Estudo avalia adequação da assistência farmacêutica no Brasil

A assistência farmacêutica faz parte das ações e serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) e busca garantir o acesso da população a medicamentos de forma qualificada. Um estudo realizado por Orácio Carvalho Ribeiro Júnior, mestrando do Programa de Pós-Graduação em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA), do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), avaliou a adequação da assistência farmacêutica em unidades básicas de saúde (UBS) do Brasil, com foco nos aspectos da infraestrutura dos ambientes de farmácia e na disponibilidade de medicamentos componentes da farmácia básica.

“Avaliação da assistência farmacêutica na atenção básica da saúde no brasil com base no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB)” é o título da dissertação defendida por Orácio, sob a orientação da professora doutora, Ana Cyra dos Santos Lucas e coorientação da professora doutora, Rosana Cristina Pereira Parente.

METODOLOGIA

“Foi realizado um estudo transversal, do tipo avaliação normativa com os dados da avaliação externa do segundo ciclo da Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB), coletados em 2014. Para a análise foram selecionadas 17.902 (74,4%) das 24.055 UBS que participaram do segundo ciclo do PMAQ-AB, 3.758 (67,5%) dos 5.570 municípios do Brasil, distribuídos nos 26 Estados e o Distrito Federal. O critério de inclusão para a composição da amostra estudada, foi a unidade possuir dispensação de medicamentos descentralizada”, explicou o mestrando.

Como critério de adequabilidade para a infraestrutura foram estabelecidos os critérios presentes nas diretrizes para estruturação das farmácias no SUS. Já para a disponibilidade de medicamentos utilizou-se o padrão estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que preconiza uma disponibilidade maior ou igual a 80% como ideal para atender as necessidades de saúde da população

Para analisar a adequação, foram consideradas características demográficas e indicadores de saúde dos municípios do país, como: região geopolítica, porte populacional, índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) e Cobertura da Estratégia Saúde da Família (ESF); e, posteriormente, foram realizadas associações dessas variáveis com a adequação da assistência farmacêutica das unidades básicas.

RESULTADOS

Os resultados mostram que tanto na infraestrutura, quanto na disponibilidade de medicamentos, com exceção de alguns itens e algumas classes de medicamentos, os percentuais de UBS brasileiras adequadas foram baixos. Segundo o estudo, no Brasil, apenas 0,28% das UBS foram classificadas como adequadas na avaliação global.

Quanto a infraestrutura dos serviços de farmácia e disponibilidade de medicamentos, os percentuais de adequação no país foram de 1,8% e 5,0% respectivamente. Na análise por regiões geopolíticas foram observadas grandes desigualdades quanto aos perfis de adequação, com os melhores desempenhos para as regiões sul e sudeste do Brasil.

A pesquisa encontrou os melhores desempenhos nas unidades situadas em municípios de alto porte populacional, exceto a infraestrutura que foi melhor em municípios de pequeno porte, e alto IDHM, e baixa cobertura de estratégia de saúde da família.

 “Foram evidenciadas importantes disparidades entre as regiões geopolíticas quanto à disponibilidade da infraestrutura e de medicamentos, mostrando iniquidades quanto à distribuição das ações e serviços relacionados a assistência farmacêutica, com penalização das regiões mais pobres do país, contrariando o princípio da equidade estabelecido na lei orgânica da saúde, sendo necessário repensar a gestão da assistência, de forma a garantir o acesso qualificado ao medicamento com capilaridade para todas as UBS brasileiras, a partir da execução correta dos mecanismos previstos para a implementação da assistência farmacêutica no SUS”, enfatizou Orácio Carvalho.

Outro aspecto importante do estudo foram os altos percentuais de adequação da assistência farmacêutica em municípios com baixa cobertura da Estratégia Saúde da Família, revelando que a presença dessa estratégia nos municípios não se traduz necessariamente em melhor assistência para a população, contrariando uma das finalidades essenciais, que é melhorar a oferta dos serviços de saúde para as regiões mais vulneráveis do país, incluindo o acesso ao medicamento.

