Suframa e Fiocruz Amazônia discutem possibilidade de parceria para produção de biofármacos na ZFM

Em reunião ocorrida na Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) com a presença do diretor do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), Sérgio Luz, e do vice-diretor de gestão do Instituto, Carlos Carvalho, o superintendente da Suframa,  Appio Tolentino, afirmou que o potencial da região para desenvolver produtos com matéria prima local é algo que deve ser explorado e que pode gerar empregos tanto na Zona Franca de Manaus quanto em outras regiões.

Durante o encontro, ocorrido recentemente, foram debatidas oportunidades de parcerias entre as duas instituições com vistas a estabelecer um polo fitoterápico e de biofármacos na região, com aproveitamento da matéria prima regional.

Para Appio Tolentino, a perspectiva de um polo de fitoterápicos “possibilitará a formação de capital humano qualificado tanto para atender as demandas do setor industrial quanto para o setor comercial e de serviços, e isso poderá fomentar o segmento em todo o País”, afirmou.

Outros pontos positivos com o estabelecimento de um polo de biofármacos na Zona Franca será o incremento da produção de ciência e tecnologia na região, além de aperfeiçoar a cadeia produtiva do setor de medicamentos. “Acredito que temos que buscar uma maior aproximação entre a Suframa e a Fiocruz para realizarmos um trabalho em conjunto, que gere resultados imediatos para a sociedade”, destacou Tolentino.

Para o diretor da Fiocruz Amazônia, “há grandes oportunidades na região que podemos identificar e aproveitar, como a produção em escala industrial do anti-inflamatório ‘unha de gato’, tão conhecido localmente e tão efetivo. Parcerias público-privadas podem contribuir neste sentido”, complementou Sérgio Luz.

Como resultado deste encontro, brevemente o superintendente da Suframa irá conhecer as instalações do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Franguinhos), unidade da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, com vistas ao aprofundamento de parcerias.

Ascom-ILMD/Fiocruz Amazônia
Informações: Portal Suframa

Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente lança novo prêmio

Estão abertas as inscrições para a 9ª edição da Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente (Obsma) da Fiocruz. Coordenada pela Vice-Presidência de Educação, Informação e Comunicação (Vpeic) da Fundação, a Olimpíada é um projeto educativo voltado a professores e alunos da Educação Básica de todo o Brasil, que busca estimular a produção de trabalhos interdisciplinares sobre saúde e meio ambiente em escolas públicas e privadas. As inscrições são gratuitas e vão até 31 de julho de 2018. Acesse aqui o Regulamento.

A novidade na competição é o inédito Prêmio Obsma – Ano Oswaldo Cruz. Unindo-se às homenagens pelo centenário de morte do cientista, a Olimpíada irá conferir esta premiação especial a um trabalho sobre saúde e meio ambiente que tenha utilizado como fontes de pesquisa artigos, capítulos, livros, teses, dissertações e/ou recursos educacionais (multimídias, jogos educacionais, sites, entre outros) produzidos pela Fundação Oswaldo Cruz.

Além disso, a 9ª Obsma vai reafirmar a importância dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) preconizados pelas Nações Unidas estimulando que os trabalhos abordem de forma crítica e criativa temas da Agenda 2030. Uma das formas de promover esta iniciativa será por meio das Oficinas Pedagógicas, que a Olimpíada realiza desde 2013. Nelas, uma equipe multidisciplinar dialoga com grupos de professores sobre as relações entre educação, saúde, meio ambiente e ciência em sala de aula. As Oficinas, que acontecem com apoio do CNPq e parcerias locais, são gratuitas e abertas a professores da Educação Básica do estado, município ou região em que ocorrem, e a programação é sempre divulgada no site e nas redes sociais. Saiba mais aqui.

Professores do Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano) e Ensino Médio, incluindo Educação de Jovens e Adultos (EJA), podem inscrever na 9ª Obsma trabalhos sendo desenvolvidos nas escolas entre 2017 e 2018, inserindo-se em uma das três modalidades: Produção Audiovisual, Produção de Texto ou Projeto de Ciências. As inscrições são gratuitas.

