Todos os artigos de Assessoria de Comunicação

Seminários da Amazônia desta quinta debate a “Rede do DNA Barcode de Peixes do Brasil”

O palestrante será o pesquisador Jorge Rabelo

 

Da Redação – Inpa

Banner: Lailla Pontes

 

Com o tema “Caiu na rede é peixe: fatos e perspectivas sobre a Rede do DNA Barcode de Peixes do Brasil”, será realizada nesta quinta-feira (23) a 4ª edição dos Seminários da Amazônia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), às 15h, no Auditório da biblioteca do Instituto. O palestrante será o pesquisador do Inpa, o biólogo com doutorado em biologia de água doce e pesquisa interior Jorge Rebelo.

 

De acordo com Rebelo, nos últimos anos pesquisadores geneticistas de várias partes estão buscando caracterizar todas as espécies de organismos do mundo por meio da padronização do sequenciamento de segmentos específicos do DNA genômico, a fim de determinar “um código de barras genético” ou “DNA barcoding” para cada espécie.

 

Para utilizar a técnica de DNA barcode como ferramenta auxiliar na discriminação de espécies da ictiofauna brasileira, foi criada uma rede científica, coordenada pelo Inpa, entre os anos de 2012-2014. “Aproximadamente 15 grupos de pesquisa se reuniram para gerar códigos de barras genéticos de peixes provenientes do Oceano Atlântico e das bacias de água doce da Amazônia, Tocantins-Araguaia, Paraná-Paraguai, Uruguai, São Francisco e de drenagens da costa atlântica”, contou Rebelo.

 

A ictiofauna brasileira é constituída por aproximadamente 1.220 espécies marinhas e 2.700 de água doce. Nos Seminários da Amazônia, Rebelo apresentará os principais resultados encontrados e os desdobramentos advindos da formação e extinção da rede por falta de recursos públicos, o que acaba comprometendo a integração às iniciativas internacionais de identificação molecular da biodiversidade, particularmente a Iniciativa FISH-BOL (Fish Barcode of Life Initiative).

Inpa capacita jovens de reservas extrativistas como monitores da biodiversidade

A coordenação espera contribuir para que a Resex do Baixo Juruá e a Resex Auati-Paraná se integrem ao Sistema Brasileiro de Monitoramento da Biodiversidade, em implantação no país

 

Da Redação – Inpa

 

O Curso Jovens Monitores da Biodiversidade (Jomobio) chegou a sua terceira edição. Desde 2017 vem capacitando 15 jovens residentes da Reserva Extrativista (Resex) do Baixo Juruá (Juruá), unidade categorizada como de uso sustentável. Neste ano, o Jomobio conta com participação de 12 jovens de comunidades das Reservas Extrativistas do Baixo Juruá (Juruá) e Auati-Paraná (Fonte Boa), sendo sete e cinco, respectivamente.

 

A atividade teve início no dia 14 e segue até a próxima terça-feira (21). Serão realizadas visitas técnicas, atividades de laboratório e campo na Estação Experimental de Manejo Florestal (ZF2). A iniciativa é resultado da participação dos representantes do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) no Conselho Deliberativo da Resex do Baixo Juruá. Também há em vigor um Acordo de Cooperação Técnica com a Associação dos Trabalhadores Rurais de Juruá (Astruj), que são os representantes da Resex do Baixo Juruá.

 

De acordo com o coordenador do curso, o pesquisador do Inpa Adriano Lima, o principal objetivo dessa categoria de unidade de conservação é assegurar os meios de vida e a cultura dessa população, cuja subsistência baseia-se no extrativismo e, complementarmente na agricultura, assegurando o uso sustentável dos recursos naturais da Unidade. “Por isso, mais uma edição do Jomobio estará sendo realizado pelo Laboratório de Manejo Florestal do Inpa, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) com apoio do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) e do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA)”, explicou.

