Adaf apreende mais de 11 toneladas de alimentos impróprios para consumo humano, em Manaus

A Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf), em parceria com o Comando de Policiamento Ambiental da Polícia Militar (CPAMB), por meio do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPAMB), e a Polícia Rodoviária Federal (PRF), apreendeu, durante esta semana, aproximadamente 11,7 toneladas de alimentos impróprios para o consumo humano, em Manaus. A [...]



(Feed generated with FetchRSS)

FVS realiza supervisão e acompanhamento das atividades do Programa Vigiagua em Barreirinha e…

Os municípios de Barreirinha e Parintins vão receber, de 22 a 26 de abril, a supervisão e acompanhamento das atividades no Programa de Vigilância da Água de Consumo Humano (Vigiagua), realizado pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), por meio da Gerência de Riscos não Biológicos (GRNB). A ação faz parte do calendário [...]



(Feed generated with FetchRSS)

Amazonas e Acre unem forças para zerar filas de pacientes à espera de cirurgias em municípios na…

 Saúde foi um dos temas discutidos em uma reunião que o governador Wilson Lima teve nesta quinta-feira (18/04) com o governador do Acre, Gladson Cameli. O encontro foi na sede do Governo do Amazonas, na Compensa 2, zona oeste de Manaus.  O governador Wilson Lima reuniu o secretário de saúde, Rodrigo Tobias, o presidente da [...]



(Feed generated with FetchRSS)

Aluno indígena da UEA aplica técnicas de engenharia a ritual da Tucandeira

Técnicas de engenharia na aldeia aliam a resistência das tradições à padronização dos processos O projeto de extensão do Curso de Engenharia de Produção da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) intitulado “Construção de saberes na organização do trabalho em ritual indígena” propõe garantir a valorização cultural do ritual de iniciação masculina realizado na comunidade [...]



(Feed generated with FetchRSS)

UEA promove palestra de Marketing Digital para comunidade acadêmica

Publicitário Felipe Martins comandará a palestra “Impactos do Marketing Digital no Brasil”   A Universidade do Estado do Amazonas (UEA), por meio da Agência de Inovação (Agin) e da Incubadora de Empresas da UEA (IN/UEA) promoverão duas palestras comandadas pelo publicitário Felipe Martins. A palestra “Impactos do Marketing Digital no Brasil” acontece na segunda-feira (22/4), [...]



(Feed generated with FetchRSS)

Educador indígena lança livro sobre a vida Munduruku

Professor da Seduc-AM mistura realidade e ficção em romance ambientado em aldeia indígena no interior do Amazonas   Resistir para existir é o grito de guerra dos povos indígenas, cuja data é celebrada nessa sexta-feira (19/4). E foi usando a escrita para reafirmar a necessidade de resistência que o professor da rede pública estadual, o [...]



(Feed generated with FetchRSS)

Idam incentiva produção de povos indígenas

Entre os objetivos do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) para este ano está o incentivo para que agricultores familiares e produtores rurais indígenas possam vender sua produção agropecuária para o Programa Nacional de Alimentação Escolar da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (PNAE/Seduc), em uma [...]



(Feed generated with FetchRSS)

Sono, Alimentação e Movimento são focos da Semana de Qualidade de Vida do Inpa

Evento voltado para a comunidade do Inpa terá mesa redonda, palestra, oficinas, exposições e a tradicional Ecocaminhada. Torneios paralelos também constam na programação. Programação e inscrições clique aqui

 

Da Redação – Inpa*

Banner: Rodrigo Verçosa – Editora Inpa

 

Com o tema “Tripé da Vida Saudável: Sono, Alimentação e Movimento”, a V Semana de Qualidade de Vida dos Servidores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) vai orientar e alertar a comunidade sobre a influência e importância desses três pilares na busca de uma vida saudável. O evento acontecerá no período de 14 a 18 de maio (terça a sábado) no Instituto.

 

A Semana de Qualidade de Vida faz parte do Programa Qualidade de Vida (PQV), iniciado em março de 2014, com o objetivo de promover ações de bem-estar e que estimulem a comunidade do Inpa a exercer hábitos saudáveis a fim de obter uma melhor qualidade de vida.