Acesse o site oficial para conferir o Regulamento completo da 9ª edição, os próximos eventos e outras notícias. A Obsma também está no Facebook, no Twitter e no YouTube.

A Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente conta com apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

 Obsma/Fiocruz, por Anna Carolina Düppre

Amazonas alcança status fitossanitário de praga ausente para o cancro cítrico

O Amazonas alcançou o status fitossanitário de praga ausente para o cancro cítrico, tendo como suporte técnico científico e legislativo, a Instrução Normativa (IN), n° 37 de 5 de setembro de 2016, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Esta Instrução normativa trata dos critérios para o estabelecimento e a manutenção do status fitossanitário [...]



(RSS generated with FetchRss)

Defensor público do Amazonas participa de debates com representantes da Corte Interamericana de Direitos Humanos

O defensor público titular da Defensoria Especializada na Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, Roger Moreira, participa do I Seminário Referências Internacionais em Direitos Humanos – Controle de Convencionalidade e Jurisprudência na Corte Interamericana, que acontece hoje e amanhã, 18 e 19 de setembro, no Rio de Janeiro, com a presença do presidente da Corte [...]



(RSS generated with FetchRss)

Governador David Almeida estuda modificar Lei que aumentou imposto dos combustíveis

O Governador do Amazonas, David Almeida, reafirmou nesta segunda-feira, dia 18 de setembro, a intenção de modificar a Lei n. 4.454, de março de 2017, que aumentou em 2% a alíquota do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de óleo diesel e combustível, além de outros itens considerados supérfluos. A medida é esperada pela classe [...]



(RSS generated with FetchRss)

Terceira fase da II Olimpíada Amazonense de Matemática 2017 acontece amanhã, dia 19

 A última fase da II Olimpíada Amazonense de Matemática (OAM/2017) acontece nesta terça-feira, dia 19, no Instituto de Educação do Amazonas (IEA), Centro de Manaus, às 14h, para os 84 alunos da capital. Para os 244 participantes do interior do Estado, as provas acontecem nas respectivas coordenadorias regionais e nas secretarias municipais de educação. A [...]



(RSS generated with FetchRss)

Reforço nas operações policiais e cumprimento de mandados de prisão são intensificados em Manaus

Em reunião na sede da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), na manhã desta segunda-feira (18), órgãos de Segurança discutiram as novas ações que estão sendo implementadas na capital para redução da violência. Dentre as ações previstas estão: o aumento de operações com barreiras nas ruas da capital e o cumprimento de mandados de [...]



(RSS generated with FetchRss)

Em reunião no ILMD/Fiocruz Amazônia, presidente do CNPq  assegura um olhar mais atencioso para Amazônia

Em tom de descontração e esperança o presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Mario Neto Borges, esteve nesta segunda-feira, 18/9, em encontro com pesquisadores do Instituto Leônidas & Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia).

O encontro foi articulado pelo diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, Sérgio Luz, com o objetivo de aproximar a instituição do CNPq, o resultado foi uma reunião animada e participativa onde Mario Neto falou da sua gestão no CNPq, das prioridades e estratégias para o Conselho cumprir seus compromissos, mesmo diante das adversidades.

“A ideia é trazer uma expectativa positiva mesmo num momento de crise e de dificuldade, mas o CNPq está com um olhar muito preocupado, muito dedicado ao potencial que a Amazônia tem, em particular o estado do Amazonas’, declarou Mario Neto ao informar sobre alguns projetos lançados recentemente pelo CNPq, voltados para a região.

“Nós sabemos do potencial que a Amazônia tem, todo brasileiro sabe, então, o CNPq tem essa preocupação no radar. Nós temos desenhados alguns projetos, mesmo nessa dificuldade, como o que foi lançado agora para a biodiversidade da Amazônia; estamos negociando com empresas que têm interesse em explorar a biodiversidade, no sentido de fazer parceria de pesquisa com pesquisadores da área; além de projetos para a questão da saúde, de doenças infecciosas negligenciadas e doenças tropicais”, disse o presidente do CNPq ao defender também a formação de parcerias entre as instituições, inclusive entre as regiões com maior experiência com pesquisa, para o trabalho em conjunto.