 

O curso abordará a metodologia sobre monitoramento participativo (trilhas) a serem implantadas conforme o protocolo de monitoramento da biodiversidade in situ elaborado pelo ICMBio no âmbito do Projeto Monitoramento da Biodiversidade com Relevância para o Clima em nível de UC. “Esperamos, dessa forma, contribuir para que a Resex do Baixo Juruá e a Resex Auati-Paraná se integrem ao Sistema Brasileiro de Monitoramento da Biodiversidade, em implantação no país”, disse o coordenador do curso.

 

Histórico e Caracterização das Resexs participantes

 

A Resex do Baixo Juruá foi criada 1/08/2001. Está localizada na margem direita do Rio Juruá, nas proximidades do seu encontro com o Rio Solimões. Possui 188.000 hectares de área, 16 comunidades e aproximadamente 625 extrativistas. A região caracteriza-se pela cobertura de floresta tropical densa, da sub-região aluvial da Amazônia, com terraços baixos e planos, sendo encontrados principalmente ambientes de terra firme (88,95%).

 

Desde 2006, a Unidade vem realizando o monitoramento da biodiversidade local, contando principalmente com os moradores que atuam como voluntários. Inicialmente, o monitoramento esteve direcionado à população de pirarucu, visando seu manejo; incluindo posteriormente as populações de quelônios e aves aquáticas.

 

A Resex do Baixo Juruá, desde 2005, está inserida em nossos projetos. Em 2006 foram instaladas 83 parcelas. Desse estudo resultou em três produtos para a elaboração do plano de manejo da Resex; uma dissertação de mestrado. Além disso, são parcelas que fazem parte da rede de inventário florestal contínuo do LMF. Em 2012, com o projeto Dinâmica do Carbono da Floresta Amazônica (Cadaf) novo inventário foi realizado para remedição e instalação de novas parcelas. Resultou em 121 parcelas. Todas foram georreferenciadas. Em 2015 o projeto Pró-Rural implantou três pontos para a elaboração do plano de manejo florestal sustentável em pequena escala. Todas essas ações foram aprovadas pelo Conselho Deliberativo da Resex do Baixo Juruá.

 

A Resex Auati-Paraná foi criada em 07/08/2001, com 16 comunidades (atualmente, 18) e 146.950,82 hectares de área, quase toda várzea, abrangendo os municípios de Fonte Boa, Japurá e Maraã. Com cerca de 400 famílias beneficiárias, a unidade possui Conselho Deliberativo ativo como instrumento de gestão desde 2008. A população tradicional residente na RESEX Auatí-Paraná descende, em sua maioria, de indígenas imigrantes do Peru e de nordestinos que vieram para a Amazônia suprir a demanda de força de trabalho nos seringais.

 

Atualmente, seus moradores sobrevivem da pesca, agricultura e extrativismo em geral, com especial destaque para o manejo sustentável do pirarucu. A ResexAuati-Paraná também faz parte da rede de monitoramento do Laboratório de Manejo Florestal (LMF) do Inpa. As parcelas permanentes e temporárias foram instaladas em 2004 pelo projeto Chichuá (Inventário florestal contínuo em áreas manejadas e não manejadas do estado do Amazonas), financiado pela Fapeam.

Em 2007 foram remedidas e instaladas novas parcelas. Com o projeto Cadaf, em 2012, a área foi novamente visitada, havendo remedição de parcelas e instalação de novas parcelas. Isso caracteriza a relação estabelecida com a comunidade.

Pint of Science leva cientistas para bater papo com o público em bares de Manaus

Biodiversidade Amazônica-Ameaças e Conservação, Inteligência Artificial e Network Science, Mulheres nas Ciências Exatas e Doenças Infecciosas estão entre temas que serão debatidos

 

Da Redação – Inpa

 

De segunda a quarta-feira da próxima semana (20 a 22), os cientistas falarão de suas pesquisas para o público em ambientes informais e descontraídos, como bares e restaurantes. Nascido nos pubs de Londres (Inglaterra), em 2013, o Pint of Science ou "dose de ciência" ganhou o mundo e está na 2ª edição em Manaus.