 

Um dos objetivos do tema deste ano é alertar sobre sintomas, diagnóstico e tratamento dos distúrbios do sono. De acordo com informações da Associação Brasileira do Sono, divulgadas pelo Correio Braziliense em 2017, 36,5% dos brasileiros dormem mal. Conforme o matutino, “muita gente perde o sono pensando nele. Há quem durma três horas e se sinta satisfeito. Os que têm poucas horas querem mais cinco minutos todas as manhãs. E existem aqueles que não dormem. Dorme-se pouco em troca de trabalho, estudo, ascensão financeira e tantos outros motivos. A sociedade parou de valorizar o sono como um componente da qualidade de vida e se priva dele”.

 

SemanaQV 2019INPAVercosa

 

De acordo com as fisioterapeutas Renata Mansur e Luciane Andrade, da empresa Sonoar, um dos distúrbios que mais preocupa é a apneia do sono. As profissionais participarão de uma Mesa Redonda para esclarecer dúvidas sobre o sono, no dia 14 de maio, às 14h, no Auditório da Biblioteca do Inpa.

 

“Se você acorda muitas vezes durante a noite e tem se sentido cansado durante o dia, isso pode ser um dos sinais da apneia do sono, um distúrbio que faz com que o indivíduo pare de respirar várias vezes enquanto dorme”, explicou Mansur.

 

Outro sinal mais comum da apneia é o ronco, causado pelo estreitamento das vias aéreas durante o sono, por conta da posição em que o indivíduo dorme ou pelo relaxamento dos músculos da garganta. “Outros sinais podem ser dor de cabeça, irritabilidade e ganho de peso”, contou Andrade.

 

Também participarão do debate o jornalista esportivo Eduardo Monteiro de Paula, que falará sobre Movimento, um dos pilares do tema da Semana, e, ainda, a nutricionista clínica Dra. Kaori Nozawa, que falará sobre o pilar alimentação saudável.

 

Segundo a presidente da Comissão de Qualidade de Vida e Coordenadora de Gestão de Pessoas do Inpa, Carolina Maia, o tema foi escolhido por ser fundamental para o bem-estar físico do ser humano. “Se algum deles falta, dificilmente o indivíduo conseguirá ter bem-estar”, disse.

 

A alimentação e a atividade física já foram tratadas em outras edições da Semana de Qualidade de Vida, mas esta é a primeira vez que o sono será tema. “Muitas pessoas acham que tiveram uma boa noite de sono, mas nem se dão conta de que seu corpo não conseguiu descansar de verdade. Elas tiveram o sono interrompido durante a noite e nem perceberam. Isso traz prejuízos não só ao trabalho, mas à vida pessoal também”, afirma Carolina Maia.

 

Ecocaminhada17FotoCimoneBarros

 

Oficinas

 

Durante a programação da V Semana de Qualidade de Vida serão ministradas Oficinas, Palestra e Exposição gratuitas, aberta à comunidade do Instituto:

  • Oficina 1 - “Uso do poder mental para uma vida mais saudável e produtiva” com o pesquisador do Inpa, Dr. Luiz Antonio Oliveira;
  • Oficina 2 - “Uso de Plantas Medicinais para Atenção Primaria da Saúde” com o pesquisador do Inpa, Dr. Juan Revilla;
  • Oficina 3 - “Fermentação Lática na Produção de Iogurte”, com a Universidade Federal do Amazonas (Ufam);
  • Oficina 4 - “Jardim Sensorial” com o servidor técnico do Inpa e Eng. Agrônomo Gário Florêncio.

Também consta na programação a exposição “O que há por trás dos rótulos?”, que mostrará alguns produtos alimentícios com suas respectivas quantidades de açúcar, sal e gorduras, e orientações de como entender os rótulos. A exposição contará com a participação de alunos do curso de Nutrição da faculdade Uninorte e será complemento da palestra “Alimentos ultraprocessados versus In Natura: dicas para vencer esta batalha nos dias de hoje”, com a pesquisadora e nutricionista do Instituto Dra. Dionísia Nagahama, que esclarecerá informações contidas nos rótulos de alimentos e apresentará aplicativos gratuitos que comparam produtos em relação a nutrientes.