Segundo Orácio, a assistência farmacêutica no Brasil apresenta fragilidades em seu desempenho. “Percebe-se que a assistência farmacêutica na atenção básica da saúde no Brasil é permeada por importantes fragilidades em pontos estratégicos de sua execução, principalmente em municípios pequenos e situados em regiões pobres do país, inferindo a necessidade de qualificação da gestão da assistência farmacêutica com o intuito de capilarizar com qualidade a disponibilidade de medicamentos nos serviços de atenção básica, garantindo dessa forma, o acesso da população aos medicamentos básicos, reduzindo iniquidades sociais”.

Orácio relata que a proximidade com pesquisas avaliativas na área de saúde surgiu desde a universidade. “Desde a graduação, sempre tive interesse por estudos que avaliassem a eficiência das ações e serviços de saúde na atenção básica. Ainda durante os anos de formação superior, tive a oportunidade de realizar dois ensaios descritivos que avaliaram a qualidade de ações programáticas no contexto da atenção básica. Na especialização, tive a oportunidade de desenvolver um estudo sobre avaliação de conhecimentos de profissionais de saúde sobre reanimação neonatal. Nesse sentido, é perceptível a minha aproximação para com estudos de natureza avaliativa no contexto da saúde”.

SOBRE O PPGVIDA

O PPGVIDA é um programa de mestrado do ILMD/Fiocruz Amazônia, que tem por objetivo capacitar profissionais para desenvolver modelos analíticos capazes de subsidiar pesquisas em saúde, apoiar o planejamento, execução e gerenciamento de serviços e ações de controle e o monitoramento de doenças e agravos de interesse coletivo e do Sistema Único de Saúde na Amazônia;  planejar, propor e utilizar métodos e técnicas para executar investigações na área de saúde, mediante o uso integrado de conceitos e recursos teórico-metodológicos advindos da saúde coletiva, biologia parasitária, epidemiologia, ciências sociais e humanas aplicadas à saúde, comunicação e informação em saúde e de outras áreas de interesse acadêmico, na construção de desenhos complexos de pesquisa sobre a realidade amazônica.

As defesas ocorridas no âmbito dos programas do ILMD/Fiocruz Amazônia são abertas ao público. Outras defesas do PPGVIDA devem ocorrer ao longo deste segundo semestre.

ILMD/ Fiocruz Amazônia, por Eduardo Gomes

Alunos da turma de 2016 do PPGVIDA-ILMD têm até novembro para qualificar

Inicia nesta sexta-feira, 1/9, o período de qualificações da turma de 2016 do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA), do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia). Os alunos têm até novembro para qualificar seus projetos.

As qualificações são abertas ao público.

Acesse aqui ao calendário de qualificações.

SOBRE O PROGRAMA

O PPGVIDA tem como objetivo capacitar profissionais para desenvolver modelos analíticos capazes de subsidiar pesquisas em saúde, apoiar o planejamento, execução e gerenciamento de serviços e ações de controle e monitoramento de doenças e agravos de interesse coletivo e do Sistema Único de Saúde (SUS) na Amazônia.

O programa também visa planejar, propor e utilizar métodos e técnicas para executar investigações na área de saúde, mediante o uso integrado de conceitos e recursos teórico-metodológicos advindos da saúde coletiva, biologia parasitária, epidemiologia, ciências sociais e humanas aplicadas à saúde, comunicação e informação em saúde e de outras áreas de interesse acadêmico, na construção de desenhos complexos de pesquisa sobre a realidade amazônica.

Para mais informações sobre o Mestrado em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia, clique.

Ascom-ILMD/Fiocruz Amazônia

Pesquisa descreve a distribuição epidemiológica das notificações de leishmaniose visceral no Brasil e a relação com fatores climáticos e ambientais em área de maior incidência no país

A leishmaniose visceral  (LV) é uma doença infecciosa sistêmica que compromete o fígado e o baço, além de ocasionar a perda de peso, fraqueza, redução da força muscular, anemia, dentre outras manifestações.

A doença, que tem como principal vetor o flebotomíneo Lutzomyia longipalpis, conhecido como mosquito palha e como agente etiológico, o protozoário, Leishmania infantum, é classificada como Doença de Clima Tropical Negligenciada, e está em franca expansão geográfica no Brasil.