 

Na capital amazonense, o festival será realizado nos bares Vila Hub e Cent Beer, localizados nos bairros Aleixo e Nossa Senhora das Graças, respectivamente. As atividades acontecem de 19h30 às 21h. A entrada é gratuita. O festival é organizado pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam) com o apoio do Instituo Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

 

Pint of Science  é um evento de divulgação científica que tem como objetivo proporcionar debates interessantes, divertidos e relevantes sobre as pesquisas mais recentes feitas nas instituições locais para a comunidade, com uma linguagem acessível e em ambientes descontraídos. A proposta é que o cientista se comunique diretamente com o público, para que a sociedade saiba que universidades e institutos de pesquisas fazem.

 

Serão seis temas, um por dia em cada bar. Entre eles estão Plantas Alimentícias Não Convencionais (Valdely Kinupp), Inteligência Artificial e Network Science (Carlos Maurício Figueiredo) e Saúde Mental (Luiz Eduardo Fonseca e Karoline Martins).

 

Na quarta-feira (22), o pesquisador do Inpa, o ornitólogo Mario Cohn-Haft, falará com o público sobre Biodiversidade Amazônica – Ameaças e Conservação, junto com Felipe Rossini Cardoso, no Cent Beer, localizado João Valério, 708, Nossa Senhora das Graças.

 

A programação completa do evento está no site oficial https://pintofscience.com.br/events/manaus e no flyer em anexo.

 

“Contamos com a presença de todos para brindarmos juntos a Ciência!”, disse a coordenadora de Capacitação do Inpa e membro da Comissão do Pint of Science Manaus, Beatriz Ronchi.

COMUNICADO – BOLSAS DA PÓS-GRADUAÇÃO

A Direção do INPA, juntamente com a Coordenação de Capacitação do Instituto (COCAP), informa que por meio do ofício 1/2019-GAB/PR/CAPES, de 08/05/2019, a CAPES comunicou o congelamento de bolsas disponíveis no Sistema SAC/CAPES que não estavam em uso no mês de abril de 2019. Das 163 bolsas disponíveis nos nove PPGs do INPA, havia 13 bolsas de Mestrado e 21 de Doutorado disponíveis, as quais foram congeladas. Bolsas vigentes não foram afetadas.

 

Conforme esclarecimento da CAPES, Programas com notas 6 e 7 tiveram suas bolsas descongeladas de imediato e, em havendo descontingenciamento do orçamento do MEC, há perspectivas de descongelamento das demais.

 

A Coordenação de Capacitação do INPA informa ainda que se solidariza com a preocupação de estudantes, orientadores e coordenadores dos PPGs e que permanece em contato permanente com os fóruns representativos das Instituições Públicas buscando articular formas de reverter a decisão que impacta negativamente no desenvolvimento da pesquisa, da tecnologia e da inovação do Brasil.

 

 

A Direção e a COCAP.

Manaus, 15 de maio de 2019.

Amoci e Inpa realizam Conferência Internacional sobre Processos Inovativos na Amazônia

Realizado pelo Arranjo Amoci, o evento mantém o formato de alcance internacional em 2019, com a participação de palestrantes regionais, nacionais e internacionais. Eles são referências nas áreas de propriedade intelectual, transferência de tecnologia, empreendedorismo e inovação

 

Da Redação – Flávia Rosas/ Amoci

 

Com a proposta de abordar as interações entre quem faz ciência e quem capta os resultados obtidos pelas pesquisas para transformar em novos investimentos no país, será realizado nos dias 6 e 7 de junho a 2ª Conferência Internacional sobre Processos Inovativos na Amazônia – Interfaces entre e ICT, empresários e investidores. O evento será realizado no Auditório da Ciência do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC).

A conferência é promovida e organizada pelo Arranjo de Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) da Amazônia Ocidental (Arranjo Amoci). Com sede no Inpa, o Amoci é composto por 23 integrantes, entre instituições de ensino e pesquisa públicas e privadas, fundações e incubadoras de empresas localizadas nos estados do Amazonas, Acre, Roraima e Rondônia.