A ideia é tornar as oficinas uma ação continuada após a V Semana, com potencial para ocorrer de forma mensal com temas variados que incentivem os servidores na busca de fatores que auxiliem na melhoria de sua qualidade de vida.

 

A programação seguirá em paralelo com os Torneios de dominó, tênis de mesa, sinuca e futebol, que teve grande adesão pelos servidores na edição anterior. No torneio de futebol deste ano haverá as modalidades masculino e feminino e será realizado no clube da Associação dos Servidores do Inpa (Assinpa).

 

EcoCaminhada

 

A EcoCaminhada encerrará o evento no dia 18 de maio, a partir das 8h, e contará com a participação da equipe da preparadora física Lílian Daniel, que animará o evento com aulas de zumba. A personal ressalta sobre os benefícios da prática de exercícios.

 

“A importância da atividade física não está vinculada apenas a ter um corpo bonito, é questão de saúde! Com a atividade você consegue eliminar toxinas, acelera o metabolismo, oxigena o cérebro, melhorando com isso a mentalidade, eliminando o sedentarismo, transtorno de ansiedade e depressão e muitos outros benefícios”.

 

A Semana de Qualidade de Vida conta com o patrocínio da Fipecq Vida e apoio dos parceiros Sonoar, Lílian Daniel Health, Maely Malhas e Associação dos Servidores do INPA (Assinpa).

 

Inscrições

 

Mais informações sobre a programação e inscrições da V Semana de Qualidade de Vida, acesse o link: https://www.sympla.com.br/v-semana-de-qualidade-de-vida-do-inpa__496609

 

*Informações da Coordenação da Semana de Qualidade de Vida do Inpa

Represas andinas planejadas para Peru e Bolívia ameaçam ecossistema fluvial da Amazônia

Assunto foi discutido na 1ª edição dos Seminários da Amazônia 2019. Evento científico acontecerá quinzenalmente às quintas-feiras, às 15h, no auditório da biblioteca do Inpa. Próximo será dia 25 de abril, com o pesquisador Charles Clement

Por Cimone Barros – Inpa

Fotos: Cimone Barros

Seis hidrelétricas planejadas para serem construídas nos maiores rios saindo das montanhas andinas no Peru e na Bolívia são consideradas a maior ameaça ao ecossistema fluvial amazônico. A conclusão é do cientista do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA/MCTIC), o biólogo com doutorado em ecologia Bruce Forsberg. O assunto foi debatido na estreia dos Seminários da Amazônia, que retornaram com nova roupagem após seis anos.

As montanhas andinas são fonte da maior parte de nutrientes e sedimentos que banham as várzeas dos rios da Amazônia, chegando até o final onde são depositados numa área chamada de delta, no final do rio Amazonas, desembocando no mar. Essas barragens novas ameaçam cortar esse fluxo.

Das seis hidrelétricas, quatro serão construídas no Peru (TAM 40, no Rio Ucayali; Pongo de Aguirre, no Rio Huallaga; Pongo de Manseriche, no Rio Maranon e Inambari, no Rio Inambari) e duas na Bolívia (Agosto Del Bala, no Rio Beni; e Rositas, no Rio Grande). Juntas devem produzir 10.000 megawatts e a maioria será construída em parceria com Brasil.

Impactos

De acordo com Forsberg, os impactos ambientais dessas hidrelétricas serão muito maiores no Brasil do que noPeru e Bolívia. “Esses reservatórios vão barrar o fluxo dos sedimentos e nutrientes Andinos, que sustentam a produção pesqueira e agrícola das várzeas, que alimenta nossos ribeirinhos”, afirmou Forsberg, que é especialista em ecossistemas fluviais.

Além da redução de quase 70% no fluxo de sedimentos e nutrientes que abastecem os rios da região e o delta do rio Amazonas, o pulso de inundação (subida e descida do nível do rio) será diminuído, causando impacto sobre a flora das várzeas e sobre os peixes que dependem dessa flora para sua alimentação e reprodução.

Outro impacto importante é sobre o mercúrio nos rios, com contaminação prevista acima e abaixo das novas barragens, especialmente no peixe que será consumido pelas populações nessas regiões. O mercúrio é um metal tóxico e pode trazer problemas de saúde quando encontrado em concentrações muito altas no organismo, comprometendo o sistema neurológico, podendo causar tremores nas mãos e dificuldade motora, causando até a morte em casos extremos.