Para o diretor do ILMD/Fiocruz Amazônia, a vinda de Mario Neto ao Instituto sinaliza parcerias em projetos na área de saúde, desenvolvimento científico e tecnológico, pesquisa e educação.

Mario Neto assegurou que CNPq em sua gestão terá um olhar atencioso para a Amazônia, para as instituições de ensino e pesquisa da região, em especial para o ILMD/Fiocruz Amazônia.

SOBRE O PRESIDENTE DO CNPq

Mario Neto é graduado em Engenharia Elétrica, mestre em Acionamentos Elétricos, e doutor em Inteligência Artificial Aplicada à Educação. Foi presidente do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e membro do conselho da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

ILMD/Fiocruz Amazônia, por Marlúcia Seixas
Fotos: Eduardo Gomes

Inpa transmite Amazon Day 2017, evento que debaterá questões sobre a Amazônia

O Amazon Day contará com a palestra do pesquisador e ambientalista norte-americano Thomas Lovejoy, referência mundial em biodiversidade. O cientista atua em parceria com pesquisadores do Inpa

Da Redação – Ascom Inpa*

Foto/Arte: SDSN-Amazônia

Para debater sobre as questões que envolvem a Amazônia acontece nesta terça-feira (19) a segunda edição do Amazon Day (Dia da Amazônia). O evento será retransmitido de Nova Iorque para a Amazônia, ao vivo, pela internet . O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), em Manaus (AM), será um dos locais onde haverá transmissão e debate.

O diretor do Inpa, o pesquisador Luiz Renato de França, será um dos debatedores locais do Amazon Day, em Manaus, e falará sobre a Amazônia e a Sociedade Brasileira. O evento no Inpa acontecerá das 9h às 16h, no auditório da Biblioteca, localizada no Campus I. 

O Amazon Day é uma iniciativa da rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (SDSN-Amazônia) da Fundação Amazônia Sustentável (FAS). O evento é parte da Conferência Internacional sobre o Desenvolvimento Sustentável (International Conference on Sustainable Development, ICSD em Inglês) e é voltada para debater como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são alcançados nos países da bacia amazônica.

Durante os debates, que ocorrerão nos hubs onde será transmitida a ICSD, haverá a construção de um documento intitulado “Visão para Amazônia 2030” com participação de diversas organizações e consulta pública em diversos locais da América do Sul. Além do Inpa, a Universidade do Estado do Amazonas (UEA/EscolaNormal Superior) e o Impact Hub Manaus, localizado na Av. Efigênio Salles, 1299, Aleixo, também serão hub de transmissão e debate.

 

Amazon Day 2017

 

Na edição deste ano, o evento trará a palestra do biólogo norte-americano, o ambientalista Thomas Lovejoy, reconhecido como “o padrinho da biodiversidade”. Lovejoy atua em parceria com pesquisadores do Inpa ajudando a criar ainda na década de 1970 um experimento de grande escala denominado atualmente de Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais (PDBFF). O biólogo ganhou o reconhecimento da comunidade científica por ter criado a expressão ‘diversidade biológica’, mas, principalmente, por suas ações no mundo da conservação, em especial, da floresta amazônica.

A palestra de Lovejoy será transmita do Rio de Janeiro, onde participa de terça a quinta-feira desta semana do I Simpósio Preparatório Brasil/França sobre Biodiversidade. Essa reunião é organizada pela Academia Brasileira de Ciências (ABC) e será coordenada pelo pesquisador do Inpa Adalberto Val e pelo cientista Vivaldo Moura Neto.

Para o coordenador da rede SDSN-Amazônia, Virgílio Viana, a importância de uma conferência como a ICSD e o Amazon Day extrapola as fronteiras do Brasil. A conferência busca envolver os países da bacia amazônica e o mundo pelo desmatamento zero e pela erradicação da pobreza na Amazônia.

 

Amazon Day 2017 2

“Nós temos o dever de salientar e mostrar com embasamento científico a importância da conservação da Amazônia, tanto para as pessoas que moram na região, quanto para o resto do Brasil e do planeta que se beneficia dos serviços ambientais das florestas da Amazônia”, disse Virgílio. “Essa agenda envolve os países amazônicos e é essencial para que a visão em comum sobre o futuro da Amazônia chegue ao desmatamento zero e erradicação da pobreza na Amazônia”, completou.