“Nosso objetivo com a Conferência é capacitar os integrantes do Amoci na cultura e prática da propriedade intelectual, transferência de tecnologias, empreendedorismo e inovação no âmbito as instituições públicas e privadas de ensino e pesquisa da Amazônia”, disse a coordenadora do Arranjo Amoci, a economista com mestrado em propriedade intelectual e inovação Noélia Falcão, que também é coordenadora de Extensão Tecnológica e Inovação do Inpa e Diretorade Comunicação do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (Fortec).

Inscrições

O evento é gratuito e será realizado das 8h às 18h, nos dois dias. Também haverá entrega de certificado aos participantes de acordo com os dias de participação no evento. As inscrições podem ser feitas no link: http://arranjoamoci.org/2-conferenciainternacional

Programação

Em 2019, a Conferência contará com a presença do titular da Secretaria de Unidades Vinculadas do MCTIC, Lorenzo J. E. Cuadros Justo Júnior, que fará a palestra magna, no dia 6 de junho, às 9h, com o tema “Um ano de Decreto Regulamentador: O que mudou?”.

De acordo com a programação, nas palestras, mesas redondas e painéis serão apresentados diversos temas envolvendo, como Propriedade Intelectual, Biotecnologia e Transferência de Tecnologia, com palestrantes nacionais: MSc. Shirley Coutinho, que é presidente do Fortec; o Dr. Alexandre Vasconcellos, do INPI; e a Diretora do Inpa, Antonia Franco; e internacionais, como o Dr. Camilo Ansarah, da Universidade do Sul da Califórnia.

Também terá participação no evento a Procuradoria – Dr. Juliano Scherner Rossi – e a Advocacia Geral da União-AM – Raimundo Rômulo, indicando as boas práticas para a realização da transferência de tecnologia.

O primeiro dia ainda conta com uma palestra sobre um tema atual: a Inovação Frugal, responsável por tornar produtos e serviços mais simples e mais baratos, fazendo com que eles sejam acessíveis a um grupo maior de consumidores, que será abordada pelo Dr. André Moraes, da Univali/SC.

Café com Inovação

No dia 07 de junho, segundo e último dia do evento, acontecerá pela parte da manhã, a segunda edição do Café com Inovação de 2019, a Edição Laranja, que terá como tema “Valoração e Precificação de Tecnologias” e será ministrada por Daniel Elói – da PRIS, empresa que promove cursos em várias áreas de atuação como Propriedade Intelectual, Incentivos, Finanças e Tributos.

Na parte da tarde, haverá uma apresentação institucional do PROFNIT – programa de mestrado profissional do Fortec, além de um momento de Pitch com empresas que divulgarão seus modelos de negócios.

A Agenda Mundial 2030, da ONU, será abordada em uma mesa redonda que terá como mediadora a subsecretária da Semtepi, Larisse Carvalho, além dos representantes da Fabriq (Fredson Encarnação), Instituto Certi (Marcos Da-Ré) e Lorena San Román do Centro Agronómico Tropical de Investigación y Enseñanza (Catie), da Costa Rica.

Josivaldo Modesto, do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, falará sobre a valoração e importância do pirarucu – o gigante da Amazônia; e Wildney Mourão da Fundação Amazonas Sustentável abordará sobre a Farinha Ribeirinha, produto que possui registro de Indicação Geográfica e é produzido por pequenos produtores de Uarini/AM.

O evento ainda contará com estandes de empresas selecionadas, que irão divulgar seus produtos e serviços, além de um coquetel de encerramento ao final do segundo dia.

Sobre os Arranjos

Os Arranjos de Núcleos de Inovação Tecnológica (NIT) foram criados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para “operar em forma de rede colaborativa, e otimizar e compartilhar recursos, disseminar boas práticas de gestão da inovação e de proteção à propriedade intelectual e transferência de tecnologia”.

Serviço:

O que: 2ª Conferência Internacional sobre Processos Inovativos na Amazônia: Interfaces entre ICT, empresários e investidores

Quando: 06 e 07 de junho de 2019

Onde: Auditório do Bosque da Ciência/INPA, entrada pela Av. André Araújo, 2936 - Aleixo.