Metilmercúrio

Segundo Forsberg, o mercúrio está presente naturalmente nos rios da Amazônia, que tem solos ricos com esse metal, porém está presente principalmente na forma inorgânica, apresentando pouco risco para os seres humanos. O garimpo de ouro também contribui para o mercúrio nos rios, mas não é a fonte predominante.

O mercúrio só apresenta riscos à saúde humana quando é transformado na forma orgânica, Metilmercúrio. Isso aconteça nos reservatórios quando a floresta da terra firme é alagada e entra em decomposição, tirando o oxigênio da água e promovendo a transformação do mercúrio inorgânico em metilmercúrio. “Uma vez formado, o metilmercúrio acumula na cadeia alimentar, contaminando o peixe e o povo que come esse peixe. Esse impacto é sentido tanto no reservatório quanto no rio à jusante”, explicou o pesquisador.

Esse problema foi verificado no reservatório de Balbina, em Presidente Figueiredo-AM, fechado em 1988. Durante os primeiros dez anos, os níveis de mercúrio no tucunaré e nos cabelos de mulheres que consumiam esse peixe aumentaram muito. O nível em cabelos chegou a um valor considerado perigoso para mulher grávida ( 7,5 partes por milhão - ppm), depois começou a cair (5 ppm, hoje), mas ainda não voltou ao nível original . A Organização Mundial de Saúde (OMS) sugere um valor máximo de 6 ppm de mercúrio em cabelos das mulheres lactantes.

As usinas hidrelétricas também vão aumentar as emissões regionais de gases de efeito estufa (CO2 e metano), que são contabilizados pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e outras organizações globais.

Enfrentamento

Para enfrentar a situação, Forsberg sugere que os pesquisadores trabalhem em conjunto, de forma transdisciplinar, em colaborações transnacionais, envolvendo parceiros governamentais e não governamentais de todos os países envolvidos.

“Se queremos ter impacto, não adianta só fazermos nossas pesquisas, teses, artigos. Temos de levar essas informações para os governantes, para a sociedade, para criar consciência e ações efetivas sobre esses problemas”, disse Forsberg. “E vamos começar a falar sobre alternativas, outras matrizes, como a solar, que está com o custo por megawatt já quase chegando ao mesmo patamar do megawatt produzido por hidrelétrica”, ressaltou o pesquisador.

Segundo Forsberg, os projetos das hidrelétricas estão parados, especialmente por problemas de corrupção, mas a qualquer momento os governos e construtoras podem retomar os planos. O motivo é que os reservatórios estão previstos para serem construídos em “gargantas profundas”, em montanha com rio grande passando, que dá garantia de grande produção energética, porém com significativos impactos socioambientais que não foram levados em consideração.

Seminários

Realizado de 1976 a 2013, os Seminários da Amazônia voltam com a proposta de discutir temas de ponta da pesquisa científica do mundo e da Amazônia, com temas provocativos e que estimulam a discussão e o aprendizado.

Agora o tradicional evento científico do Inpa acontece quinzenalmente às quintas-feiras, às 15h, no Auditório da Biblioteca, na Av. André Araújo, 2.936, Petrópolis, zona Sul de Manaus. É gratuito e aberto à comunidade. A 2ª edição será no dia 25 de abril com o também palestrante da casa, o pesquisador Charles Clement, que falará sobre “Dez mil anos de domesticação da Amazônia”.

“Essa é uma excelente iniciativa. Aqui é uma casa de fazer ciência, com excelentes profissionais e linhas de pesquisa que são importantes não só na pesquisa básica, mas também ao mundo, aos ecossistemas, à vida, como foi tratado na palestra do Bruce”, destacou a diretora do Inpa, a pesquisadora Antonia Franco.

Promovido pela Coordenação de Extensão, os Seminários da Amazônia tem na liderança da Comissão Organizadora as pesquisadoras Rita Mesquita e Cristina Cox Fernandes. “Estamos muito felizes de resgatar os Seminários da Amazônia, um espaço de conversa e discussão com temas provocativos sobre a ciência, especialmente a que o Inpa faz. Isso é emocionante e um momento histórico”, destacou Mesquita.