O estudo intitulado “Fatores associados à distribuição epidemiológica e espacial das notificações de leishmaniose visceral, Brasil, 2001 a 2014” foi apresentado, no último dia 29/8, por Lisiane Lappe dos Reis, para obtenção do título de mestre pelo Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Condições de Vida e Situações de Saúde na Amazônia (PPGVIDA), do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), sob orientação da Prof.ª Dr.ª Maria Jacirema Ferreira Gonçalves.

A pesquisa teve como objetivos descrever a distribuição epidemiológica, espacial e temporal das notificações de leishmaniose visceral no Brasil, além de identificar as diferenças entre os períodos 2001 a 2006 e 2007 a 2014 e correlacionar fatores ambientais e climáticos com a taxa de incidência de LV no estado de Tocantins (maior incidência de LV no país, no período estudado).

Os resultados foram alcançados a partir da análise das notificações de LV e taxas de incidência agrupadas por estados, regiões e municípios brasileiros. Também foram analisados dados sociodemográficos, clínicos e evolução dos casos no conjunto dos anos e apresentados pelo número e percentual.

Foram notificados 47.859 casos de LV entre 2001 e 2014 no Brasil, com predomínio na macrorregião Nordeste, que também é a única a apresentar diminuição da taxa.

RESULTADOS E CONCLUSÕES

O estudo concluiu que no País, a LV está predominando na zona urbana e em menores de 4 anos, embora tenha ocorrido aumento em maiores de 40 anos no segundo período. Além de Tocantins, destacam-se novos focos na macrorregião Sul e leve decréscimo no Nordeste.

Constatou-se também que a LV é uma doença influenciada por variáveis climáticas e ambientais, as quais podem proporcionar condições ideais de desenvolvimento do vetor.

Tocantins apresentou a maior taxa bruta de incidência, o que contribuiu para o aumento da LV na macrorregião Norte. Neste estado, também foi identificada correlação significativa entre a taxa de incidência de LV e variáveis climáticas e ambientais, cuja tendência é linear e significativa.

O estudo apontou a expansão territorial da LV no Brasil, verificada no mapeamento da taxa bruta de incidência por município e da situação do registro de casos caninos autóctones e do vetor nos estados que não apresentam casos humanos autóctones. Em relação à distribuição temporal, esta mostrou estabilidade da taxa no Brasil, com diferenças regionais.

Da esquerda à direita: Miriam Rocha, Lisiane Reis, Jacirema Gonçalves e Jorge Augusto Guerra

Foram membros da banca os professores Dr. Jorge Augusto de Oliveira Guerra, Fundação de Medicina Tropical Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), e  Dr.ª Miriam da Silva Rocha, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

SOBRE O PPGVIDA

O PPGVIDA tem como objetivo capacitar profissionais para desenvolver modelos analíticos capazes de subsidiar pesquisas em saúde, apoiar o planejamento, execução e gerenciamento de serviços e ações de controle e monitoramento de doenças e agravos de interesse coletivo e do Sistema Único de Saúde (SUS) na Amazônia.

O programa também visa planejar, propor e utilizar métodos e técnicas para executar investigações na área de saúde, mediante o uso integrado de conceitos e recursos teórico-metodológicos advindos da saúde coletiva, biologia parasitária, epidemiologia, ciências sociais e humanas aplicadas à saúde, comunicação e informação em saúde e de outras áreas de interesse acadêmico, na construção de desenhos complexos de pesquisa sobre a realidade amazônica.

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Marlúcia Seixas e  Eduardo Gomes

Empresários do Amazonas podem potencializar os negócios com linha de crédito

Convênio entre Afeam e Finep possibilitará financiamento de até R$ 500 mil por projeto inovador. Fapeam participará da análise dos projetos

Após o sucesso de programas como o de Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica em Micro e Empresa de Pequeno Porte (Tecnova-AM) e o de Apoio à Pesquisa em Empresas na Modalidade Subvenção Econômica a Micro Empresas de Pequeno Porte (Pappe Integração), os empresários poderão potencializar seus respectivos negócios por meio da linha de financiamento destinada a projetos de inovação tecnológica, a Inovacred, que disponibilizará até R$ 500 mil para desenvolvimento dos produtos e/ou serviços.