Site Oficial: arranjoamoci.org/

Facebook: www.facebook.com/arranjoamoci/

Inscrições: arranjoamoci.org/2-conferenciainternacional

Vera da Silva é 1ª mulher das Américas membro honorário da Society for Marine Mammalogy

A pesquisadora do Inpa, que é coordenadora do Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia, patrocinado pela Petrobras, é a primeira mulher das Américas a receber o título de membro honorário da Society for Marine Mammalogy, a maior organização internacional especialista em mamíferos aquáticos do mundo

Por Fernanda Farias – Ascom Ampa
Siga @ampa_peixeboi

Os membros da Society for Marine Mammalogy, após votação, elegeram a pesquisadora Vera da Silva como membro honorário da ‘Sociedade’, pelo reconhecimento a sua carreira científica em prol da conservação dos mamíferos aquáticos. A bióloga é coordenadora do Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia e pesquisadora sênior do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC).

A nomeação aconteceu neste mês e também elegeu o pesquisador americano da Universidade do Texas Bernd Würsig, um dos primeiros a escrever sobre o reconhecimento individual de golfinhos por marcas naturais em suas nadadeiras dorsais.

Segundo nota de agradecimento aos novos membros, a Society for Marine Mammalogy afirma que a votação levou em conta as características de cada pesquisador, como o pioneirismo em métodos de pesquisa, além do serviço prestado à comunidade científica e o aprimoramento das pesquisas para lidar com as questões críticas no que diz respeito à conservação dos mamíferos aquáticos.

Para a pesquisadora Vera da Silva, doutora em Ecologia e Reprodução de Mamíferos pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido, ser nomeada membro honorário da ‘Sociedade’ é o reconhecimento internacional das pesquisas que realiza com os peixes-bois e os golfinhos da Amazônia.

“Eu me senti muito honrada pelo reconhecimento das minhas pesquisas com os mamíferos aquáticos da Amazônia. Para mim, receber esse prestigioso título dos meus colegas pesquisadores que estão há muito tempo nesta área é uma satisfação enorme”, comenta a coordenadora do Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia, executado pela Associação Amigos do Peixe-boi (Ampa) em parceria com o Inpa.

Sobre a pesquisadora Vera da Silva

Vera da Silva é pesquisadora do Inpa desde 1981, onde exerce função de coordenadora do Laboratório de Mamíferos Aquáticos (LMA). “No laboratório desenvolvemos pesquisas com ênfase na Biologia e Conservação dos Mamíferos Aquáticos da Amazônia, em parceria com a Ampa e a Petrobras, que é a patrocinadora oficial do Projeto Mamíferos Aquáticos da Amazônia”, conta a coordenadora do projeto.

A pesquisadora, graduada em biologia pela Universidade de Brasília (UNB) e mestre pelo Inpa, trabalha com os botos e peixes-bois da Amazônia há cerca de 40 anos. Com os estudos de mais de 25 anos na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, a bióloga junto com diversos colaboradores, gerou o maior volume de conhecimento existente sobre os golfinhos da Amazônia.

Vera da Silva também coordena o Projeto peixe-boi da Amazônia, que envolve o resgate e a reabilitaçãode filhotes, a adaptação à vida selvagem e a reintrodução no ambiente natural. “Esses dois projetos, com a orientação de jovens cientistas, ocuparam a minha vida de bióloga na Amazônia”, comenta a coordenadora, que também está a frente do Projeto Museu na Floresta, cuja missão é contribuir para a conservação da biodiversidade da Amazônia, oferecendo suporte não só para a pesquisa, mas também para atividades de educação ambiental e ecoturismo.

Society for Marine Mammalogy

A Sociedade Internacional de Mammalogia Marinha (SMM) foi fundada em 1981 e reúne mais de 2.000 especialistas, que também atuam como decisores políticos e gestores. A organização tem como principal missão promover o avanço global da ciência de mamíferos marinhos e contribuir para a relevância e impacto na educação, conservação e gestão, além de atuar ativamente na construção de políticas públicas para questões ambientais.

