa é uma festa tradicional que acontece todos os anos, reunindo a comunidade interna e externa

Da Redação - Inpa

          

Nesta sexta-feira (05), a Comissão de Evento do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) promove mais uma edição da tradicional “Festança no Roçado”, a partir das 18h, na Quadra de Esportes do Instituto (Campus I). Comidas e bebidas típicas, brincadeiras, músicas e grupos de dança constam na programação. A Festança é aberta ao público.

Promovido para estreitar laços da comunidade do Inpa (servidores, alunos de pós-graduação, bolsistas, colaboradores e terceirizados), a Festança é uma oportunidade de reunir todos em um momento de confraternização e alegria.

Entre as atrações, cinco já confirmaram presença: Quadrilha Tradicional 7 Quedas, Dança Nordestina Capitão Silvino, Ciranda Força Jovem, Dança Nacional do Café XV de Outubro e Forró Delivery (Pé de Serra).