 MesaFalaMarceloCamargoFinep(Da esquerda para direita)  o diretor-presidente da Fapeam René Levy, o diretor de crédito da Afeam Jacques Douglas, o diretor-presidente da Afeam Alex Del Giglio e o representante da Finep Marcelo Nicolas Camargo

O convênio para a implementação da Inovacred foi assinado, na quarta-feira (30), pela Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) irá participar do processo analisando o mérito de projetos das empresas interessadas em adquirir o financiamento.

De acordo com o presidente da Afeam, Alex Del Giglio, serão apoiados projetos que tenham aplicação inovadora. O financiamento é aberto a toda e qualquer empresa que se enquadre nessa linha. Os setores contemplados serão os seguintes: agronegócio, eletroeletrônica, tecnologia da informação, bioeconomia, novos materiais, biotecnologia, energia, petróleo e gás, logística e turismo, tecnologia de alimentos e meio ambiente.

“Esse financiamento é um novo marco para a Afeam e muito importante para o Estado. Sem dúvida, o financiamento em inovação é capaz de transformar sociedades. A gente percebe muito em outros países, inclusive, existe um prêmio internacional que diz que a educação e a inovação seriam os pontos fortes pra distinguir as nações. A parceria com a Finep é uma grande oportunidade de avançarmos com a inovação no Estado. Com certeza daqui há uns anos estaremos em outro patamar”, disse Del Giglio.

presidente da FAPEAM

diretor-presidente da Fapeam,René Levy Aguiar, disse que os empreendedores terão acesso a crédito acessível e importante para desenvolvimento local 

O presidente da Fapeam, René Levy Aguiar, enalteceu o trabalho que vem sendo realizado em prol do fortalecimento do ecossistema inovador. Segundo René, ao longo dos últimos anos, o Governo do Amazonas, através da Fapeam, investiu algo em torno de R$ 35 milhões em programas de inovação por entender sua importância no desenvolvimento do Estado, inclusive no que concerne à geração de emprego e renda para o Amazonas.

“Em 2015, sugerimos à Finep que para o Amazonas um agente local poderia e deveria ser utilizado como financiador e, a partir disso, evoluíram as tratativas para que a Afeam se tornasse a sucessora do Banco da Amazônia (BASA) para os empreendimentos locais. Graças ao trabalho coletivo da Fapeam, Finep e Afeam os empreendedores poderão ter acesso a esse crédito que é acessível e importante para o desenvolvimento da economia local”, ressaltou Levy.

O gerente do departamento de Programas Descentralizados da Finep, Marcelo Nicolas Camargo, reforçou que qualquer empresa dos diversos segmentos poderá solicitar o financiamento, desde que tenha um projeto inovador e que tenha necessidade de crédito, com condições financeiras atraentes, para o desenvolvimento da proposta.

“Essas empresas terão que submeter seu projeto à avaliação da Afeam para o enquadramento das regras do programa. É um programa limitado para microempresas e empresas de médio porte, que seriam empresas com faturamento de até R$ 90 milhões anuais e projetos de até R$ 10 milhões. Dentro disso, há possibilidade de apoiar qualquer tipo de projeto inovador”, disse.

Para o gerente, a linha de financiamento Inovacred é uma oportunidade para empresas que já receberam subvenção econômica, por meio de programas fomentados pela Fapeam, por exemplo, potencializem seus negócios e, de fato, gerem renda para o Estado e concretizem o processo da inovação.

“O Amazonas já é parceiro da Finep através da Fapeam em programas de subvenção, ou seja, em recursos não reembolsáveis. E nós temos empresas que foram do Pappe Subvenção, Pappe Integração e Tecnova, que já desenvolveram seus protótipos e que, provavelmente, vão precisar de crédito para chegar ao mercado e colocar a venda os produtos. A gente diz que a inovação só se completa quando a partir de uma ideia, você identifica isso, faz a pesquisa e realiza a comercialização”, afirmou.

A solenidade de assinatura do convênio também contou com a presença do Secretário Executivo de Ciência, Tecnologia e Inovação (SeplanCTI), Estevão Monteiro de Paula, do diretor de crédito da Afeam, Jacques Douglas, dos representantes da instituições de ensino e pesquisa e dos empreendedores locais.

Assinatura Alex Afeam

Assinatura do convênio possibilitará financiamento de até R$ 500 mil para desenvolvimento de projetos inovadores

 

Texto: Francisco Santos – Agência Fapeam

O post Empresários do Amazonas podem potencializar os negócios com linha de crédito apareceu primeiro em FAPEAM.