COMUNICADO

A Direção do INPA informa que o contingenciamento de 25% da Lei Orçamentária Anual (LOA) programado para todas as Unidades de Pesquisa (UPs) do MCTIC foi descontingenciado no mesmo valor no dia 8 de maio de 2019. Devido à realidade orçamentária atual, o INPA está revisando seus contratos de modo a cumprir as metas previstas no TCG.

O INPA agradece o empenho do Sr. Ministro Marcos Pontes e de sua equipe por essa reversão e pelo esforço que vem sendo feito em prol da Ciência.

A Direção também esclarece que qualquer informe feito em nome do INPA referente a este assunto sem a prévia chancela institucional deve ser desconsiderado.

 

 

A Direção.

 

 

 

Semana da Qualidade de Vida do Inpa “Tripé da Vida Saudável” começa nesta terça-feira

O tema deste ano é o “Tripé da Vida Saudável: Sono, Alimentação e Movimento”

Da Redação – Inpa

De terça até sábado desta semana (14 a 18) acontece a V Semana da Qualidade de Vida do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), que tem como tema o “Tripé da Vida Saudável: Sono, Alimentação e Movimento”. A abertura será às 14h, no Auditório da Biblioteca (Campus I), com uma mesa redonda sobre o tema do evento.

 

A mesa será composta pela nustricionista Kaori Nozawa, que falará sobre alimentação saudável, e as fisioterapeutas Renata Mansur e Luciane Andrade, que detalharão vários aspectos relacionados ao distúrbio do sono. O jornalista esportivo Eduardo Monteiro completa a mesa falando sobre a importância do movimento.

 

 

O objetivo da Semana é promover ações de bem-estar e que estimulem a comunidade do Inpa a exercer hábitos saudáveis para obter uma melhor qualidade de vida. Torneios, oficinas e Ecocaminhada também constam na programação. Agora só as vagas para os torneios.

 

Ainda na tarde desta terça-feira, às 16h, haverá a entrega de camisas aos inscritos da Ecocaminhada, no salão da biblioteca. A Ecocaminhada acontecerá no sábado (18), às 8h, com um percurso agradável e instigante pelo Bosque da Ciência. Ao fim da atividade, haverá um lanche com frutos e sucos regionais.

 

Quem não conseguiu se inscrever para a Ecocaminhada pelo site do Programa de Qualidade de Vida (vagas esgotadas com camisa) poderá participar dessa manhã de lazer sem problema algum, a diferença é que não ganhará a camisa.

 

A concentração da Ecocaminhada será às 7h30, na portaria Av. André Araújo. O ingresso será 1 kg de alimento não perecível e/ou uma fruta

A Semana de Qualidade de Vida conta com o patrocínio da Fipecq Vida e apoio dos parceiros Sonoar, Lílian Daniel Health, Maely Malhas e Associação dos Servidores do INPA (Assinpa).

 

Confira a programação

Mais informações sobre a programação e inscrições da V Semana de Qualidade de Vida, acesse o link: https://www.sympla.com.br/v-semana-de-qualidade-de-vida-do-inpa__496609

Homenagens e diversão marcam a comemoração do Dia das Mães do Inpa

A Confraternização contou com bingo das qualidades das Mães, brindes e um coquetel

 

Da Redação – Inpa

Fotos: Cimone Barros

 

Com homenagens, brincadeiras e muita diversão, o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) comemorou o Dia das Mães, na tarde da última sexta-feira (10). Servidoras, colaboradoras, estagiárias, bolsistas e terceirizadas participaram das atividades organizadas pela Comissão de Eventos, nas dependências da Biblioteca do Instituto.

 

Na oportunidade, a diretora Antonia Franco, recitou poesias em homenagem a mãe Josélia, conhecida como Cotinha, de 89 anos que mora com ela, e com as quais também homenageou todas as mães. “Mãe não é só a biológica, é também aquela que adota, que é amiga, que no trabalho ajuda as outras pessoas; é ter muita energia, força e amor pelo próximo. Parabéns a todas as mães!”, disse Franco, que é mãe de dois rapazes.