A primeira edição do Amazon Day, realizada no ano passado, reuniu 27 instituições dos países da bacia amazônica e demais países ao redor mundo. Tal evento se destaca por ser um evento internacional que é sustentável e inclusivo. Com baixo custo em sua realização e pouca emissão de carbono, o Amazon Day se diferencia por ser acessível - de Nova Iorque para a Amazônia -, e todos poderão assistir ao evento, que será transmitido, ao vivo, pela internet, no canal da SDSN-Amazônia no Youtube: goo.gl/69ih5x ou participar comparecendo em um dos locais onde o evento será transmitido.

O Amazon Day ocorrerá simultaneamente em alguns países da bacia amazônica e um país da América Central: Manaus-Brasil, Rio de Janeiro-Brasil, Iquitos-Peru, Letícia-Colômbia, Moyobamba-Peru e Turrialba, na Costa Rica. Os participantes abordarão os caminhos para os próximos anos, focando no desenvolvimento, mas que respeite o meio ambiente e os seres humanos.

Hubs em Manaus

Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia – INPA

Auditório da Biblioteca Central – Campus I

Endereço: Rua Bem Te Vi, s/nº, Petrópolis, Manaus - AM, 69067-375.

Telefone: (92) 3643-3100

Horário: 9h às 16h30

Escola Normal Superior - UEA

Endereço: Av. Djalma Batista, 2470 - Chapada, Manaus - AM, 69050-010

Telefone: (92) 3214-5784

Impact Hub Manaus

Endereço: Av. Efigênio Salles, 1299 - Aleixo, Manaus - AM, 69060-020

Telefone: (92) 3236-0658

Horário: 15h às 16h30

Rede SDSN-Amazônia

A Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável para a Amazônia (SDSN-Amazônia) foi lançada em 18 de março de 2014 na Fundação Amazonas Sustentável (FAS). A SDSN-Amazônia é uma rede que visa articular uma rede regional da Bacia hidrográfica amazônica focada em centros de conhecimento, academia, organizações da sociedade civil, instituições do setor público e privado e aspira acelerar o desenho e implementação de caminhos e soluções sustentáveis para a Amazônia.

Esta iniciativa faz parte da Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável da ONU (SDSN Global www.sdsn.org). A SDSN Global foi lançada em 2012 para mobilizar o conhecimento científico e tecnológico global sobre os desafios do desenvolvimento sustentável, incluindo a concepção e implementação da agenda global de desenvolvimento sustentável pós 201

*Com informações da SDSN-Amazônia

A maior folha do mundo, a Coccoloba em breve será identificada até a espécie

 

Depois de acompanhar o cultivo no Campus do Inpa desde a germinação até a inflorescência e frutificação, a Coccoloba ssp. receberá estudos taxonômicos que ajudarão na identificação completa da espécie

 

Por Luciete Pedrosa – Ascom Inpa

Foto: Acervo Cid Ferreira – pesquisador

 

Vinte anos depois de entrar para o livro do Recordes como a maior folha do mundo, a Coccoloba finalmente poderá ser identificada pela ciência. Observada pelos pesquisadores pela primeira vez na região do rio Madeira, na Amazônia, a árvore da família Polygonaceae começou a ser cultivada em 2005 no Campus do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC), em Manaus, e após florescer em 2013, frutificou neste ano. Com material fértil completo (flores e frutos), os pesquisadores agora poderão descrever a espécie, que por sugestão, deve receber o nome :  Coccoloba Inpae, em homenagem ao Inpa.

 

“Agora é que vamos desvendar os mistérios da maior folha até hoje encontrada na Amazônia”, diz o pesquisador do Inpa, o doutor especialista em florística e fitossociologia Carlos Alberto Cid Ferreira, que encontrou inicialmente a Coccoloba, em 1983, numa expedição do Projeto Flora Amazônica realizada ao rio Canumã, afluente do rio Madeira, na região do município de Borba (Amazonas). Em 1997 a Coccoloba entrou para o Guiness Book. A folha dicotiledônea (planta superior) mede 2,50 metros de comprimento por 1,44m de largura na fase adulta.  