Semana de Biologia aborda alianças das Ciências Biológicas

As palestras são gratuitas e abertas ao público interessado. O evento ocorre de 2 a 6 de outubro 

Intitulada ‘Alianças da Biologia’, a trigésima Semana de Biologia da Ufam (Sembio) será realizada de 2 a 6 de outubro. O credenciamento deve ser efetuado às 13h do primeiro dia do evento, no hall da Faculdade de Ciências Agrárias (FCA), setor Sul do Campus Universitário e a solenidade de abertura ocorre às 14h, no auditório Samaúma, localizado nesta unidade acadêmica. Acesse a programação completa.

A iniciativa é do Centro Acadêmico de Biologia (Cabio), em parceria com diversos discentes e docentes do curso. Para participar, é necessário realizar inscrição prévia até a data de início das atividades, para que seja possível a emissão de certificados de horas complementares. As palestras são gratuitas e abertas a todos os públicos interessados.

Segundo a coordenadora do evento, professora Cintia Cornelius, o objetivo é promover um ambiente de intercâmbio de experiências e de conhecimento científico entre acadêmicos de graduação, de pós-graduação e profissionais da área, principalmente. O foco de abordagem será as ‘alianças’ estabelecidas pela Biologia com diferentes âmbitos sociais, científicos e tecnológicos. “Além da temática do ensino e da multidisciplinaridade das Ciências Biológicas, serão discutidas as reformas do ensino médio e seus impactos no desenvolvimento científico, através de palestras e mesas-redondas”, acrescentou a professora.

As palestras abrangem eixos temáticos pertinentes não apenas à produção acadêmica, mas ao interesse público, como a resposta imunológica apresentada por pacientes de tuberculose, os estágios cumpridos em escolas, química atmosférica, entre outras. Confira la ista com todos os palestrantes e com as pautas a serem apresentadas clicando aqui.

Informações: (92) 3305-1797

E-mail: fca@ufam.edu.br

Fonte: Ufam

O post Semana de Biologia aborda alianças das Ciências Biológicas apareceu primeiro em FAPEAM.

Estudo deve contribuir para construção de políticas de inclusão de alunos com deficiência no Ensino Superior

Pesquisa recebe fomento da Fapeam e é realizada com estudantes da Universidade do Estado do Amazonas e conta com a parceria da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Construir políticas públicas que contemplem a inclusão de estudantes com deficiência no Ensino Superior, a partir de suas “próprias vozes” é o objetivo do projeto de pesquisa da pedagoga e mestre em Educação, Joab Grana Reis. O estudo está previsto para ser finalizado em dezembro de 2018.

O estudo é fomentado pelo Governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), através do Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós-Graduados do Estado do Amazonas (RH-Doutorado). A pesquisa tem a finalidade de criar ações que garantam, a partir da realidade local, o acesso, a permanência e a aprendizagem dos alunos com deficiência que, historicamente, carregam as marcas dos estigmas, da desigualdade e da exclusão.

Segundo a pesquisadora, o projeto consiste em investigar a partir das vozes desses estudantes, suas vivências e experiências no cotidiano do Ensino Superior. “Dessa forma conseguiremos compreender, por meio das narrativas das histórias de vida dos estudantes com deficiência, suas vivências psicossociais na Universidade, bem como o sentido da política de inclusão desses estudantes no Ensino Superior”, disse.

17.09.2015 - CRISTIANE VIEIRA - CADEIRANTE - PROAMDE  - FOTO LANA SANTOS_-34Pesquisa pretende criar ações que garantam a pessoa com deficiência o direito ao acesso, permanência e a aprendizagem a partir da realidade local

A pesquisa teve início em 2015, mas o interesse pelo tema veio desde quando Joab começou sua trajetória como professora na área de Educação Especial, em 1992. Em 2008 a pedagoga passou a fazer parte do quadro de docentes da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), aonde vem desenvolvendo atividades de ensino, pesquisa, extensão, entre outras atividades com estudantes com necessidades educacionais especiais.