 

Quem também aproveitou a ocasião para homenagear a sua mãe foi Silvia Bravo, servidora da Eletrobras cedida para o Inpa. A mãe, Deusa Bravo, de 79 anos e mãe de sete filhos, é aposentada pela empresa. “Minha mãe sente falta dos encontros do trabalho, das confraternizações. E como eu sabia que ela queria uma festa de empresa e não em casa, procuramos a organização para que a gente pudesse comemorar o Dia das Mães com ela aqui no Inpa”, contou Silvia.

 

A Confraternização contou com o bingo das qualidades das mamães, brindes e um coquetel. A funcionária da empresa de conservação e limpeza do Inpa Araci Andrade, 41, foi agraciada com um brinde por ser no evento a servidora com o maior número de filhos. Andrade tem cinco filhos, a mais velha tem 23 e a caçula um ano e oito meses.

 

“A gente luta diariamente e passa o dia fora trabalhando para dar o melhor para os nossos filhos: estudo, casa, amor. E quando a gente chega em casa e é recebida com um sorriso e um abraço fica tão feliz”, revelou Andrade.

Prazo de inscrições da seleção do Mestrado em Agricultura no Tópico Úmido é prorrogado

Os candidatos ganharam cinco dias a mais para se inscrever no processo. Novo prazo encerra na quarta-feira (15)

 

Da Redação - Inpa

Banner: Lailla Pontes

 

O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) prorrogou por mais cinco dias o prazo de inscrição do processo seletivo para o Programa de Pós-Graduação em Agricultura no Trópico Úmido (PPG-ATU), em nível de mestrado. São oferecidas 15 vagas para o ingresso em agosto deste ano.

 

As inscrições começaram no dia 08 de abril e segue até 15 de maio. O prazo anterior encerrava nesta sexta-feira (10). Os interessados devem realizar as inscrições na Secretaria Adjunta da Pós-Graduação do Inpa, no campus III – Inpa, localizada na Av. Ephigênio Salles, 2239 (acesso pela Av. da Lua s/n Conjunto Morada do Sol), CEP: 69083-000, Aleixo. Os candidatos têm a opção de enviar os documentos de inscrição digitalizados em formato PDF, para o e-mail: selecaoppgatu@gmail.com.

 

A prova de conhecimento será realizada no dia 18 de junho, às 08h30, com duração de quatro horas. A avaliação de suficiência em língua inglesa acontecerá às 15h do mesmo dia, com duração de duas (2) horas.

 

Para os candidatos não residentes em Manaus, a comissão de seleção pode considerar a possibilidade de realizar as provas nas mesmas datas e horários das realizadas em Manaus. Os interessados devem se manifestar até o dia 30/04/2019, através de uma mensagem para o e-mail selecaoppgatu@gmail.com, com o assunto “Prova seleção PPG-ATU outra localidade”. Os locais das provas serão definidos conforme a localidade da residência dos selecionados.

 

O processo seletivo constará com cinco fases, sendo respectivamente: análise documental da inscrição, prova escrita de conhecimento, prova de suficiência em língua inglesa, todas eliminatórias. As outras duas são análise curricular e classificação em ordem decrescente, que são fases classificatórias.

 

Os candidatos aprovados terão até o dia 23 de Julho de 2019 para realizar a matrícula. Caso haja desistência, a vaga será preenchida por outro candidato aprovado, conforme a ordem de classificação obtida na avaliação, respeitando-se as notas mínimas exigidas nas provas. Se houver novas disponibilidades de orientação, poderão ser abertas vagas adicionais, destinadas aos candidatos que tenham ficado em lista de espera.

 

A finalidade do PPG-ATU é qualificar profissionais capazes de contribuir para o desenvolvimento da agricultura sustentável e a melhoria da qualidade de vida dos habitantes da Amazônia.

 

Errata II - EDITAL INPA/COCAP Nº 013/2019-

                                 

Edital INPA/COCAP 013/2019