 

ColetadosfrutosemagostoAcervoCidFerreiraINPA 

 

Em agosto deste ano, os pesquisadores coletaram os frutos maduros da Coccoloba, uma espécie ainda desconhecida pela ciência. Parte do material é analisada pelos pesquisadores do Inpa Sidney Ferreira e João Batista Gomes, que estão fazendo outros experimentos com relação à germinação das sementes. A descrição da espécie deve ser feita em parceria com outras instituições.

 

Outra parte dos frutos é pesquisada pelo pesquisador Jaime Paiva no Laboratório de Físico-Química de Alimentos do Inpa para saber o teor nutricional dos frutos. “Vamos fazer análises de vitaminas, minerais (cálcio, magnésio, manganês, potássio, sódio, zinco, cobre) e também análise protéica, de lipídio e de carboidrato (valor energético)”, explicou o pesquisador.

 

Outra observação interessante aconteceu no momento da coleta dos frutos. Foi possível vê que passarinhos como Bem-te-vis foram vistos comendo os frutos. Acredita-se que outros pássaros também se alimentem da espécie e que as aves possam ser no futuro dispersores da Coccoloba na região de Manaus. O pesquisador Renato Cintra vai testar a hipótese.

 

Dr. Cid Ferreira fruto Coccoloba Acervo Cid Ferreira INPA 1

 

Cid Ferreira já coletou mais de 10 mil plantas da Amazônia, inclusive várias espécies novas. “Eu me sinto orgulhoso de contribuir para a botânica ciência na região amazônica e de ver que a Coccoloba está registrada no maior Herbário da Amazônia brasileira  e cultivada em dois campi do Inpa continua rendendo boas pesquisas”, conta Ferreira.

 

A Coccoloba é uma planta de caule lenhoso, que quando cultivada chega a alcançar até 13 metros altura. Segundo alguns fisiologistas que analisaram os indivíduos cultivados, esta espécie trabalha 24 horas por dia, ao contrário das plantas comuns. Isso acontece porque a Coccoloba além da fotossíntese natural, suas folhas também armazenam energia durante o dia e na ausência de luz, ou seja, à noite.

 

Trajetória

 

Dez anos depois da expedição no rio Canumã, Cid Ferreira, em companhia dos pesquisadores Dr. Rogério Gribel (Inpa) e Jaime França (Ibama/Brasília), estiveram na Floresta Nacional do Jamari (Rondônia), em 1993, e de uma única árvore coletaram  três folhas. Esta planta está registrado na coleção botânica de C. A. Cid Ferreira & Rogério Gribel e J. França com o número 11.150 em 28/09/93 e catalogada no Herbário do Inpa com o número 171.619. Com relação às folhas coletadas, uma está depositada no Herbário e outra na Casa da Ciência. Uma terceira folha foi doada ao Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG).

 

Segundo o pesquisador, em 2005, ele recebeu a informação de que Floresta Nacional do Jamari (Rondônia) a árvore estava frutificando, então foi até o local coletar as sementes. Em 2006, foi feito o plantio das mudas, nos Campus I e III do Inpa, que floriram em 2013.

 

ArvoredaCoccolobaplantadanoInpaFotoCidaFerreiraInpa 

 

Cid Ferreira conta que quatro indivíduos são monitorados desde o seu plantio e que apenas um frutificou. Segundo ele, em 2010, foi feito o acompanhamento, durante o ano todo, da produção de folhas de cada uma das árvores. O maior tamanho que elas conseguiram atingir foi de até 1,70 metro de comprimento por 1,30 metro de largura.

 

O pesquisador explica que o fato da demora (até hoje não se tem conhecimento quanto tempo leva no habitat natural) da Coccoloba florescer e frutificar foi em função da planta ter saído do seu habitat natural e ter vindo para outro ambiente diferente da floresta onde foi encontrada. “Aqui, no Inpa, ela está numa área descampada, onde é cultivada, e isto pode ter influenciado na ausência de polinizadores, solo e outros fatores ambientais”, diz Cid Ferreira.

Todas as notícias em um só lugar