“Foi dessa vivência e experiência que surgiu o interesse e o desejo de desenvolver esse estudo a partir da escuta das vozes dos alunos que vivenciam sua inclusão educacional no cotidiano da Universidade. Escutando esses alunos, nos aproximamos mais deles e de suas realidades”, contou Joab.

O projeto de pesquisa é realizado com alunos da UEA e foi dividido em duas etapas. A primeira constituiu a pesquisa bibliográfica para a produção dos capítulos da tese, o levantamento dos documentos institucionais que tratam da inclusão educacional de estudantes com deficiência na UEA, o mapeamento desses estudantes e a construção do cenário no contexto amazônico.

Já a segunda etapa terá início no segundo semestre de 2017 em que serão feitas as pesquisas de campo nas unidades da UEA e realizada a entrevista com os estudantes com deficiência, mapeados na primeira etapa, aplicando os procedimentos metodológicos da pesquisa com história de vida.

Parcerias

Além da Fapeam e da UEA, que apoiam o projeto de pesquisa através da concessão de bolsas de estudo e no deslocamento para investigação no campo de pesquisa das unidades acadêmicas da Universidade, na capital e no interior, Joab destaca ainda a parceria com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) onde realiza o doutorado, com o auxílio da Fapeam.

“Considero o fomento de bolsas para estudante de Mestrado e Doutorado pela Fapeam fundamental para incentivar o crescimento e a participação de pesquisadores na produção de novos estudos e pesquisa. E principalmente fortalecer o conhecimento sobre nossa realidade amazônica a partir das vozes de pesquisadores que vivenciam a realidade local. Nesse sentido, destaco a manutenção dos Editais e ampliação de bolsas de estudo”, destacou a doutoranda.

Políticas Públicas

Para Joab, o estudo irá trazer grandes benefícios para os alunos com deficiência no Ensino Superior.

“A partir deste estudo com as narrativas dos alunos com deficiência eles poderão dizer a partir de suas próprias experiências qual o sentido da política de inclusão, bem como suas barreiras, avanços e desafios. Esses dados serão fundamentais para se pensar em ações que contemplem a realidade de inclusão desses estudantes, orientando a Universidade a construir políticas públicas de inclusão desde o ingresso até a formação desses estudantes”, ressaltou a pesquisadora.

Texto- Ada Lima e Francisco Santos – Agência Fapeam

Fotos: arquivo Agência Fapeam

O post Estudo deve contribuir para construção de políticas de inclusão de alunos com deficiência no Ensino Superior apareceu primeiro em FAPEAM.

Famílias afetadas por desbarrancamento em Iranduba recebem madeira da Defesa Civil do Amazonas

Aproximadamente 54 famílias do assentamento Costa do Catalão, em Iranduba, afetada por desbarrancamento de terras, serão beneficiadas com a doação de 20 metros cúbicos de madeira, realizada pela Defesa Civil do Amazonas. O material entregue a Defesa Civil de Iranduba, é fruto de uma apreensão realizada no último dia 28, pela Delegacia Especializada em Crimes [...]



(RSS generated with FetchRss)

Projeto de Lei que garante recursos integrais para UEA é aprovado na Aleam

A Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam) aprovou nesta quarta-feira, dia 30, por unanimidade o projeto de lei 125/2017, que revoga o artigo 6º da Lei 3.022/2005, que garantirá que todos os recursos advindos do Polo Industrial de Manaus serão integrais da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). O deputado estadual e relator do [...]



(RSS generated with FetchRss)

Afeam se torna agente financeiro da Finep e passa a financiar empresas de inovação no Amazonas

A Agência de Fomento do Estado do Amazonas S.A. (Afeam) está acrescentando ao seu portfólio linha de financiamento especialmente destinada a projetos de inovação, a Inovacred. A medida é possível graças ao credenciamento da Instituição junto à Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, que habilita a Afeam [...]



(RSS generated with FetchRss)

Governador David Almeida garante que abono dos profissionais da educação e 13º dos servidores serão pagos em setembro

O governador David Almeida ressaltou na tarde desta quarta-feira, 30, que a decisão do Tribunal de Constas do Estado (TCE) de suspender as operações financeiras do Estado que envolva novas licitações e contratos não engessa sua gestão e o pagamento do abono dos profissionais da educação – pedagogos e professores – e, ainda, a antecipação [...]



(RSS generated with FetchRss)