Fiocruz Amazônia recebe “Vampirão” durante campanha de doação de sangue

Nesta quinta-feira, 12/9, o Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/ Fiocruz Amazônia) recebeu na Praça Sergio Arouca, a presença do Vampirão – unidade móvel da Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam). Servidores, pesquisadores, bolsitas e colaboradores participaram da atividade coordenada pelo Laboratório Território, Ambiente, Saúde e Sustentabilidade (LTASS/ Fiocruz Amazônia) em parceria com o Hemoam.

MANTER OS ESTOQUES

A campanha tem o objetivo de colaborar com a manutenção dos estoques de sangue da Fundação, que atende toda a rede de saúde pública e privada da capital e interior do Amazonas e, no período do Carnaval, costuma registrar aumento de demanda.

O sangue doado ajuda pessoas que necessitam repor o sangue perdido em cirurgias, hemorragias ou acidentes. Há, ainda, as que necessitam receber sangue regularmente, como é o caso dos pacientes, incluindo crianças e adolescentes, que sofrem de câncer no sangue (leucemia e linfoma) e os portadores de anemias graves e hemofilia.

O sangue não pode ser produzido artificialmente. Quando uma pessoa precisa de uma transfusão, por exemplo, pode contar apenas com a solidariedade das pessoas que ajudam a manter os estoques dos bancos de sangue para atender esse tipo de demanda e salvar vidas.

ORIENTAÇÕES

De acordo com as orientações da Fundação Hemoam, qualquer pessoa com boa saúde, idade entre 18 e 67 anos e peso a partir de 50 quilos pode ser doador. Mas não podem doar sangue pessoas que tiveram hepatite depois dos 11 anos de idade; usuários de drogas; pessoas com comportamento sexual de risco; quem teve malária, recebeu transfusão sanguínea ou teve doenças sexualmente transmissíveis nos últimos 12 meses; e quem teve febre nos últimos 30 dias da data da doação.

Antes de doar sangue, o voluntário precisa dormir bem na noite anterior à doação (no mínimo 6 horas). A sessão de coleta do sangue dura cerca de 10 minutos.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes
Fotos: Eduardo Gomes

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *